LIÇÃO 10 A Sutileza Contra a Prática da Mordomia Cristã

🔥 Classe Dominical: Lições Bíblicas Adultos

Trimestre: 3° de 2022

📚 Editora: CPAD

Comentarista: José Gonçalves

📝 Assunto da Revista: OS ATAQUES CONTRA A IGREJA DE CRISTO:  As Sutilezas de Satanás nestes Dias que Antecedem a Volta de Jesus Cristo

📚  TEXTO ÁUREO

“E [Abrão] deu-lhe o dízimo  de tudo.” (Gn 14.20)

💡  VERDADE PRÁTICA

Contribuir financeiramente para obra de Deus é mais que um dever. É um privilégio! É a expressão de gratidão ao Pai por todas as suas bênçãos dispensadas.

 LEITURA DIÁRIA

Segunda - 2 Co 8.1-4

A verdadeira motivação da verdadeira mordomia cristã

Terça - 1 Tm 6.20

O perigo do amor ao dinheiro na vida do crente

Quarta - Hb 13.5

É preciso ter cuidado contra o sentimento de avareza

Quinta - Sl 24.1; At 17.24

A Deus pertence o mundo e tudo o que nele há

Sexta - Dt 8.18; Pv 10.22

O Senhor faz o seu povo prosperar, abençoando-o maravilhosamente

Sábado - Gn 14.24

Abraão, um mordomo que agia com justiça

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Gênesis 14.17-20

17 - E o rei de Sodoma saiu-lhes ao encontro (depois que voltou de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele) no vale de Savé, que é o vale do Rei. 

18 - E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e este era sacerdote do Deus Altíssimo.

19 - E abençoou-o e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra;

20 - e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo.


Hinos Sugeridos: 124, 380, 432 da Harpa Cristã

PLANO DE AULA

1. INTRODUÇÃO

O nosso tempo é marcado pelo apego às coisas materiais. Por isso, esse tempo também é marcado pelo enfraquecimento da mordomia cristão, ou seja, a administração dos bens que Deus nos deu. Nesse sentido, a presente lição apresenta o problema do "evangelho" da barganha; depois expõe a doutrina bíblica do dízimo; em seguida, amplia a reflexão a respeito da mordomia cristã de modo geral. Assim, veremos que Deus é o fiel provedor; e o homem, o despenseiro das coisas de Deus.

2. APRESENTAÇÃO DA LIÇÃO

A) Objetivos da Lição:

I) Expor os equívocos do Evangelho da barganha;

II) Mostrar que a doutrina bíblica do dízimo está sob ataque;

III) Afirmar a doutrina bíblica da Mordomia Cristã.


B) Motivação: O dízimo é uma disciplina espiritual em que é possível mensurar o nível de materialismo que se encontra em nosso coração. Que, a partir dessa lição, possamos compreender melhor o privilégio de cultuar a Deus e sustentar sua obra por meio da entrega generosa de nossos dízimos e ofertas. 

C) Sugestão de Método: Para introduzir o segundo tópico, e de acordo com as suas possibilidades, apresente o seguinte trecho textual: "Aqueles que ainda hoje creem que o Antigo Testamento exige a prática do dízimo, mas que o Novo não contém essa exigência, devem observar que a natureza do culto e seus fundamentos no Novo Testamento não mudaram. Mudou apenas a forma do culto, mas não a sua função" (A Prosperidade à Luz da Bíblia, CPAD, p.143). Abra a oportunidade para os alunos comentarem a respeito desse trecho. Em seguida, trate o assunto de acordo com a exposição do segundo tópico a fim de fechá-lo devidamente.      

 

3. CONCLUSÃO DA LIÇÃO

A) Aplicação: A nossa mordomia em relação aos dízimos e ofertas está fundamentada nos princípios bíblicos da gratidão e da honra com as primícias do que Deus nos dá. Estimule os alunos a serem gratos a Deus e a honrá-lo com as primícias do que Deus tem dado. Todo dia somos beneficiados pelo favor de Deus, pelo bem do Senhor.

