Lição 3 JEREMIAS - ONDE BUSCAR CORAGEM (Lições Bíblicas Juvenis)

Lições Bíblicas Juvenis

Lições Bíblicas Juvenis 2° trimestre 2024 – CPAD

ASSUNTO  DO TRIMESTRE: Conhecendo dos Livros dos Profetas

Comentarista: Thiago Santos

| Subsídios Dominical |Lição 3 JEREMIAS - ONDE BUSCAR CORAGEM

VERSÍCULO CHAVE:

“Mas o SENHOR me disse: Não digas: Eu sou uma criança: porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás." (Jeremias 1.7)

LEITURA DIÁRIA

SEG. 2 Co 12.9

A graça do Senhor é suficiente

TER. 2 Cr 714

Arrependimento e busca sincera atraem a resposta divina

QUA. Jr 7.1-4

Melhorai os vossos caminhos e as vossas obras

QUI. Jr 15.19-21

Aparte o precioso do vil

SEX. 1 Jo 1.9

O Senhor é fiel e justo para perdoar

SÁB. At 3.19

O arrependimento traz refrigério

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Jeremias 1.4-14,17-19

4 Assim veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

5 Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta.

6 Então, disse eu: Ah! Senhor JEOVÁ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança.

!7 Mas o SENHOR medisse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás.

8 Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o SENHOR.

9 E estendeu o SENHOR a mão, tocou-me na boca e disse-me o SENHOR: Eis que ponho as minhas palavras na tua boca.

10 Olha, ponho-te neste dia sobre as nações e sobre os reinos, para arrancares, e para derribares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares.

11 Ainda veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Que é que vês, Jeremias? E eu disse: Vejo uma vara de amendoeira.

12 E disse-me o SENHOR: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para a cumprir.

13 E veio a mim a palavra do SENHOR, segunda vez, dizendo: Que é que vês? E eu disse: Vejo uma panela a ferver, cuja face está para a banda do Norte.

14 E disse-me o SENHOR: Do Norte se descobrirá o mal sobre todos os habitantes da terra.

17 Tu, pois, cinge os teus lombos, e levanta-te, e dize-lhes tudo quanto eu te mandar; não desanimes diante deles, porque eu farei com que não temas na sua presença,

18 Porque eis que te ponho hoje por cidade forte, e por coluna de ferro, e por muros de bronze, contra toda a terra, e contra os reis de Judá, e contra os seus príncipes, e contra os seus sacerdotes, e contra o povo da terra.

19 E pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque eu sou contigo, diz o SENHOR, para te livrar.

 

CONECTADO COM DEUS

O chamado de Jeremias ocorreu em um contexto político-religioso complicado para a nação de Judá. Seu ministério abrangeu os últimos anos que antecederam a destruição de Jerusalém e o cativeiro babilônico. Foi para esse tempo difícil que Deus escolheu Jeremias, um homem sensível que sofria ao ver seu povo padecer as consequências de suas escolhas erradas. Embora sofresse grande perseguição, o profeta não deixou de levar a mensagem de arrependimento a um povo teimoso e rebelde. A história desse profeta tem muito a nos ensinar no tocante aos tempos trabalhosos em que estamos vivendo. Em alguns momentos, pode parecer que você não conseguirá vencer os desafios para cumprir o chamado de Deus, mas saiba que é Ele quem sustenta e capacita você.

 

1. A VIDA DO PROFETA

1.1. Quem era Jeremias?

Jeremias era natural de Anatote, uma vila localizada ao nordeste de Jerusalém, dentro do território da tribo de Benjamim, O nome do seu pai era Hilquias, e muitos estudiosos o consideram como o sacerdote de Anatote. O que reforça o fato de Jeremias pertencer a uma família de sacerdotes é o local de seu nascimento, visto que Anatote é apontada como uma cidade sacerdotal desde os tempos de Josué (Js 21.18), Não se sabe ao certo se Jeremias chegou a exercer o ofício sacerdotal, O fato é que ele foi chamado pelo Senhor para ser profeta muito jovem e, por esse motivo, dedicou sua vida ao exercício do ministério profético.

