FECHAR <-


  • Postagens com o marcador "Professores":
  • Mente Renovada - Fundamento para uma verdadeira transformação

    O tema em questão aborda a necessidade de transformação da vida do indivíduo, seja homem ou mulher que, ao aceitar a fé cristã, obtém uma experiência pessoal com Cristo. E quando passa a receber a benéfica influência da mensagem do Evangelho em sua vida que a conduz ao arrependimento de seus pecados levando-a à conversão. O Espírito Santo a convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8-11) e esta ação é capaz de fazê-la nova criatura, como nos afirma o apóstolo Paulo (2Co 5.17), fazendo-a cristã.

    Como deve Ser o Ensino do Professor da Escola Dominical?

    Este artigo nos ajuda a compreendermos o conceito de ensino e a maneira ideal para o professor (a) da Escola Dominical ministrar as suas aulas.

    I. O Que Significa Ensinar

    🔍Aprofunde seu conhecimento, veja:

    Sou Professor (a) da Escola Dominical, por onde eu começo?Como manter a Atenção dos Alunos na Aula?

    Três Etapas para o Preparo da Aula da Escola Dominical

     💡Se a sua ministração já é de boa qualidade, ficará ainda melhor! Se você sente que as suas aulas ainda precisam melhorar, então terá a ajuda necessária!

    As Qualificações Espirituais do Professor da Escola Dominical

    Além de ser vocacionado e dispor das aptidões naturais, o professor da Escola Dominical deverá investir na qualificação necessária ao excelente desempenho de sua função docente.

    Quem Pode ser Um Professor da Escola Dominical?

    1. Como Identificar um Autêntico Candidato ao Magistério Cristão

    A igreja que pensa na educação cristã relevante deverá destinar regularmente à Escola Dominical uma verba de seu orçamento a fim de que ela funcione plenamente e a contento. Deverá ainda providenciar materiais didáticos, mobílias e salas pedagogicamente planejadas. Isso é imprescindível! Mas, e quanto aos recursos humanos? A igreja sabe predispô-los, gerenciá-los? E justamente nesse ponto que a maioria dos líderes, superintendentes e dirigentes de escolas dominicais têm problemas importantes. A maior dificuldade, por incrível que pareça, reside na indisponibilidade dos recursos humanos ou na imperícia e insensibilidade para lidar com eles. Ou seja, não são tarefas fáceis, reciclar professores veteranos, ou recrutar e formar os novos para o magistério na Escola Dominical. Geralmente tal complexidade passa pelas seguintes questões: De que maneira os superintendentes alistam e selecionam os professores? Quais critérios utilizam?

    Por estas e outras razões, tentarei, a partir de agora, sugerir algumas diretrizes e estabelecer critérios que justifiquem a escolha dos professores ideais para atuarem na Escola Dominical. Eles deverão ser escolhidos com base na vocação, aptidões específicas e na chamada divina para o magistério cristão.

    🎯 Saiba Mais:

    A Contextualização na Escola Dominical

    A Escola Dominical deve ser estruturada de tal forma que possa ser ao mesmo tempo dinâmica e agradável para todos os alunos. Daí a importância de se separar as classes de alunos por faixas etárias. Tomar-se-ia inviável atender a todas as exigências de todos os alunos, em sua heterogeneidade (crianças, adolescentes, jovens e adultos), em uma classe única. Mas é possível organizar e desenvolver uma ED que seja interessante e relevante para as diversas classes.

    Requisitos para a Pré-qualificação do Professor da Escola Dominical

    Segundo o professor William Burton, “o ensino não é coisa fácil; não pode ser feito com qualquer margem de sucesso por indivíduos indiferentes, mal informados e sem habilitação, portadores de uma personalidade inexpressiva e de limitada experiência vital. O ensino exige amplo conhecimento e sutil perspicácia, aptidões definidas e uma personalidade que se caracterize por sua estabilidade, firmeza e dinamismo.

    O trabalho de ensinar é bem mais complexo do que qualquer outra atividade profissional. Na verdade, para ser executado com perfeição, é, dentre todas as atividades humanas, uma das mais difíceis”.