 

4. SUBSÍDIO AO PROFESSOR

A) Revista Ensinador Cristão. Vale a pena conhecer essa revista que traz reportagens, artigos, entrevistas e subsídios de apoio à Lições Bíblicas Adultos. Na edição 91, p.41, você encontrará um subsídio especial para esta lição.

B) Auxílios Especiais: Ao final do tópico, você encontrará auxílios que darão suporte na preparação de sua aula: 1) O texto "Teologia da barganha" é uma reflexão que expande o primeiro tópico a respeito do assunto, trazendo luz para uma ameaça tão perniciosa nos últimos tempos; 2) O texto "O Mordomo no mundo antigo", localizado após o terceiro tópico, traz uma explicação dessa função no mundo de Jesus.


INTRODUÇÃO

Nesta lição abordaremos a doutrina bíblica da Mordomia Cristã. Há muitos equívocos, incompreensões, distorções em torno dessa doutrina. Isso tem feito com que essa ela tenha sido maliciosamente rejeitada e combatida por parte de muitos. Em primeiro lugar, deve ser observado que “mordomia” aqui tem o sentido de administrar bem o que Deus nos deu, e não os privilégios vividos indevidamente por alguém.

 

Visando corrigir alguns ensinos equivocados em torno desse assunto que, sutilmente se infiltraram no meio evangélico, faremos uma exposição daquilo que as Escrituras ensinam sobre a Mordomia Cristã. Por outro lado, veremos também como muitos maldosamente transformaram esse ensino numa prática de barganha. Entretanto, também mencionaremos que os que se posicionam contra a prática do dízimo usam esses estereótipos como justificativa para sua infidelidade.

 

Finalmente, mostraremos que a prática do dízimo e das ofertas, longe de ser um fardo, é expressão de gratidão por parte do cristão que se sente agraciado por Deus.

PALAVRA-CHAVE

Mordomia

 

I – CONHECENDO O EVANGELHO DA BARGANHA

1. Dízimos e ofertas como moeda de troca.

Infelizmente o ensino bíblico da Mordomia Cristã tem sido desvirtuado e distorcido. O que é uma doutrina genuinamente bíblica tem se transformado numa prática de barganha. (2 Pe 2.3).

 

Técnicas de arrecadação de fundos são usadas para explorar os incautos e mais pobres. Vale de tudo. E o que é pior: tudo em nome de Deus e da fé. Através das mídias pessoas são abordadas a toda hora com mais pedidos e apelos por dinheiro. 

 

A promessa sempre é a mesma: “Dê tudo o que você tem para receber em troca muito mais daquilo que você ofertou”. Nesse jogo de troca vale até mesmo colocar Deus contra a parede. Alegam que, se Deus não der o que alguém negociou com Ele, então, deixa de ser Deus. É a velha técnica da famigerada teologia da prosperidade.

 

2. Dízimos e ofertas como práticas legalistas.

Outro efeito colateral do evangelho da barganha está no fato de que ele é legalista. Isso quer dizer que torna a prática do dízimo e das ofertas algo meritório.  Essas práticas tornam-se fatores fundamentais para a salvação.

 

Quando elas são consideradas meritórias, a salvação deixa de ser pela graça para se tornar pelas obras. Evidentemente, que essa é uma distorção da verdadeira Mordomia Cristã (2 Co 8.1-4). Somos aceitos diante de Deus por causa do sangue que Jesus verteu na cruz do Calvário. Em outras palavras, a salvação não é pelas obras, mas pela graça (Rm 3.28).

 

SINOPSE I

A entrega dos dízimos e das ofertas não é barganha com Deus nem prática legalista.

 

AUXÍLIO TEOLÓGICO

TEOLOGIA DA BARGANHA

“A teologia que fomenta a barganha com Deus tem como um dos seus pressupostos a doutrina do direito legal do crente. Segundo essa crença, ao morrer na cruz, Jesus Cristo conquistou para os crentes muitos direitos. Cabe agora ao cristão se conscientizar da existência deles e reivindicar para si a concretização desses direitos. A posse da bênção passa agora a ser um direito líquido e certo, e não algo que está condicionado à vontade divina.

