Mostrando postagens com marcador Anjos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Anjos. Mostrar todas as postagens

Deus em Forma de Anjo: Uma Análise de Gênesis 18.1-15

G√™nesis 18.2 - E levantou os olhos e olhou, e eis tr√™s var√Ķes estavam em p√© junto a ele.

Um desses tr√™s var√Ķes era uma manifesta√ß√£o de Deus (Gn 18.1,13) em forma humana, e os outros dois eram anjos que apareceram como homens. √Č poss√≠vel que Abra√£o n√£o tenha reconhecido, logo de in√≠cio, que os visitantes eram Deus e dois anjos.

Os Anjos de Deus

Neste estudo veremos sobre a natureza, a classificação e o caráter dos Anjos de Deus à luz da Bíblia Sagrada.

Ao nosso redor h√° um mundo de esp√≠ritos, muito mais populoso, mais poderoso e de maiores recursos do que o nosso pr√≥prio mundo vis√≠vel de seres humanos. Bons e maus esp√≠ritos dirigem os passos em nosso meio. Passam de um lugar para outro com a rapidez de um rel√Ęmpago e com movimentos impercept√≠veis. 

Os Espíritos Maus

1. ANJOS DECA√ćDOS
Os anjos foram criados perfeitos e sem pecado, e, como o homem, dotados de livre escolha. Sob a direção de Satanás, muitos pecaram e foram lançados fora do céu. (João 8:44; 2 Ped. 2:4; Jud. 6.)

A Doutrina dos Anjos

Teologicamente a doutrina dos anjos √© chamada de “angelologia. O voc√°bulo “angelologia” procede de dois termos gregos: angelos, traduzido por “mensageiro” ou “enviado”, e logia, “discurso” ou “tratado”. 

Qual é a aparência dos anjos?

Na apar√™ncia f√≠sica, os anjos n√£o est√£o limitados √†s aur√©olas e roupas brancas com as quais geralmente s√£o retratados nas pinturas cl√°ssicas. Uma vez que s√£o esp√≠ritos, podem assumir formas e apar√™ncias variadas. 

Lição 2- A Natureza dos Anjos - A Beleza do Mundo Espiritual

Li√ß√Ķes B√≠blicas do 1° trimestre de 2019 - CPAD | Classe: Adultos | Data da Aula: 13 de Janeiro de 2019
TEXTO √ĀUREO
"Bendizei ao SENHOR, anjos seus, magníficos em poder, que cumpris as suas ordens, obedecendo à voz da sua palavra." (Sl 103.20)

VERDADE PR√ĀTICA
Os anjos são seres reais, espirituais e celestiais a serviço de Deus e enviados para ajudar os que vão herdar a salvação.
LEITURA DI√ĀRIA
Seg. Ne 9.6: Os anjos pertencem a uma ordem da criação de Deus
Ter. Jó 38,6,7: Os anjos testemunharam a criação do universo físico
Qua. Lc 2.13, 14: Os anjos estão organizados em milícias espirituais que povoam o céu
Qui. Cl 1.16: Os anjos são identificados na Bíblia de diversas formas
Sex.1 Tm 3.16: Os anjos assistiram o Senhor Jesus desde o an√ļncio do seu nascimento at√© a sua ascens√£o
Sáb. Hb 1.14: Os anjos são espíritos que servem a Deus e ao seu povo

Lição 2: A Natureza dos Anjos - A Beleza do Mundo Espiritual (Subsídio)

Seja bem-vindo (a) ao subsídio bíblico para a classe de Adultos.
Lição: 2
Revista do 1° trimestre de 2019 – CPAD
Veja a continuação deste estudo em Nosso Subsídios EBD. Vol. 15 РClique Aqui.
INTRODUÇÃO
A criação dos anjos só será entendida plenamente depois de conhecermos os fundamentos da doutrina da criação. Há um processo ordenado na história da criação que se apresenta em três fases distintas como se segue: a criação espiritual; a criação material; a criação da vida sobre a terra.

I РO PROCESSO DA CRIAÇÃO
Deus n√£o precisava criar o universo; Ele escolheu cri√°-lo. Por qu√™? Deus √© amor, e o amor √© mais bem expressado em dire√ß√£o a algo ou algu√©m — assim, Deus criou o mundo e as pessoas como uma express√£o do seu amor, ou seja, Deus criou o universo porque ama cada um de n√≥s.

