Lição 5 - Cristo nos ensinou o perdão {Adolescentes} - Subsídios Dominical

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

Novos Subsídios Bíblicos para as lições  O corpo de Cristo, 1° trimestre de 2024


Lição 5 - Cristo nos ensinou o perdão {Adolescentes}

Lições Bíblicas Adolescentes - Professor: 4º Trimestre 2023

Revista: Amor na Vida Cristã – CPAD

Comentarista: Daniele Soares

LEITURA BÍBLICA

Mateus 18.21-33

A MENSAGEM

Você não deve perdoar sete vezes, mas setenta e sete vezes. Mateus 18.22b

DEVOCIONAL

Segunda » Gn 45.4-8

Terça » Dt 32.34,35

Quarta » Lc 17.3,4

Quinta » Mt 5.38-42

Sexta » Rm 12.17-21

Sábado » Hb 10.29-31

Objetivos

1. APONTAR o que as Escrituras Sagradas ensinam sobre o perdão;

2. ENSINAR que o perdão exige o arrependimento sincero;

3. EXPLICAR que o cristão vive neste mundo conforme a perspectiva do Reino dos Céus.


EI PROFESSOR!

Uma das maiores lições que o Evangelho ensina para a nossa vida cristã é a respeito do perdão. Não é fácil para qualquer pessoa, inclusive, para dos seus alunos que estão na adolescência, perdoar quando são ofendidos ou maltratados.


No entanto, a Bíblia nos ensina que nutrir mágoas e ressentimentos são ações prejudiciais para a saúde espiritual e emocional. Nesta lição, enfatize aos seus alunos que o exercício da misericórdia, bem como do perdão são decisões que tomamos por amor ao Evangelho. Como cristãos, fomos perdoados sem merecer e amados quando nem sequer perguntávamos pelo Senhor. Logo, como nascidos do Espírito, amamos porque Deus nos amou primeiro. Mostre aos seus alunos que eles pertencem a um Reino que pensa diferente da maneira como pensa este mundo.

PONTO DE PARTIDA

Professor (a), nesta lição, seus alunos aprenderão sobre a prática do perdão ensinada por Cristo várias vezes ao longo de seu ministério terreno. Perdoar não é uma tarefa fácil, mas à medida que conhecemos o Senhor, experimentamos da sua graça que regenera as nossas emoções e nos capacita a amar. Inicie a aula de hoje, perguntando aos alunos como eles fazem para perdoar quando são ofendidos ou passam por alguma situação que lhes causa mágoa.


Pergunte se eles têm mais ou menos dificuldade em perdoar. Aproveite este momento para conceituar o que é e o que não é o perdão. Permita que os alunos participem dessa proveitosa conversa e, em seguida, prossiga com os tópicos da lição. Boa aula!


VAMOS DESCOBRIR

Alguém já fez alguma coisa contra você de modo que o seu coração ficou muito magoado? Certamente, foi uma péssima experiência. Agora, pense na situação contrária em que você ofendeu a outra pessoa. Ela também deve ter experimentado uma situação muito amarga. À medida que nos relacionamos com o próximo, é muito comum sofrermos decepções ou mesmo decepcionarmos pessoas. Por essa razão, o Senhor Jesus ensinou aos seus discípulos o dever de liberar o perdão.

HORA DE APRENDER

Já vimos anteriormente que o maior problema da humanidade é o pecado. Ele atrapalha nosso relacionamento com Deus e, também , com as outras pessoas. A solução para o pecado é a restauração da comunhão com Deus que só pode ser alcançada mediante o perdão. Nesse sentido, o ato sacrificial de Jesus sobre a cruz foi o meio que Deus usou para nos perdoar e reconciliar com Ele. Assim sendo, como pertencentes ao Reino dos Céus, temos o dever de estender esse mesmo perdão às demais pessoas.