    Há pessoas que demonstram autêntica vocação para o magistério, mas não reúnem as aptidões específicas necessárias para esse mister.

    1. Que são aptidões específicas?

    Veja também:

    - Práticas Pedagógicas para Professores EBD, Acesse Aqui
    - Curso de Capacitação de Professores (as) da Escola Dominical, Acesse Aqui

    O Superintendente e a dinâmica da Escola Dominical

    Tive o privilégio de crescer em um lar evangélico, meus pais ensinaram-me as Sagradas Letras desde a tenra idade. Durante minha trajetória cristã não descuidei de minha vida acadêmica e dediquei-me aos estudos da teologia, pedagogia, filosofia, sociologia e ciências das religiões. No entanto, os fundamentos da fé cristã não os aprendi nos bancos acadêmicos e sim nas classes da Escola Dominical. Assim, reconheço a importância da ED na formação do caráter cristão em minha vida. Contudo, eu não teria sido impactado se a ED que frequentei não tivesse sido dinâmica no processo do ensino-aprendizagem. Por isso, apresento neste artigo algumas orientações, em especial ao superintendente de como agir para dinamizar o ensino da ED:

    Aspectos do desenvolvimento social e emocional dos adolescentes

    I. Aspectos do desenvolvimento social dos adolescentes
    A adolescência é um período importante de autoafirmação, quando cada indivíduo cria padrões internos particulares, ao mesmo tempo em que precisa estar conectado cognitivamente e inserido socialmente no mundo que o cerca. Para ajudar os alunos, os professores de adolescentes precisam conhecer os aspectos físicos, sociais e emocionais mais importantes do desenvolvimento nesta faixa etária.

    O professor da Escola Dominical como difusor do pensamento cristão

    A história do pensamento cristão é resultado do trabalho realizado pelos Pais da Igreja, um grupo seleto de estudiosos que patentearam suas ideias ao longo da história do Cristianismo. Com o passar dos anos e a institucionalização da igreja, essas ideias assumiram novas formas, espaços e personagens. Nesse contexto, está a importância do trabalho do professor da Escola Dominical como difusor do pensamento cristão e formador de opinião.

    Compreender em que consiste o pensamento cristão e os tratados de Cristo deixados à sua igreja exigiu dos Pais da Igreja muita dedicação e cautela para que não fossem interpretados como hereges. Até os dias atuais, muitas dessas ideias são questionadas e discutidas nos seminários de ensino teológico por todo o mundo.

    Com o crescimento da Igreja, surgiu a necessidade de haver pessoas capacitadas e responsáveis por ensinar fielmente as verdades doutrinárias tendo a Bíblia como base. Esta é uma tarefa que exige de tal pessoa bastante flexibilidade para que as discussões não saiam do campo das ideias e declinem-se para o lado pessoal. Afinal de contas, a profecia bíblica não "é de particular interpretação; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo" (2 Pe 1.20,21).

    Veja também:
    1) Aulas dinâmicas e criativas para adolescentes na Escola DominicalAcesse Aqui
    2) A Escola Dominical e as diferentes geraçõesAcesse Aqui
                          
    Desde então, o professor de Escola Dominical tem sido este canal de difusão do conhecimento bíblico. E não somente difusão, mas também formação do pensamento cristão nos crentes que frequentam a Escola Dominical. Este processo ocorre mediante a influência do professor, seja pela exposição dos conteúdos bíblicos ou mesmo por seu comportamento exemplar. Inevitavelmente, o professor da Escola Dominical assume esta incumbência sem ao menos perceber que está sendo usado para formar o caráter de Cristo em seus alunos.

    Escola Dominical: um Espaço de formação cristã

    A partir do século XVI, com o advento da reforma protestante, foi possível notar certa inclinação dos líderes da igreja por uma abordagem mais bíblica sobre a conduta cristã. Então, no século XVIII, mais precisamente no ano 1783, surge oficialmente a Escola Dominical, um importante espaço de disseminação do conhecimento bíblico e doutrinário.