1. A criação das coisas espirituais
Ao responder aos questionamentos do patriarca J√≥, o Criador disse-lhe, de modo enf√°tico e po√©tico que, quando este ainda nem havia nascido, nem o mundo material havia sido criado, os seus anjos, que s√£o esp√≠ritos criados por Ele, j√° estavam presentes na cria√ß√£o do mundo material (J√≥ 38.1-7). Nesta escritura, Deus procura convencer a J√≥ que o Senhor √© o Criador da terra e a rege com justi√ßa e que, ao criar o mundo material, as estrelas da alva alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus rejubilava (J√≥ 38.7). Na linguagem figurada da B√≠blia, tanto “as estrelas da alva” quanto “os filhos de Deus“ s√£o figuras dos seres espirituais criados pelo Senhor.

De Colossenses 1.16,17, deduzimos que todos os anjos foram criados simultaneamente. Igualmente, deduzimos que a cria√ß√£o dos anjos foi completa naquela ocasi√£o e que nenhum outro anjo foi acrescentado depois ao seu n√ļmero.
2. A criação das coisas materiais
A base dessa declaração está na narrativa bíblica dos primeiros capítulos de Gênesis. Entretanto, a criação material é imensa e abrange todo o sistema solar e outros sistemas existentes e descobertos pelo homem.

A vasta gal√°xia em que vivemos gira a uma incr√≠vel velocidade de 788.410 quil√īmetros por hora. Por√©m, mesmo a esta alucinante velocidade, nossa gal√°xia ainda necessita de 200 milh√Ķes de anos para concluir uma √ļnica rota√ß√£o. Al√©m disso, existe mais de um bilh√£o de outras gal√°xias como a nossa no universo.

Alguns cientistas afirmam que o n√ļmero de estrelas na cria√ß√£o √© igual a todos os gr√£os de areia de todas as praias do mundo. Ainda assim, este complexo mar de estrelas em movimento funciona com not√°vel ordem e efici√™ncia. Dizer que o universo “surgiu" ou “evoluiu" requer mais f√© do que acreditar que Deus est√° por tr√°s dessas estat√≠sticas surpreendentes. Deus criou um universo maravilhoso.

3. A criação da vida sobre a terra
Na criação da terra, o Criador formou a vida física numa combinação do imaterial com o material (Gn 1.11,20-22). Nesta ordem da criação, são incluídos o homem, os animais nas mais variadas espécies, além da vida vegetal.

H√° certa reciprocidade entre anjos e homens como seres espirituais. Por√©m, √© preciso distinguir ambas as cria√ß√Ķes, porque os anjos s√£o apenas seres espirituais e os homens s√£o seres espirituais e materiais. A vida dos anjos √© apenas espiritual. A vida dos homens √© espiritual e f√≠sica. A vida f√≠sica foi criada para propagar-se, por isso, os homens procriam e geram outros homens. A vida dos anjos √© √ļnica e eterna; n√£o pode propagar-se, isto √©, os anjos n√£o procriam.

Os Serafins


"Os serafins estavam acima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés e com duas voavam" (Is 6.2). O título "Serafins" fala de adoração incessante, do seu ministério de purificação e de sua humildade. Eles aparecem apenas uma vez nas Escrituras sob esta designação. Os seres celestiais em foco, na visão de Isaías, tinham forma humana, ainda que, segundo é dito ali, dispunham de seis asas cada um.

O vocábulo "serafim" deve vir da raiz hebraica "Saraph", cuja raiz primitiva queria dizer: "consumir com fogo". Porém, alguns hebraístas a traduzem também por "queimadores", "ardentes", "brilhantes", "refulgentes", "amor" e "nobres"; alguns escritores judeus têm procurado derivar o vocábulo de uma raiz hebraica cognata, "saraph" (queimar, sustentando que os serafins são anjos rebrilhantes). Os menos escrupulosos traduzem também o vocábulo por "serpentes ardentes", ou "áspides voadores" (cf. Is 14.29; 30.6 etc). E finalmente, alguns já pensaram também, em "seres exaltados ou nobres".

Anjos na Declaração das Assembleias de Deus


CREMOS , professamos e ensinamos que os anjos s√£o uma ordem sobrenatural de seres celestiais criados1 por Deus antes da funda√ß√£o do mundo.2 Que eles s√£o seres espirituais: "N√£o s√£o, por- ventura, todos eles esp√≠ritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que h√£o de herdar a salva√ß√£o?" (Hb 1.14). O termo "anjo" significa "mensageiro"; nas l√≠nguas originais, hebraico e grego, era usado para designar seres celestiais, seres terrestres, como os humanos3 e tamb√©m para designar os anjos maus.4 Os anjos s√£o organizados em mil√≠cias espirituais que povoam os c√©us: “E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multid√£o dos ex√©rcitos celestiais, louvando a Deus e dizendo" (Lc 2.13). Eles n√£o s√£o meras figuras de ret√≥rica, nem emana√ß√Ķes c√≥smicas, mas s√£o reais e habitam os c√©us. Jesus disse: "os seus anjos nos c√©us sempre veem a face de meu Pai que est√° nos c√©us" (Mt 18.10). De todas as criaturas, os anjos e os homens possuem uma natureza racional e espiritual que os torna superiores √†s demais criaturas irracionais.

