FECHAR



Lição 5 – Neemias: A oração de um construtor

Lições blicas de Jovens – 1° trimestre de 2021, CPAD | DATA DA AULA: 31/01/2021

TEXTO DO DIA

"Estejam, pois, atentos os teus ouvidos, e os teus olhos, abertos, para ouvires a oração do teu servo, que eu hoje faço perante ti, de dia e de noite, pelos filhos de Israel, teus servos[...]."  (Ne 1.6)

SÍNTESE

Com Neemias aprendemos duas valiosas lições: Que a oração é uma ferramenta indispensável para vencermos os maiores desafios e que precisamos eleger as prioridades certas em nossas vidas.


Agenda de leitura

SEGUNDA - Ne 6.3

Uma grande obra!

TERÇA - Jo 15.1-8

Chamados a frutificar

QUARTA - Ec 3.4

Tempo de sorrir e de chorar

QUINTA - Lc 6.27,28

Fazei o bem, sempre

SEXTA - Mt 6.17,18

Jesus e o jejum

SÁBADO - Is 59.1

O Senhor nos salva e nos ouve

Objetivos

MOSTRAR a tristeza de Neemias diante da miséria do seu povo;

DEMONSTRAR a importância do jejum e da oração;

ENFATIZAR os resultados da oração de Neemias.


Interação

Olá professor (a), hoje continuaremos desenvolvendo a dica que foi iniciada na aula passada: A montagem de um arquivo pessoal com ilustrações, gráficos, imagens, matérias jornalísticas e artigos. O espaço para o arquivo você já preparou (pode ser virtual ou físico). Agora veremos como coletar os dados.

 

Nossa atenção passa a ser como uma "antena captadora" que deve estar sempre ativa para as informações relevantes. Tudo o que passa por nós e nos chama a atenção precisa ser captado.

 

Você poderá estar lendo um site de notícias ou folheando uma revista de papel e de repente se deparar com uma notícia que tem uma importância para você. O que fazer? Salve essa informação. Se for virtual, faça um "print" e depois classifique na pasta adequada. Se for uma revista física, você poderá fazer uma foto com o celular ou até um recorte. Mas sempre mantenha esse hábito!

 

Você verá como, com o passar do tempo, suas aulas serão ainda mais ricas e repletas de ilustrações relevantes.

 

Orientação Pedagógica

Algo que tocou profundamente o coração de Neemias foi a questão social em Judá e Jerusalém. A miséria e o sofrimento do povo levaram o copeiro às lágrimas e o motivou a buscar uma saída para essa questão.

 

Converse com os responsáveis pelo departamento de assistência social em sua igreja e pergunte quais famílias precisam de ajuda e que tipo de intervenção é bem-vinda.

 

Organize com seus alunos uma forma de ajudar essas famílias. Preparem tudo com carinho e envolva-os nos mais diversos detalhes. E permita-os participarem da mobilização no dia em que as famílias serão assistidas. É uma forma de despertá-los para essa área tão importante, porém muitas vezes esquecidas em nossos dias.

 

Texto bíblico

Neemias 1.4-11

 

4       E sucedeu que, ouvindo-me essas palavras, assentei-me, e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus.

5       E disse: Ah! SENHOR, Deus dos céus, Deus grande e terrível, que guardas o concerto e a benignidade para com aqueles que te amam e guardam os teus mandamentos!

6       Estejam, pois, atentos os teus ouvidos, e os teus olhos, abertos, para ouvires a oração do teu servo, que eu hoje faço perante ti, de dia e de noite, pelos filhos de Israel, teus servos; e faço confissão pelos pecados dos filhos de Israel, que pecamos contra ti; também eu e a casa de meu pai pecamos.

7       De todo nos corrompemos contra ti e não guardamos os mandamentos, nem os estatutos, nem os juízos que ordenaste a Moisés, teu servo.

8       Lembra-te, pois, da palavra que ordenaste a Moisés, teu servo, dizendo: Vós transgredireis, e eu vos espalharei entre os povos.

9       E vós vos convertereis a mim, e guardareis os meus mandamentos, e os fareis; então, ainda que os vossos rejeitados estejam no cabo do céu, de lá os ajuntarei e os trarei ao lugar que tenho escolhido para ali fazer habitar o meu nome.

