FECHAR <-----

Os Ensinamentos das Testemunhas de Jeová sobre a Alma e o Inferno

A constituição do homem, corpo, alma e espírito; a morte, o inferno e o lugar dos justos são assuntos interligados. Os grupos religiosos heterodoxos sabem que para eliminar a doutrina do infer­no é necessário reavaliar uma séria de outras doutrinas. Por isso que todo esse conjunto doutrinário é afetado por esses grupos, na tenta­tiva de, sem Jesus, escapar do inferno.
Veja também:
·  As Falsas Profecias das Testemunhas de Jeová – Aqui
· Charles Taze Russell – Síntese da história - Aqui


A alma
A STV ensina que o homem se acaba quando morre, afirmando que o mesmo acontece aos animais. Negam a doutrina bíblica que a alma humana sobrevive à morte. Gostam de citar para os crentes o salmo 115.17; Eclesiastes 3.19, 20; 9.5; Ezequiel 18.4; 1 Tm 6.16, interpretando essas passagens bíblicas fora do seu contexto, violando assim os princípios mais rudimentares da hermenêutica. Nenhuma passagem bíblica deve ser interpretada isoladamente. Essa crença das Testemunhas de Jeová não tem fundamento bíblico.

O salmo 115.17 diz: "Os mortos não louvam ao SENHOR, nem os que descem ao silêncio". As Testemunhas de Jeová usam essa passagem para dizer que a morte liquida completamente o homem e que a alma não sobrevive à morte. Uma leitura superfi­cial e arrancada de seu contexto dá a impressão de que elas estão corretas. Mas o salmista está falando do silêncio que a morte im­põe ao ser humano e não da vida além túmulo. Veja o contraste que o salmista faz no versículo seguinte: "Mas nós bendiremos ao SENHOR". É o contraste entre os vivos e os mortos.

O texto de Eclesiastes: "Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais; a mesma coisa lhes sucede: como morre um, assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego; e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade. Todos vão para o mesmo lugar, todos são pó e todos ao pó tornarão" (Ec 3.19,20). O tema versa sobre as coisas que Salomão viu debaixo do sol e a palavra "alma" sequer aparece no texto sagrado. Isso revela que o assunto é com relação à morte física, comum tanto ao homem como ao animal.


O outro texto de Eclesiastes diz: "Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco eles têm jamais recompensa, mas a sua memória ficou en­tregue ao esquecimento" (Ec 9.5). Basta perguntar para uma Teste­munha de Jeová se ela tem esperança ou se espera alguma recompen­sa de Jeová na sua morte. Sua resposta neutraliza a interpretação da STV, pois o texto diz "nem tampouco eles têm jamais recompensa". Além disso, uma leitura no versículo seguinte mostra a qualquer pes­soa que se trata da vida neste mundo: "... não têm parte neste século, nem em coisa alguma do que se fez debaixo do sol" (Ec 9.6). Veja que "nesse século", ou seja, nessa vida, não está falando do além-túmulo. E muito perigoso arrancar texto de seu contexto e fazer dele pretexto e inventar uma doutrina.
VEJA TAMBÉM:
·      Jesus ao se tornar Humano perdeu a sua divindade? Aqui
·      A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoAqui
·      A Divindade de Jesus - Aqui

Outro texto, também muito usado pelas Testemunhas de Jeová, é o de Ezequiel 18.4: "a alma que pecar essa morrerá". Dos vários significados da palavra "alma" que encontramos na Bíblia, a STV escolheu o significado que lhe interessou, desprezando todo o con­texto do texto sagrado. À luz do contexto, a palavra "alma" diz respeito ao próprio ser humano.


O assunto que o profeta está abordando é a responsabilidade pes­soal e individual do ser humano diante de Deus. Nos vv. 2 e 3 , desse capítulo 18, Ezequiel diz: "Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram? Vivo eu, diz o Senhor JEOVÁ, que nunca mais direis esse provérbio em Israel". Apartir daí o profeta desenvolve o argumento sobre a responsabilidade pessoal. O v. 20 deixa isso muito claro: "A alma que pecar essa morrerá; o filho não levará a maldade do pai, nem o pai levará a maldade do filho". Não tem consistência usar Ezequiel 18.4 como argumento para negar a imortalidade da alma.

Alma e espírito são entidades distintas e ambas sobrevivem à morte. Muitas vezes evitamos usar a expressão "imortalidade da alma" porque tanto as Testemunhas de Jeová como os adventistas do sétimo dia usam 1 Timóteo 6.16, que diz: "Aquele que tem, ele só, a imortalidade", para contestar a doutrina cristã de que a alma sobrevive a morte. Seu argumento é desmantelado quando alguém lhes pergunta se os anjos são imortais. Assim, o que o apóstolo está dizendo é que Deus é a origem da imortalidade.
O Corpo Governante nega a existência do inferno ardente porque Russell, antes mesmo de fundar a sua organização, ele pes­soalmente não concordava com tal crença. A organização declara que Russell passou a crer nessa crença porque foi derrotado num debate com um cético. Russell, antes de fundar sua religião, era crente fervoroso na doutrina da tortura eterna das almas condena­das num inferno de fogo e enxofre. Mas ao tratar de converter ao Cristianismo um conhecido descrente, ele próprio foi derrotado e impelido ao ceticismo. Depois disso Russell fez seus próprios es­tudos, como resultado, ficou também incrédulo.

Hoje, ensina a STV que o inferno é a própria sepultura, e que o lugar de suplício eterno, onde os ímpios serão atormentados para sempre, não existe. Diz a organização: "O Seol e o Hades não se referem a um lugar de tormento, mas à sepultura comum da hu­manidade". Esse é o artifício para eliminai- a doutrina do inferno de fogo ardente das Escrituras Sagradas.
A tentativa de arrancar o inferno da Bíblia
Citam o salmo 146.4, que diz: "Sai-lhes o espírito, e eles tornam-se em sua terra: naquele mesmo dia perecem os seus pensa­mentos" para afirmar que os mortos não sentem dor, logo, segundo as Testemunhas de Jeová, não existe inferno e nem a alma sobrevi­ve à morte.

Seu argumento teria validade se a "dor" se referisse à dor físi­ca do corpo, porque quem morre fisicamente, em seu corpo não sente mais nada: nenhuma dor nem sentimento, e é esse o sentido desse salmo. O salmista está falando da morte do corpo. O sofri­mento dos incrédulos após a morte existe, pois a Bíblia diz: "...e morreu também o rico, e foi sepultado. E no Hades, ergueu os olhos estando em tormentos..." (Lc 16.22-23).

Costumam dizer que os bons vão para o inferno, simples­mente para dizer que inferno não é inferno, ou seja, contrariando as palavras do Senhor Jesus, dizendo que o inferno não é o lugar "pre­parado para o diabo e seus anjos" (Mt 25.41). Querendo funda­mentar essa sua tese, usam as palavras do salmista: "Pois não deixa­rás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu santo veja a corrupção" (SI 16.10). É bom lembrar que essa passagem bíblica é uma referência ao Messias. O corpo de Jesus foi colocado na sepul­tura, no hebraico, khever, conforme aparece em Isaías 53.9, e no grego, mnemeion, em João 19.41,42, mas a sua alma foi ao Sheol ou Hades. Veja o salmo 16.10 e Atos 2.27.

Antes do advento do Messias, tanto os justos como os in­justos iam para o mesmo lugar na sua morte — o Sheol, em hebraico, e Hades, no grego. Lá havia uma divisão: o lugar dos justos, que os rabinos denominavam "Seio de Abraão", "Jardim do Éden" e o "Trono de Glória". Destes três nomes, o "Seio de Abraão" era o mais usado na teologia judaica da época, e esse Paraíso fazia parte do Hades.

Quando a Bíblia diz que os ímpios vão para o Sheol, salmo 9.17, e ao mesmo tempo um justo, é por causa dessa divisão que havia no mundo dos mortos. O Senhor Jesus, na sua morte, "des­ceu às partes mais baixas da terra" (Ef 4.9), e tomou de Satanás as chaves do inferno: "E tenho as chaves da morte e do inferno" (Ap 1.18). Depois da ressurreição Jesus "levou cativo o cativeiro" (Ef 4.8). A partir daí, os fiéis vão para o céu na sua morte e o Sheol ou Hades é só para os injustos.

Não é possível apresentar um comentário de todas as passa­gens bíblicas que falam da existência do inferno de fogo ardente para os ímpios. Queremos simplesmente mostrar os artifícios do Corpo Governante na interpretação dessas passagens bíblicas. Podemos tomar como exemplo as palavras do Senhor Jesus: "E irão estes para o tormento eterno, mas os justos, para a vida eterna" (Mt 25.46). Como negar a doutrina do inferno ardente e da conde­nação eterna diante dessa passagem bíblica? A STV não encontrou recursos bíblicos para neutralizar esta passagem. Então se utilizou de uma nota de rodapé do Novo Testamento Interlinear, The Emphatic Diaglott, de Benjamin Wilson e publicado pela própria instituição.
Benjamin Wilson disse sobre a palavra grega kolasis, que o verbo grego kolazó, "castigar", significa:
"1. Decepar; como no truncamento de ramos de árvores, podar. 2. Restringir, reprimir... 3. Castigar, punir. Extirpar alguém da vida, ou da sociedade, ou mesmo restringir, é tido como castigo; - por conseguinte, surgiu este terceiro uso metafórico da palavra. Ado­tou-se a primeira acepção, porque concorda melhor com a segunda parte da sentença, preservando-se assim a força e a beleza da antíte­se. Os justos vão para a vida, os ímpios para o decepamento, sendo cortados da vida, ou para a morte. Veja 2 Tes. 1.9".

Os três significados dados aqui por Benjamin Wilson não são nenhuma novidade, é o que consta dos dicionários de grego. O que nos chama atenção são a justificativa e a sutileza na escolha de "dece­par". Veja a maneira simplista: "Adotou-se a primeira acepção, por­que concorda melhor com a segunda parte da sentença...".

O verbo aparece apenas 2 vezes no Novo Testamento e da mesma forma o substantivo: "...e, não achando motivo para os cas­tigar, deixaram-se ir por causa do povo;..." (At 4.21); "...e reservar os injustos para o dia de juízo, para serem castigados" (2 Pe 2.9). O substantivo aparece aqui, em Mateus 25.46, e em 1 João 4.18: "...porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em caridade". Em nenhum lugar do Novo Testamento esta palavra aparece com o sentido de "decepar".

Querer dar o sentido de kolasis como "decepar" no Novo Testamento é uma camisa-de-força. Benjamin Wilson foi sabido em suavizar a imposição com a palavra "adotou-se". Essa é a técnica usada pelo Corpo Governante para negar as grandes doutrinas da fé cristã. Nenhum leitor da Bíblia chegará a essa conclusão pela própria Bíblia. Qualquer pessoa é capaz de entender que o sentido dessa palavra é o de punição.

Outra dificuldade do Corpo Governante é a passagem do rico e Lázaro, registrada em Lucas 16.19-31, onde lemos:
Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente. Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele. E desejava ali­mentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas. E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também, o rico e foi sepultado. E, no Hades, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão e Lázaro, no seu seio. E, clamando, disse: Abraão, meu pai, tem miseri­córdia de mim e manda a Lázaro que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a lín­gua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro, somente males; e, agora, este é consolado, e tu, atormentado. E, além disso, está posto um gran­de abismo entre nós e vós, cie sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá, passar para cá. E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos, para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam- nos. E disse ele: Não, Abraão, meu pai; mas, se algum dos mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém Abraão lhe disse: Se não ou­vem a Moisés e aos Profetas, tampouco acredi­tarão, ainda que algum dos mortos ressuscite."
Esse texto bíblico refuta de maneira clara à teologia da orga­nização. Como eles conseguiram se sair dessa situação incômoda? Inventaram uma interpretação absurda e aleatória. Ensinam que o rico representa a classe dos religiosos: os fariseus, os saduceus e o clero da "cristandade", que se acham separados de Deus e mortos quanto ao seu favor. Lázaro representa o povo comum que recebe a Cristo e expõe sua mensagem perante a classe representada pelo rico. O sofrimento representa as verdades que os seguidores de Cristo pregam. Assim resolveram o problema.

Se as Testemunhas de Jeová ensinam que com a morte tudo se acaba, que o Hades é a sepultura e que os mortos estão inconscientes, como pode o Hades ilustrar tal sofrimento? Como pode o estado de inconsciência ilustrar este sofrimento? Onde está escrito que o rico era religioso para representar a classe dos fariseus, dos saduceus e a do clero da cristandade? Desde quando a riqueza, na Bíblia, representa a falsa religião? Será que só o pobre segue a Cristo? Claro que não!

O Rico e Lázaro não parece ser uma parábola como o título indica, mas um fato verídico, pois falta-lhes elementos parabólicos. Os títulos dados às passagens bíblicas não vêm dos escritores sa­grados, exceto os que aparecem em negrito apenas nos Salmos. São colocados pelos editores que publicam edições da Bíblia, para facilitar o estudo dela. A expressão "Parábola do Rico e Lázaro" não consta dos originais.

Parábola é uma ilustração para extrair lições e verdades espirituais. E uma maneira figurada de se ensinar uma verdade. Je­sus não disse e nem deu a entender que era parábola. É diferente das parábolas. Não diz: "o reino dos céus é semelhante" e nem "assemelhá-lo-ei..." ou algo desse tipo; mas disse: "Havia um ho­mem..." (v 16), maneira típica de se introduzir uma narrativa no Velho Testamento. Veja 1 Samuel 1.1 e Jó 1.1. As seitas agem de maneira como se apenas o fato de o texto ser parábola pudesse dar- lhes o poder de, como num passe de mágica, mudar o sentido das palavras. De qualquer forma, parábola ou não, a mensagem conti­nua inalterada.

SOARES, Esequias. Manual de Apologética Cristã: Defendendo os Fundamentos da Autêntica Fé Bíblica. 2ª edição de 2003. CPAD. AdaptaçãoSubsídios EBD