Lésbica teve uma filha através inseminação artificial, abandonou o homossexualismo se Converteu a Cristo

A evangélica Lisa Miller, é uma ex-lésbica que fugiu dos Estados Unidos para proteger sua filha da ex-parceira supostamente abusiva, enfrenta processo do Departamento de Justiça dos Estados Unidos depois de ser levada de volta aos EUA mais de uma década depois.

Lisa Miller deixou à homossexualidade e se converteu a Jesus Cristo, fugiu para a Nicarágua em 2009 para evitar perder a custódia de sua filha, Isabella, que tinha sete anos na época.

 

Os Millers (a sua família) foram perseguidos por autoridades federais, dos Estados Unidos durante anos, no período do governo do presidente Obama, embora tenham permanecido escondidas até janeiro, quando se renderam voluntariamente na Embaixada dos Estados Unidos na Nicarágua.

 

Isabella tem agora 19 anos, e uma ordem judicial que concedeu a custódia à ex-companheira de Miller, Janet Jenkins, não se aplica mais a ela.

 

“Esse era o plano desde o início - quando Isabella fizesse 18 anos, eles voltariam para os Estados Unidos”, de acordo, uma organização sem fins lucrativos cristã que arrecada dinheiro para a causa de Lisa Miller.

“Deus providenciou e protegeu Lisa e Isabella de setembro de 2009 até janeiro deste ano. Muitas vezes, Deus frustrou os planos de sua captura enquanto os escondia na Nicarágua ”.


Isabella disse em um depoimento feito em fevereiro que estava “feliz, segura e saudável” enquanto morava na Nicarágua.

 

Miller está atualmente detida no condado de Niagara, Nova York. Uma acusação de 2014 em Buffalo, onde Miller cruzou a fronteira para o Canadá antes de fugir para a Nicarágua, a acusou de “sequestro parental internacional” e conspiração, disse o Departamento de Justiça em um comunicado à imprensa no início deste ano. As acusações de Miller podem levar até cinco anos de prisão e multa de US $ 250.000.

 

“A vida na prisão continua a ser uma bênção, pois diariamente sou lembrada do amor de Jesus por mim e diariamente sou lembrada de minhas deficiências para que possa ser refinada no fogo”, escreveu ela em uma carta recente publicada pelo 419Fund. A falta de medicamentos para a doença de Hashimoto fez com que sua saúde piorasse “rapidamente” na prisão, ela disse.

 

Miller havia pedido, sem sucesso, ao presidente Donald Trump o perdão dela e das pessoas que a ajudaram a escapar para a Nicarágua, vários dos quais já cumpriram pena de prisão. Ela se rendeu em 20 de janeiro.

Isabella 'traumatizada' após visitas a parceira lésbica 'abusiva'

Lisa Miller é a mãe biológica de Isabella, que foi concebida por meio de inseminação artificial em 2001. Miller entrou em uma união civil em Vermont com Jenkins no ano anterior. Jenkins nunca adotou Isabella e seu nome não está na certidão de nascimento de Isabella.

 

No entanto, quando a união civil de Miller e Jenkins foi dissolvida em 2004, um juiz de Vermont deu um passo legalmente sem precedentes ao declarar a segunda “mãe” de Jenkins Isabella, apesar de sua completa falta de conexões biológicas e legais com a menina.

 

O juiz, William Cohen , um republicano, concedeu a custódia primária de Miller, mas concedeu a Jenkins os direitos de visita, que Miller contestou no tribunal por anos.


Por que Lisa Miller deixou o homossexualismo?

Miller disse que se separou de Jenkins após redescobrir o cristianismo e descreveu seu relacionamento com Jenkins como violento e abusivo.


Jenkins, que desde então se “casou” com outra mulher, abusou repetidamente de Miller tanto emocional quanto fisicamente, incluindo durante sua gravidez, e em um ponto até ameaçou matá-la, Miller disse à LifeSiteNews em 2008.


Enquanto estava grávida, Miller prometeu a Deus que “se ele salvasse meu bebê, eu abandonaria o estilo de vida homossexual”, ela lembrou em seu livro Only One Mommy.

