Lição 4 O Bom Pastor Está Comigo - Subsídios Dominical

DICAS:

Post Top Ad

RESVISTA CRISTAO ALERTA
------

Lição 4 O Bom Pastor Está Comigo

🎓 Classe: JOVENS

Revista: Do professor - CPAD

Trimestre: 2° de 2023

Título: Encorajamento, Instrução e Conselho: Alcance uma vida cristã feliz com os ensinos dos Salmos

Comentarista: Marcelo Oliveira

 

TEXTO PRINCIPAL

“O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo (Sl 23.1,4).

RESUMO DA LIÇÃO

O Senhor Deus supre todas as necessidades. Ele é o nosso pastor e, por isso, tudo preenche.

LEITURA SEMANAL

SEGUNDA – Jo 10.27

As ovelhas conhecem a voz do pastor

TERÇA – 2 Co 4.16

Deus renova o interior

QUARTA – Ef 4. 23,24

Revestidos de um novo homem em justiça

QUINTA – Et 6.1-11

Quando o justo é honrado

SEXTA – Lc 18.8

Perseverando no Senhor

SÁBADO – Jo 10.11

O bom Pastor

OBJETIVOS

1. APRESENTAR um panorama do Salmo 23;

2. COMPREENDER o porquê da plena confiança em Deus;

3. EXPLICAR o que é a plena provisão do Pai Celestial.

 

INTERAÇÃO

Prezado (a) professor(a), nesta Lição estudaremos o Salmo 23, um dos mais conhecidos e recitados por pessoas de todas as idades. Um cântico que exalta a confiança em Deus. Sabemos que todos nós enfrentamos momentos difíceis, mas nós não estamos sozinhos e podemos encontrar no Senhor o refúgio e segurança que precisamos. Tal verdade traz conforto e segurança para nós e “refrigera a nossa alma”. No decorrer da lição, procure enfatizar que tudo de bom que acontece com o justo vem tão somente de Deus. Por isso, em quaisquer circunstâncias ou dificuldades, podemos declarar convictamente que o Pastor está conosco. Que tribulação alguma nos faça esquecer de que temos um pastor que cuida de nós; um anfitrião que nos agracia, dia a dia, com um rico banquete espiritual. Deus está com você em todos os momentos, confie!

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor (a), converse com os alunos explicando que “ao descrever o Senhor como um pastor, Davi escreveu sobre a sua experiência, porque passou muitos anos de sua juventude pastoreando ovelhas, que são completamente dependentes do pastor para provisão, direção e proteção (l Sm 16.10,11). Diga que o Novo Testamento chama Jesus de o Bom Pastor, o Grande Pastor e o Sumo Pastor. Em seguida, peça que três alunos(as) encontrem as referências no Novo Testamento que apresentam Jesus como o Bom Pastor, o Grande Pastor e o Sumo Pastor. Conclua pedindo que os alunos leiam as referências encontradas. As referências são:

O Bom Pastor (Jo 10.10):

O Grande Pastor (Hb 13.20);

O Sumo Pastor (1 Pe 5.4).

TEXTO BÍBLICO

Salmos 23.1-4

1 O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará.

2 Deitar-me faz em verdes pastos, guia- -me mansamente a águas tranquilas.

3 Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.

4 Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

 

INTRODUÇÃO

Nesta lição, estudaremos o Salmo 23. Veremos que a palavra-chave dele é confiança. Deus aparece neste salmo como o pastor e o anfitrião do salmista.

I – PANORAMA DO SALMO 23

1. Confiança em Deus.

De autoria de Davi, o Salmo 23 é um dos mais queridos e declamados salmos na vida da Igreja. A expressão “o Senhor é o meu pastor e nada me faltará” está nos lábios da maioria dos cristãos. Essa expressão traz consigo exatamente o tema que domina todo o Salmo; a confiança em Deus.

Por isso, muitos cristãos que passam por momentos de estresse, ansiedade, angústia e depressão encontram, no Salmo 23, consolo e descanso para a alma. Todo leitor atento percebe um ambiente de oásis que brota das letras do Salmo. Toda alma cansada pode encontrar descanso nessa porção da Palavra de Deus. Assim, veremos que o Salmo 23 traz duas imagens: a do pastor (vv.1-4) e a do anfitrião (vv.5,6).

