O Nascimento e suas Implicações na Vida Futura do Bebê

O processo da gestação ao nascimento tem uma importância muito grande no desenvolvimento do ser humano, pois delimita as etapas de vida de uma pessoa.


A vida pré-natal — período de desenvolvimento no ventre — vida aquática que depende inteiramente da vida da mãe para sobreviver e a vida pós-natal — pós nascimento — vida fora do útero da mãe, quando o bebê pode exercer funções que antes dependiam inteiramente da mãe como, por exemplo, respirar, são momentos cruciais para a sua vida futura.

Abordamos, neste artigo, as influências hereditárias e ambientais no desenvolvimento pré-natal, o nascimento, os efeitos psicológicos e os problemas que podem comprometer o desenvolvimento da criança.

 

I -A CONCEPÇÃO

A vida de um ser humano inicia-se no momento da concepção quando a célula espermática consegue atravessar a parede do óvulo. A mulher possui aproximadamente quatrocentos mil óvulos que estão alojados nos ovários aguardando o processo da odisseia germinativa. Cada mês, de 12 a 16 dias antes da menstruação, um desses óvulos sai através da trompa de Falópio e é encaminhado até o útero, após ter crescido, se fortificado e se preparado para o momento decisivo. Através de uma ação hormonal enviada pela hipófise, toda a região é preparada para o acontecimento. Quando o óvulo desce e não encontra os espermatozoides, então, o útero gradualmente se desintegra, expelindo-o através da menstruação. Porém, por meio de um contato sexual milhões de espermatozoides são depositados no interior do órgão genital feminino e movimentam-se através do cérvix e do útero. Se a mulher estiver no período fértil, ou seja, no momento em que o óvulo inicia sua viagem do ovário ao útero, um dos espermatozoides, dentre centenas deles que sobreviveram, penetra no óvulo concebendo-se uma criança.


* Um FETO HUMANO está consciente e é capaz de sentir dor por volta das 18 semanas ou antes

* Não à Descriminalização do Aborto

* Aborto, o Homicídio do Indefeso

*  As mentiras e meia-verdades divulgadas pela propaganda pró-aborto

 

 II - INFLUÊNCIAS HEREDITÁRIAS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO PRÉ-NATAL

Existem vários fatores que contribuem para o desenvolvimento pré-natal:

 

1.      FATORES HEREDITÁRIOS

O núcleo de uma célula possui cerca de 46 cromossomos dispostos em 23 pares. As células germinativas, ao contrário, têm cada uma, apenas, 23 cromossomos, ou seja, a célula germinal masculina (o esperma) e a célula germinal feminina (o óvulo) possuem cada uma 23 cromossomos que se juntam para formar os 23 pares. Os cromossomos possuem pequenas partículas chamadas genes responsáveis pela hereditariedade. Todo o patrimônio genético do indivíduo proveniente dos seus genitores é transmitido pelos genes. Assim, as qualidades físicas específicas, os padrões de crescimento, o temperamento, a inteligência e outras características são herdadas pelo indivíduo.

 

Vale salientar que ao afirmarmos que a capacidade mental ou a inteligência é hereditária não significa que um superdotado, por exemplo, necessariamente tenha todos os seus filhos superdotados também, visto que no ato da fecundação milhares de espermatozoides são liberados com qualidades bioquímicas diferentes e somente um deles penetra na parede do óvulo.

 

A)    ANOMALIAS CAUSADAS POR DIVISÃO CROMOSSÔMICA INADEQUADA OU INCOMPLETA


Podem ocorrer algumas anomalias provenientes de uma divisão cromos-sômica inadequada. Um exemplo prático é a Síndrome de Down (também chamada de mongolismo e trissomia do 21), que ocorre em virtude do cromossomo 21 não se separar adequadamente durante a meiose (processo de duplicação da célula). Uma das células germinativas fica com dois cromossomos 21, enquanto a outra fica sem sobrevivendo a primeira.

