FECHAR <----

Como entender 1 Reis 15.14, que revela o rei Asa evitando destruir os altares idólatras, e 2 Crônicas 14.3, que mostra o inverso, ele ordenando a destruição dos altares?

Cremos que a Bíblia Sagrada é a Palavra de Deus, que os autores humanos a escreveram inspirados pelo Espírito Santo, e que ela é a inerrante, completa e infalível Palavra de Deus. Mas a Bíblia não foi ditada aos homens; os escritores humanos tinham objetivos específicos para seus escritos (embora a intenção de Deus estivesse além da intenção humana), e os propósitos e temas dos livros de Reis e de Crônicas são diferentes.

Os livros de Reis e Samuel foram escritos no período do Exílio, tratam do surgimento da nação de Israel e mostram que a violação da aliança com Deus, por parte do povo e de seus reis, foi o motivo da deportação. Os livros de Crônicas mostram a monarquia davídica como modelo do governo teocrático de Deus sobre a Terra, prenunciando o reino do Messias. Eles foram escritos após o exílio, para mostrar que Deus continuava fiel em suas promessas para com Israel (MERRILL in ZUCK, 2009, p. 177,178).


A história do rei Asa aparece, no livro de Reis, num relato muito sucinto (1 Rs 15.8-24). Em 2 Crônicas este relato é expandido nos capítulos 14 a 16 (17 versos em Reis e 48 em Crônicas). O cronista divide a história deste rei em dois períodos, o de fidelidade (14.1-15.19) e o de infidelidade (16.1-14). No primeiro, ele buscou ao Senhor e removeu a idolatria (14.4,5), ouviu a profecia (15.8) e renovou a aliança com Deus (15.10-15). Depois, ele trocou a aliança e a confiança em Deus (16.2,3) e desprezou a profecia (16.10), o que lhe trouxe problemas e morte. O cronista apresenta estas opções para a comunidade pós-exílica: fidelidade e bênção, ou infidelidade e morte.

O autor de Crônicas mostra que o rei, inicialmente, aboliu a adoração pagã (14.3), mas, no período final, seu decreto foi desobedecido (15.17). A adoração em lugares altos (montes ou elevações de terra) era uma prática comum, inclusive por adoradores fiéis: Abraão (Gn 12.8; 22.2), Moisés (Êx 19.3) e Samuel (1 Sm 9.12). Após a construção do Templo, este foi o lugar alto escolhido e exclusivo para a adoração a Deus (2 Cr 3.1; 6.6; 7.12-15). Heater JR (in ZUCK, 2010, p. 134,135) afirma que o historiador, no livro de Reis, condena os “lugares altos” que, por sincretismo, se tomaram destrutivos para o povo, ao final da era monárquica, mas que, no período anterior, eles cumpriam um papel legítimo na adoração ao Senhor. A idolatria, no entanto, sempre foi condenada.

Veja também:
* Salomão foi salvo? Acesse Aqui
* A apostasia pessoalAcesse Aqui
* Quem Serão as Duas Bestas do Apocalipse? Acesse Aqui
* A Bíblia Responde Acesse Aqui
Enquanto Reis mostra apenas a visão final de quebra da aliança, Crônicas mostra um quadro mais detalhado, para destacar que a adoração fiel a Jeová sempre resultou em bênçãos e vitórias para seu povo e mostrar que a adoração pagã, que era ainda praticada pelo povo, traria o juízo de Deus.

Artigo: Carlos Kléber Maia



Estudo Publicado em Subsídios EBD – Site de Auxílios Bíblicos e Teológicos para Professores e Alunos da Escola Dominical.

 
Top