10     Estes ainda são teus servos e o teu povo que resgataste com a tua grande força e com a tua forte mão.

11      Ah! Senhor, estejam, pois, atentos os teus ouvidos à oração do teu servo e à oração dos teus servos que desejam temer o teu nome; e faze prosperar hoje o teu servo e dá-lhe graça perante este homem. Então, era eu copeiro do rei.

 

INTRODUÇÃO

No livro de Neemias encontramos relatos que nos revelam preciosas lições acerca da oração, da sensibilidade para com a dor do nosso próximo, da disponibilidade em ajudar a quem precisa, da fidelidade à soberania do Senhor e da integridade do homem que serve a Deus.

 

I - A TRISTEZA DE NEEMIAS DIANTE DA MISÉRIA DO SEU POVO

 

1. Tempos de reconstrução.

Os tempos de Neemias e Esdras foram marcados pela reconstrução da identidade de um povo sofrido, pela renovação espiritual e a retomada da consagração a Deus.

 

No livro de Neemias, encontramos o relato acerca dos fatos ligados ao retorno a Judá no ano de 444 a.C (o terceiro de três retornos sucessivos). Essa história começa quando o povo de Judá é levado cativo para o exílio e passa a viver um dos períodos mais tristes de sua longa história. Segundo o relato: "[...] Os restantes, que não foram levados para o cativeiro, lá na província estão em grande miséria e desprezo, e o muro de Jerusalém, fendido, e as suas portas, queimadas a fogo" (Ne 1.3).

 

Jerusalém é destruída e o povo que ficou em Judá passa a ser cada vez mais humilhado, explorado e ameaçado pelos povos vizinhos. Não bastasse, entre os próprios judeus havia aqueles que, por serem mais ricos, exploravam e impunham sofrimento aos mais pobres e desfavorecidos. As injustiças eram muitas e traziam grande pesar aos corações dos que serviam ao Senhor e sonhavam com o retorno à grandiosa e histórica Jerusalém de outrora, agora envolta apenas em sombras e amargas lembranças. A restauração era uma necessidade latente e o tempo finalmente havia chegado!

 

2. Sensibilidade e empatia.

Na Bíblia, os nomes dizem muito acerca de seus personagens: Neemias, no hebraico, significa "Yahweh [o Senhor] tem compaixão". Que preciosa é essa tradução e o seu sentido! Não só o nome, mas o exemplo deixado por esse homem também impressiona e nos mostra como deve ser um governante que serve a Deus: Sábio, corajoso, com fé, sensível ao sofrimento dos próximos, íntegro, determinado, justo e humilde.

 

Em um primeiro momento, Neemias poderia ter pensado em sua própria vida, pois como copeiro do rei, gozava de muito conforto, status e estabilidade. Mas ele era possuidor de duas qualidades que devem fazer parte da vida de todo crente: sensibilidade e empatia. A sensibilidade o permitia olhar as coisas que o cercavam e percebê-las em seus detalhes e nuances atribuindo uma sólida reflexão acerca delas. Já a empatia lhe dava a capacidade de sentir a dor do outro e prontamente disponibilizar-se em auxiliá-lo na solução quanto ao sofrimento pelo qual se está passando.

 

3. Um mundo que agoniza.

Vivemos tempos que nos permitem traçar muitos paralelos com o drama presenciado por Neemias. Na atualidade o mundo também agoniza: Multidões vitimadas pelas epidemias, a violência urbana amargando índices assustadores, a miséria humana dilacerando vidas, os abismos socioeconômicos se avolumando cada vez mais e uma geração inteira vitimada por doenças e males nunca vistos em tais proporções levando muitos as últimas consequências. Qual nossa postura frente a tudo isso? Será que conseguimos nos envolver em sensibilidade e empatia tais que nos permitam sentir a dor dos que sofrem? Como Corpo de Cristo, somos chamados a ser atuantes mostrando a todas as pessoas que há uma esperança.

 

II - NEEMIAS ORA E JEJUA EM FAVOR DO SEU POVO


1. "E chorei, e lamentei por alguns dias [...] (v.4)."

O irmão de Neemias, Hanani, em uma visita relatou o sofrimento do povo e a calamidade que assolava Jerusalém. Tal relato trouxe ao copeiro um profundo pesar, levando-o a chorar muito e lamentar por alguns dias (Ne 1.4).

 

Neemias era um homem de oração e ação, porém, como todo ser humano tinha também o seu limite emocional, a necessidade de abrir o coração e se permitir chorar.

