Lição 9: Decidir Ser Fiel a Deus - Subsídios Dominical🎓

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

Lição 9: Decidir Ser Fiel a Deus

Lição Bíblica de Adolescentes
Editora: CPAD
Revista do Professor
Reverberação: Subsídios EBD
TEXTO BÍBLICO
Daniel 1.1-21
Destaque
"Daniel resolveu que não iria ficar impuro por comer a comida e beber o vinho que o rei dava" (Dn 1.8a).

LEITURA DEVOCIONAL
SEG. Tt 1.15
TER. Dn 2.20
QUA. Dn 2.36 
QUI. Dn 6.10
SEX. Dn 11.2
SÁB. Dn 10.19
DOM. Dn 2.22
Objetivos
Fazer com que o aluno decida por agradar ao Senhor em todo tempo;
Criar a consciência para o aluno fazer diferença e destacar-se entre os homens para a glória de Deus;
Conscientizá-los a não contaminar-se com as concupiscências do mundo.

Material Didático
Faça uso da lousa à medida em que for necessário durante a aula.
Exponha ideias, anotações e ilustrações que contribuam com a aula.

Quebrando a Rotina
Que tal propor uma disciplina alimentar aos adolescentes? Inspirado a lição, promova entre eles um' desafio de fazer o dia de dieta saudável. Estimule-os a comerem verduras, legumes, frutas e a beberem suco natural. Incentive-os também a separarem ao menos três períodos de oração ao longo do dia. Semelhante ao que fazia Daniel e seus companheiros.
Na aula seguinte, peça para eles testemunharem sobre como foi a experiência. Enfatize que eles deverão fazer um propósito com Deus de não ficarem somente naquela experiência. É importante para os adolescentes buscarem intimidade e consagração a Deus em prol do fortalecimento da vida espiritual e adequarem-se a uma alimentação saudável. Vamos experimentar?

ESTUDANDO A BÍBLIA

Fidelidade a Deus não é algo que se faz a fim de parecer a sociedade o quanto somos bons, e nem a propósito de se arrancar elogios alheios. Todavia, os fariseus no tempo de Cristo agiam dessa forma, pois eram hipócritas. Fidelidade a Deus é algo simples, que se faz como ato de adoração e agradecimento, temor e respeito, amor e devoção ao nosso Pai Eterno. É demonstrar com atitudes, pensamentos e sentimentos o quanto que você está disposto a andar com Ele e que não importa o preço que se tenha de pagar por isso.

Caro professor, seus alunos estão olhando para você a todo o momento. Adolescentes são observadores e críticos, pois eles buscam em você um referencial espiritual. Portanto, seja fiel a Deus em todas as coisas, e, certamente, quando ministrar aos seus alunos, eles acreditarão em cada um de seus ensinamentos. Você é um exemplo!

Daniel foi um jovem diferente que viveu em uma época muito difícil da história de Israel. Vamos aprender com ele como é possível ser cristão em meio a tanta idolatria e imoralidade. Embora vivamos em numa sociedade corrupta, é possível não se contaminar com as coisas mundanas que desagradam a Deus e ter uma vida dedicada a Ele.

LEVADO PARA UM REINO ESTRANGEIRO

A história conta que Israel passou por um período muito difícil de cativeiro em uma terra estrangeira por setenta anos. Muitos judeus viviam exilados e separados da família.

As Escrituras nos relatam que os caldeus sitiaram Jerusalém (Dn 1.1,2), e o rei Nabucodonosor ordenou que trouxessem jovens judeus para viver no palácio real. Somente seriam escolhidos "jovens especiais", a fim de aprenderem as letras e a língua dos caldeus: "Todos eles deviam ter boa aparência e não ter nenhum defeito físico; deviam ser inteligentes, instruídos e capazes de servir no palácio [...]" (Dn 1.4).

Assim, alguns dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias faziam parte dos que se destacaram e foram levados, juntamente com outros jovens, para a corte caldeia. Provavelmente, esses jovens sentiram medo e, talvez, aperto no coração. Afinal, a partir de agora viveriam longe de seu povo, naquele palácio repleto de costumes pagãos.

O chefe que tomava conta desses jovens trocou os seus nomes. O jovem Daniel passou a chamar-se Beltessazar; Hananias agora seria Sadraque; Misael, Mesaque; Azarias, Abede-Nego (Dn 1.7).

Assim como Daniel e seus amigos, nós também vivemos hoje em um mundo estrangeiro que é um verdadeiro "exílio". Chegará um dia em que iremos para nossa morada eterna, a Nova Jerusalém Celestial.

AUXÍLIO TEOLÓGICO

Curiosidade histórica:

O Império babilónico começou a crescer tão rapidamente que não dispunha de número suficiente de babilónios cultos, para a cúpula governamental. Por isso, Nabucodonosor levou para Babilónia, jovens saudáveis de boa aparência e de alto nível cultural a fim de ensinar-lhes a cultura e a língua dos caldeus e, assim, torná-los úteis no serviço real. Entre eles estavam Daniel e seus três amigos" (Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD, 1995, p.1244-Nota).