 

1.2. Contexto social da época

O profeta Jeremias começou a exercer o seu chamado cerca de 40 anos antes do cativeiro judaico. Esse período abrangeu os reinados de Josias, Joacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias. Um período conturbado que foi primeiramente marcado pela renovação espiritual promovida por Josias, mas que logo se dissipou em razão da falta de arrependimento sincero e constância na obediência à Lei por parte dos judeus.

 

O povo havia passado um bom tempo mergulhado na idolatria e subjugado pelas forças políticas que havia ao seu redor, a saber, os assírios que, dominavam a Ásia e o Oriente até então; e, a seguir, os babilônios, que se tornaram a maior potência mundial da época em poucos anos. É nesse cenário de precariedade espiritual e desorganização política que Jeremias exerceu o seu ministério profético.

 

1.3. Um profeta sensível à voz de Deus

Jeremias não apenas era inconformado com o pecado da nação, como também lutou com todas as suas forças para chamá-la ao arrependimento. Intercedeu com lágrimas e lamento com tamanha compaixão por seus compatriotas, que o respondiam com ódio e ameaças. Ao que ouviu do próprio Senhor: “Tu, pois, não ores por este povo, nem Levantes por ele clamor ou oração, nem me importunes, porque eu não te ouvirei” (Jr 7.16). Embora Jeremias insistisse, não havia outro remédio para conduzira alma da nação ao arrependimento a não ser o cativeiro babilônico.

 

Ainda que tal quebrantamento emocional de Jeremias pudesse ser visto a princípio como um sinal de fraqueza, ele foi um dos profetas mais corajosos e perseverantes da história, embora solitário e rejeitado durante toda sua vida (Jr 15.15-18). As próprias experiências do profeta foram tão intensas que Deus as usa até hoje para nos ensinar preciosas lições.

 

1.4. Público-alvo da profecia

Quando Jeremias foi chamado pelo

Senhor, a sua missão era convocar Judá a um arrependimento sincero para com Deus, No entanto, no momento inicial do seu chamado, o Senhor havia dito que ele seria um profeta para as nações. De imediato, o propósito divino era derrubar a soberba do seu povo e anunciar 0 domínio das nações gentílicas, a saber, a Babilônia. Todavia, o juízo do Senhor também viria sobre os caldeus, bem como sobre os povos que desdenhavam da nação eleita em razão da sua dor (46—51). Ao final, o reinado davídico sobreviveria ao exílio, e um remanescente seria preservado para cumprir os propósitos de Deus para o seu povo. O Senhor não perde o controle da história, inclusive, da vida daqueles que o servem com obediência.

 

2. A CHAMADA E O ENVIO

2.1. Desculpas para não atender ao chamado

Jeremias ainda era muito jovem quando foi chamado para ser profeta. Prontamente, o Senhor lhe disse que o havia escolhido desde o ventre da sua mãe para exercer o ministério. De imediato, Jeremias demonstrou sentir-se incapaz de tão grandiosa missão, alegando ser apenas uma criança, sem condições de ser porta- -voz de Deus (Jr 1.5, 6). Entretanto, o Senhor o garantiu que Ele mesmo o enviava e, portanto, a livraria de todos os seus opositores (vv. 7,8). Da mesma forma, atualmente, o Senhor continua a chamar jovens para o exercício do ministério. Não importa o quanto você se sinta inadequado, Deus quer usar a sua vida com poder e autoridade! A base do êxito de Jeremias foi a obediência. Da mesma forma, seja obediente, e você também alcançará sucesso em seu chamado ministerial.

 

2.2. Encorajamento e envio

Apesar das limitações humanas de Jeremias, o Senhor o encorajou a cumprir o seu chamado. Afinal, a capacitação para tão grande obra viria do Deus Todo-Poderoso, que faria dele um instrumento para arrancar e para derrubar; para destruir e para arruinar; para edificar e para plantar (v. 9,10).

 

A mensagem de Jeremias, muitas vezes severa, era poderosa e constituída de toda a autoridade divina. Num primeiro momento, o Senhor lhe perguntou o que via, ao que o profeta respondeu: “vejo uma vara de amendoeira".