 

Hoje vivemos tempos onde muitos afirmam que o choro e o lamento são sinais de fraqueza. Um grande engano! Há tempo para o choro e para o sorriso, para o lamento e para o júbilo (Ec 3.4). Neemias, ao ser confrontado com tão cruel realidade, não conseguiu se conter: Chorou e lamentou muito. Isso provou o quão sensível e empático era esse valoroso homem de Deus. Que possamos, semelhantes a Neemias, também chorar e lamentar as injustiças do mundo que nos cerca, as dores das pessoas que sofrem e a miséria daqueles que mal tem o que comer (Mt 5.4). Assim como Jesus, que possamos ter nossos corações dilatados ao sofrimento do próximo e, simplesmente, chorar (Jo 11.32-36). O choro e o lamento são sinais de que somos sensíveis ao sofrimento do próximo e prontos a sermos impelidos por Cristo a estender a mão.

 

2. "[...] e estive jejuando e orando (v. 4)."

Passado o tempo de chorar e lamentar, uma nova etapa se apresenta: É o tempo de jejuar e orar! A primeira reação foi importante, mas ela tem um tempo de validade determinado. Há pessoas que passam a vida chorando, se lamentando e não chegam nunca a lugar nenhum. Passado esse primeiro momento, chegou a vez da ação e, para um homem de Deus, a verdadeira ação começa com o jejum e a oração.

 

Durante as 13 aulas estaremos falando de oração. Mas, agora, vamos falar sobre o jejum? Como deixar de se alimentar pode influenciar na qualidade da nossa vida espiritual e o nosso relacionamento com Deus? O motivo é simples: Quando jejuamos, submetemos nossas vidas a uma dependência total de Deus e passamos a nos alimentar apenas da ação do Espírito Santo em nosso ser.

 

Jesus nos deixou importantes instruções acerca do jejum: "Porém tu, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto, para não pareceres aos homens que jejuas, mas sim a teu Pai, que oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará" (Mt 6.17,18) O jejum é algo íntimo e pessoal e que, preferencialmente, só deve ser compartilhado com o nosso Deus em oração.

 

3. Na presença do rei.

Durante a audiência com o grande Artaxerxes I (464 a 424 a.C), imperador da Pérsia, o monarca lhe faz uma pergunta: "Que me pedes agora?" (Ne 2.4). Esse fragmento do texto bíblico revela muito acerca da vida de Neemias: Ele era um homem de oração! Veja bem: Antes de fazer o seu pedido, o copeiro fez uma pausa. Em uma fração de segundos ele fez mais uma "pequena oração" e finalmente fez seu pedido ao rei. Em constante oração, Neemias teve sua trajetória marcada também por orações espontâneas, revelando uma contínua dependência da direção divina.

 

Quando fazemos da oração uma prática constante em nossas vidas, não existem desafios intransponíveis nem batalhas que não possam ser vencidas. Na presença do imperador, Neemias teve ousadia para fazer o seu pedido, e fortalecido pelas orações que fizera antes, a vitória foi certa.

 

III - OS RESULTADOS DA ORAÇÃO DE NEEMIAS

 

1. A reposta ao copeiro do rei.

Neemias abriu o seu coração e fez a sua solicitação ao Imperador Artaxerxes. Após quatro meses (se considerarmos a cronologia apresentadas no texto sagrado) de jejum e oração, era chegada a tão esperada hora.

 

Chegado o grande dia, o rei olhou a face do simples copeiro e imediatamente preocupou-se com o semblante triste. Por fim, perguntou: "[...] Por que está triste o teu rosto, pois não estás doente? Não é isso senão tristeza de coração" (Ne 2.2). Neemias faz uma breve oração e abriu o seu coração. Como servo do Deus altíssimo, fez a sua parte. Já o Senhor Todo Soberano tocou o coração do imperador e o milagre aconteceu. O rei deu a permissão e colocou Neemias na função de governador sobre Judá e redigiu os decretos reais que viabilizariam a construção da obra.

 

2. Adversidades ao longo do caminho.

Muitas foram as adversidades encontradas por Neemias. Tanto as nações vizinhas, quanto a própria comunidade judaica, empreenderam frentes de oposição ao trabalho realizado por Neemias e os seus trabalhadores.