 

A doutrina do direito legal deu amplos poderes ao crente, a ponto de ele agora poder usá-lo até mesmo como moeda de troca. Acreditam que Deus não tem o direito de dizer não a quem Ele conferiu o direito de exigir. O devoto ganha direitos; Deus perde o seu! Promessas de curas e prosperidade são feitas àqueles que descobriram essa “doutrina” e fazem uso dela. Já é bastante conhecida entre os crentes a famosa doutrina da Determinação. Não é mais preciso orar, e sim determinar.

 

Deus criou leis espirituais, e o crente deve saber como usar essas leis. Segundo essa exegese, Jesus não teria dito “tudo quando pedirdes em meu nome”, mas “tudo o que exigirdes ou determinardes em meu nome” (Jo 14.13). Embora não exista nada no texto grego que corrobore esse ensino, os pregadores da prosperidade insistem que assim deve ser” (GONÇALVES, José. A Prosperidade à Luz da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2011, pp.154-55).

 

II – A DOUTRINA BÍBLICA DO DÍZIMO SOB ATAQUE

1. O dízimo era uma prática da lei.

Muitos se aproveitam daquilo que os maus obreiros ensinam e praticam sobre o dízimo para se eximirem desse dever cristão. A alegação mais comum, dentre muitas outras que existem, é que a prática do dízimo era um preceito mosaico.

 

Nesse caso, por viver na Nova Aliança, o cristão estaria desobrigado de praticá-lo. Como vimos na leitura em classe, a prática do dízimo antecede a lei de Moisés (Gn 14.17-20). Abraão deu o dízimo de tudo o que tinha centenas de anos antes da Lei. Portanto, a desculpa de que não se devolve o dízimo porque essa é uma prática limitada a lei de Moisés não se sustenta. Na verdade, há uma justificativa muito mais plausível para quem se exime ou se nega devolver seu dízimo – o amor ao dinheiro (1 Tm 6.10).

 

Geralmente as pessoas que criam obstáculos ou desculpas para entregar seus dízimos, quando esse é um ensinamento oficial de sua igreja, assim agem por conta de terem sido más discipuladas ou porque são extremamente apegadas aos bens materiais. Em outras palavras, são pessoas presas pela avareza (Hb 13.5).

 

2. O dízimo como contribuição imposta.

Há também aqueles que dizem que não devolvem seus dízimos hoje porque consideram essa uma prática imposta e não uma contribuição voluntária.

 

De acordo com aqueles que assim pensam, não haveria nada no Novo Testamento que respaldaria a entrega do dízimo. Dessa forma, entendem que um fiel deve ofertar quando quer, onde quiser e com o valor que achar mais conveniente.

 

Essa parece ser uma tese bastante piedosa, contudo, não resiste nem mesmo a um único princípio revelado nas Escrituras sobre o lugar das ofertas no culto cristão. Quando Paulo lembrou a igreja de Corinto que era dever desta cuidar do sustento dos obreiros, ele recorreu ao princípio do dízimo levítico: “Vocês não sabem que os que prestam serviços sagrados se alimentam do próprio templo e que os que servem ao altar participam do que é oferecido sobre o altar?” (1 Co 9.13 - NAA). Evidentemente, o apóstolo Paulo estava falando do sacerdócio levítico. Se esse não era um princípio válido na Nova Aliança, então, por que ele o usou?  Como viveria hoje um obreiro que fosse mantido por um crente que esporadicamente devolvesse seus dízimos e ofertas?  


SINOPSE II

O ataque contra a doutrina bíblica do dízimo muitas vezes esconde o pecado da avareza.

 

III – A DOUTRINA BÍBLICA DA MORDOMIA CRISTÃ

1. Deus, o criador e provedor.

O primeiro princípio básico da doutrina da mordomia bíblica está no fato de que Deus é o criador e o provedor de tudo: “Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam.” (Sl 24.1); “O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra” (At 17.24). Tudo o que existe no mundo, incluindo todas as suas riquezas, foi criado por Deus. Tudo de bom que existe provém dEle.

