QUIRGUISTÃO Afirma que As Testemunhas de Jeová encoraja “ódio racial, étnico, nacional e religioso

Um processo criminal iniciado em 2019 acusa as Testemunhas de Jeová no Quirguistão de incitar “ódio racial, étnico, nacional, religioso ou inter-regional” e resultou em uma invasão em março de 2021 ao centro nacional das Testemunhas de Jeová em Bishkek, a capital do país. A operação levou as autoridades a abrirem uma ação civil pedindo o banimento das publicações.

Em julho, o Comitê Estadual de Segurança Nacional do Quirguistão caracterizou as Testemunhas de Jeová como de “natureza totalitária” e pediu ao promotor-geral que proibisse os materiais do grupo e considerasse um possível banimento das atividades do grupo.

 

As práticas das Testemunhas de Jeová

“Suas práticas e preceitos violam as disposições básicas da Constituição da República do Quirguistão e as normas legais, ao forçar seus membros a renunciar a opiniões e crenças pessoais, limitar sua liberdade, fazer pagamentos regulares, bem como confiscar bens materiais para sua comunidade, ”Dizia a carta.

 

O número das Testemunhas de Jeová

Hoje, há mais de 5.000 Testemunhas de Jeová no Quirguistão, onde o grupo está presente desde a década de 1950. As publicações do grupo estão disponíveis na língua quirguiz desde 1994, e o escritório administrativo nacional da fé foi construído em 2004. Lopes disse que se as publicações forem proibidas na quinta-feira, provavelmente ocorrerão batidas e prisões.


As Testemunhas de Jeová estão atualmente proibidas na Rússia, China, Irã, Iraque, Egito, Tadjiquistão e Turcomenistão.

Fonte: Subsídios Dominical | Com informações: RELIGIONNEWS | Por: Kathryn Post| Atualizado: 2/12/2021


Imagens de tema por gaffera. Tecnologia do Blogger.