    A Escola Dominical é um ambiente fundamental para a formação cristã, tendo em vista que é nele que se configura a compreensão do pensamento cristão, quais as bases doutrinárias que compõem a espinha dorsal do evangelho, e quais os valores bíblicos inegociáveis que regem a ética cristã. Todas essas questões são indispensáveis para o aperfeiçoamento do caráter cristão. É a partir da reflexão sobre os princípios bíblicos que os crentes podem examinar se as suas ações estão ou não em conformidade com a vontade de Deus.

    Uma vez que o crente é esclarecido, pode perfeitamente pensar a suas ações e mudar hábitos que não agradam a Deus. Logo, a transformação do caráter requer, antes de qualquer coisa, o entendimento da verdade para que as boas ações se transformem em hábitos. Quando a pessoa abandona velhos hábitos e assume novos em conformidade com a Palavra de Deus, então, fica evidente que houve verdadeiramente uma mudança de caráter. Essa mudança é um processo contínuo que se segue conforme o amadurecimento da fé.

    A ESCOLA DOMINICAL NÃO É UM ESPAÇO RESERVADO PARA DISCUSSÕES DE "QUESTÕES INSENSATAS
    É importante ressaltar que a Escola Dominical não é um espaço reservado para discussões de "questões insensatas". O apóstolo Paulo admoestou a Timóteo que não entrasse em tais questões (cf. 1Tm 2.23). Há assuntos que são improdutivos para a vida espiritual da igreja e devem ser evitados. Em contrapartida, a finalidade do estudo bíblico é promover um ambiente de comunhão e reflexão sobre os preceitos e valores da Palavra de Deus. Somente as Escrituras têm a autoridade máxima sobre quaisquer questões que os estudiosos queiram afirmar. A Bíblia é o código de ética para a conduta do cristão.

    O professor como formador de opinião

    O que significa formar a opinião do outro? Significa influenciar a forma como o outro pensa ou levá-lo à reflexão sobre a forma correta de pensar. Esta é uma tarefa de grande responsabilidade, e neste caso, vale aqui uma observação: formar opinião, inevitavelmente, é uma postura que o professor assume sem ao menos perceber que está influenciando alguém. A atividade docente, assim como a figura dos pais, exerce uma influência significativa na vida das pessoas. A opinião do professor, ainda mais se tratando do conhecimento bíblico, serve de os alunos aprendam a ética cristã e amadureçam na fé.

    A Bíblia é bem clara ao ressaltar que a função do professor deve ser exercida com dedicação (cf. Rm 12.7), porquanto, cada palavra dita em um estudo bíblico, ou mesmo na Escola Dominical, deve ser preparada com muita responsabilidade a fim de que as pessoas que ali estão frequentando, com a finalidade de aprender a Palavra de Deus, não saiam mais confusas do que quando entraram.

    Para tanto, o professor deve evitar ao máximo qualquer discussão que considere as escolas teológicas e não os textos bíblicos. Não significa dizer que o estudo sobre o que afirmam as escolas teológicas não seja importante para o crescimento na fé. Entretanto, faz-se necessário aos crentes aprenderem rem, primariamente, as doutrinas basilares que fundamentam a fé cristã. São elas que servirão de estrutura para que o crente cresça espiritualmente de maneira saudável e saiba como responder a qualquer que perguntar a razão da sua fé e sobre o que acredita (cf. 1 Pe 2.15). Sendo assim, é imprescindível que o trabalho do professor seja conduzido de forma didática, ou seja, é preciso perceber os níveis de aprendizagem próprios de cada classe para que as discussões não atinjam níveis inacessíveis a ponto dos alunos não conseguirem entender a proposta dos conteúdos ministrados.  Afinal de contas, a finalidade do ensinamento bíblico é a edificação espiritual.

    CONCLUSÃO
    Por fim, vale destacar que o papel do professor é indispensável para a sustentabilidade espiritual da igreja. A formação do caráter cristão passa pelas mãos não apenas daqueles que apascentam ou cuidam da integração de novos convertidos à fé, mas também por aqueles que são responsáveis pelo ensino. Os professores exercem influência relevante na compreensão dos preceitos bíblicos com vista no aperfeiçoamento da fé.

