FECHAR <----

Assunto: Reforma Protestante: história, ensinos e legado.
Lição: Jovens e Adultos
Trimestre: 4° de 2017
Comentarista: Pr. Gilmar Vieira Chaves
Editora: Central Gospel
TEXTO BÍBLICO BÁSICO
Colossenses 1.3-6; 9-14
3 Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, orando sempre por vós,
4 Porquanto ouvimos da vossa fé em Cristo Jesus, e do amor que tendes para com todos os santos;
5 Por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual já antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho,
6 Que já chegou a vós, como também está em todo o mundo; e já vai frutificando, como também entre vós, desde o dia em que ouvistes e conhecestes a graça de Deus em verdade;
9 Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual;
10 Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus;
11 Corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo;
12 Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz;
13 O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor;
14 Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados;
TEXTO ÁUREO
E sujeitou todas as coisas a seus pés e, sobre todas as coisas, o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos. Efésios 1.22,23
SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO DIÁRIO
2ª Feira - João 15.12-16:
Eu vos escolhi a vós, e vos nomeei
3ª Feira - 2 Coríntios 6.1,2; 9.8,9: Para que superabundeis em toda boa obra
4ª Feira - 1Coríntios 1.1-5: Em tudo fostes enriquecidos nele
5ª Feira - Romanos 12.1,2: Transformai-vos
6ª Feira - Colossenses 4.7-18: Para que vos conserveis firmes, perfeitos
Sábado - Filipenses 1.27-30: Combatendo com ânimo pela fé do evangelho
Clique e acesse
OBJETIVOS
Ao término do estudo bíblico, o aluno deverá:
•  entender as mudanças políticas ocorridas no mundo, como resultado da Reforma Protestante;
•  identificar em que sentido o modo de produção económico, naquele período, foi alterado em decorrência das mudanças no seio da Igreja;
•  definir as mudanças na área cultural que influenciaram a produção artística e científica daquela época e que ainda repercutem em nossos dias;
•  discernir as mudanças eclesiológicas ocorridas naquele tempo em decorrência da ética e da pregação protestantes.

ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS
Jesus disse: Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nos céus (Mt 5.48). Seria possível ao ser finito chegar a esse nível de desenvolvimento? É certo que não, porém, vemos nesse verso o estabelecimento de uma meta para nós (cristãos) idêntica à que Deus propôs a Abraão: anda em minha presença e sê perfeito (Gn 17.1).
Perfeição é o desenvolvimento harmónico de todas as faculdades humanas; é levar ao mais alto nível possível todas as capacidades que estão em nós e realizá-las tão completamente quanto possível.
Não será esse o ideal áureo, sem precedentes, do seu trabalho junto à Escola Dominical, professor?
Excelente aula!



Legado — diferentemente de herança — compreende o conjunto de princípios, ensinos e/ou bens Imaterial! que uma pessoa ou instituição deixa à posteridade.
Palavra introdutória
A Reforma Protestante não ficou circunscrita ao âmbito eclesiástico-teológico. Como movimento cristão, ela cumpriu um importantíssimo papel junto à sociedade, pois promoveu a justiça social, o desenvolvimento e a verdade entre os povos, trazendo, assim, vida às palavras do profeta Miqueias: Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus? (Mq 6.8).

Nesta lição, discorreremos sobre os legados da Reforma Protestante, que transformaram significativamente os homens e o mundo daquela época e desse tempo e, ao que tudo indica, continuarão influenciando a raça humana em eras vindouras.

1. MUDANÇAS NO PERFIL POLÍTICO DOS POVOS
Vejamos a seguir algumas mudanças políticas — radiais e de grande porte — que varreram a Europa e o Ocidente, como consequência direta e imediata da Reforma Protestante.

1.1. Mudança na forma do governo eclesiástico
O modelo de governo eclesiástico — centralizado no Papa nos seus auxiliares — foi desmantelado, depois do movimento reformista.
A partir de Lutero e Zuínglio, a democracia foi instituída. Nesse novo sistema, a Igreja continuou a contar com seus bispos, porém eles não tinham mais poder absoluto ou poder monárquico; ao contrário, eram eleitos e, na vigência de seus ministérios, o trabalho que ofereciam às suas comunidades era avaliado por oficiais eclesiásticos e pelo povo.

1.2. Mudança na política secular
O sistema democrático de governo, após ser implantado nas igrejas, também alcançou a política secular.
Os habitantes das cidades passaram a escolher, pelo voto, seus governantes, que, majoritariamente, eram anciãos experientes. Essa política de Estado expandiu-se por toda Europa e pelo Ocidente.

1.3. Mudança no mapa geopolítico mundial
Pelo fato de defenderem a separação entre a Igreja e o Estado, os cristãos reformados eram perseguidos por onde passavam. Em razão disso, procuraram em várias partes do Continente Europeu um lugar em que pudessem viverem paz.

Com a descoberta do Novo Mundo (o Continente Norte-americano), os protestantes enxergaram a chance de, enfim, viverem com tranquilidade e segurança. Assim, migraram massivamente para o hemisfério norte e fundaram os Estados Unidos da América e o Canadá.

2. MUDANÇAS NA ECONOMIA MUNDIAL
Com a ascensão do protestantismo, a economia europeia passou por mudanças radicais. Destacamos, nos tópicos subsequentes, alguns precedentes dessas mudanças.

2.1. A ética romana
A teologia romana via o trabalho como maldição e o crescimento econômico como pecado de usura. Eles viam na atividade econõmica algo penoso e ruim, próprio das classes subalternas.