 

A seguir, o Senhor lhe disse: “viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para a cumprir" (v. 12). E, na segunda vez, Deus lhe perguntou o que via. Ao que Jeremias respondeu que via uma panela a ferver com a sua face virada para 0 Norte. Logo, o Senhor lhe explicou que do Norte viria o mal sobre toda a terra (vv. 13, 14). Dessa forma, Deus o ordenou a não temer diante deles, porque o estava tornando como cidade forte, coluna de ferro e muros de bronze contra nações, reis e sacerdotes (v. 18).

 

3. AS CONDIÇÕES DE JUDÁ

3.1. A idolatria e imoralidade

Um dos motivos pelos quais o Senhor prometeu enviar o cativeiro babilônico sobre Judá foi a sua decadência espiritual. Nos dias que antecederam o exílio, Judá se encontrava mergulhada na idolatria e imoralidade. Durante os governos dos reis Manassés e Amom (60 anos), os judeus cometeram toda sorte de maldade, inclusive, aderindo às práticas pecaminosas e idólatras da Assíria e nações vizinhas. Dentre as abominações praticadas, estavam a profanação do Templo e sacrifícios humanos oferecidos a Moloque, entidade Amonita (Jr 32.30-35). Esse declínio espiritual alcançou tal nível que o povo já não servia a Deus nem discernia tamanhas malignidades. Essa situação prorrogou-se até o tempo em que Josias assumiu o trono de Judá e iniciou o processo de restauração espiritual.

 

3.2. A mentira e o desprezo à Palavra de Deus

Além dos desvios religiosos e a iniquidade dos reis, a maldade, falsidade e falta de temor a Deus eram acentuadas no comportamento de toda a Judá. Tanto que o Senhor revelou ao profeta que até mesmo os da sua própria casa se voltavam contra ele encobertamente. Os reis demonstravam aparentemente que buscariam o arrependimento, mas não permaneciam no conselho do Senhor. Em nossos dias, muitas vezes nos deparamos com a mesma postura por parte de alguns ouvintes da Palavra. São pessoas que escutam com atenção a pregação, mas agem com desprezo e falta de temor a Deus. Esse tipo de comportamento revela um coração teimoso e inclinado para o mal. A Palavra de Deus afirma: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará" (Gl 6.7).

 

3.3. Uma convocação ao arrependimento

A mensagem profética de Jeremias tratava-se de uma convocação ao arrependimento. Embora, inicialmente, a palavra do profeta fosse de condenação sobre as maldades praticadas pelo povo de Judá, bem como por seus vizinhos, a mensagem final era de restauração. As palavras de Jeremias soam como uma expressão da tristeza de Deus ao ver um povo que não soube aproveitar a oportunidade como nação separada e escolhida. Deus está sempre disposto a nos perdoar porque nos ama. Nós também devemos ser ávidos pelo seu perdão, na mesma proporção que estamos dispostos a abandonar nossos pecados para servi-lo com genuíno amor.

 

PARA CONCLUIR

Aprendemos nesta lição que a coragem para exercer o ministério profético não vinha da capacidade de Jeremias. Se Deus olhasse para a sua condição humana, jamais o separaria para tão grandiosa e difícil missão. Entretanto, é justamente por meio das fraquezas de seus servos que o Senhor se revela forte (1 Co 1.27-29). Que nós também possamos, pela graça de Deus, ser aperfeiçoados em nossas fraquezas, atuando na sua obra (2 Co 12.9).

 

HORA DA REVISÃO

1. O profeta Jeremias era natural de qual cidade e qual era o nome do seu pai?

2. O ministério profético de Jeremias abrangeu o reinado de quais reis?

3. Qual foi a reação de Jeremias ao ser chamado por Deus?

4. Cite as abominações praticadas pela nação de Judá devido à mistura religiosa com os assírios

5. Qual era a natureza da mensagem profética de Jeremias?

CLIQUE E LEIA TAMBÉM 👇

Compartilhar:

CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:

1) CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA Clique Aqui
2) CURSO MÉDIO EM TEOLOGIAClique Aqui
3) Formação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui
5) CURSO OBREIRO APROVADO - Clique Aqui


Matricule-se já !