Os Crentes em Relação aos Anjos

1. Devemos estar c√īnscios dos anjos na vida di√°ria.
A Escritura deixa claro que Deus quer que estejamos conscientes da existência de anjos e da natureza de sua atividade. Não devemos portanto supor que seu ensino a respeito dos anjos não diga respeito à nossa vida hoje. Ao contrário, há diversas formas pelas quais nossa vida cristã será enriquecida por termos consciência da existência e ministério dos anjos no mundo, mesmo nos dias presentes.

Quando comparecemos diante de Deus em adora√ß√£o, n√£o nos juntamos simplesmente √† grande companhia dos crentes que morreram e est√£o na presen√ßa de Deus no c√©u, os “esp√≠ritos dos justos aperfei√ßoados”, mas tamb√©m √† grande multid√£o de anjos, “milhares de milhares de anjos em alegre reuni√£o” (Hb 12.22,23). Embora n√£o vejamos nem ou√ßamos normalmente nada como evid√™ncia de sua adora√ß√£o celestial, certamente enriquece nosso senso de rever√™ncia e alegria na presen√ßa de Deus apreciarmos o fato de que os anjos se juntam a n√≥s na adora√ß√£o de Deus.

Veja também:

A Natureza dos Anjos

1. S√£o criaturas.

Os anjos não consistem meramente de forças físicas ou morais, mas são seres espirituais reais e distintos, mas imateriais e incorpóreos fisicamente, criados por Deus (SI 148.2-5; Cl 1.16,17; 1 Pe 3.22). A Palavra de Deus menciona muitas vezes um inumerável exército de Deus constituído de anjos (SI 68.17; Mt 26.53; Hb 12.22; Ap 5.11).
O Catecismo Maior de Westminster nos diz o seguinte:
Deus criou todos os anjos, como espíritos imortais, santos, excelentes em conhecimento, grandes em poder, para executar os seus mandamentos e louvarem o seu nome, todavia sujeitos a mudança (Questão 16).

Os anjos foram criados de uma √ļnica vez, simultaneamente (Cl 1.16); s√£o imut√°veis, n√£o podendo aumentar, nem diminuir o seu n√ļmero, conforme declarou o Senhor Jesus: “... pois na ressurrei√ß√£o, nem se casam nem se d√£o em casamento; mas ser√£o como os anjos no c√©u” (Mt 22.28-30). Em Lucas 20.36, Jesus ensinou que, uma vez criados, os seres celestiais jamais morrem.

Em razão dos anjos serem criaturas, não aceitam adoração (Ap 19.10; 22.8,9). A Bíblia Sagrada proíbe terminantemente que o homem os adore (Cl 2.18).

SAIBA MAIS SOBRE OS ANJOS- Clique Aqui

A Criação dos Anjos

"Quando os anjos foram criados, Deus tinha ci√™ncia de que um deles - Satan√°s -se rebelaria? Por que, ent√£o, criou os an­jos?"

Sim, tinha. Um dos atributos de Deus √© onisci√™ncia. Seu conhecimento √© perfeito, absoluto. Ele conhece o passado, o presen­te e o porvir. Conhece t√£o bem o eterno passado como o futuro eterno. Temos de nos conscientizar dessa verdade. Temos de nos conformar com ela, porque n√£o a pode­mos negar. Se Deus n√£o conhecesse o eter­no futuro, Ele n√£o seria Deus.


S√≥ concebe­mos Deus como aquele ser que tem todo o poder' no C√©u, no Universo, e na Terra. Deus criou os anjos porque necessitava de­les para o servirem, para o glorificarem, para o adorarem. A previs√£o da rebeldia de um grupo n√£o podia impedir que o Todo-poderoso deixasse de executar o que fora planejado.

Como oportuna, incluamos na resposta a esta consulta a seguinte pergun­ta que constantemente nos √© feita, e da qual muitos se valem para depreciar a obra de Deus: "Se Deus sabia que o homem ia pecar, por que o criou?" Respondemos - Deus apesar de saber disso, criou o ho­mem por causa do seu imensur√°vel amor para com aqueles que haveriam de herdar a salva√ß√£o: Hb 1.14.