 

2. A estrutura do Salmo 23: a imagem do pastor.

A imagem do pastor no Salmo revela as atividades de um pastor com suas ovelhas no campo: ele as alimenta e as satisfaz; guia e orienta; recupera quando machucadas; as protege diante do perigo; não as deixa sozinhas; cuida, dando-lhes conforto (vv 1-4). No Novo Testamento, encontramos nosso Senhor dizer que suas ovelhas conhecem a sua voz, pois Ele é o Bom Pastor (Jo 10.27). As características do Bom Pastor, mencionadas por Jesus, são as mesmas encontradas no Salmo 23 (Sl 23.1-4; cf. Jo 10.9,11,14). O nível profundo de relacionamento faz com que a ovelha reconheça o seu pastor (Jo 10.16).

 

3. A estrutura do Salmo 23: a imagem do anfitrião.

A imagem do anfitrião revela a característica provedora de Deus (vv.5.6). No contexto do Salmo, Deus é apresentado como o que oferece um banquete aos seus filhos diante dos que se tornaram adversários e trabalharam para prejudicá-los. O compositor sabia bem dessa realidade, pois ninguém como ele a experimentou por meio de muitas conspirações no reinado de Israel (cf. 2 Sm 2.1-32; 3-1- 39. 13,1- 39)- Assim, como bom anfitrião, o Senhor foi bondoso, misericordioso com o seu servo.

 

SUBSÍDIO 1

Professor(a), explique que ‘nenhuma parte das Escrituras, com a possível exceção da Oração do Pai Nosso, é mais conhecida do que ‘O Salmo do Pastor’. Sua beleza literária e percepção espiritual são insuperáveis. Como observa Taylor. Ao longo dos séculos esse Salmo tem conquistado um lugar supremo na literatura religiosa do mundo.

 

Todos que leem, independentemente de idade, raça ou circunstâncias, encontram na beleza pacífica dos seus pensamentos uma amplitude de percepção espiritual que satisfaz e domina a alma. Ele pertence à classe de Salmos que exalam confiança e segurança no Senhor […). Aqui o salmista não apresenta um prefácio de queixas acerca das dores e enfermidades ou traição dos inimigos, mas inicia e termina com palavras de gratidão pela bondade eterna do Senhor.

 

Oesterley também escreve: Esse breve e seleto Salmo, provavelmente o mais conhecido de todos os Salmos, relata de alguém cuja confiança sublime em Deus lhe trouxe paz e contentamento. O relacionamento íntimo com Deus sentido pelo salmista é expresso por duas figuras representando o protetor e o Anfitrião amoroso. A breve referência aos inimigos indica que ele não estava livre da maldade e intenção perversa de pessoas do seu povo, mas a menção delas é superficial.

 

Diferentemente de tantos outros salmistas que são vítimas de inimigos inescrupulosos e que acabam exteriorizando sua amargura de espírito, esse servo fiel de Deus tem somente palavras de reconhecimento e gratidão pela bondade divina.” (Comentário Bíblico Beacon. Vol. 3. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p. 151.)

 

II – A PLENA CONFIANÇA EM DEUS

1. O Senhor como pastor (v.1).

No Antigo Testamento, Deus é visto como o Pastor do seu povo (Gn 49.24). Neste Salmo, à luz da experiência de Davi em apascentar as ovelhas, o salmista recobra essa imagem de Deus como o seu pastor, dizendo que Ele o basta em tudo. Deus é o supremo pastor do seu povo e, por ser assim, de nada sentiremos falta do que necessitamos (cf. Fp 4.13).

Ele nos supre, guarda e sara as feridas de nossas almas. Diante do contexto atual, quem tem sido o seu bom pastor? A quem você tem se dirigido para buscar auxílio? Você pode afirmar que, como bom pastor, Deus o (a) preenche por completo?

 

2. O Senhor que trata a alma (vv.2,3).

Esses dois versículos mostram como Deus preenche o interior do ser humano. “Deitar em verdes pastos” e “guiar às águas tranquilas” remontam a ideia de quietude da alma. Por isso, no versículo 3, o salmista diz: “Refrigera a minha alma”. Assim, tratada e descansada, essa alma receberá instruções para andar em retidão e justiça. Esse tratamento interior é tão necessário que o apóstolo Paulo fala disso em suas cartas, dizendo que o nosso homem interior deve se renovar dia em dia diante dos desafios exteriores (2 Co 4.16: Ef 4.23,24). Assim, cada vez mais que nos relacionamos com Cristo, temos a nossa vida interior renovada e, por isso, podemos testemunhá-lo em quaisquer áreas da vida.

 

3. O Senhor está conosco.

Ser tratado pelo Senhor, ser tomado pela sua mão e descansar nEle não quer dizer que não passaremos por situações de perigo. Não significa que não atravessaremos momentos dolorosos. Entretanto, o salmista tem uma visão realista da vida, sabe que o dia mal pode chegar a qualquer momento, mas também sabe que o pastor não o deixará em falta: Tu estás comigo” (v.4).