NÃO SE CONTAMINOU

Dos quatro jovens, Daniel foi o que mais se destacou, pois tinha algo diferente da parte do Senhor. Aliás, nenhum deles deixou de confiar e servir ao Deus único, mesmo vivendo em meio ao paganismo.

O rei determinou que os jovens fossem alimentados com a porção de seu manjar e com vinho (Dn 1.5). Porém, Daniel decidiu em seu coração não se contaminar com essas iguarias e propôs ao chefe dos eunucos uma alimentação diferente para ele e seus amigos por um período de dez dias, contendo somente legumes e água (Dn 1.12). Portanto, Daniel certamente sabia que esses alimentos, e o vinho, eram antes oferecidos aos ídolos.

Os jovens deveriam se alimentar do manjar do rei durante o curso intensivo de três anos e deveriam estar saudáveis para comparecerem diante da presença do rei. Por esta causa, o chefe dos eunucos temeu a proposta de Daniel, pois sendo uma alimentação mais leve, os jovens ficariam com a aparência debilitada (Dn 1.10). Todavia, ao final da experiência de dez dias, Daniel e seus amigos estavam mais saudáveis do que todos os demais jovens da corte do rei (Dn 1.15).

Os adolescentes que não servem a Cristo comem naturalmente alimentos que são oferecidos a deuses em festas pagãs. E vivem neste mundo, onde bebem para se divertir, pois pensam que beber é sinónimo de diversão!

No entanto, os que não se contaminam com o "manjar do rei" possuem uma aparência melhor. Não se envolvem em brigas, não sentem a ressaca da bebida no dia seguinte, ou seja, a aparência é sempre de vida em Cristo! Deus se agrada dos que não se contaminam com as coisas deste mundo. Ele age conosco da mesma forma que agiu com os quatro jovens.

AUXÍLIO TEOLÓGICO
Fidelidade a Deus
A fidelidade de Daniel é vista claramente, por intermédio do seu propósito de não se contaminar com as iguarias do império babilônico.

O ambiente moral de Babilônia era totalmente pagão. Bem sabemos que o ensino que transmitiam a Daniel e aos seus amigos, em Babilônia, geralmente contradizia os retos ensinos da Lei de Deus. O mesmo alimento e vinho, servidos ao rei Nabucodonosor também eram servidos a eles — alimento e vinho que, por certo, eram dedicados a ídolos. Comer tal alimento era, para eles, desobediência à Lei de Deus; beber tal vinho significava entorpecer suas mentes.

1. Daniel resolveu desde o início não se contaminar.
Não abriria mão de suas convicções, mesmo se tivesse que pagar com a vida por isso. Note-se que Daniel não tinha agora a presença dos seus pais para orientá-lo nas suas decisões; mas seu amor a Deus e à sua lei, achavam-se de tal modo arraigados nele desde a infância, que ele somente desejava servir ao Senhor de todo o coração (ver Dt 6.7).

2. Aqueles que resolvem permanecer fiéis a Deus, enfrentando a tentação, receberão foiças para permanecerem firmes por amor. Por outro lado, aqueles que antes não tomam a decisão de permanecer fiéis a Deus e à sua Palavra, terão dificuldades para resistir ao pecado ou evitar confrontar-se com os caminhos do mundo (BEP – CPAD).

SE DESTACANDO ENTRE OS SÁBIOS
Daniel e seus amigos cresciam na graça de  Deus e eram jovens sábios e inteligentes. Deus honrou o sacrifício deles e os destacou dentre todos os nobres. Deus deu-lhe conhecimento, inteligência em todas os letras e sabedoria (Dn 1.17). Quando chegou o tempo de se apresentarem diante do rei Nabucodonosor, mais uma vez se destacaram e o rei encantou-se com a virtude destes jovens (Dn 1.20). O Senhor honrou aos seus filhos que não deixaram de temer o seu nome e de servi-lo como único Deus.
O Senhor ainda age dessa forma, pois há muitos jovens e adolescentes dispostos a não abandonar a fé, e a não se contaminar com o mundo. Para esses jovens, que se dedicam ao Senhor e se preparam, Deus tem honra, sabedoria e inteligência a fim de destacá-los nas melhores posições de nossa sociedade.

AUXÍLIO DIDÁTICO
Professor, compartilhe com seus alunos que a sociedade atual tem ensinado predominantemente, valores totalmente contrários à Palavra de Deus. Seja na escola, ou mesmo entre os amigos, muitos veem o pecado como algo natural a ser praticado; é o famoso "não tem nada a ver". Ensine-os que, como cristãos, devemos guardar os ensinamentos da Palavra de Deus e não cedermos às tentações e conselhos que o mundo propaga que são contrários à vontade de Deus. "Pois o Senhor olha com atenção as pessoas honestas e ouve os seus pedidos, porém é contra os que fazem o mal" (1 Pe 3.12).