O plano divino √© eternal e, por isso, nenhuma for√ßa no universo pode modific√°-lo ou impedir que ele se rea­lize. Por causa dos que n√£o quiseram no passado, dos que rejeitam no presente e dos que recusar√£o no futuro a gra√ßa ofere­cida por Deus, esse Deus de amor n√£o po­deria deixar de mostrar a sua inef√°vel bon­dade para com aqueles que no passado aceitaram, para com os que no presente es­t√£o recebendo, e para com os que no futuro aceitar√£o com cora√ß√Ķes transbordando de alegria o eternal plano de salva√ß√£o.

Essas verdades sublimes, que n√£o podem ser contraditadas, est√£o reveladas na Palavra inspirada do ap√≥stolo Pedro: "Eleitos se­gundo a presci√™ncia de Deus o Pai, em san­tifica√ß√£o do Esp√≠rito para a obedi√™ncia", 1 Pe 1.2a. N√£o aceitamos uma predestina√ß√£o arbitr√°ria que permite uma vida desregra­da para os "contemplados" porque isso ofende a santidade de Deus. Mas cremos numa elei√ß√£o em santifica√ß√£o do Esp√≠rito para a obedi√™ncia. Foi para isso que Deus nos chamou, e isso glorifica o seu nome.
 
Divulgação: www.subsidiosebd.com | Fonte: A Bíblia Responde. 2ª edição de 1984 - CPAD

Os anjos tiveram rela√ß√Ķes sexuais com os seres humanos?

Gênesis 6.1, 2 diz: "Quando os homens começaram a multiplicar-se na terra e lhes nasceram filhas, os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram bonitas, e escolheram para si aquelas que lhes agradaram".

O termo "filhos de Deus" (ben√™ ’elŇćh√ģm) √© empregado no AT para anjos ou homens, verdadeiros crentes, compromissados totalmente com a obra de Deus. Entre as passagens que se referem a anjos como ben√™ ’elŇćh√ģm est√£o J√≥ 1.6; 2.1; 38.7; Salmos 29.1; 89.6).

As ocorr√™ncias de ben√™ ’elŇćh√ģm com refer√™ncia a homens que t√™m um relacionamento de alian√ßa com Deus s√£o t√£o numerosas no AT quanto aquelas que se referem a anjos (cf. Dt 14.1; 32.5; Sl 73.15; Os 1.10 ] — e, cremos, Gn 6.2 tamb√©m).

INTERPRETA√á√ēES
V√°rias s√£o as interpreta√ß√Ķes poss√≠veis, no lugar de insistir em que anjos tenham coabitado com seres humanos.

Li√ß√£o 10 – Existem Anjos e Dem√īnios?


- REVISTA JUVENIS PROFESSOR 1¬ļ TR. DE 2018
- Título do Trimestre: Avivamento para a Juventude
- Classe: de 15 a 17 anos – Juvenis
- Editora: CPAD
- Comentarista: Rafael Luz
- Reverberação: Subsídios EBD
Introdução
Quem s√£o os anjos? Quem √© Satan√°s? Estas s√£o algumas quest√Ķes que ser√£o respondidas nesta li√ß√£o. Na aula de hoje, vamos estudar duas mat√©rias da Teologia Sistem√°tica, angelologia, estudo acerca dos anjos e demonologia, estudo sobre Satan√°s e seus dem√īnios.

Vamos utilizar as Escrituras Sagradas para nos guiar. Não queremos nos perder pelo caminho do exagero. O estudo de hoje nos dá a oportunidade de colocar o Diabo e sua turma em seu devido lugar: debaixo da autoridade e da soberania de Deus. Não podemos inverter os papéis. Deus deve ser o alvo maior de nossa atenção, devoção e conhecimento.

Os anjos, e o Anjo do SENHOR

TEXTO B√ćBLICO B√ĀSICO: Jz 2.1 “E subiu o Anjo do SENHOR de Gilgal a Boquim e disse: Do Egito vos fiz subir, e vos trouxe √† terra que a vossos pais tinha jurado, e disse: Nunca invalidarei o meu concerto convosco.”
A Bíblia menciona frequentemente os anjos; o presente estudo provê uma noção geral do ensino bíblico a respeito dos anjos.
I. ANJOS

Anjos s√£o filhos de Deus?

Gostaria de saber se a expressão "Filhos de Deus" em Génesis 6 refere-se a anjos caídos. Em Jó 2, são os mesmos citados em Génesis?

Existem varias teorias sobre quem são aqueles 'filhos de Deus" em Génesis 6 e que merecem a nossa apreciação.
Algumas são incompatíveis com o ensino geral das Escrituras. Destacamos apenas duas teorias para serem analisadas e confrontadas biblicamente.