 

I - APRENDENDO A PERDOAR

Os seres humanos têm alguns comportamentos que aparecem em qualquer lugar e época. Agir com amor e vingança estão entre eles. A vingança ou a retribuição na mesma medida, por exemplo, eram práticas comuns nos tempos antigos (Nm 35.9-34; Gn 34.25; Jz 16.28; Mt 5.38-42; Lc 6.29-30). Você já ouviu falar de “olho por olho, dente por dente”? Então, essa é uma lei muito antiga e famosa que faz parte do Código de Hamurabi e representa a tradição de retaliar o que as pessoas fazem. Jesus, porém, nos ensinou um novo conceito de perdão.

1.1. O perdão é um dever cristão.

Jesus tratou sobre esse assunto, rejeitando o pensamento de vingança quando ensinou sobre o perdão. Em Mateus 18.21-33 (NTLH), lemos que, certa vez, Jesus contou uma história para ilustrar o caso. Um empregado tinha uma dívida de milhões de moedas de prata com o rei. Era impagável! Nesse caso, ele e sua família precisariam ser vendidos como escravos, bem como tudo o que tinha e nem assim a dívida seria paga. Diante dessa situação delicada, o empregado pediu misericórdia.

 

O rei ficou tocado com a situação e perdoou-lhe a dívida. Depois disso, esse mesmo empregado encontrou um colega que lhe devia cem moedas de prata, muito menos do que ele devia ao rei. Com ameaças e violência, o empregado exigiu que a dívida fosse paga imediatamente.

 

O colega pediu misericórdia, mas não adiantou, o credor o colocou na cadeia. Esse ocorrido chegou aos ouvidos do rei que, indignado pela atitude do empregado, mandou prendê-lo até que ele pagasse tudo o que lhe devia anteriormente. Jesus disse que Deus fará o mesmo com aquelas pessoas que não perdoarem seus irmãos (Mt 11.35).

 

1.2. O perdão deve ser sincero.

Na história que Jesus narrou o empregado havia acabado de ser perdoado por uma dívida muito maior, impagável, porém não quis perdoar o seu companheiro por muito menos.

 

Em razão disso, o rei voltou atrás da sua decisão e anulou o perdão. Semelhantemente, Deus fará para com aqueles que já provaram do perdão divino, porém, insistem em não perdoar o próximo (Mc 11.25,26). É da vontade de Deus que nós pratiquemos o perdão. O sentido de perdoar setenta vezes sete vezes, que Jesus ensinou a Pedro, não tinha como finalidade estipular um limite para perdoar, e sim para dizer que sempre se deve perdoar (Mt 18.21,22). Logo, o perdão deve ser uma decisão sincera.

 

I - AUXÍLIO DIDÁTICO

“Preparação de aulas em conjunto com outros professores. Muitos professores estudam a lição por conta própria. Embora estudar sozinho seja necessário e benéfico, há muitas ocasiões em que os professores podem fazer um trabalho melhor planejando seus métodos em conjunto com outros professores do departamento que ensina [adolescentes] da mesma faixa etária, ou que utilizam os mesmos materiais de aula. Se houver um professor substituto ou um professor assistente (deve haver), planeje em conjunto com eles.

 

Procedimentos:

1. Avaliem a lição do domingo anterior;

2. Leiam juntos a passagem bíblica que será ensinada no domingo seguinte;

3. Orem juntos;

4. Conversem e especifiquem o propósito da aula;

5. Compartilhem os resultados do estudo individual feito em casa;

6. Preparem uma lista de atividades de aprendizado; – 7. Considerem incluir atividades sugeridas pelos [adolescentes];

8. Ensaiem canções;

9. Tenham comunhão um com o outro.

 

Todos os professores devem estudar a lição antes da sessão de planejamento. […] Cada professor deve trazer uma lista de músicas, versículos bíblicos, tópicos para discussão, atividades relacionadas, e trabalhos manuais a serem utilizados” (texto adaptado — TOWNS, Elmer L. Enciclopédia da Escola Dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 2017, pp. 505, 506).