 

Tobias e Sambalate, governadores de Amom e Samaria, inicialmente zombaram de Neemias e seus ajudantes. Em um segundo momento levantaram uma série de calúnias (Ne 2.10-20) que insinuavam a intenção de rebelião frente ao imperador persa, Artaxerxes. Qual a resposta de Neemias? Ele simplesmente orava e trabalhava com ainda mais intensidade! Havia uma grande obra a ser feita (Ne 6.3)! Também grande dificuldade foi encontrada dentro da própria comunidade judaica: A ambição dos ricos impunha a dor e o sofrimento aos mais pobres que eram explorados e humilhados. Neemias combateu ardentemente essas injustiças e agiu com grande generosidade para com o povo (Ne 5.1-13).

 

3. "[...] o nosso Deus fizera esta obra" (Ne 6.16).

Após a conclusão da obra, Neemias constatou o quão impressionados ficaram os seus inimigos com a construção. Nesse momento ele enfatiza o reconhecimento da edificação como uma obra de Deus. Notemos bem que ele abre mão de seus méritos e atribui a Deus toda a glória. Sigamos esse exemplo e tenhamos sempre viva em nossas mentes a convicção de que a "obra" é de Deus assim como o nosso chamado, a capacitação, as condições e as forças. Louvado seja o nosso Amado Deus.

 

Além do muro, grandes outras restaurações foram realizadas nos tempos de Neemias. Deus o honrou e o usou de forma poderosa em Judá. Houve também uma grande reforma religiosa (com a valorosa contribuição de Esdras) renovando o compromisso do povo pós-exílio com o Senhor.

 

Neemias nos ensina com sua vida de oração e comprometimento com a obra de Deus que a verdadeira adoração não se restringe apenas ao exterior, mas principalmente é fruto de uma grande transformação no coração daqueles que buscam a Deus em espírito e em verdade (Jo 4.23).

 

SUBSÍDIO

"Em 445, o irmão de Neemias, Hanani, e alguns de seus companheiros de viagem retornaram de Jerusalém (Ne 1.1-3). [...] Eles relataram a Neemias a desgraça e a tristeza que presenciaram em todos os cantos da cidade. Ao ouvir essas palavras, o coração de Neemias ficou completamente pesaroso, de sorte que entrou imediatamente em jejum e oração por muitos dias. Ele [...] se humilhou pedindo ao Senhor que ele pudesse encontrar favor diante do rei, e depois disso fosse dispensado para viajar para Jerusalém na intenção de ser usado por Deus de alguma forma.

 

Logo Artaxerxes notou no semblante de seu copeiro uma grande tristeza e inquiriu dele o motivo. Após ser inteirado de todos os fatos que atribulavam o espírito de Neemias, o rei autorizou a partida de seu copeiro para a cidade de Jerusalém e lhe deu cartas reais que garantiam acesso seguro por todas as províncias além do Eufrates e patrocínio do governo persa para a reconstrução (Ne 2.7,8). Quando chegou à cidade, Neemias descobriu que a situação era bem pior do que imaginava. As muralhas e outras estruturas estavam tombadas em ruínas e os oficiais e administradores de outros distritos foram radicalmente contrários à reconstrução"  (MERRILL, Eugene. História de Israel no Antigo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2002. pp. 542,544).

 

CONCLUSÃO

Ao estudarmos a vida de oração do construtor Neemias, pudemos perceber a importância em elegermos as prioridades certas para a nossa vida. De todas as formas possíveis, diversas pessoas tentaram desviar a atenção de Neemias e impedi-lo de concluir a construção dos muros. Mas o copeiro governador venceu o seu desafio!

👍 Sugestão de Leitura – Clique e veja:

Lições Bíblicas Dominical Adultos:

Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo

Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Redenção

Lição 3 - O Batismo no Espírito Santo

Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais


Lições Bíblicas Dominical Jovens:

Lição 1- O que Significa Orar
Lição 2- Abraão: A vida de oração de um homem de fé
Lição 3 - Moisés: Um líder de oração
Lição 4 - Ana: A oração de uma mulher angustiada

 

HORA DA REVISÃO

1.      Aponte duas características de Neemias que o habilitavam a perceber o sofrimento do seu povo.

Sensibilidade e empatia.


2.O choro e o lamento são sinais de fraqueza? Justifique.

Não, quando acontecem em uma proporção certa são evidências de possuímos bons sentimentos.


3.     O que Neemias fez por quatro meses antes de expor seu problema ao rei?

Orou e jejuou.


4.     Cite algumas das adversidades enfrentadas na reconstrução dos muros.

Oposição dos povos vizinhos e também dos próprios judeus ricos que exploravam o povo.


5. Segundo Neemias, quem fez a grande obra?

Deus.