Lição 11 Livramento e Ação de Graças - Subsídios Dominical

DICAS:

Post Top Ad

RESVISTA CRISTAO ALERTA
------

Lição 11 Livramento e Ação de Graças

🎓 Classe: JOVENS

Revista: Do professor - CPAD

Trimestre: 2° de 2023

Título: Encorajamento, Instrução e Conselho: Alcance uma vida cristã feliz com os ensinos dos Salmos

Comentarista: Marcelo Oliveira


TEXTO PRINCIPAL

"Que darei eu ao SENHOR por todos os benefícios que me tem feito?" (SI 116.12)


RESUMO DA LIÇÃO

O exercício da virtude da gratidão é uma ação vertical (para com Deus) e, ao mesmo tempo, uma ação horizontal (para com o próximo).

 

LEITURA SEMANAL

SEGUNDA - Mt 26.30

Jesus e os apóstolos por todos os benefícios entoavam os Salmos

TERÇA - At 2.21

É tempo de Invocar ao Senhor

QUARTA - Ef 2.4

Deus é riquíssimo em misericórdia

QUINTA -1 Sm 2.6

Deus é o Senhor da vida

SEXTA - Sl 50.14

Expressando a gratidão

SÁBADO - Rm 12.1

Oferecendo um culto a Deus com a própria vida

 

OBJETIVOS

• MOSTRAR a súplica da alma diante do iminente perigo;

• COMPREENDER o poderoso livramento do Senhor;

• EXPLICAR a ação de graças como expressão do culto público.

 

INTERAÇÃO

Professor (a), nesta lição estudaremos a respeito da gratidão. O Salmo 116 que será objeto da nossa reflexão é uma canção de gratidão ao Senhor pelo que Ele fez em sua vida.

 

Nosso objetivo é que você e seus alunos venham ter um coração grato, pois a gratidão toma a vida mais saudável. Esse é um sentimento que está relacionado com a humildade, pois só o humilde reconhece que o que ele recebeu veio de Deus e não de suas próprias forças.

 

Você tem tido uma atitude de gratidão a Deus? Então, não terá dificuldade em trabalhar essa temática. Aproveite a oportunidade impar e incentive seus alunos a trocarem as murmurações, as criticas e a irritabilidade pela perspectiva gratidão. Creia que essa atitude pode mudar o seu presente e futuro. Sigamos o exemplo do apóstolo Paulo que declarou: Porque já aprendi a contentar-me com o que tenho" (Fp 4.11). Isso é gratidão, sabedoria e amadurecimento.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor (a), explique que o Salmo 116 “expressa gratidão ao Senhor pelo livramento da morte, bem como os louvores de todos os crentes sofredores, socorridos que foram pelo Senhor, que os livrou da morte ou de grande calamidade. Em seguida, faça a seguinte indagação: ‘Que darei eu ao Senhor por todos os benefícios?’ Ouça os alunos com atenção e incentive a participação de todos. Em seguida explique que no coração de todos os que receberam a salvação da parte do Senhor, flui a gratidão. Eles a expressam pelo amor (v. 1), lealdade (v. 2), vida santa (v. g), ação de graças e a firme determinação de obedecer ao Senhor (v. 14)" (Adaptado da Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 900).

 

TEXTO BÍBLICO

Salmos 116.1-19

1 Amo ao SENHOR, porque ele ouviu a minha voz e a minha súplica.

2 Porque inclinou para mim os seus ouvidos; portanto, invocá-lo-ei enquanto viver.

3 Cordéis da morte me cercaram, e angústias do inferno se apoderaram de mim; encontrei aperto e tristeza,

4 Então, invoquei o nome do SENHOR, dizendo: Ó SENHOR, livra a minha alma!

5 Piedoso é o SENHOR e justo; o nosso Deus tem misericórdia,

6 O SENHOR guarda aos símplices; estava abatido, mas ele me livrou.

7 Volta, minha alma. a teu repouso, pois o SENHOR te fez bem.

8 Porque tu, Senhor, livraste a minha alma da morte, os meus olhos das lágrimas e os meus pés da queda.

9 Andarei perante a face do SENHOR, na terra dos viventes.

10 Cri; por isso, falei: estive muito aflito,

11 Eu dizia na minha precipitação: todo homem é mentira.

12 Que darei eu ao SENHOR por todos os benefícios que me tem feito?

13 Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do SENHOR,

14 Pagarei os meus votos ao SENHOR, agora, na presença de todo o seu povo,

15 Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos.