 

É Deus, portanto, a fonte de toda e qualquer riqueza que, porventura, o homem venha possuir. Esse princípio é claramente ensinado por Moisés: “lembrem-se do Senhor, seu Deus, porque é ele quem lhes dá força para conseguir riquezas” (Dt 8.18 - NAA). Assim, o sábio Salomão sabia que “a bênção do Senhor é que enriquece” (Pv 10.22). Ser dizimista e ofertante nada mais é do que reconhecer o Senhor como a fonte provedora de tudo.

 

2. O homem como despenseiro e administrador das coisas de Deus.

Outro princípio igualmente importante no que concerne a mordomia cristã está no fato do homem ser despenseiro das coisas que Deus criou. Esse fato já aparece no início da Criação quando Deus criou um jardim e pôs o homem para cuidar dele (Gn 2.15).

 

Para se compreender a mordomia bíblica faz-se necessário saber que somos despenseiros e administradores daquilo que Deus nos deu. No Novo Testamento o apóstolo Paulo trata desse assunto na esfera ministerial: “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus” (1 Co 4.1).

 

Somos despenseiros, não somos donos. Quando usamos esse princípio para todas as áreas das nossas vidas, experimentamos o cuidado e zelo de Deus. Escrevendo aos coríntios, o apóstolo Paulo advertiu que os “injustos” não herdarão o Reino de Deus (1 Co 6.9). Ele põe na lista como sendo injustos: imorais, idólatras, adúlteros, efeminados, homossexuais, ladrões, bêbados e avarentos (1 Co 6.10). A avareza também é um pecado gravíssimo. O avarento será excluído do céu. O apóstolo advertiu a Timóteo que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Tm 6.10). 


SINOPSE III

A doutrina bíblica da mordomia cristã está fundamentada em Deus como provedor e o homem como seu despenseiro.


AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO

O MORDOMO NO MUNDO ANTIGO

“No mundo antigo, era dada ao mordomo a responsabilidade de zelar de todas as propriedades, enquanto o senhor estivesse fora. Uma de suas tarefas principais era cuidar que os membros da casa recebessem a partilha de comida. Ele poderia dá-la diária, semanal ou mensalmente. O ponto é que seu trabalho lhe exigia que servisse e não exercesse poder. Seu senhor poderia voltar a qualquer momento. Quando o senhor volta, um ‘mordomo fiel e prudente’ deve estar desempenhando seus deveres. Jesus louva o servo que serve fielmente na ausência do senhor. Por sua eficiência, o senhor o recompensará (v.44) com uma promoção, dando-lhe responsabilidade não só sobre sua casa e servos, mas também sobre todas as suas propriedades” (Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, p.405).


CONCLUSÃO

Vimos nessa lição a doutrina da mordomia no contexto bíblico, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento. Vimos que a doutrina da mordomia é bíblica e como tal deve ser exercida por cada crente fiel a Deus.

 

Dentro desse contexto, mostramos que a prática do dízimo e das ofertas é fundamentada em princípios bíblicos imutáveis e como tal deve ser observada e obedecida pelo crente que é fiel a Deus e que sente gratidão por tudo aquilo que Deus fez por ele.

Entregar o dízimo e ofertar na obra de Deus são privilégios dispensados aos que são membros do Corpo de Cristo.


REVISANDO O CONTEÚDO

1. Qual é a alegação mais comum dos que são contra a prática do dízimo?

A alegação mais comum, dentre muitas outras que existem, é que a prática do dízimo era um preceito mosaico.

2. A que princípio o apóstolo Paulo recorreu para cuidar do sustento dos obreiros?

Ao princípio do dízimo levítico.

3. Qual é o princípio básico da doutrina da mordomia bíblica?

O primeiro princípio básico da doutrina da mordomia bíblica está no fato de que Deus é o criador e o provedor de tudo (Sl 24.1).

4. O que é ser dizimista e ofertante?

Ser dizimista e ofertante nada mais é do que reconhecer o Senhor como a fonte provedora de tudo.

5. Qual é o pecado gravíssimo mencionado na lição?

O pecado da avareza.


Imagens de tema por friztin. Tecnologia do Blogger.