FECHAR <-----

Lição 7 – Davi é Ungido Rei (Subsídio EBD)


Subsídio bíblico para a Escola Dominical - classe dos Adultos. Subsídio para a Lição: 7 | Revista do 4° trimestre de 2019 | Fonte: E-book Subsídios EBD Vol. 18 | VEJA aqui OS NOVOS SUBSÍDIOS.


INTRODUÇÃO
Deus envia Samuel a Belém para ungir um novo rei de Israel (1 Sm 16.1-5). Lá, para surpresa de Samuel, um bonito, porém inexpressivo jovem pastor, Davi, é identificado como escolha de Deus (1 Sm 16. 6-13). O menino pastor que se tornou o maior rei de Israel é conhecido por muitas e extraordinárias façanhas.

Como soldado, ele expandiu o território ocupado por Israel cerca de 10 vezes mais e reorganizou o exército. Como rei, Davi criou um efetivo governo central. Como líder espiritual, estabeleceu Jerusalém como o centro religioso nacional, e reorganizou a adoração. Também contribuiu com muitos dos salmos e hinos usados em cultos públicos. Seu vigor e devoção, e seu incomparável impacto na história do povo judeu, marcam Davi como o rei ideal de Israel. As eras de Davi e Salomão foram, indiscutivelmente, os anos dourados de Israel. [1]

VEJA TAMBÉM:
Novas Lições de AdultosAqui
Novas Lições de JovensAqui
Veja a Lição: 7 Davi é Ungido Rei - Aqui


A FAMÍLIA DE DAVI
A escolha de Deus, do sucessor de Saul seria encontrada entre os filhos de Jessé, o belemita. Jessé era o neto de Boaz e Rute, a moabita (Rt 4.17). A importância de Davi pode ser vista de pronto na posição que ele e sua família ocuparam na história de Israel. Em um dos extremos ele tinha Boaz e Rute como antepassados (Rute 4.18-22), e, no outro extremo, Jesus Cristo foi seu descendente (Mt 1.6; Lc 3.31).

1. O pai de Davi.
Davi era o caçula de uma família que tinha dez filhos. Seu pai, Jessé, era um ancião rico e muito respeitado em Belém, e que reivindicava ser da linhagem de Boaz. Davi era um filho da velhice de Jessé (1 Sm 17.12).

2. A mãe e as irmãs de Davi.
Os nomes de suas irmãs eram Abigail e Zeruia. De acordo com 2 Samuel 17,25, essas meninas eram filhas de Naás. Aparentemente, a mãe de Davi teve essas filhas em um casamento anterior, e seu nome é desconhecido.

3. A ocupação de Davi.
Sua responsabilidade, dentro da economia da família, era a de um pastor, ocupação essa que lhe deu chance de aprender a coragem que ele veio a usar em seus anos como guerreiro, os quais consolidaram o seu reinado (1 Sm 17.34,35). É possível que ao cuidar dos rebanhos ele tenha desenvolvido suas habilidades poéticas; e a vida nos campos também lhe deu muitas metáforas, que ele incluiu em seus salmos, principalmente no imortal Salmo 23.

4. Os talentos artísticos de Davi.
Davi era poeta e músico e possuía aptidão para tocar harpa e para compor cânticos. No final de sua vida, ficou conhecido como "maravilhoso salmista de Israel" (2 Sm 23.1). Escreveu salmos, organizou o ministério de música no templo (1 Cr 25) e forneceu instrumentos para os músicos (1 Cr 23.5).

5. Histórias favoritas sobre Davi.
As histórias favoritas sobre Davi incluem sua vitória sobre Golias (1 Sm 17), sua amizade com o nobre Jônatas (cap. 20), sua recusa em tirar a vida de Saul (caps. 24 e 26), sua disposição em ouvir a bela e positiva Abigail (cap. 25), seu transporte da arca para Jerusalém (2 Sm 6), e seu arrependimento quando confrontado a respeito do seu pecado com Bate-Seba (caps. 1 1-12). Ao conhecermos bem a Davi, aprendemos sobre nossa própria fraqueza e como amarar Deus ainda mais.

A Bíblia contém mais histórias sobre Davi do que sobre qualquer outra pessoa, exceto Jesus Cristo.

QUEM É DAVI?

·        Davi é a pessoa humilde que vence tremendas desigualdades através da confiança em Deus.
·        Davi é o santo que tropeça e cai, contudo, através da sua confissão, é purificado para andar mais perto do Senhor.
·        Davi é o homem que sofre rejeição, e ainda encontra conforto e esperança no Senhor.
Por tudo isso Davi compartilha seus mais profundos sentimentos livremente em seus salmos, ensinando-nos que também podemos ser sinceros com Deus, ensinando-nos que Deus é o firme fundamento de nossas esperanças, nossa confiança.