Que declaração de confiança! O pastor está na jornada da alma do salmista. Por isso, ele sabe que, ainda que esse momento inseguro lhe cause lamentos, ele será consolado pelo pastor (v.4). Nosso Senhor disse que no mundo teríamos aflições, mas não deixaríamos de ter paz (Jo 16.33; cf. 14 27)- Quem já experimentou o refrigério do Senhor em momentos difíceis sabe o quanto Ele é bom e cuida de nós. Precisando desse refrigério, permita que a letra, a beleza e a realidade espiritual desse Salmo inundem a sua alma e, como ovelha do bom Pastor, encontre refúgio debaixo do seu cajado.

 

SUBSÍDIO 2

Professor (a), explique aos alunos que “Davi podia escrever a partir da sua rica experiência pessoal com as ovelhas: ‘O Senhor é o meu Pastor; nada me faltará’ (v. 1; isto é, não sentirei falta de qualquer coisa indispensável). Existem ‘sete provisões’ que 0 Pastor supre para as suas ovelhas:

a) ‘Não me faltará completa satisfação’ (v. 2). Deitar-me em verdes pastos fala, literalmente, de pastos de capim macio e novo. Dizem que as ovelhas nunca se deitam, até que estejam satisfeitas. Cada necessidade espiritual é suprida. A figura transmite um completo descanso na satisfação proporcionada pelo cuidado vigilante do grande Pastor.

b) ‘Não me faltará orientação’ (v. 2).

Guia-me mansamente a águas tranquilas, ou ‘águas de descanso’. Continuando a ideia de provisão para as necessidades do rebanho, o poeta acrescenta o pensamento de orientação. O pastor oriental empurra ou impele, ele sempre guia suas ovelhas,

c) ‘Não me faltará restauração’ (v. 3).

‘Refrigera a minha alma. isto é, Ele me aviva, renova e refresca. Esse é um tema recorrente do Novo Testamento; ‘O interior, contudo, se renova de dia em dia’ (2 Co 4.16). ‘E vos renoveis no espírito do vosso sentido’ (Ef 4.23); ‘E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento’ (Cl 3.10). Essa graça que sustenta a alma.

d) ‘Não me faltará instrução da justiça’ (v. 3). ‘Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. As veredas da justiça são caminhos planos. Uma das funções das Escrituras é ‘instruir em justiça’ (2 Tm 3.16). Deus não somente adverte contra o mal; Ele nos guia nos caminhos da justiça, Isso ocorre por amor do seu nome, provando o tipo de Deus que Ele é. 0 Deus, cujo nome é santo, quer que seu povo também seja santo (Lv 19.2; 1 Pe 1.14-16),

e) ‘Não me faltará coragem diante do perigo’ (v. 4).

Ainda que eu ande pelo vale da sombra (hb., escuridão profunda e mortal) da morte, não temerei mal algum. Aqui está a certeza da ajuda no momento mais difícil da vida. A morte não é um adversário desprezível. Ela é o nosso último grande inimigo (1 Co 15.26).” (Comentário Bíblico Beacon. Vol 3. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp. 152,153).

 

PROFESSOR (A), “os crentes são as ovelhas do Senhor. Pertencemos a Ele e somos alvo especial do seu amor e atenção. Embora ‘todos nós andemos desgarrados como ovelhas’ (Is 53.6), o Senhor nos redimiu com seu sangue derramado (1 Pe 1.18,19), e agora somos dEle. Como suas ovelhas, podemos lançar mão das promessas desse Salmo quando atendemos a sua voz e o seguimos. Quando fico desanimado. O Bom Pastor revigora minha alma mediante seu poder e graça (Pv 25.13).

Guia-me por meio do Espírito (Rm 8.14) nos caminhos escolhidos, que se conformam com seus alvos de santidade (Rm 8. 5-14) Correspondo obedecendo: sigo o Pastor ouvindo a sua voz (Jo 10.3,4); não seguirei ‘a voz de estranhos” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 833).

 

III – A PLENA PROVISÃO DE DEUS

1. A impotência dos adversários diante da provisão de Deus (v.5).

Saindo da imagem do campo para a de uma casa, a expressão “preparas uma mesa” traz a ideia de o anfitrião convidar o justo para uma refeição. Nela, os inimigos do justo estarão presentes. Estudiosos dizem que aqui aparece uma imagem da demonstração pública que um rei oriental fazia para honrar alguém na presença de todos.