16 Ó SENHOR, deveras sou teu servo; sou teu servo, filho da tua serva; soltaste as minhas ataduras.

17 Oferecer-te-ei sacrifícios de louvor e invocarei o nome do SENHOR.

18 Pagarei os meus votos ao SENHOR: que eu possa fazê-lo na presença de todo o meu povo.

19 Nos átrios da Casa do SENHOR, no meio de ti, ó Jerusalém! Louvai ao SENHOR!

 

INTRODUÇÃO

Nesta lição, estudaremos o privilégio de cultivar a gratidão em nossa vida. Veremos que, por ocasião de um grande Livramento do salmista, ele propôs apresentar atos de ações de graças pelo que Deus fez em sua vida. Assim, aprenderemos que cultivar um coração grato torna a vida mais leve, A gratidão na vida de um crente revela o cultivo da humildade, pois o crente sabe que o que ele recebeu veio de Deus e não de suas próprias forças.

I - A SÚPLICA DA ALMA DIANTE DO IMINENTE PERIGO

1. O que é o Salmo 116?

Esse Salmo tem Davi como autor. Ele se encontra na categoria dos Salmos de Louvor ou de Ação de Graças e faz parte do quinto livro dos Salmos. No contexto mais específico dos judeus, o Salmo 116 está entre os denominados de hattel (que significa louvor"), ou seja, os salmos 113—118.

 

Esses Salmos eram recitados, ou melhor, cantados sempre no encerramento da ceia pascal dos judeus. No Novo Testamento, os evangelistas Mateus e Marcos escrevem que, por ocasião da “última ceia" de Jesus, nosso Senhor e os apóstolos cantaram um hino (Mt 26.30).

 

De acordo com o contexto do Salmo 116, com os registros dos dois Evangelhos, que se antecipam ao período de angústia do Senhor no Getsêmani (Mt 26.36-46); provavelmente, o hino que Jesus e os apóstolos cantaram foi o Salmo 116. Trata-se de um hino em que o salmista agradece a Deus pelo livramento de uma morte iminente (vv. 3,9,15).

 

Ele invocou o nome do Senhor por ocasião de um momento sombrio e Deus o respondeu com livramento. Esse hino, portanto, é uma canção de gratidão ao Senhor, em que se estabelece um laço espiritual de quem possui algo (Deus) com quem precisa de algo (o salmista). Isso é gratidão! Deus livrou o salmista de uma morte iminente e, por isso, ele o ama (Sl 116.1).

 

2. “Cordéis de morte"; “angústias do inferno".

Os versículos 1 e 2 revelam quatro expressões tocantes: “Amo ao Senhor”, “ele ouviu”, “inclinou” e “invocá-lo-ei”. Essas palavras revelam o amor do salmista pelo Senhor, Isso porque ele passou uma experiência de sofrimento em que precisou invocar a Deus e Este o ouviu e se inclinou, atendendo à sua oração.

 

A experiência do salmista foi provavelmente uma experiência de quase morte. As duas expressões “cordéis de morte” e “angústias do inferno”, certamente referem-se ao episódio de quase-morte do salmista. Nesse sentido, todas as possibilidades humanas se esgotaram. Não havia nada, do ponto de vista humano, que 0 salmista pudesse fazer. A única coisa possível era “invocar o Senhor".

 

3. Invocação ao Senhor.

“Então, invoquei o nome do Senhor, dizendo: Ó Senhor, livra a minha alma” (v.4). 0 termo “invocar” tem um peso forte nas Escrituras quando o ser humano se coloca diante de Deus para buscá-lo em oração (Gn 4.26: Jr 29.12; At 2.21).

 

No salmo, trata-se de uma oração suplicante para que o Senhor concedesse um grande livramento diante da morte que estava assolando o salmista. Saiba que, em muitos momentos, passaremos situações em que “os cordéis de morte” e “angústias do inferno” nos cercarão. Por isso, devemos aprender com o salmista a forma como reagir diante de um iminente perigo. Ele nos mostra que, no lugar de tomar uma decisão precipitada diante de um perigo, dirigir-se ao Senhor, clamando-lhe incessantemente, é a ação mais sábia (Lc 18.1-8).

Pense agora em algum evento que pode estar causando tristeza a você! Como ele impacta sua vida?

Parece que é uma ocasião bem sombria, não é mesmo?

Coloque tudo isso diante de Deus. Invoque o Senhor! Só Ele pode transformar os “cordéis de morte” em “laços de vida"; “as angústias do inferno” em “alegria do céu".

