As forças russas iniciaram um ataque em larga escala à Ucrânia

As forças russas iniciaram um ataque em larga escala à Ucrânia na madrugada desta quinta-feira (24/02/2022), com explosões na capital Kiev e outras cidades.

Líderes mundiais tentavam evitar a catástrofe com uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, em meio a alertas de que uma possível invasão poderia iniciar a maior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial em 1945.

 

Quando o ataque começou, em um discurso televisionado, o presidente russo, Vladimir Putin, alertou o Ocidente que qualquer tentativa de interferência “levaria a consequências que você nunca viu na história”.

 

O presidente dos EUA, Joe Biden, declarou que o mundo “responsabilizará a Rússia”. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, condenou a ação da Rússia como uma violação do direito internacional e uma ameaça à segurança europeia.

 

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, decretou a lei marcial, que consiste na implantação de leis e autoridades militares.


Moradores de Kiev foram ouvidos gritando nas ruas quando as primeiras explosões aconteceram. Na manhã desta quinta, um grande tráfego de carros passou a circular nas ruas, com cidadãos saindo da capital.


Diante disso, surge a questão: estamos caminhando para a Terceira Guerra Mundial?

Em um artigo no The Wall Street Journal, o cientista político William Galston disse que a invasão da Ucrânia marcou o fim da era “pós-Guerra Fria”.

 

Galston observa que as gerações de europeus do pós-guerra acreditam que “o uso da força não é mais necessário para resolver disputas entre nações”, mas o conflito Rússia-Ucrânia irá desencadear uma “crise de identidade europeia”.

 

O cientista político exortou Biden a “liderar sem ambivalência”, alertando que a aliança ocidental “deve suportar” o atual desconforto “para proteger o futuro da democracia”. A alternativa, segundo ele, “é uma repetição de 1938” — quando o mundo se viu à beira da guerra.

 

O deputado Steve Aiken, membro do Partido Unionista do Ulster, da Assembleia Legislativa da Irlanda do Norte, também mencionou as guerras mundiais anteriores, em um aviso nesta semana. Ele disse ao Belfast News Letter que há “muitos paralelos para ficarmos confortáveis” com a situação na Ucrânia e a preparação para a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais.

 

Aiken, que é ex-comandante da Marinha Real Britânica, disse ainda: “Mesmo em conflitos híbridos, há uma chance de consequências não intencionais. Tanto em 1938 quanto em 1914, ninguém pensou que isso levaria a um conflito global”.

 

No final do ano passado, a ministra do governo ucraniano e ex-chefe de inteligência, Yuliia Laputina, disse à Sky News que uma invasão em larga escala da Ucrânia pela Rússia poderia desencadear a “Terceira Guerra Mundial” se a ação militar de Putin se espalhar para outras ex-nações soviéticas.

 

No entanto, um correspondente da Sky News, Alistair Bunkall, disse na semana passada que não via uma ameaça do conflito Rússia-Ucrânia “se espalhar ainda mais pela Europa”, e observou que a OTAN não enviará tropas, porque a Ucrânia não é membro da aliança. “Dito isso”, acrescentou, “a guerra pode se desenrolar rapidamente”.

 

“Estamos testemunhando o prelúdio da 3ª Guerra Mundial?” questionou nesta quarta-feira (23) o correspondente de segurança da BBC News, Frank Gardner. “Enquanto não houver conflito direto entre a Rússia e a OTAN, não há razão para que essa crise, por pior que seja, se torne uma guerra mundial em grande escala”, concluiu.

24/02/2022 – Com informações GUIAME


Imagens de tema por gaffera. Tecnologia do Blogger.