 

Outros tipos de anomalias podem ocorrer em função de uma divisão incompleta ou incorreta do cromossomo sexual. Crianças com uma Síndrome de Klinefelter, por exemplo, têm um padrão de cromossomos sexuais XXY, os portadores da Síndrome de Turner apresentam apenas um X e as crianças com um padrão de “duplo Y' possuem XXY. Muitos, embora nem todos os indivíduos portadores dessas anomalias genéticas, têm retardo mental.

 

B) DEFEITOS GENÉTICOS CAUSADOS POR GENES DOMINANTES E RECESSIVOS


Algumas vezes, genes dominantes podem causar anomalias físicas ou moléstias. A criança recebe esse gene específico do pai ou da mãe. Apesar da variedade dessas doenças, elas são comuns. Isso porque, na maioria das vezes, as pessoas que herdaram genes dominantes defeituosos não têm filhos. Uma das anomalias mais conhecidas é a retinoblastoma que é um tipo de cegueira.

 

Várias anormalidades físicas, doenças graves ou fatais são causadas pela transmissão de genes recessivos. Algumas vezes são transmitidas para a criança sem que se saiba de sua existência. Essa transmissão ocorre quando ambos os pais possuem o gene recessivo, no entanto, apenas 25% de sua prole herdará a doença. A hemofilia é a doença mais comum provocada por gene recessivo.


2 - FATORES AMBIENTAIS


A) DOENÇAS DA MÃE

Algumas pessoas fazem uma confusão entre o que é genético e o que é congênito. Para diferenciarmos é importante observarmos se as características não foram transmitidas através dos genes, e sim adquiridas na vida intrau-terina, ou seja, são congênitas em vez de genéticas.

 

Um exemplo prático é a AIDS que pode ser uma doença congênita, mas não é genética, pois não é transmitida através dos genes, mas transferida de mãe para filho na vida intrauterina.

 

Muitas doenças contraídas pela mãe não podem atravessar a membrana placentária e infectar o embrião ou o feto, mas há algumas poucas exceções I nas quais o agente da doença é pequeno o suficiente para passar para a corrente sanguínea do bebê. A rubéola e o sarampo, a sífilis, a difteria, a gripe (influência), o tifo pode, dessa maneira, passar para a criança. Dessa lista, as doenças mais rigorosas para o bebê parecem ser a rubéola e o sífilis.

 

B) DROGAS INGERIDAS PELA MÃE

Pesquisas comprovam que várias drogas prescritas são altamente prejudiciais para o feto, podendo causar lesões ou más-formações físicas, a exemplo do que ocorreu na Alemanha Ocidental e na Inglaterra durante o começo dos anos 60. Quando ingerida nos primeiros 52 dias da gravidez a droga pode levar o bebê a nascer com os membros encurtados ou sem membros.

 

Um outro grande problema é o uso do fumo e do álcool. A mulher que fuma durante a gravidez está sujeita a ter filhos com baixo peso no nascimento, como também ter prematuros ou bebês com algum tipo de deformação. O uso do álcool pode levar a efeitos danosos no desenvolvimento pré e pós-natal.

 

No início dos anos 70, Kenneth Jones e seus colaboradores (Jones, Smith, Ulleland & Streissguth, 1973) identificaram uma síndrome característica das crianças nascidas de mães alcoólatras, a qual denominaram de síndrome de alcoolismo fetal (frequentemente abreviada por SAF). Os bebês, com essa síndrome, geralmente são menores do que o normal, com um cérebro menor, seus rostos são distintamente diferentes, sendo um dos aspectos típicos os olhos pouco abertos, eles geralmente mostram um retardamento mental de suave a moderado e têm pouca coordenação muscular.

 

C) A DIETA DA MÃE

A dieta da mãe é fundamental no desenvolvimento do bebê na vida intrau-terina, visto que o bebê se alimenta por meio da corrente sanguínea da gestante através das membranas semipermeáveis da placenta e do cordão umbilical.

