FECHAR <==

LIÇÕES BETEL - Lição 3 A Oração da Gratidão pelo Conhecimento

ASSUNTO DA REVISTA: EFÉSIOS – Uma Exposição sobre as Riquezas da Graça, Misericórdia e Gloria de Deus

Comentarista: Bispo Abner Ferreira

Fonte: Revista Lição Bíblica Dominical – 4° trimestre de 2021 – Revista de Professor


📚 TEXTO ÁUREO

"Orando em todo tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos." Efésios 6.18

💡 VERDADE PRÁTICA

Pela oração nos comunicamos com Deus e cultivamos o necessário contato com Nosso Senhor, para nossa constante edificação.

🎯 OBJETIVO da LIÇÃO

Ensinar os fatores que nos motivam a orar.

Mostrara importância de uma vida de oração.

Explicar os objetivos da oração.

📖 TEXTO DE REFERÊNCIA

EFÉSIOS 1. 15-18

🔥 VEJA TAMBÉM:

O Que Significa Orar – Clique Aqui

A Oração Eficaz – Clique Aqui

A oração de Paulo pelos Efésios – CliqueAqui

LEITURAS COMPLEMENTARES

SEGUNDA | Mt 21.22: A oração e a fé.

TERÇA | Mc 11.24-26: A oração e o perdão.

QUARTA | At 4.31: A oração e o Espírito Santo.

QUINTA | Rm 15.30-32: A oração e a unidade.

SEXTA | Fp 4.6: Oração e súplica, com ação de graças.

SÁBADO  | 1 Jo 5.14: A eficácia da oração.

🔊 HINOS SUGERIDOS 🎵

126,358, 577

🛐MOTIVOS DE ORAÇÃO

Ore a Deus por força e sabedoria para nos conduzirmos em oração.

ESBOÇO DA LIÇÃO

Introdução

1. Fatores que nos motivam a orar

2. A disciplina da oração

3. O objetivo da oração

Conclusão

Veja também:

LIÇÕES BETEL - Lição 2 As Bençãos Advindas da Salvação – Clique Aqui

LIÇÕES BETEL - Lição 1 - O Maravilho Propósito da Salvação – Clique Aqui

 

PONTO DE PARTIDA

Orar é falar com Deus.

 

INTRODUÇÃO

Embora tenhamos recebido de Deus a salvação pela graça, temos a obrigação de orar em todo tempo para que sejamos fortalecidos na fé e prossigamos vencendo as tentações e desfrutando as bênçãos da salvação [lTs 5.17].

1. Fatores que nos motivam a orar

Por intermédio de Jesus Cristo, Deus está formando um povo para Si [At 15.14; Ef 2.14]. Para tanto, a Igreja é enviada ao mundo para anunciar a mensagem de Cristo e do amor de Deus a todos os homens.

 

1.1. A oração vinda de um coração alegre.

A fé e o amor que havia na vida dos santos de Éfeso foram o combustível para que Paulo intercedesse por eles para que fossem ainda além [Ef 1.16-17]. Sendo Cristo o objeto da sua fé, os santos se tornaram o objeto do seu amor. Paulo tinha sensibilidade para separar as coisas espirituais das que eram carnais, e viu nos santos, inspiração para orar. Quando nos ocupamos com o que a graça de Deus opera na vida dos santos, temos sempre muitos motivos para dar graças. A oração feita aqui vai além de devoção ou compromisso, ela exprime a alegria de um coração agradecido por ver um povo de bem com Deus.

O apóstolo Paulo não somente fundou a igreja naquela região, ele também a acompanhava de perto. Qual é o pai que não se sente feliz ao ouvir que seus filhos estão trilhando caminhos de sucesso? Assim como todo bom pai, e como todo bom semeador, ele se alegrou com o desenvolvimento e o progresso do que havia semeado. Essa motivação lhe conduziu a orar para que eles alcançassem altos níveis de vida espiritual [Ef 1.15-19].

 

1.2. A fé exercida pelos santos.

A igreja estava numa área estratégica. Éfeso era uma cidade portuária que atraía pessoas de várias culturas. A cidade cultuava a deusa Ártemis ou Diana, a deusa da fertilidade, que era representada por uma figura feminina com muitos seios. Havia uma grande estátua de Ártemis, no grande templo. A festa de Ártemis envolvia orgias, libertinagem sexual e bebedeira. A vida religiosa e comercial de Éfeso girava em torno da adoração àquela divindade pagã. Mesmo em meio a essa pressão idólatra, os crentes de Éfeso se mantinham inabaláveis e fiéis ao evangelho que haviam recebido [Ef 1.15].