Miller, que sofreu abusos quando criança, também disse à LifeSite que nunca se sentiu atraída por mulheres, mas foi pressionada por terapeutas a se identificar como lésbica enquanto se recuperava de uma tentativa de suicídio e do alcoolismo quando jovem.


Cerca de um ano após o nascimento de Isabella, Lisa Miller partiu com sua filha para a Virgínia, onde um tribunal inicialmente a nomeou como "único pai" de Isabella. Mas em 2006, a Suprema Corte da Virgínia decidiu que Vermont ainda tinha jurisdição sobre a batalha pela custódia, e Cohen finalmente concedeu a Jenkins a custódia de Isabella depois que Miller repetidamente negou a visita de sua ex-companheira lésbica.


A decisão do tribunal de Vermont veio apesar das evidências, incluindo o testemunho juramentado de um especialista , de que visitar Jenkins deixou Isabella traumatizada.


Depois de uma visita, Isabella, então com cinco anos, disse à mãe que Jenkins a forçou a tomar banho com ela. Isabella posteriormente começou a exibir comportamento sexual, fazer xixi na cama e tendências suicidas, disse Miller, levantando preocupações de que Jenkins a estava abusando sexualmente.


Gwen Corley, uma assistente social que observou Isabella, jurou em um depoimento de 2007 que “Isabella sofre de distúrbios do sono e pesadelos, tendo dificuldade para dormir durante a noite. Ela fala sobre a morte e expressou medo de que, se sua mãe morrer, ela corresse risco. Sem avisar, Isabella disse a ela que tem medo de que Janet a tire de sua mãe. ”


“Isabella parece ter ficado traumatizada pela visitação limitada até agora”, alertou Sylvia Haydash, uma terapeuta clínica que também avaliou Isabella, acrescentando que “mais visitas não supervisionadas seriam prejudiciais ... e poderiam causar danos permanentes ao desenvolvimento normal”.


Como os especialistas atestaram , a própria paternidade homossexual apresenta graves riscos para as crianças, incluindo taxas mais altas de doenças mentais, confusão sexual e envolvimento em atividades sexuais de alto risco, entre outras coisas.


Lisa Miller finalmente fugiu do país com sua filha em setembro de 2009, algumas semanas antes de Cohen ordenar a transferência da custódia para Jenkins.


Dois pastores menonitas, Timothy Miller e Kenneth Miller (não relacionados com a Sra. Miller), e um empresário cristão, Philip Zodhiates , ajudaram Lisa e Isabella em seu caminho para a Nicarágua, onde viveram em uma comunidade menonita. Todos os três homens cumpriram penas de prisão por seus papéis no caso.


Zodhiates, que levou Lisa Miller e sua filha até a fronteira com o Canadá, disse à LifeSite que as evidências de que Jenkins abusou sexualmente de Isabella o motivou a ajudá-los a escapar.


Em 2012, Jenkins entrou com uma ação civil em nome de Isabella contra Lisa Miller, Zodhiates, os dois pastores e outros indivíduos e organizações supostamente envolvidos na fuga dos Miller para a Nicarágua.


Em seu depoimento de fevereiro, Isabella pediu para ser retirada do processo, no entanto, dizendo que estava “bem cuidada” depois de deixar os Estados Unidos com sua mãe.

 

Fonte: Subsídios Dominical | Com informações: LIFE SITE NEWS | Atualizado: 13 de novembro 2021

Escolha o seu E-BOOK e clique na capa para mais informações e solicitar o seu exemplar.

Informações Aqui

Informações Aqui
***
***
***

Informações Aqui

***

Informações Aqui

***

Informações Aqui

***

Informações Aqui

***

Informações Aqui

📚 📚 Veja também

CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:

1) CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA Clique Aqui
2) CURSO MÉDIO EM TEOLOGIAClique Aqui
3) Curso de Secretariado para Igrejas Clique Aqui
4) Formação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui
5) CURSO OBREIRO APROVADO - Clique Aqui
Matricule-se já ! 



Postar um comentário

0 Comentários