DAVI: O REI UNGIDO (1 Sm 16.1,13)


1. Belém, a cidade onde Davi foi ungido rei (1 Sm 16.1-5).
Apesar de ser uma cidade pequena em Judá, a maioria dos israelitas conhecia Belém. Foi quando Jacó e sua família estavam a caminho de Betel que Raquel, sua esposa mais amada, faleceu próximo a Belém, enquanto dava à Luz Benjamim (Gn 35.16-20). Foi em Belém que Rute, a viúva moabita, encontrou seu marido, Boaz, e deu à luz Obede, avô de Davi (Rt 4.13-22; Mt 1.3-6).

O próprio Davi tomaria Belém um lugar famoso, como também o faria Jesus, o Filho de Davi, que nasceu nessa cidade, conforme haviam prometido as Escrituras (Mq 5.2; Mt 2.6). O nome Belém quer dizer "casa do pão", e foi lá que o pão da vida desceu do céu e veio habitar no mundo como ser humano.

2. Davi espera o tempo certo para reinar.
Enquanto Saul ainda está no trono, Samuel unge Davi como o próximo rei de Israel, mas isso foi feito em segredo; ele não foi ungido publicamente até muito tempo depois (2 Sm 2.4; 5.3). Saul ainda era, legalmente, rei, mas Deus estava preparando Davi para suas futuras responsabilidades.

O jovem Davi, então, corajosamente derrota Golias, o campeão e guerreiro filisteu, e estabelece com Jônatas, o filho de Saul, uma amizade que duraria a vida inteira. Quando Saul percebe que, um dia, Davi se tornaria rei, sente muita inveja e tenta matar Davi em várias ocasiões. Davi escapa, ficando em território filisteu até que Saul é morto em batalha.

3. Como era a unção de um rei?
Um rei sempre era ungido por um sacerdote ou profeta. O azeite especial da unção era uma mistura de azeite de oliva, mirra e outras especiarias caras.

a) O azeite na cabeça de Davi (1 Sm 16.13).
O líquido era derramado sobre a cabeça do rei, para simbolizar a presença e o poder do Espírito Santo de Deus em sua vida. Esta cerimônia de unção pretendia lembrar o rei de sua grande responsabilidade em liderar seu povo de acordo com a sabedoria de Deus, e não sua própria.

O óleo de unção era usado para separar pessoas ou objetos para o serviço a Deus. Cada rei e sumo sacerdote de Israel foi ungido com óleo. Isto comissionava essa pessoa como representante de Deus, perante a nação. Embora Deus rejeitasse a majestade de Saul, não permitindo que nenhum de seus descendentes subisse ao trono de Israel, o próprio Saul ocupou essa posição até sua morte.

4. As três vezes que Davi foi ungido.
2 Samuel 5.3, registra a terceira unção de Davi. Da primeira vez, foi ungido pelo profeta Samuel (1 Sm 16.13). Da segunda, foi ungido rei sobre Judá em Hebrom (2 Sm 2.4). Agora, é ungido soberano legítimo sobre toda a nação. A primeira significou uma antecipação de seu governo; a segunda foi o reconhecimento de seu comando sobre Judá; a terceira unção foi um atestado do seu domínio sobre a nação inteira.

Subsídio-Bibliológico


A guerra civil entre o Norte e o Sul
Após a morte de Saul, Davi não ascendeu imediatamente ao trono de um reino unido. Primeiro, Davi foi coroado o rei de Judá, governando por sete anos e meio na cidade de Hebrom (2 Sm 2.1-7,11). Durante a maior parte deste período, uma guerra civil foi travada entre Davi e os herdeiros de Saul (2 Sm 3.1). Um destes filhos, Isbosete, (ou Es-Baal, 1 Cr 8.33), uniu as tribos ao norte, ajudado por Abner, um dos comandantes de Saul (1 Sm 2.8,9). Uma grande quantidade de sangue foi derramada para se determinar se Davi ou Isbosete iria, finalmente, governar Israel (2 Sm 2.12-4.12).

Este trágico período na história da nação foi um reflexo da insistência anterior do povo em ter um rei como as outras nações (2 Sm 8.4-9, 19-22). Se os israelitas tivessem esperado por Deus para apontar um governador no Seu próprio tempo, os problemas causados no reinado de Saul jamais teriam ocorrido e os anos de guerra civil depois que ele morreu poderiam ter sido evitados.



[1] Guia do Leitor da Bíblia - CPAD