 

Quando Paulo escreveu essa epístola, ele estava na prisão. Quando ouviu tais notícias, ele ficou feliz e realizado. De acordo com o contexto histórico dessa cidade, a fé demonstrada por esses cristãos era sólida e resistente. Paulo estava completo. Havia chegado a seus ouvidos um relato da fé e do amor que eles tinham para com todo o povo consagrado de Deus. Essas são as duas coisas que caracterizam a Igreja verdadeira: a fidelidade a Cristo e o amor aos homens [Mt 22.37-40].

 

1.3. O testemunho dos santos.

Esta igreja destacou-se por sua fé e seu amor. O amor não era para essas pessoas simplesmente um lema ou um rótulo. Os cristãos daquela congregação expressaram um amor verdadeiro, baseado em sua fé no Senhor Jesus [Ef 1.15]. Existe uma forma de lealdade a Cristo que não leva ao amor a nossos semelhantes, mas ao cumprimento religioso de certos hábitos e ritos que quase sempre isolam o cristão dos demais. Um verdadeiro cristão deve amar Cristo e amar a seus semelhantes [l Jo 4.20-21]. Por mais ortodoxa que seja uma igreja, por mais pura que seja sua teologia e por mais nobre que seja sua liturgia, ela não é uma igreja verdadeira no sentido real do termo, a menos que seja caracterizada pelo seu amor por seus semelhantes.

 

O verdadeiro cristão sabe que não pode mostrar seu amor a Cristo de nenhuma outra forma a não ser manifestando-o a seus semelhantes. A verdadeira Igreja é caracterizada por um duplo amor: amor a Cristo e amor ao próximo [Mt 22.37-40]. John Stott: “O amor a Deus não somente se expressa em confiante atitude para com Ele, isenta de temor, mas num afetuoso interesse por nossos companheiros cristãos [l Jo 3.14], O perfeito amor que lança fora o medo, lança fora o ódio também.”

 

1.3. O testemunho dos santos.

Esta igreja destacou-se por sua fé e seu amor. O amor não era para essas pessoas simplesmente um lema ou um rótulo. Os cristãos daquela congregação expressaram um amor verdadeiro, baseado em sua fé no Senhor Jesus [Ef 1.15]. Existe uma forma de lealdade a Cristo que não leva ao amor a nossos semelhantes, mas ao cumprimento religioso de certos hábitos e ritos que quase sempre isolam o cristão dos demais. Um verdadeiro cristão deve amar Cristo e amar a seus semelhantes [l Jo 4.20-21]. Por mais ortodoxa que seja uma igreja, por mais pura que seja sua teologia e por mais nobre que seja sua liturgia, ela não é uma igreja verdadeira no sentido real do termo, a menos que seja caracterizada pelo seu amor por seus semelhantes.

 

O verdadeiro cristão sabe que não pode mostrar seu amor a Cristo de nenhuma outra forma a não ser manifestando-o a seus semelhantes. A verdadeira Igreja é caracterizada por um duplo amor: amor a Cristo e amor ao próximo [Mt 22.37-40]. John Stott: “O amor a Deus não somente se expressa em confiante atitude para com Ele, isenta de temor, mas num afetuoso interesse por nossos companheiros cristãos [1 Jo 3.14], O perfeito amor que lança fora o medo, lança fora o ódio também.”

EU ENSINEI QUE:

Por intermédio de Jesus Cristo, Deus está formando um povo para Si. Para tanto, a Igreja é enviada ao mundo para anunciar a mensagem de Cristo e do amor de Deus a todos os homens.

 

2. A disciplina da oração


Para vencer no mundo precisamos de orientação divina a cada passo da caminhada e a oração é o meio pelo qual o Senhor e nós interagimos para que recebamos essas coordenadas. A oração é a nossa respiração diária. Para exercê-la e sobrevivermos devemos ser responsáveis [Rm 12.12], 2.1. A intercessão.

Na maioria dos casos, as circunstâncias que nos levam a orar são dificuldades, doenças, problemas conjugais ou crises. É triste que nossa oração tenha que ser motivada por causas tão negativas. Aqui temos um caso atípico, foram as coisas positivas que motivaram a oração de Paulo [Ef 1.15-16]. Lamentavelmente, em muitos casos, a oração a Deus tem sido motivada pelo desejo de ter certas coisas e, dessa forma, em vez de um vínculo de amizade e comunicação com Deus, torna-se uma lista de pedidos.