    Os tempos mudaram e as verdades doutrinárias da Bíblia já não são mais propriedade intelectual exclusiva dos Pais da Igreja ou mesmo das instituições religiosas que se diziam cristãs ou representantes de Deus na terra. A Palavra de Deus está disponível a todo aquele que crê em seu poder.

    Neste contexto, o que mais a Escola Dominical de muitas igrejas precisa é investir no aperfeiçoamento de seu corpo docente. Professores preparados a partir dos conhecimentos teológico, bíblico e pedagógico servirão melhor ao Corpo de Cristo. Se assim estiverem, certamente, serão instrumentos poderosos nas mãos do Senhor da Obra para que os demais crentes estejam fortalecidos na fé, aptos e preparados para "toda boa obra" (2Tm  3.16,17).

    Artigo extraído da Revista Ensinador Cristão Nº 81 do 1º trimestre de 2020


    Estudo Publicado em Subsídios EBD – Site de Auxílios Bíblicos e Teológicos para Professores e Alunos da Escola Dominical.

    Educação Formal e Informal



    Procedente do vocábulo latino educatione, a palavra “educação” significa etimologicamente: extrair. Em termos pedagógicos, educar pressupõe o desenvolvimento pleno das faculdades físicas, intelectuais, morais e espirituais do ser humano, implicando mudanças de comportamento no educando em virtude da educação recebida.

    Como era A Docência na Igreja Primitiva?

    A nascente comunidade cristã prolonga o ministério docente da Igreja, agora à luz da morte e ressurreição de Cristo e o advento do Espírito (At 2; 9.31; 20.28).

    A Igreja Primitiva, em todas as suas formas, era sustentada e impregnada pela consciência de ser o Corpo em que habita o Espírito (1 Co 12.27). E o ministério docente da Igreja participa plenamente desta identificação. Paulo, por exemplo, esperava que seu ensino fosse acatado e posto em prática pelas comunidades por onde passava (1 Co 2.13; Cl 1.28-29; 2 Ts 2.15; 1 Tm 4.6-11).

    APROFUNDE SEU CONHECIMENTO
    1) A organização e administração da Escola Dominical - Aqui
    2) O superintendente da Escola DominicalAqui
    3) A História da Escola DominicalAqui
    4) Definindo a Escola Dominical - Aqui

    E-Book Subsídios EBD - 1° Trim de 2020


    Novos Subsídios Bíblicos Completos para cada uma das 13 lições deste 1° trimestre de 2020, Classe da Escola Dominical dos Adultos.
    Esta é uma ferramenta indispensável para professores e alunos que usam as lições Bíblicas CPAD.

    VEJA A DEMONSTRAÇÃO DESTE MATERIAL NO VÍDEO:



    ESTA FERRAMENTA PODERÁ SER UTILIZADA EM:

    1- Escola Dominical

    2- Estudos Bíblicos

    3- Cultos de Ensinos

    4- Seminários Teológicos

    5- Pesquisas Teológicas

    6- Classes de professores da Escola Dominical
    INFORMAÇÕES

    Trimestre: 1° de 2020 - Subsídios para as Lições Bíblicas da CPAD
    - Assunto: A Raça Humana - Origem, Queda e Redenção.
    Edição: 19
    Subsídios Bíblicos: Classe de Adultos
    Páginas: + de 80
    Formato: Apostila em PDF (E-book ideal para ser impressa e encadernada, ou usada no Tablete, Celular e Computador).

    Produção: Subsídios EBD | Escola Bíblica ECB

    Valor: 11,99 [Cartão de crédito ou no boleto]. 

    - Garantia de entrega ou dinheiro devolvido.

    - Forma de entrega: Para o comprador no formato digital - PDF.