 

SUBSÍDIO 1

“A natureza intensamente pessoal deste Salmo é indicada pelo uso exclusivo dos pronomes da primeira pessoa eu, meu/minha e a min. Sua inclusão em um grupo de Salmos conhecidos basicamente como Salmos de adoração pública testifica acerca da verdade de que qualquer congregação, grande ou pequena, é constituída de indivíduos que elevam seu coração a Deus em oração e louvor.

 

As alusões nos versículos 17,18 ao oferecimento de 'sacrifícios de louvor' e ao pagamento de votos indicam um cenário em que se oferecem ofertas de gratidão pelo livramento da aflição descrita na primeira parte do Salmo. Aos estudiosos que buscam reagrupar os versículos do Salmo para alcançar uma progressão mais lógica de pensamento, Barnes responde: ‘Na oração do santo que está em árdua luta, não se espera uma sequência rigorosamente lógica. Esse tipo de oração certamente mistura petição com ações de graça.

Liberto hoje, ele enfrenta novos conflitos amanhã. Esse fluxo e refluxo de sentimentos debaixo das tempestades da vida'."

 

II - O PODEROSO LIVRAMENTO DO SENHOR (vv.5-11)

1. Piedoso, justo e misericordioso.

Os versículos 5 e 6 revelam a natureza do caráter de Deus. As palavras que a descrevem são “piedade", “justiça" e “misericórdia”. Deus jamais age de maneira contrária à sua natureza, ou seja, Ele não age de maneira ímpia, injusta e odiosa. No Novo Testamento, o apóstolo Paulo nos apresenta um Deus riquíssimo em misericórdia que nos amou com um grande amor, mesmo nós sendo ainda pecadores (Ef 24).

 

 Além disso, Ele cuida dos simples e dos humildes (Sl 116.6). Por isso, o salmista diz a sua alma: “Volta, minha alma, a teu repouso, pois o Senhor te fez bem” (v.7). O salmista recebeu o bem do Senhor, o livramento de Deus (v.6).

 

2. A vida pertence a Deus.

Nos versículos 8 a 11 o salmista afirma que o Senhor o livrou da morte (v.8). Veja que belo jogo de palavras: "livrou os olhos das lágrimas; os pés da queda" (v.8). O cantor, agora convicto, sabe que não será tirado da terra dos viventes, mas ao contrário, ainda terá uma jornada bonita para caminhar de acordo com a vontade de Deus (v.9). O versículo 9 está em plena harmonia com o versículo 15, em que aparece a expressão “preciosa é a vista do Senhor a morte dos seus santos”. A ideia aqui não é de que a morte do justo seja vista com alegria pelo Senhor, como se Ele a desejasse. O salmo trata da gratidão do salmista pelo livramento dado por Deus, pois para Ele nossas vidas são preciosas, tem um valor incomensurável, e mesmo a nossa partida está dentro dos cuidados de Deus. Ainda não era a hora do salmista partir. Aprendemos aqui que não somos deixados por Deus ao acaso, mesmo em ocasião bem delicada. Todavia, de modo geral, e principalmente no Novo Testamento, a Bíblia mostra que Ele nos acompanha até mesmo na hora da morte, pois a vida é um dom divino e nenhum de seus filhos perecem neste mundo fora do escopo de sua vontade (1 Sm 2.6; At 7.54-60). Deus é cuidadoso com a nossa vida, mas também o é na nossa morte.

 

3. Experimentando o favor de Deus.

Faça um exercício com sua memória. Recorde um grande livramento de perigo que você experimentou. Essa experiência pode ser um instrumento de muita edificação espiritual para você e outros jovens em Cristo. Esse exercício é importante para deixar claro que a vida com Deus é uma vida de experiências verdadeiras. Devemos ter plena convicção de que a nossa vida é moldada, traçada e estabelecida pelo Deus vivo. Por intermédio do Espírito Santo, Ele nos dirige conforme o conselho de sua vontade (Jo 3.8; Ef 1.11). A caminhada com Deus é uma caminhada de profundas experiências com Ele.

 

SUBSÍDIO 2

Professor (a), explique que o “poeta confirma seu amor ao SENHOR, especialmente porque Ele respondeu à sua oração. Voz e súplica não deveríam ser distinguidas, mas entendidas como uma pequena variação da frase comum: 'a voz das minhas súplicas' (cf, 28.2,6:3122:130.2 e 140.6)— ou, de acordo com Harrison: ‘minha voz suplicante’. As respostas à oração encorajam o salmista a continuar orando (v, 2). O salmista já tinha estado à beira da morte (v. 3). os seus cordéis (hb. 'cordas', NVI) o cercavam e as angústias do inferno (Sheol) já o pressionavam: aperto e tristeza eram seus companheiros indesejados. Nesse limite das suas forças, ele invocou o nome do Senhor (v. 4) por livramento, e foi ouvido.”