Intercede e não orar para si, e conversar com Deus em favor de outros. É um dever de todos os cristãos [Rm 15.30-33; Cl 4.2-4].

 

O apóstolo Paulo agradece a Deus pela vida desses crentes, e intercede por eles para que o Senhor lhes descortine as riquezas de sua herança na graça [Ef 1.14-18]. Ele pede a Deus pela Igreja uma revelação e conhecimento mais completos. Para o cristão, o crescimento do conhecimento e da graça é essencial. Importantes lições podemos extrair da oração de Paulo: gratidão; pedido de sabedoria e revelação a fim de que possam compreender e discernir as bênçãos que lhes pertencem em Cristo. Tais pedidos nos fazem lembrar das palavras de Jesus para a mulher samaritana: “Se você conhecesse o dom de Deus e quem é que está (falando com você) ...você pediria...” [Jo 4.10 - NAA]. Interessante esta conexão: conhecimento e oração! Como se Jesus estivesse dizendo: “Se você conhecesse, oraria”.

 

2.2 Gratidão e ações de graça.

A verdadeira oração intercessora não visa somente conhecer a vontade de Deus e vê-la realizada, mas vê-la se realizando, quer nos traga benefícios ou não. Esse tipo de oração procura dar glória a Deus, e nunca a nós mesmos [lTs 5.18]. A relação entre o cristão e a pessoa de Deus através da oração já é um grande motivo para darmos graças. Saber que Deus já nos amava mesmo antes de existirmos redunda em ações de graças. Paulo afirma que fomos abençoados com todas as bênçãos, outra importante razão para sermos agradecidos em todo o tempo [SI 95.2-3; Cl 3.15-17].

 

Existem várias formas de nos aproximarmos de Deus para agradecer [lCr 16.34; 29.13], Existe a forma pessoal, onde reconhecemos que nada nessa vida poderia estar acontecendo conosco se Deus, por Sua graça, não nos desse. Devemos, também, agradecer a Deus não somente pelas bênçãos pessoais que dEle recebemos, mas também pela vida de nossos irmãos, como o apóstolo Paulo nos ensina. A intercessão é uma forma de oração que precisamos muito exercitar em nossos dias.

 

2.3 Disciplina na oração.

Se fizéssemos uma lista de citações bíblicas dos tempos em que Paulo disse que estava orando por alguém, ficaríamos surpresos em ver a extensa lista de orações que o apóstolo tinha. Ele orou por muitas pessoas. Ele era um grande homem de oração [Fp 4.6-7]. Nesta epístola há duas das orações de Paulo, essas orações revelam sua preocupação como filho de Deus pelos outros crentes [Ef 1.17-23-; 3.14-21]. O bom cristão geralmente atua de três formas em oração: para renovar -se espiritualmente; quando tem uma necessidade pessoal; ou quando intercede por alguém.

 

Vivemos tempos muito difíceis onde se faz necessário reservar porções de tempo para buscarmos em Deus orientação, direção e graça. O propósito da oração de Paulo muito nos motiva também. Ele orou para que aquelas pessoas experimentassem em suas próprias vidas os benefícios da graça salvadora que haviam recebido de Deus. Mesmo sendo firmes no testemunho, e enriquecidos em amor, eles ainda precisavam de mais. Enquanto estivermos nesse mundo todo revestimento será bem-vindo [1Co 14.12].

 

FOCO NA LIÇÃO: A oração feita aqui vai além de devoção ou compromisso, ela exprime a alegria de um coração agradecido por ver um povo de bem com Deus.

 

EU ENSINEI QUE:

Para vencer no mundo precisamos de orientação divina a cada passo da caminhada e a oração é o meio pelo qual o Senhor e nós interagimos para que recebamos essas coordenadas.

 

3. O objetivo da oração


A intercessão feita por Paulo tinha objetivos a serem alcançados. A finalidade era que eles recebessem de Deus o espírito de sabedoria, espírito de revelação e que tivessem iluminados os olhos do entendimento [Ef 1.17-18].

