Lição 7: Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes - Subsídios Dominical

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

Novos Subsídios Bíblicos para as lições  O corpo de Cristo, 1° trimestre de 2024


Lição 7: Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes

Seja bem-vindo (a) ao subsídio bíblico para a classe de Adultos.
Lição: 7
Revista do 1° trimestre de 2019 – CPAD
Veja a continuação deste estudo em Nosso “E-book Subsídios EBD”. Vol. 15 – Clique Aqui.
INTRODUÇÃO
O Senhor Jesus é nosso exemplo maior em todas as coisas. Ele foi tentado em tudo, em todas as áreas (Hb 4.15), mas não pecou, pois não se deixou levar pelas ofertas de Satanás, que aproveitando Seus momentos de fraqueza física, ofereceu-Lhe toda a glória dos reinos do mundo em troca de adoração (Mt 4.8-10). Entretanto, Jesus repreendeu-o com autoridade e não cedeu à tentação.

I – A TENTAÇÃO (Tg 1.2,3 12-16)

1. Definições
ü  Os termos "tentação" e "tentar" na Bíblia aplicam-se tanto no campo secular como no campo religioso. O substantivo "tentação" significa literalmente "teste, provação, instigação".

ü  A tentação é uma disposição de ânimo para a prática de coisas diferentes ou censuráveis. É um desejo arrojado, forte, vigoroso. A tentação em sim não é pecado.
 CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:

1) Curso de Formação de Missionários Clique Aqui
2) Curso de Qualificação MinisterialClique Aqui
3) Curso Básico em Teologia - Clique Aqui
4) Curso de Secretariado para Igrejas Clique Aqui
5) Capacitação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui

2. A relação existente entre tentação e pecado
De acordo com o texto de Tiago 1.14,15, compreendemos que tentação não é pecado. O pecado passa por um processo de concepção e de consumação. Primeiro o ser humano pensa, depois planeja, e, finalmente, pratica-o. E o resultado disso é a morte espiritual (Rm 8.6). A tentação faz parte da natureza pecaminosa do homem. Porém, devemos lutar para não cairmos nessas armadilhas do diabo (Tg 4.7).

Os vocábulos "atraído" e "engodado" (Tg 1.14) expressam a intensidade com que o desejo seduz um indivíduo até ele se envolver de forma trágica. O pecado não se impõe a quem reluta, mas é fruto de uma escolha em função de seus atrativos. "Concebido" (Tg 1.15) sugere a imagem da vontade de uma pessoa pendendo para o mal e, finalmente, sendo dominada por ele. "Consumado" (Tg 1.15) sugere concluir um objetivo. A ideia aqui é que o pecado alcançou a maturidade e apoderou-se do caráter do indivíduo. A morte, aqui, não se refere à morte física (Cl 3.5-10; Rm 8.13) (RADMACHER; ALLEN; HOUSE, Central Gospel, 2010b, p.673).
 
3. Aspectos da tentação
As tentações fazem parte da batalha espiritual. Elas podem ser classificadas em dois aspectos importantes:

a) Do lado negativo, as tentações são forjadas e preparadas pelo diabo, pelos demônios, com objetivo de destruir, arrasar, violentar, confundir, escravizar e até levar à morte.

b) O segundo aspecto é positivo, em forma de Teste e provação. Deus não tenta ninguém e de ninguém pode ser tentado (Tg 1.13). Ele pode admitir que sejamos provados para manifestar o seu amor prosperando-nos abundantemente (Ml 3.10).

4. A diferença entre tentação e provação
A tentação, é uma indução ao mal, ao 'pecado. A provação, no entanto, não tem esse sentido. Quando a Bíblia diz que Deus tentou alguém, devermos entender que Deus o provou. Tiago nos diz que “Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta” (Tg 1.13).
Abraão só foi considerado o pai de todos os que creem, porque creu e foi “tentado”, ou seja, “provado” por Deus (Gn 22.1-18). A prova da fé é essencial para “louvor, honra, e glória na revelação de Jesus Cristo” (1 Pe 1.7).

Tiago exorta os crentes a terem “grande gozo”, quando caírem em “várias tentações”, sabendo que “a prova da vossa fé produz a paciência” (vv.2,3). Ele considera uma bem-aventurança o crente sofrer a tentação, porque, quando for provado, receberá a coroa da vida (v. 12).
VEJA:

II – A ORIGEM DA TENTAÇÃO

1. Da parte da carne
a) Tentação humana
A Bíblia nos diz que “não veio sobre vós tentação, senão humana” (1 Co 10.13). Neste texto, podemos entender que “tentação humana” quer dizer a que é própria da natureza carnal do homem (ver Rm 7.5-8; G15.13,19). Ela tem seu aspecto mal, pernicioso, incitador ao pecado.

b) O significado da carne
A carne, é o “centro dos desejos pecaminosos” (Rm 13.14; G1 5.16,24). Dela vem o pecado e suas paixões (Rm 7.5; G1 5.17-21). Na carne não habita coisa boa (Rm 7.18). Devemos salientar que o termo carne, aqui, não se refere ao corpo, que não tem nada de mal em si mesmo, mas à natureza carnal, herdada de nossos pais. O corpo do crente é templo do Espírito Santo (1 Co 6.19,20).

2. Da parte do mundo
O mundo, como fonte de tentação, não é o mundo físico, criado por Deus. O Dicionário da Bíblia, de Davis, diz que “a palavra mundo emprega-se frequentemente para designar os seus habitantes”, como em SI 9.8, Is 13.11 e Jo 3.16.

O Dicionário Teológico (CPAD), referindo-se ao mundo, diz que “No campo da teologia, porém, é o sistema que se opõe de forma persistente e sistemática ao Reino de Deus”. João exorta a que não amemos “o mundo, nem o que no mundo há”. “Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo” (1 Jo 2.15,16). Tudo isso é fonte de tentação.
 
3. Da parte do Diabo
É a fonte mais cruel da tentação. Seu caráter é sempre destrutivo. Satanás é o agente e o estimulador da tentação.

a) Jesus foi tentado
E a fonte mais terrível e avassaladora da tentação. Dela, não escapou nem mesmo nosso Senhor Jesus Cristo. Após o batismo em água, Ele foi conduzido ‘pelo Espírito para ser tentado pelo diabo” (Mt 4.1; Mc 1.13; Lc 4.2). Foi o único que não caiu em pecado (Hb 4.15).

b) Homens de Deus foram tentados
Homens de Deus, do porte de Abraão, Sansão, Davi, e tantos outros, foram tentados pelo Adversário (Satanás) a fazerem o que não era da vontade de Deus, com sérios prejuízos para suas vidas.

c) Os homens comuns são tentados
Os homens são tentados a praticar toda espécie de males, crimes, violência, estupros, brigas, ciúmes, guerras, mentiras, calúnias, roubos, etc.

d) Os crentes são tentados
Até os crentes em Jesus são vítimas da ação do maligno, quando causam prejuízos à Igreja do Senhor, com escândalos, calúnias, invejas, divisões, rebeliões, busca pelo poder, politicagem religiosa, e tantas outras coisas ruins.

III – PASSOS PARA A VITÓRIA NA TENTAÇÃO

VEJA A CONTINUAÇÃO DESTE ESTUDO AQUI

Post Bottom Ad