 

III - AÇÃO DE GRAÇAS COMO EXPRESSÃO NO CULTO PÚBLICO

1. A virtude da gratidão.

Diante do livramento do cantor, surge a pergunta: “o que darei eu ao SENHOR [...]?" (v.12). Os benefícios são imensos, os favores de Deus são muitos. Então o salmista responde: “tomarei o cálice da salvação", “pagarei meus votos", “oferecerei sacrifícios de louvores", “invocarei o nome do Senhor” (vv.12-19).

 

Todas essas atitudes do salmista têm a ver com o exercício da gratidão na adoração pública em Israel, ou seja, no Templo, em que o salmista erguerá o “cálice da salvação” (um cos- tume judaico de acordo com a Lei cf. Nm 28.7) por causa do que Deus fez. Ali, ele pagará o seus votos e suas ofertas (Sl 50.14:66.13). Assim, cultivar a virtude da gratidão é também ativar na memória as lembranças das bênçãos de Deus, pois jamais podemos esquecer o que Ele fez. E à medida que somos gratos a Deus, somos também gratos ao nosso próximo, pois, na maioria das vezes, o Senhor usa o próximo como instrumento de livramento para a nossa vida. Nesse caso, a relação de gratidão é tanto vertical (para com Deus) quanto horizontal (para com o próximo).

 

2. Culto público: um ambiente de gratidão.

O culto é o ato de encontro entre Deus e o seu povo. Quando prestamos culto a Deus o fazemos de maneira que o Senhor venha receber o que levamos, isto é, a nossa própria vida (Rm 12.1). Nesse contexto, o culto público é o espaço adequado e especial para oferecermos a Deus a nossa ação de graça.

 

Oferecer um culto de ação de graças por uma bênção recebida ainda é um exercício piedoso e gratificante para quem oferece e para quem participa. É a oportunidade que Deus dá ao seu povo para praticar a virtude da gratidão. Por isso, celebre a Deus em sua igreja local, por exemplo, pela bênção de passarem um vestibular; ou pelo ingresso em uma instituição para se desenvolver profissionalmente; ou pela cura de uma enfermidade; também podemos agradecer pelas bênçãos espirituais como a salvação de um ente querido, o batismo no Espírito Santo, enfim, as razões para agradecer ao Pai são inúmeras. Deus se alegra com as nossas vitórias.

 

Ora, a sua vitória também pode ser um estímulo encorajador para outros jovens que podem ser animados por meio do seu exemplo. Louve a Deus com ação de graças, pois Ele é digno da nossa gratidão!

 

CONCLUSÃO

Você tem tido uma atitude de gratidão a Deus? Quais pessoas foram instrumentos de bênçãos para a sua vida? É preciso trocar as murmurações. as críticas e a irritabilidade com as coisas que não temos domínio pela perspectiva da gratidão. Creia nisso! A vida fica muito mais leve. Não por acaso, o apóstolo Paulo declarou: “[...] Porque já aprendi a contentar-me com o que tenho” (Fp 4.11). Isso só é possível por meio de um estilo de vida que cultive a virtude da gratidão.

 

HORA DA REVISÃO

1. Em que categoria o Salmo 116 se encontra?

Ele se encontra na categoria dos Salmos de Louvor ou de Ação de Graças.

2. Do que trata a expressão “invocar ao Senhor"?

O termo "invocar' tem um peso forte nas Escrituras quando o ser humano se coloca diante de Deus - para buscá-lo em oração.

3. Quais palavras descrevem a natureza do caráter de Deus?

As palavras que a descrevem são "piedade", “justiça" e "misericórdia".

4. Segundo a lição, o que é também cultivar a virtude da gratidão?

É também ativar na memória as lembranças das bênçãos de Deus, pois jamais podemos esquecer o que Ele fez.

5. No contexto desta lição, o que é o culto público?

Nesse contexto, o culto público é o espaço adequado e especial para oferecermos a Deus a nossa ação de graça.

Este E-book é uma verdadeira fonte informativa para os novos e os veteranos professores de Escola Bíblica.


Post Bottom Ad