    - Prazo de EntregaIMEDIATAMENTE após o nosso sistema identificar o pagamento

    Contatos para suporte ao Cliente/ E-mail
    Ou Acesse nosso Site Aqui

    CONTEÚDO DESTA EDIÇÃO

    Subsídio 1 - Adão, o Primeiro Homem
    Subsídio 2 - A Criação de Eva, a Primeira Mulher       
    Subsídio 3 - A Natureza do Ser Humano  
    Subsídio 4 - Os Atributos do Ser Humano 
    Subsídio 5 - A Unidade da Raça Humana 
    Subsídio 6 - A Sexualidade Humana         
    Subsídio 7 - A Queda do Ser Humano      
    Subsídio 8 - O Início da Civilização Humana      
    Subsídio 9 – O Primeiro Projeto de Globalismo  
    Subsídio 10 - Só o Evangelho Muda a Cultura Humana        
    Subsídio 11 - O Homem do Pecado
    Subsídio 12 - Jesus o Homem Perfeito
    Subsídio 13 - O Novo Homem em Jesus

    Adquira Agora – Clique em nosso Botão do Mercado Pago: 
    Comprar_Aqui
    ===
    =

    Sou Professor (a) da Escola Dominical, por onde eu começo?


    O professor (a) da Escola Dominical deve sempre buscar maneiras de melhorar a sua aula, pensando nisso reunimos aqui alguns estudos para ajudar tanto os professores veteranos quanto os novatos, na busca pela qualidade de suas aulas.

    1) O Professor Vocacionado e sua Capacidade de Incentivar o AlunoClique Aqui

    2) Minhas aulas são monótonas. O que faço? Clique Aqui

    3) A Importância do Planejamento na Escola DominicalClique Aqui

    4) Métodos de Ensino - Clique Aqui

    5) Quero ser um bom professor da Escola Dominical - Clique Aqui

    6) Qual o Melhor Curso para Professores DominicalClique Aqui

    7) O Manual do Professor CriativoClique Aqui


    Disposição para Ensinar é chave na Construção do Caráter Cristão


    Nessa reflexão, quero mostrar para os leitores cinco atitudes que um educador cristão deve tomar para que, através dele, o Espírito Santo produza transformações naqueles que lhe ouvem.
    Saiba Mais:

    A influência do meio na formação do caráter Aqui
    O Professor Vocacionado e sua Capacidade de Incentivar o Aluno – Aqui

    A influência do meio na formação do caráter

    Parte 1. Veja Aqui a parte 2 deste estudo.
    Caráter é a índole que o homem adquire através do meio em que nasce e vive (meio familiar, social, religioso e escolar). Meio em que, num relacionamento favorável ou desfavorável, pode influenciar consideravelmente sua formação e determiná-lo). O caráter constitui o testemunho visível da estrutura de base da personalidade. O verdadeiro sinal exterior de riqueza ou pobreza estrutural.

    1. O homem é influenciado pelo meio
    Podemos observar essa influência desde a tentação e queda do homem no Jardim do Éden, quando a serpente (o Diabo) que estava no Jardim, com sua astúcia, enganou Eva e, consequentemente Adão, a fim de que desobedecessem a Deus e comessem do fruto da árvore proibida. "Disse a serpente: Deus sabe que no dia em que comerdes do fruto proibido se abrirão os vossos olhos e sereis como Ele, sabendo o bem e o mal. E ouviram a voz do Senhor Deus que passeava no Jardim pela viração do dia; e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus", Gn 3.5 e 8.
    Veja também:
    ·          A importância da Psicologia
    ·          Conhecendo nossa Personalidade

    O método mais adequado de ensino

    Atenção! Este conteúdo faz parte do curso 1 para professores da Escola Dominical. Acesse aqui o curso Completo.
    Einstein disse: "Eu nunca ensino aos meus alunos. Somente tento criar condições nas quais eles possam aprender". Horace Mann disse que "um professor que tenta ensinar, sem inspirar o aluno a aprender, está martelando em ferro frio".

