Israel poderá entrar em Guerra contra o Irã. Jerusalém gastou bilhões se preparando para um ataque no Irã

Israel está se armando com o helicóptero CH-53K King Stallion, o jato de combate Lockheed Martin F-35 e a aeronave militar Boeing KC-46 Pegasus ( Foto: AFP, Boeing )

Jerusalém gastou bilhões se preparando para um ataque no Irã, estocando mísseis Iron Dome, armas de precisão avançada e hospedando um monte de brocas em todas as fronteiras.


AS ARMAS DE ISRAEL

Israel está se armando com o helicóptero CH-53K King Stallion, o jato de combate Lockheed Martin F-35 e a aeronave militar Boeing KC-46 Pegasus.

 

O  comitê ministerial encarregado do equipamento militar, reunido no domingo (5/12/2021), confirmou, junto com o ministro da Defesa Benny Gantz, a aquisição de 12 novos helicópteros CH-53K King Stallion e estoque adicional de mísseis para o Iron Dome.

Iron Dome

NOVAS BOMBAS E ARMAS DE PRECISÃO

Os americanos também aprovaram o pedido de Israel de compra de bombas classificadas e armas de precisão para a IAF há alguns meses, a um custo estimado de um bilhão de dólares. E de acordo com um documento oficial, classificado como "ultrassecreto", o custo total dessas compras é estimado em cerca de cinco bilhões de shekels.

 

Outros meios militares serão fornecidos pelas indústrias de segurança de Israel em dois negócios adicionais, e esses acordos enfatizam a seriedade da questão iraniana para Israel.

 

Nos últimos anos, as IDF desviaram seus recursos para atualizar suas capacidades terrestres e de inteligência, sob a avaliação de inteligência - que foi baseada no acordo entre as potências mundiais e o Irã - que essa atualização poderia ser feita enquanto calculava e gerenciava o risco iraniano e atender às necessidades mais urgentes do exército.

 

SOBRE AS NEGOCIAÇÕES NUCLEARES ENTRE O IRÃ

Segundo informações Israel está muito pessimista em relação às negociações nucleares entre o Irã e as potências mundiais em Viena, que foram renovadas nesta semana, e um documento oficial mostra que o país se prepara para gastar cerca de cinco bilhões de shekels em armamentos.

 

Jerusalém, assim como as FDI, estão se preparando seriamente para a possibilidade de Israel ser deixado sozinho em face da ameaça nuclear iraniana. O possível ataque no Irã parece mais próximo do que nunca, embora ainda haja tempo e limitações militares e diplomáticas a serem superadas.

 

O Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel disse que aprendeu a lição e, mesmo que os EUA obtenham um bom acordo, o que provavelmente não acontecerá, a preparação para um ataque militar não será retardada e continuará no curso planejado.

Nesse caso, há duas questões-chave: se os americanos vão se juntar ao ataque ou não, ou vão apoiar Israel, fornecendo assistência de segurança durante e depois do ataque. Em relação à primeira opção, à luz da política do governo Biden na região, a probabilidade de cooperação é menor do que antes. Mas, para dar suporte, neste ponto, as estimativas são positivas, principalmente se ficasse claro, sem qualquer dúvida, que os iranianos levaram a um ponto em que Israel não tinha outra escolha.

Outra questão importante é se o Hezbollah se juntará à campanha contra Israel e, em caso afirmativo, de que maneira. No passado, a resposta era inequívoca, sim, e com tudo o que conseguiram, porque essa é a razão pela qual os iranianos investiram cerca de um bilhão de dólares por ano em uma organização que detém as capacidades de um militar.

 

A possível guerra levanta um dilema, tanto entre autoridades políticas quanto de segurança, sobre como intermediar a questão para o público, particularmente sobre os possíveis danos que seriam causados ​​por um total de cerca de 2.500 foguetes disparados contra Israel por dia. Esse problema pode criar estresse e ansiedade entre os civis e também fortalecer o inimigo.

 

Oficiais do IDF estimam que o Hezbollah provavelmente entrará na campanha após o ataque no Irã, mas eles não podem determinar a intensidade de sua retaliação. Como resultado, Israel compra mais mísseis Iron Dome, o que levanta mais críticas sobre por que isso não foi feito antes e, como resultado, o plano de "Defesa Aérea Nacional" - implantação de baterias Iron Dome em todo o país - já estaria concluído.


Fonte: Subsídios Dominical | Com informações: YNET NEWS| Atualizado: 06/12/2021


Imagens de tema por gaffera. Tecnologia do Blogger.