 

II - O PROBLEMA DO PECADO

A pessoa que busca o perdão deseja isentar-se de algo, ou seja, ficar livre de culpa, pena, ofensa ou dívida. Perdoar, então, significa deixar de punir, não culpar, mas tratar com piedade o pecador.

 

2.1. O perdão se alcança pela confissão.

Se confessarmos os nossos pecados, Jesus é fiel e justo para nos perdoar e purificar (1 Jo 1.7; 2.1). Merecíamos a morte pela nossa culpa diante de Deus, mas, pela sua graça, não somos mais culpados. Por isso, é necessário se reconhecer como pecador e pedir perdão. Nosso Deus é justo, sim, mas também já aprendemos que Ele é amoroso, compassivo e misericordioso. Por isso, apesar da nossa culpa diante dEle, quando aceitamos a Jesus e confessamos os nossos pecados, somos perdoados e recebemos a vida eterna.

 

2.2. O perdão exige o arrependimento sincero.

O amor do Pai não está naqueles que amam o pecado (1 Jo 2.15). Isso não significa que Deus não ama o pecador (Rm 5.8), e sim que não aceita que ele viva na prática do pecado. A falta de arrependimento impede que o amor e a obediência floresçam. Por isso, toda a humanidade precisa se arrepender sinceramente dos seus pecados para experimentar a salvação (Rm 3.23; 1 Jo 1.8). Você entende, agora, por que há tanta confusão no mundo em que vivemos? É porque o pecado atrapalha o trabalho do amor.

 

II - AUXÍLIO TEOLÓGICO

“A reconciliação remove a inimizade que se coloca entre Deus e a humanidade por causa do pecado e a substitui pela paz” (Rm 5.10-12; Ef 2.13-15). É o aspecto mais importante da redenção de Deus: remove a alienação, nos restaura ao favor de Deus, e nos leva à sua presença (Ef 2.16-19). A realização disto exige uma solução do pecado, não imputando aos homens as suas transgressões (2 Co 5.19), isto é, através do perdão (cf. Rm 3.6-8). Paulo deixa claro que longe de ser uma parte passiva nesta transação, o próprio Deus é o autor e o iniciador da reconciliação. Foi Ele que nos reconciliou consigo mesmo através da instrumentalidade pessoal de seu Filho.


A unidade do propósito divino entre o Pai e o Filho é tal que Paulo pode dizer, ‘Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo’ (v. 19). Isto é, Cristo estava unido a Deus, o Pai, nesta obra divina de reconciliação; foi Ele que nos deu o ministério da reconciliação’ (v. 18) e ‘pôs em nós a palavra da reconciliação’ (v. 19). Da provisão até a proclamação, Deus é o autor, o arquiteto, e a força motora da reconciliação.


[…] O que permite a Deus fazer tal oferta graciosa de reconciliação e salvação (6.2) é sua própria provisão de expiação. Deus tomou o Cristo sem pecado (cf. também Rm 8.3; Hb 4.15; 7.26; 1 Pe 1.19; 1 Jo 3.5) e o fez ‘pecado por nós”’ (Comentário Bíblico Pentecostal — Novo Testamento: Romanos-Apocalipse. Vol. 2. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, pp. 293, 294).

 

III - PERTENCERÃO REINO DOS CÉUS

A vida que temos em Cristo se reflete em nossos relacionamentos. Da mesma forma que fomos perdoados por Deus, devemos perdoar quando alguém faz algo contra nós. Pode parecer que essa ideia de vingança é só “de antigamente’’, mas, na verdade, é algo da natureza humana. É um sentimento que brota no coração de qualquer pessoa, mas Jesus nos ensina, por meio dos Evangelhos, que seremos castigados se não perdoarmos o próximo.