 

Nesse sentido, os inimigos estariam presentes diante da honraria do rei. Isso lembra um pouco o episódio de Mardoqueu em que Hamã, o inimigo dele, teve de honrá-lo (Et 6.1-11). Então, o Salmo mostra Deus honrando o salmista, ungindo-o com óleo – segundo os estudiosos, um óleo perfumado que representava hospitalidade e favor – e transbordando o cálice, que simboliza a grande generosidade do Anfitrião.

 

Lembre-se de que Deus já tratou assim conosco. Muitos pecadores, com vidas destruídas, já foram completamente restaurados por Deus e servidos por Ele com graça, abundância de bênçãos espirituais e materiais sem medidas, Podemos afirmar que milhares de pessoas que outrora foram vítimas de palavras de morte, hoje contemplam uma realidade de bênçãos inimagináveis.

 

2. Bondade e misericórdia do Senhor (v.6).

Aqui, como consequência de todo bem que o Senhor fez com o salmista, ele chega à conclusão de que a sua vida será conduzida debaixo da bondade e misericórdia de Deus. A cada dia, experimentamos a bondade e a misericórdia do Senhor. Como o salmista tinha a convicção de que bondade e misericórdia seriam realidade por todos os dias da vida dele, essa realidade também é a nossa até a volta do Senhor Jesus (Mt 28.20; Lc 6.38).

 

3. Habitando na Casa do Senhor (v.6).

Portanto, o salmista esperava habitar na Casa do Senhor por longos dias, ou “por dias sem fim” ou “todos os dias da minha vida” ou “para todo sempre”. Aqui a ideia é de servir a Deus por toda a vida. Nesse contexto, não há como olhar para trás depois de conhecer e experimentar o Senhor como pastor e anfitrião de nossas vidas. Como cristãos, anelamos por estar com Cristo para todo o sempre (1 Ts 417).

 

Por isso, devemos perseverar para nos acharmos fiéis na ocasião de sua vinda (Lc 18.8; 2 Tm 4.8). Nesse caso, a melhor forma de fazer assim é estar em comunhão com outros jovens e demais irmãos na igreja Local, exercer a vocação como gratidão ao que Deus fez em sua vida e manter-se fiel a Ele em toda reverência e santidade.

 

SUBSÍDIO 3

“A ideia do completo cumprimento de cada necessidade com a qual o salmo inicia continua controlando o seu desenvolvimento, mas a comparação muda do Pastor para o Anfitrião, do campo para a casa. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos (v. 5) retrata a marca da apreciação pública que o rei oriental mostrava àquele que desejava honrar de uma maneira especial.

 

Essa é a única referência passageira aos inimigos que aparecem descritos tão amplamente em outros salmos de Davi. ‘Unges a minha cabeça com óleo’: não é o óleo da unção que era usado para empossar o rei ou o sacerdote; um outro termo hebraico é usado para esse fim. Esse era um óleo perfumoso amplamente usado em banquetes do Oriente antigo como marca de hospitalidade e favor.

A cabeça ungida com óleo é uma figura bíblica comum para abundância de alegria. O meu cálice transborda simboliza a provisão abundante oferecida pelo generoso Anfitrião,” (Comentário Bíblico Beacon. Vol 3. Rio de Janeiro: CPAD. 2005, p. 153)

 

CONCLUSÃO

Temos um pastor que cuida de nós. Temos um anfitrião que nos agracia com um rico banquete espiritual. O dia a dia de nossas vidas nos impõe desafios bem complexos. Por isso, devemos estar seguros no Pastor que não nos falta, no anfitrião que é generoso para conosco. Temos muitas razões para, numa ocasião de sombra e penumbra, declarar: “Tu estás comigo”. Sim, Deus está com você. Ele sempre esteve. Que o Espírito Santo seja percebido em cada metro quadrado em que habitamos!

HORA DA REVISÃO

1. Quais as duas imagens presentes no Salmo 23? A imagem do pastor e a imagem do anfitrião.

2. Quais versículos mostram como Deus preenche o interior do ser humano? “Deitar em verdes pastos” e “guiar as águas tranquila”.

3. Segundo a lição, qual a visão realista que o salmista tem da vida? O salmista tem uma visão realista da vida. sabe que o dia mal pode chegar a qualquer momento, mas também sabe que o pastor não o deixará em falta: Tu estás comigo” (v.4)

4. Que ideia a expressão “preparas uma mesa” traz? A expressão “preparas uma mesa” traz a ideia de o anfitrião convidar o justo para uma refeição.

5. Segundo a lição, qual é a ideia presente nas expressões “habitar na Casa do Senhor ‘por dias sem fim’ ou ‘todos os dias da minha vida?” Aqui a ideia é de servir a Deus por toda a vida.

Este E-book é uma verdadeira fonte informativa para os novos e os veteranos professores de Escola Bíblica.


Post Bottom Ad