    O que uma mente cansada ou doente é capaz de gerar


    Estamos vivendo tempos difíceis. O Diabo tem atacado a mente de muitos professores trazendo preocupação, medo, confusão, tristeza, levando alguns a enfermar no corpo e na alma. A obra de Deus fica prejudicada, pois a pessoa doente não tem força para o trabalho. Precisamos cuidar da nossa mente assim como cuidamos do nosso corpo; afinal, temos uma a responsabilidade de orientar nossos alunos para que cresçam no conhecimento de Deus. A mente é tão importante que deve estar espiritualmente protegida pelo capacete da salvação (Ef 6.17).
    Veja também:
    ·      Minhas aulas são monótonas. O que faço? Aqui
    ·      Quem Domina a sua Mente - Aqui
    ·      Como ter Uma Vida Social e Espiritual disciplinada? Aqui

    Uma mente cansada, doente e afadigada causa reações em todo o corpo. Este dá vários sinais: irritabilidade, dores de cabeça, dores pelo corpo, insônia, etc. Conforme Mateus 15.19, as más ações têm início no coração. 

    A avaliação escolar: instrumento de aperfeiçoamento das práticas de ensino

    O processo de avaliação é para muitos um momento de extremo nervosismo, porquanto há uma expectativa nos alunos em corresponder às exigências da matéria no que diz respeito aos conteúdos aplicados em aula. De outro modo, professores e educadores que estão envolvidos neste processo sofrem com o desgaste em aplicar e corrigir as provas que servirão como instrumento para medir o nível de aprendizado dos alunos. Para que a avaliação seja realizada de forma justa e com sucesso é preciso compreender em que consiste a avaliação e quais os critérios que serão utilizados na hora de avaliar. Sem contar que os objetivos da avaliação não devem ter como foco apenas os alunos, mas também o trabalho realizado pelo professor, visando o aperfeiçoamento da prática docente. O professor que preza pela qualidade do ensino na Escola Dominical não pode desconsiderar este importante aspecto da prática docente.

    Veja também - Novas Lições Dominical: 


    O que é avaliar?

    Por muito tempo, profissionais da área do ensino compreendiam o ato de avaliar apenas como um instrumento de verificação do nível de aprendizado dos alunos. Nesta época, não se considerava as implicações do processo com um todo, o ato de avaliar resumia-se apenas a considerar a capacidade dos alunos em memorizar e aplicar os conhecimentos lecionados em aula. Diga-se de passagem, tal postura desses educadores tinha como objetivo apenas transmitir de forma "bancária" as informações inerentes aos conteúdos do currículo escolar, sem considerar as possíveis dúvidas e críticas aguçadas pela criatividade e curiosidade dos alunos.

    Esse tipo de comportamento dos educadores procrastinou o avanço no processo de ensino- -aprendizagem, tendo em vista que não se pensava em outras formas de avaliação com foco em melhores resultados para a educação. Para tanto, é preciso compreender o conceito de avaliação e definir quais critérios devem ser aplicados neste processo tendo como objetivos não somente elevar o nível de aprendizagem do aluno, mas também identificar que aspectos do trabalho docente devem ser aperfeiçoados de modo que o professor ofereça um ensino de melhor qualidade.

    Como já mencionado anteriormente, avaliar não se resume à verificação, aferição, medição em certas ocasiões. Antes o ato de avaliar vai além de apenas registrar a capacidade de acerto ou a margem de erro dos alunos. Avaliar, de acordo com (HAYDT, 2002), "consiste na coleta de dados quantitativos e qualitativos e na interpretação desses resultados com base em critérios previamente definidos".

    Veja que para este autor o ato de avaliar não se limita ao aspecto quantitativo, embora seja indispensável à aferição dos resultados em valores e a definição de uma média adequada que sirva de parâmetro para determinar o nível de aprendizado atingido pelo aluno. Entretanto, a qualidade em que o aluno processa as informações e as transforma em conhecimento para si implica no significado que tais conteúdos representam para sua dinâmica de vida. Sendo assim, aprender de forma interessante é fundamental para agregar valores e aplicar os conhecimentos à própria realidade. Note a importância da avaliação para o direcionamento dos conteúdos que estão sendo ensinados e, também, para a forma como são ensinados.

