A Fidelidade de José diante da Tentação - Subsídios Dominical

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

Novos Subsídios Bíblicos para as lições  O corpo de Cristo, 1° trimestre de 2024


A Fidelidade de José diante da Tentação

A história de José já é por si só um grande exemplo para os nossos dias. Sua trajetória, bem como as intempéries que vivenciou ao longo de sua vida são a prova cabal de que todos nós estamos sujeitos a passar por momentos difíceis, mas também, se permanecermos fiéis a Deus, desfrutaremos de um relaciona mento saudável com o Criador.

Saiba mais: Deus, nosso Celestial nos Induz à Tentação?

Algumas peculiaridades merecem nossa atenção na vida de José. Uma delas é o exemplo de fidelidade a Deus em meio à sedução e tentação da mulher de Potifar. Nesse evento a Bíblia já deixa muito claro a formosura de aparência de José (Gn 39.6), o que já lhe fazia despertar a atenção das mulheres. Notavelmente, a mulher de seu senhor, por vezes, vinha em busca de uma oportunidade para persuadi-lo, mas sem nenhum sucesso. Entretanto, frustrada por não conseguir seu intento, arquiteta um plano para denegrir a imagem de José perante Potifar.

Em vista das tentativas, observa-se um extremo: "Ela lhe pegou pela sua veste, dizendo deita-te comigo. E ele deixou a sua veste na mão dela, e fugiu” (Gn 39.12).

1. A recusa ao pecado mediante o temor a Deus

“Porém ele recusou” (v 8). “A ideia básica dessa palavra é uma recusa ou rejeição a uma oferta”. Quando o assunto diz respeito ao mesmo tipo de oferta feita a José, a recusa só é possível por alguém que esteja cheio do Espírito Santo. Não há outra forma de rejeitar ao pecado a não ser por meio da presença de Deus. Se José estivesse desprovido de um relacionamento próximo com Deus, certamente não teria forças para recusar o convite da mulher de Potifar. Um dos problemas atuais no meio do povo de Deus é justamente a ausência de um relacionamento com o Senhor, pois estamos tão envolvidos com as coisas do mundo que sequer temos forças para recusar suas ofertas.

Noutras palavras, José recusou deita-se com a mulher não apenas pelo fato de trair a Potifar, mas, antes de tudo, pelo relacionamento que tinha com Deus, o que ele deixa claro quando diz: “como, pois, faria eu este tamanho mal e pecaria contra Deus?” (v. 9). O caráter de José não lhe permitiu desonrar a Deus e, muito menos, trair a confiança de seu senhor a quem servia como mordomo.

Saiba mais:

Tentação - A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes

A Tentação de Jesus

A falta desse temor a Deus tem sido a oportunidade para o Inimigo trabalhar em destruir os lares. Nas palavras de John MacArthur, para José o adultério “seria uma grave violação das suas convicções éticas, as quais exigiam:

1) total respeito pela esposa de seu senhor, e

2) uma vida santificada diante de seu Deus”.

Esse temor a Deus, que é muito bem descrito pelo dicionário Wiclyffe como “um temor santo [...] significa ter grande temor ou respeito pela majestade e santidade de Deus, uma reverência piedosa. Esse temor é dado por Deus, e permite que o homem respeite a autoridade de Deus, obedeça aos seus mandamentos e se desvie do mal”. Repare que o texto bíblico faz menção de não “pecar contra Deus”. É exatamente desse temor que precisamos na vida de tantos homens e mulheres que estão cedendo às tentações. É exatamente essa virtude que nos possibilita dizer não ao pecado.

Como bem explicou Jesus: “a candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os olhos forem bons, todo o seu corpo terá luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso” (Mt 6.22, 23). Correlacionando esse ensino de Cristo, há muitos se detendo em programações, entretenimentos perigosos, seja em bate papos no WhatsApp, canais ilícitos no Youtube ou mesmo conversas impróprias através de tantos canais da mídia atual. Se nossos olhos estiverem constantemente em contato com esses entretenimentos virtuais, não demorará muito a oportunidade de infidelidade chegar e ser aceita. Dizer “não” é preciso diante do pecado, assim como disse José, também precisamos dizer perante as tentações.


2. José tinha moralidade

“Como, pois, faria eu este tamanho mal” (v. 9). O caráter moral de José era outro fator preponderante para fuga da tentação. O servo sabia que deveria respeito à Potifar, a sua consciência o alertava que fazer aquilo era um mal muito grande contra o seu senhor. O único capaz de resgatar o caráter moral do ser humano é a preciosa graça de Deus. Se porventura você que está lendo este artigo cedeu à tentação, saiba que Deus pode restaurar sua moralidade. O Inimigo pode até ter manchado sua imagem, porém o Senhor tem recursos suficientes para restaurar o caráter decaído.

3. José não deu ouvidos à voz da tentação


“...falando ela cada dia José, e não lhe dando ele ouvidos...” (v.10). Não sabemos quantas vezes a mulher de Potifar tentou seduzir a José, porém em todas elas o servo manteve-se firme em sua decisão. Não dar ouvidos ou atenção ao convite à infidelidade é crucial. Se na primeira tentativa da mulher, José tivesse demonstrado algum interesse, ele teria sido seduzido. Infelizmente, alguns pensam que uma simples “cantada” não tem nenhuma maldade e levados pelos elogios acabam cedendo às seduções e, é exatamente aí em que consiste o problema. Perceba que o texto em apreço apenas ressalta que a infidelidade não acontece do dia para noite, ela é planejada, ou seja, antes mesmo de se concretizar, muitos sinais de infidelidade já aconteceram. Por isso, saber dizer não desde a primeira tentativa é primordial. Não pense que uma simples conversar não pode chegar ao ato de traição, pensar dessa maneira é um engano. Faça como José, não dê ouvidos à voz da tentação.

Artigo: Auricléssio da Silva Lima |Reverberação: www.subsidiosdominical.com| Mensageiro da Paz, junho de 2019

Post Bottom Ad