3.1. Espírito de sabedoria.

Não há consenso entre os comentaristas quanto à identificação do “espírito” mencionado na oração de Paulo [Ef 1.17]. Assim, na presente reflexão vamos focar o aspecto qualitativo da expressão. O apóstolo pede a Deus que os cristãos de Éfeso sejam abençoados com um dom que se refere a uma qualidade de mente ou de alma que se expressa em sabedoria e revelação produzidas unicamente pela ação do Espírito Santo, como expressou Francis Foulkes. Trata-se, assim, da sabedoria espiritual que habilita o discípulo de Cristo a se aprofundar no conhecimento de Deus, considerando que a simples sabedoria humana não é capaz de entender as coisas espirituais [1Co 2.14].

 

Sabemos que o material é importante não somente na vida do crente, mas de todo ser humano; no entanto, Paulo não intercede aqui sobre esse aspecto, na verdade, não era costumeiro ao apóstolo pedir a Deus as bênçãos materiais, em vez disso, anelava sempre por bens espirituais para os santos, porque tinha certeza de que Deus supriria todas as necessidades [Mt 6.33].

 

3.2. Espírito de revelação.

O “espírito de revelação no conhecimento dele” não é outra coisa senão o conhecimento pleno e profundo de Deus, recebido através de todas as verdades reveladas por Ele mesmo na pessoa de seu Espírito Santo [Ef 1.17]. É interessante notar que essas duas petições estão intimamente relacionadas entre si. Já que o ato de possuir o “espírito de sabedoria” depende da revelação que nos é dada por Deus. Na realidade, não se trata de revelações especiais como as que receberam os profetas, mas, sim, de todas aquelas verdades de Deus que Ele quer que saibamos e que por sua vontade o Espírito Santo nos irá descortinando pela Palavra em um processo contínuo [ 1 Co 2.10 -11 ].

 

É a Palavra de Deus que contém a verdade de Deus. Portanto, dependemos da ação do Espírito Santo para, não apenas entender as verdades bíblicas, mas, também, viver de acordo com elas [Jo 14.26; 16.13]. É preciso da nossa parte: consciência e interesse quanto à relevância de conhecermos o que o Senhor tem revelado por intermédio de Sua Palavra. É graças a este processo de revelação que podemos ser sábios espiritualmente e inteligentes, para nos conduzir em tudo que concerne nossa vida terrena, e isso não é apenas para alguns, mas é para todos os santos, porque a Palavra nos ensina que “temos a mente de Cristo” [1Co 2.16].

 

FOCO NA LIÇÃO: A oração é a nossa respiração diária. Para exercê-la e sobrevivermos devemos ser responsáveis [Rm 12.12].

 

3.3. Iluminação do entendimento.

A natureza caída do homem não lhe permite discernir corretamente as coisas concernentes ao mundo espiritual. Ele precisa que “os olhos de seu entendimento” (o coração) sejam iluminados pela chama do Espírito Santo de Deus, o qual lhe permitirá distinguir entre o natural e o espiritual; é por isso que a Palavra estabelece a diferença entre o homem natural e espiritual [ 1 Co 2.14-15]. O homem precisa de ajuda divina para poder compreender o desenvolvimento do plano mestre que Deus traçou para todos os séculos.

 

Segundo o testemunho dos melhores textos gregos, a palavra original traduzida por “entendimento” é “coração”, que significa o homem interior, e não apenas a sede dos afetos, de acordo com o uso figurativo de hoje. Dele surgem pensamentos, desejos e impulsos que são concretizados posteriormente em ações. Sobretudo, é a fonte de decisões, da vontade [Mt 15.18-19]. Portanto, “olhos do coração” iluminados são nossos “olhos interiores”, que necessitam ser iluminados para compreendermos a verdade de Deus.

 

EU ENSINEI QUE:

A intercessão feita por Paulo tinha objetivos a serem alcançados. A finalidade era que eles recebessem de Deus o espírito de sabedoria, espírito de revelação e que tivessem iluminados os olhos do entendimento.

 

CONCLUSÃO

O Senhor não somente ouve e responde as petições que fazemos em favor de nossas necessidades, Ele também está pronto a ouvir as nossas intercessões [Tg 5.16].

 

Revista BETEL | 4° Trimestre De 2021 | Reverberação: Subsídios Dominical

VEJA TAMBÉM:

Escola Dominical – Clique Aqui

Estudos Bíblicos – Aqui

Subsídios Dominical – Aqui

E-books – Aqui

Auxílios para a Escola Dominical
Receba Lições, Artigos e Subsídios! É Grátis. Digite seu E-mail e em seguida abra o seu e-mail e clique em nosso link de confirmação: