FECHAR <-----

Acupuntura: medicina ou ocultismo?

A acupuntura é uma terapia milenar chinesa que busca atingir o equilíbrio funcional de um organismo, estimulando os seus pontos energéticos com agulhas.
No mundo inteiro, milhares de pessoas sofrem os mais variados tipos de enfermidades e, consequentemente, procuram todos os meios onde julgam encontrar a cura.
Temos hoje no mundo dois tipos de medicinas que têm influenciado fortemente a medicina tradicional e os tratamentos convencionais. São elas:

a) Medicina alternativa: Conjunto de técnicas terapêuticas que pretendem suplantar ou auxiliar a medicina tradicional. Baseada no princípio do holismo (do grego holos, que significa "totalidade"), segundo o qual o ser humano deve ser tratado nas esferas mental, física e emocional.
A medicina alternativa lança mão de princípios nada convencionais, como "aura" e "chacras". Por tudo isso, o Conselho Federal de Medicina (CFM), órgão que disciplina o exercício profissional médico no Brasil, lançou a resolução n° 1500, de 26 de agosto de 1998 (publicada no Diário Oficial n° 169, em 2 de setembro de 1998, seção I, pág. 101) proibindo os médicos de indicar práticas terapêuticas como terapias de florais, medicina antroposófica, energética, vibracional e logosófica. Contudo, algumas práticas antes consideradas como "tratamentos alternativos" foram oficialmente reconhecidas pelo CFM. É o caso da homeopatia, reconhecida em 1980, e da acupuntura, tornada especialidade médica em 1995.

b) Medicina espiritual: Técnica na qual supõe-se que uma entidade do mundo espiritual, geralmente um espírito de um médico falecido, incorpore em um "médium" e efetue o atendimento, a fim de diagnosticar o problema de saúde do paciente, podendo até mesmo realizar "operações mediúnicas", sem o uso de aparelhos convencionais. No Brasil, há casos de médicos que também recorrem a esse expediente, tanto exercendo a medicina espiritual quanto como paciente. Entre os pacientes, encontram-se artistas e políticos que popularizam esse tipo de prática, desaconselhada pelo Conselho Federal de Medicina.
No entanto, nem tudo o que os homens liberam, determinam e consentem tem aprovação divina. É preciso saber discernir essas coisas à luz da Palavra de Deus.

A filosofia acupunturista
A acupuntura baseia-se filosoficamente no Taoísmo, uma das três maiores religiões da China. Seu fundador foi Lao-Tsé, que viveu entre os anos 604 a 531 a.C. Embora no início fosse considerado apenas como uma filosofia, o Taoísmo foi transformado em uma religião ritualística alguns séculos depois da morte do seu fundador. No ano de 440 de nossa era, o Taoísmo foi aprovado pelo Estado.

Segundo essa crença, todos os elementos do universo baseiam-se nos conceitos de Yin-Yang (lado escuro - lado radiante). O Yang é o sopro que transcende o mundo e formou os céus; já o Yin é o sopro que formou a Terra. Toda a realidade opera de acordo com o princípio de Yin-Yang, que são as duas forças universais opostas. A intervenção humana em todos os níveis - político, social, familiar etc - significa perturbação no intrincado equilíbrio do Yin-Yang.
O Taoísmo despreza todas as formas de governo, colocando como sua suprema preocupação a busca de uma vida de felicidade e bem-estar.
Utilizando-se desta filosofia, os acupunturistas veem a saúde fisiológica como a evidência do equilíbrio do Yin-Yang. Segundo eles, é no momento em que esses elementos estão em desarmonia e desequilibrados que as enfermidades aparecem.

Sabe-se ainda que algumas sessões de acupuntura utilizam música oriental e velas na consulta, o que o satanismo aproveita para um dos seus rituais. Portanto, o que está em foco é o princípio esotérico do Yin-Yang, o que por si soja compromete para o cristão o uso dessa prática. Sabe-se também que para a acupuntura não há explicação científica convincente e que esta, como toda a medicina oriental, é baseada no Panteísmo (crença de que Deus é tudo e de que tudo é Deus).

Ora, à luz do que a Bíblia ensina, tal sistema filosófico-religioso, além de confuso, mostra-se contrário às Sagradas Escrituras, à ética, à moral, à razão, à religião e a tantos outros princípios. Deus, ao criar todas as coisas, usou a sua Palavra de poder e não precisou de nenhum "princípio" para lhe ajudar. "No princípio criou Deus os céus e a terra", Gn 1.1. Nem tampouco precisa de uma "energia cósmica" para equilibrar e sustentar este mundo. Veja o que disse Paulo, falando aos filósofos de Atenas, em Atos 17.24-28: "O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há, sendo Ele o Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens; nem tampouco é servido por mãos humanas, como se necessitasse de alguma coisa. Pois, Ele mesmo é quem dá a todos a vida, a respiração e todas as coisas; e de um só fez todas as raças dos homens, para habitarem sobre toda a face da terra, determinando-lhes os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação; para que buscassem a Deus, se porventura, tateando. O pudessem achar, o qual, todavia, não está longe de cada um de nós. Porque Nele vivemos, nos movemos e existimos; como também alguns dos vossos poetas disseram: 'Pois Dele também somos geração'".

Da mesma sorte, o patriarca Jó exalta o poder sustentador de Deus, quando diz: "Ele estende o norte sobre o vazio; suspende a Terra sobre o nada", Jó 26.7. Também fica claro à luz da Bíblia que não podem existir duas forças contrárias em harmonia e controlando o universo (como o Yin-Yang). Existe, sim, o poder de Deus e o poder do mal. No entanto, cremos que Deus é soberano e tem tudo sob controle, que toda a maldade neste mundo será vencida e o bem triunfará para sempre.
Diante do exposto, fica claro que a acupuntura é uma prática ocultista, da qual o verdadeiro cristão deve se afastar, uma vez que esse e outros tipos similares de terapias podem comprometer os pacientes com o ocultismo, chocando-se frontalmente com a Palavra de Deus.
Ao escolher um método de tratamento, o cristão deve orar, pedindo a orientação divina. Mais uma coisa é certa: nada do que se baseia em ciências ocultistas é aprovado por Deus.
Fonte: JMP – Abril de 2006
Autor: Pr. Waldemar Pereira Paixão
Acervo: Jair Alves