 

3.1. Vivendo de acordo com o Reino de Deus.

O Mestre nos ensinou que o Reino dos Céus já está entre nós e, por isso, devemos viver de modo que a vontade de Deus seja feita. Que não sejamos como o empregador ingrato e possamos reconhecer o grande perdão que recebemos do Senhor. Viver de modo que a vontade de Deus seja feita neste mundo como é feita nos céus significa estender o mesmo perdão que recebemos às pessoas que nos ofenderam. Isso agrada ao coração de Deus.

 

3.2. Temos o auxílio do Espírito Santo.

Você tem dificuldade para perdoar as pessoas? Muitos adolescentes responderão que sim. Saiba, porém, que você pode contar com a ajuda do Espírito Santo que habita em você. Ele pode ajudá-lo (a) a superar essa dificuldade. Entenda que é natural que o sentimento ferido o condicione a não querer perdoar.

 

Entretanto, perdoar trata-se de uma decisão e essa escolha nos traz cura e saúde espiritual. Uma vida de oração também nos ajuda a praticar o perdão. No modelo da oração do Pai Nosso, Jesus ensinou que devemos dizer: “Perdoa as nossas ofensas como também nós perdoamos as pessoas que nos ofenderam ” (Mt 6.12). Você sente que precisar perdoar alguém ? Ou está precisando pedir perdão por algo que fez? Ore para que o Senhor lhe ajude a lidar com essa situação.

 

III - AUXÍLIO DIDÁTICO

“O período de conceituação abstrata.

Muitas tensões e ajustes reais acontecem durante este período enquanto a criança atravessa a fase de transição para a maioridade. Suas atitudes, habilidades e personalidades continuam em formação e sua imaginação assume nova vivacidade e criatividade. Ela pensa abstratamente e pode argumentar por si mesma com mais persuasão íntima. Ela deseja tomar suas próprias decisões e, tanto quanto possível, deve ser orientada a fazê-lo. Pensar com nitidez e lógica torna-se importante no processo de tomada de decisão na transição para a maioridade.


O Espírito de Deus começa a se mover na vida da criança para convencer, confortar e guiar. Neste período, os pais ajudam-nas a formar padrões, ideias e ideais de hábitos cristãos. Contribuições parentais cruciais, como por exemplo, a oração e o aconselhamento pessoal, podem causar grande impacto nesta fase de desenvolvimento. Os pais proporcionam ao adolescente em desenvolvimento segurança quando comunicam com amor, confiança e apoio. Eles também precisam perceber que Deus revela seu plano para a vida da criança.


O plano do Senhor nem sempre é exatamente o que os pais tinham em mente, e a sensibilidade deles ao modo como Deus conduz a criança durante este período é extremamente importante” (HENDRICKS, Howard G.; GANGEL, Kenneth O. (Eds). Manual de Ensino para o Educador Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp. 338, 339).


CONCLUSÃO

Em nosso dia a dia temos a escolha de não pecar, mas quando isso acontece devemos recorrer a Jesus e pedir perdão. Da mesma forma, somos ensinados, como bons cristãos, a perdoar aqueles que nos ofenderam. Só entende a grandeza do perdão quem já precisou ser perdoado. Será que estamos vivendo conforme a vontade de Deus e praticando o amor e o perdão ou estamos guardando ressentimento das pessoas? É uma pergunta que devemos nos fazer diariamente se quisermos viver de acordo com o Reino dos Céus.


PENSE NISSO

Provérbios 15.13 diz que “a alegria embeleza o rosto, mas a tristeza deixa a pessoa abatida”. Carregar mágoa ou ódio no coração faz mal para a saúde espiritual e física. Isso se torna um peso na vida da pessoa, impedindo a ação do amor de Deus. Por isso, aprenda a praticar o perdão para viver de maneira leve e abundante.

NOVAS LIÇÕES

👉 Novas lições da classe dos ADULTOS- Aqui

👉 Novas lições da classe dos JOVENSAqui

👉 Novas lições BETEL da classe dos ADULTOS - Aqui

Post Bottom Ad