 

Estudos comprovam que os efeitos mais marcantes acontecem nos três primeiros meses da gestação, uma vez que é nesse período de tempo que ocorre o crescimento rápido do sistema nervoso, de maneira que este poderá ser afetado, trazendo consequências a longo prazo como QI rebaixado e desempenho deficiente, principalmente se a subnutrição perdurar após o nascimento.

 

Existem muitas outras influências que podem afetar o desenvolvimento do bebê: a idade da mãe, quando a primeira gravidez ocorre depois dos 35 anos ou antes dos 15; o número de gestações, acima de quatro vezes; e o estado emocional da mãe, principalmente quando ela não deseja a gravidez ou está sob algum tipo de tensão contínua durante a gestação podendo ocorrer um parto prematuro, trabalho de parto prolongado ou mais difícil, aborto, além de uma gravidez mais difícil. A ansiedade constante na gravidez modifica a composição do sangue da mulher, podendo provocar o gene defeituoso sobre o feto em desenvolvimento.

 

D) A IDADE DA MÃE E O NÚMERO DE GESTAÇÕES

Estudos comprovam que uma gravidez precoce ou tardia pode influir no desenvolvimento pré-natal. Dados de pesquisa médica nos Estados Unidos revelam que há maior incidência de mortalidade infantil quando a mãe tem menos de 20 ou mais de 35 anos de idade.

 

Mães idosas correm o risco de terem bebês com síndrome de Down. Quando é a primeira gravidez, há uma propensão a natimortos e trabalho de parto prolongado. Mães jovens correm um risco de abortarem ou terem nascimentos prematuros, além de a gravidez provocar problemas físicos para a mãe, se esta for adolescente, visto que não havia se completado o amadurecimento do seu aparelho reprodutor.


E) O ESTADO PSICOLÓGICO DA MÃE

Uma mãe nervosa, que esteja sob algum tipo de tensão, uma gravidez indesejada ou sob pressão podem ocasionar alguns efeitos negativos no desenvolvimento pré-natal.

 

O estado emocional da mãe pode aumentar consideravelmente a probabilidade de perdas prematuras, trabalhos de parto prolongados ou mais difíceis, inclusive abortos. Além de gravidez mais difícil, aumentam os sintomas de náuseas e vômitos. “Os bebês nascidos de mães tensas e ansiosas são mais irritáveis, choram mais e são mais propensos a terem problemas intestinais (um padrão denominado cólica)" (LAKIN, 1957).


III - FASES DO DESENVOLVIMENTO PRÉ-NATAL

* Cientista critica evangélicas que são a favor do aborto

* Ética Cristã, Pena de Morte e Eutanásia

 

1. FASE GERMINAL

É a primeira fase após a concepção que tem uma duração aproximadamente de duas semanas, também conhecida como período do ovo ou do zigoto.

 

Após a concepção ocorre um processo de divisão celular chamado, na biologia, de Mitose. A fecundação acontece na trompa de Falópio. O óvulo inicia sua jornada até o útero onde será implantado. Nesse percurso, o óvulo fertilizado começa a se dividir formando duas células e, em seguida, essas células se subdividem formando quatro células, as quatro se subdividem formando oito células e assim sucessivamente.

 

Após, aproximadamente, três dias existem muitas dezenas de células que formam uma massa com o tamanho aproximado de uma cabeça de alfinete. Com o estabelecimento do zigoto na parede do útero, duas semanas após a concepção, completa-se a fase germinal e inicia-se a fase embrionária.


2. FASE EMBRIONÁRIA

Essa fase vai desde a implantação do zigoto na parede do útero até aproximadamente oito semanas após a concepção.

 

É um período de evolução muito rápida caracterizado por mudanças no processo de desenvolvimento do ser humano. Cria-se uma série de membranas em torno do embrião que, por sua vez, flutua no líquido amniótico que inunda a cavidade e liga-se à bolsa que o envolve através do cordão umbilical.

 

Há três coisas fundamentais para o desenvolvimento desse novo ser e responsáveis pela proteção, e alimentação até o tempo do nascimento: a placenta, o cordão umbilical e o líquido amniótico.

 

Segundo Heler Bee, o embrião, com oito semanas de vida, tem aproximadamente 3 a 4cm de comprimento e tudo o que se segue: olhos, orelhas, boca que se abre e fecha, nariz, fígado que secreta bílis, coração que bate e um sistema circulatório, braços com cotovelos e pernas com joelhos, dedos nas mãos e nos pés (embora estes últimos se pareçam mais com pé de pato), cauda (que se torna menor após este estágio), o cóccix (o último osso da espinha; é um remanescente desta cauda levando os defensores da teoria de Darwin a se fundamentarem erroneamente afirmando que o homem veio do macaco), medula espinhal e a cartilagem que se tornará ossos.


3. FASE FETAL

O embrião forma-se feto a partir do terceiro mês de gravidez até ao nascimento. Nesse período, ocorre o que chamamos de aprimoramento do que já foi desenvolvido na tese anterior de uma forma ainda rudimentar.

 

A partir da décima segunda semana, o sexo da criança já pode ser determinado. Os primeiros movimentos ocorrem a partir da décima sexta semana quando os ossos começam a se desenvolver.

 

Da 20ª  a 24ª  semana começa o crescimento dos cabelos e o feto apresenta uma aparência mais humana, podendo, inclusive, mostrar sucção do polegar. Os olhos estão completamente formados apesar de se encontrarem fechados. A partir da 28ª  semana, os sistemas nervoso e circulatório estão suficientemente desenvolvidos para suportar a vida.


IV - ESTÁGIOS DO NASCIMENTO

Há três diferentes momentos destacados por Helen Bee para o nascimento de uma criança:

 

1. DILATAÇÃO

Primeiro, ocorre a dilatação, ou seja, a abertura do cérvix para facilitar a expulsão da criança.


2. EXPULSÃO DO BEBÊ

Segundo, ocorre a expulsão real do bebê passando inicialmente a cabeça pelo cérvix, depois pelo canal de nascimento e, finalmente, para fora do corpo.


3. LIBERAÇÃO DA PLACENTA

Terceiro, ocorre a liberação da placenta. Momento em que o cordão umbilical é cortado. A criança finalmente inicia sua vida fora do útero da mãe.


V - O NASCIMENTO E OS EFEITOS PSICOLÓGICOS

O nascimento é visto por vários autores como um trauma psicológico. Há, por exemplo, teorias que afirmam que o choro, ao nascer, é muito mais um grito de protesto ou dor, de medo ou pesar, do que um ruído de natureza mecânica produzido pela primeira aspiração do ar. No entanto, outros defendem que o nascimento faz parte de um processo normal de desenvolvimento.

 

Veja o comentário que Arthur T. Jersild faz sobre o nascimento:


Evidentemente, o fato de nascer é uma convulsão drástica e uma mudança tremenda. A criança é arrancada do calor e da proteção do útero, onde o alimento fluía para seu corpo e onde nem mesmo era chamada a respirar. A partir de agora, precisa esforçar-se para obtê-lo. Está exposta às mudanças de temperatura, aos raios luminosos que impressionam seus olhos, às ondas sonoras que lhe invadem os ouvidos. Em vez de flutuar num restrito ambiente líquido, que é macio, embora firme, jaz agora solta, despida, sem um envoltório, livre para mover-se, enquanto seus membros se agitam no espaço vazio. Sua cabeça verga, se não a amparam. O corpo cai, se não o seguram. Se a criança que está nascendo tivesse capacidade de sentir essas mudanças — para perceber o tremendo contraste, — poderíamos esperar que o processo de passagem do claustro materno para o mundo teria um efeito psicológico atordoante.


VI - PROBLEMAS QUE PODEM COMPROMETER O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

O desenvolvimento do indivíduo inicia-se bem antes do nascimento e continua até a vida adulta. É um processo lento que dura toda a vida. O sujeito passa por um longo período de aprendizagem e interação com outras pessoas até tornar-se totalmente independente.


À medida que estudamos o desenvolvimento, tornamo-nos mais aptos para lidar com ele. A criança ao nascer não é uma criatura completa ou madura. Ela passará por um processo de desenvolvimento e amadurecimento. O cérebro e o resto de seu sistema nervoso não estão, ainda, aptos a funcionar com toda a sua capacidade, assim como ocorre com as pessoas mais velhas. Suas sensações e sentimentos também passam por um processo de aperfeiçoamento. O nascimento faz parte de um processo total mais amplo de crescimento e desenvolvimento.


Existem alguns problemas no ato de nascer que podem comprometer o desenvolvimento normal do indivíduo:

 

1. OS TRAUMAS OBSTÉTRICOS

O esforço do trabalho de parto pode, ocasionalmente, traumatizar fisicamente o recém-nascido.


O parto traumático é mais provável quando a mãe tem medidas pélvicas pequenas, quando o recém-nascido aparenta ser grande para a idade gesta-cional (casos frequentes em mães diabéticas), ou quando há apresentação de região glútea, ou outras posições anormais, especialmente em primíparas (Manual MSD, versão para os profissionais de saúde)


2. AINÓXIA

A Inóxia Neonatal é ausência ou diminuição de oxigênio no cérebro durante o nascimento, podendo evoluir para Encefalopatia Hipóxico-Isquêmica (EHI), acometendo principalmente recém-nascidos a termo e pré-termo, e em níveis extremos aumenta as estatísticas de óbitos.


3. O NASCIMENTO PREMATURO

O nascimento prematuro também representa um grande problema: em alguns casos ocorre um comprometimento no desenvolvimento cognitivo e no modo do indivíduo.


VII - A GESTAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

A gestação e o parto são fatores preponderantes no desenvolvimento da criança e no processo de aprendizagem. Estudos mostram que não é só o corpo que se forma durante a gravidez. A personalidade, a inteligência e os traumas também estão em gestação.


1. O DESENVOLVIMENTO DO FETO

Durante a gestação o feto se desenvolve no útero, uma sala escura e morna, um lugar apertadinho, mas confortável. Dorme cerca de 16 horas e quando desperta é marcado pelos batimentos cardíacos da mãe que até parece um tambor que não para nem durante a noite. Convive ainda com um barulho esquisito de líquidos borbulhando. Ouve, sem poder entender, conversas abafadas do lado de fora, que parece vir de todos os lados ao mesmo tempo, prevalecendo sempre a voz feminina da mãe.


Nas horas que está acordado brinca com o saco transparente que o envolve e se alimenta do líquido amniótico. Cientistas acreditam que o feto já é capaz de sentir o gosto dos alimentos ingeridos pela mãe. O fluido que envolve o feto é aromatizado pelos alimentos e bebidas que a mãe ingeriu nas últimas horas.

 

2. A GESTAÇÃO E O FUTURO DO BEBÊ

O desenvolvimento do feto será influenciado pela velocidade dos batimentos cardíacos da mãe, seu estado emocional, sua alimentação, seu carinho ou o desprezo, expressos nas vozes difusas, pelo gosto do líquido e outros estímulos mais sutis vivenciados durante a gestação.

 

Esse período marca consideravelmente o bebê para sempre, moldando o seu jeito de ser, os seus medos e o seu humor. Se essa experiência for agradável, tudo vai corroborar para o nascimento de uma criança saudável; se for o contrário, a criança poderá nascer com distúrbios psicológicos graves, até mesmo esquizofrenia e autismo.


Artigo: PR. Jamil Lopes

VEJA TAMBÉM:

💡 Lições Bíblicas – Aqui

💡 Estudos Bíblicos – Aqui

💡 Artigos para Professores EBD – Aqui

💡 Notícias do Brasil e do Mundo – Aqui

📚 Veja nossos E-books - Aqui

Auxílios para a Escola Dominical
Receba Lições, Artigos e Subsídios! É Grátis. Digite seu E-mail e em seguida abra o seu e-mail e clique em nosso link de confirmação:

Postar um comentário

0 Comentários