    A avaliação como instrumento de aperfeiçoamento do trabalho docente

    O ato de ensinar é uma prática pedagógica que deve ser repensada constantemente. Muitos educadores pensam que somente após vencerem o currículo escolar é possível reservar tempo para rever quais os instrumentos que devem ser aplicados no direcionamento do trabalho docente. Contudo, o professor não pode desconsiderar que a natureza do planejamento é flexível, haja vista as circunstâncias que surgem ao longo das etapas do processo de ensino-aprendizagem.
    Dentre os fatores que devem ser considerado ao longo deste processo são as características específicas de cada aluno e a forma como aprendem. Estudos revelam que nenhuma pessoa aprende da mesma forma que a outra, cada aluno possui um sistema de compreensão que define critérios particulares na hora de assimilar os conhecimentos.

    De acordo com a teoria das "Múltiplas Inteligências" de Gardner (1985, apud NATEL et al, 2013, p. 144), "todos os indivíduos têm como parte de sua bagagem genética, habilidades básicas nas sete inteligências, com potenciais diversos em cada uma delas e, variações em seus desempenhos". Gardner questiona o fato de que se uma pessoa tem facilidade para dominar certo conhecimento não necessariamente significa que tenha mais inteligência, e sim que tal pessoa explora melhor as devidas competências exigidas para aprender o respectivo conteúdo e demonstra facilidade para aplicá-lo.

    A teoria de Gardner provoca uma mudança completa no olhar do professor no que diz respeito à avaliação. O fato de alguns alunos apresentarem dificuldades para aprender certos conteúdos muitas vezes não é falta de empenho, e sim que certos aspectos específicos de cada aluno devem ser considerados na forma como esses conteúdos são apresentados, inclusive, na etapa de atividades.

    Assim sendo, o professor que preza pela qualidade do ensino deve se prover das ferramentas adequadas para que a sua aula atinja os objetivos esperados. Para tanto, a avaliação não deve compreender apenas as capacidades de aprendizagem observadas no aluno, mas também atentar para a qualidade do ensino que o professor oferece. Deve-se questionar se os conteúdos são passíveis de serem assimilados, se os métodos aplicados, de fato, são os mais eficazes para cada ocasião, se os recursos utilizados: visuais, audiovisuais, manuseáveis, etc., são apropriados. Somente um exame criterioso e o interesse do professor em reconstruir a própria prática docente poderão determinar a evolução do seu trabalho.

    Considerações finais


    Concluímos, pois, que a qualidade do ensino é resultado de uma série de fatores que envolvem o ato de ensinar. A avaliação é uma prática pedagógica importante que compões este processo e não deve ser vista apenas como um instrumento para aferir notas. Mais do que isso, é uma prática que deve ser repensada constantemente, porquanto os alunos apresentam necessidades específicas quanto à aprendizagem em cada época. Por esse motivo os critérios de avaliação devem ser revisados a cada trimestre, pois não são apenas os alunos que devem ser alvos da avaliação. O professor também é integrante desse processo e toda vez que o seu aluno não atinge os níveis de aprendizagem esperado, deve ser autocrítico e humilde para reconhecer que o seu trabalho precisa ser revisto.
    O professor de Escola Dominical deve entender que o seu trabalho é diametralmente pedagógico. No ato de ensinar o professor aprende enquanto ensina e qualifica o seu trabalho docente quando entende a necessidade de aperfeiçoamento. Que o amor pelo ensino atrelado ao empenho pela capacitação pedagógica seja o norte de cada professor que se preza a realizar um excelente trabalho na Escola Dominical.

    Artigo: Thiago Santos | Extraído da Revista Ensinador Cristão. - 4º trimestre de 2019; CPAD: Rio de Janeiro, 2019

    Escola Dominical Criativa

    Veja “o passa a passo” para a preparação de uma aula criativa para a Escola Dominical. Você aprenderá organizar seus estudos e pesquisas para uma ministração mais produtiva.
    Veja a vídeo