FIDELIDADE A DEUS SEMPRE
O segredo de Daniel era sua fidelidade ao Senhor. A Bíblia nos mostra que Daniel se destacava no palácio. Era honrado, respeitado, mas em nenhum momento deixou de ser grato a Deus por tudo o que se tornara. Ele interpretou sonhos e visões. Foi um profeta e também exaltado como governador de todas as províncias da Babilônia (Dn 2.48).

Também foi príncipe no reinado de Dario (Dn 6.2). Ele não abandonou a Deus, mesmo quando tinha cargos elevados no palácio real. E nunca deixou os costumes judaicos, pois orava três vezes ao dia (Dn 6.10), mesmo que, em razão disso, viesse a ser lançado na cova dos leões (Dn 6.16). Contudo, Deus sempre o livrava das mãos de seus inimigos. Daniel foi fiel e Deus o honrou, tornando-o um dos mais sábios de seu tempo.

AUXÍLIO DIDÁTICO
Conduta cristã exemplar
A Palavra de Deus preceitua: 'Sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza' (1Tm 4.12). O professor de crianças e adolescentes tem esta grande responsabilidade. A criança é sensível e imitadora por natureza. Portanto, é necessário que o professor tenha capacidade de praticar tudo aquilo que ensina. Seus atos, suas reações, suas palavras devem corresponder aos seus ensinamentos. Seus hábitos, costumes, sua conduta diária em casa, no trabalho, na vizinhança, precisam ser irrepreensíveis. O apóstolo Paulo adverte-nos: 'Tu, pois, que ensinas a ti mesmo?' (Rm 2.21).

O mestre precisa ser o exemplo em todas as suas relações com a igreja, pois, tendo consciência ou não, o educador sempre influencia seus alunos. Esta influência, dependendo da postura espiritual do professor, será positiva ou negativa. Por isso, deve o professor ser correto em todas as suas atitudes, na igreja e fora dela. Há um ditado popular que ilustra perfeitamente a necessidade de sermos o exemplo: 'O que fazes fala tão alto que não posso ouvir o que ensinas'.

Amar os alunos
Para realmente amar as crianças e os adolescentes é preciso compreendê-los, conhecer seus interesses, urgências e expectativas. £ mais, é necessário pedir a Deus, fonte de todo amor que encha nosso coração de ternura real por cada um deles. Amor que se manifesta pelo desempenho, pelo desejo de estudar e melhor preparar-se para satisfazer suas necessidades. Amor traduzido em verdadeira amizade que se faz sentir na convivência silenciosa entre pessoas absorvidas no mesmo problema, que se expressa na alegria mútua causada pelas pequenas coisas. A criança e o adolescente precisam do amor que compreende, tolera, suporta. Amor que enxerga além das vestes, das condições sociais e das falhas, as potencialidades e oportunidades de desenvolvimento. Amor que não mede sacrifícios para proporcionar-lhes as condições para um crescimento perfeito, de maneira que venha a ser um cristão autêntico, um indivíduo realizado, uma bênção para a igreja e sociedade" (Recursos Didáticos para Escola Dominical. CPAD, 2003, p.28).

Conclusão
Que possamos almejar ser como Daniel e seus amigos! Que desejemos uma vida diferente, de modo que o mundo veja Cristo em nós. O brilho de Cristo venha resplandecer em nossa face. Que possamos frutificar e ter uma vida honrada e sabia sem misturar-nos com a pecaminosidade do mundo. Que façamos a diferença por meio da graça de Deus.

RECAPITULANDO
Daniel e seus amigos nos deram um grande exemplo de fidelidade a Deus em tudo quanto faziam. Eles não temiam o rei, porém, tinham o devido respeito. Não tinham medo de seus chefes, nem de suas regras ou de seus deuses pagãos, mas permaneceram fieis até o fim. Esses jovens não se contaminaram com os manjares da corte do rei Nabucodonosor, que, provavelmente, deveriam ser alimentos e pratos dos mais saborosos da época e vinhos da mais alta qualidade. Entretanto, Daniel escolheu não se contaminar com tudo aquilo a fim de agradar a Deus. Ele sabia que todos aqueles alimentos eram oferecidos aos ídolos babilónicos.

A Bíblia nos relata que havia um espírito excelente na vida de Daniel (Dn 6.3). Ele tinha uma vida reta e de muita oração. Era fiel e, por isso, o Senhor o abençoava de tantas formas.
Viveu por muitos anos na corte da Babilônia e esteve na presença de vários reis e governantes. No entanto, ainda adolescente, decidiu fazer a diferença. Poderia aproveitar sua juventude nos deleites da corte babilônica, mas decidiu consagrar-se para Deus como um adolescente fiel. Com isso, se tornou um adulto honrado e muito sábio, a quem Deus usou grandiosamente a fim de cumprir os seus propósitos.

Refletindo
1. Por que devemos fazer a diferença no mundo?
O professor deve conduzir o aluno para que ele chegue à conclusão de que fomos chamados para sermos sal da terra e luz do mundo (Mt 5.13,14).
2. Como ser bem sucedido e não negar a fé?
Honrando, amando, temendo e obedecendo em tudo.
3. Você descobriu qual é o propósito de Deus para a sua vida?
Resposta pessoal.

Post Bottom Ad