2.2. A ética protestante
Lutero, dentro da sua teologia, declarou que o trabalho é dom de Deus, B o crescimento financeiro, uma bênção divina, pois ambos (trabalho e crescimento financeiro) poderiam trazer maior conforto e segurança às famílias. Assim, o labor diário passou a ser visto como sagrado pelos protestantes, que deveriam oferecer o melhor de si em suas atividades económicas, fazendo tudo com esmero e excelência. Ao agirem assim, eles estariam agradando a Deus.

Com a Reforma Protestante, surgiram: o sistema bancário, o conceito de economia e poupança e o sistema capitalista.

O alemão Max Weber, um dos principais pensadores que colaboraram para a construção da Sociologia, queria saber qual a razão de os países protestantes serem mais desenvolvidos e mais
industrializados do que os países católicos. Segundo ele, o diferencial residiria na ética protestante de valorização do trabalho e do capital.

3. MUDANÇAS RADICAIS NO VIÉS CULTURAL DAS NAÇÕES

3.1. A criação do conceito de Estado laico
O movimento protestante concebeu a ideia de liberdade religiosa e de um Estado secular, sem o predomínio e a proteção de um único segmento religioso — essa, aliás, é uma característica dos países ocidentais.

A ideia de Estado laico, que traz os benefícios da liberdade de culto e de crença, tem sido muito importante para a vida em sociedade e tem abençoado o mundo.

3.2. Mudança nas Artes
As Artes, no período medieval, estavam essencialmente .-entradas na religiosidade. Naquele tempo, costumava-se atar Deus, os santos romanistas, os anjos, os demônios e as cenas bíblicas.

Entretanto, com o advento da Reforma — e o consequentemente combate às imagens de escultura e tudo que reportasse à idolatria —, os artistas (dos mais diferentes matizes) foram abandonando os conteúdos religiosos aos poucos, passando a valorizar os temas relacionados ao homem e à Natureza.

3.3. Mudança na Ciência
A partir da Reforma, as pessoas foram encorajadas aos estudos, à leitura e à busca de conhecimentos. Consequentemente, as superstições populares foram perdendo força e, pouco a pouco, desmistificadas. O povo deixou de aceitar a força de santos e demónios como meios para explicar as ocorrências naturais.

A teologia protestante não via contradição entre a Bíblia e a Ciência. Por isso, os estudiosos — livres das amarras religiosas romanistas — procuraram compreender os fenómenos físicos, químicos e matemáticos, a fim de explicar o funcionamento do Universo, da Natureza e do corpo humano.

O sistema teológico protestante incentivou intensamente e o avanço das ciências humanas e naturais, criando novas universidades (algumas delas existentes ainda hoje) e novos modelos de ensino. Lutero, Calvino, Melanchton, dentre outros reformadores, estabeleceram o ensino gratuito, obrigatório e universal em suas regiões, ligando a educação básica à Universidade. Eles viam no processo educacional um meio poderoso para o desenvolvimento do ser humano e da Igreja de Cristo na terra.


4. MUDANÇAS NA COSMOVISÃO RELIGIOSA
Como dito anteriormente, o sistema papal conduziu o povo ao desvio da verdadeira fé; no entanto, o Espírito de Deus mobilizou os reformadores para trazer a Igreja de volta aos trilhos sólidos da verdadeira doutrina bíblica.

Na era medieval, a vida espiritual do povo tinha, dentre outras características, as destacadas a seguir.

4.1. Religiosidade baseada no sistema de troca
O padrão religioso da Igreja Romana, ao longo da Idade Média, baseava-se no seguinte trocadilho: "toma lá, dá cá". O Clero vivia muito mais em função dos bens materiais a serem auferidos na relação com o rebanho, do que em função do ensino de verdades espirituais. O crescimento espiritual do povo e a promoção dos interesses do Reino de Deus não faziam parte de seus esforços, tampouco de sua agenda.

4.2. Religiosidade baseada em superstições
Na Idade das Trevas, a vida era decifrada sob a ótica da espiritualidade:

• as pessoas confundiam os eventos de origem sobrenatural com os de origem e responsabilidade humanas; assim, interpretavam todos os fatos como castigo divino ou boa vontade dos céus;

• as pessoas viam a ação dos santos romanistas, dos demônios e até do próprio diabo em todos os eventos cotidianos; o que fez a veneração aos santos e a Maria ganharem grande espaço naquela época;

• figuras pagãs — como duendes, fadas, seres das florestas e dos mares — também faziam parte do imaginário popular do cristão medieval.

4.3. Desprezo à graça do Senhor Jesus Cristo
Naquele tempo de obscurantismo, as pessoas estavam dispostas a empreender todos os sacrifícios necessários ao alcance dos mais diferentes tipos de bênçãos espirituais, tais como: o perdão de Deus, a cura e o livramento de guerras, por exemplo. Esse tipo de motivação ai afastava do verdadeiro Deus e expunha seus relacionamentos pessoais, seus negócios e seus empreendimentos de vida aos poderes das trevas.


5 PILARES DA ESPIRITUALIDADE REFORMADA
A poderosa mensagem protestante transformou a Igreja daquele período, purificando-a dos seus descaminhos teológicos, crendices e superstições. O Corpo de Cristo, visível e temporal, foi restaurado, e o povo pôde manifestar uma espiritualidade pura, baseada nos princípios sólidos da Palavra de Deus.

Além das cinco solas (estudas nas Lições 3—7), listamos a seguir alguns pressupostos básicos da fé protestante.

5.1. Só há um poder soberano e onipotente no mundo
À medida que o povo cria na mensagem reformadora, suas crenças em ensinos errados e em seres sobrenaturais e mitológicos foram caindo em descrédito.

O povo foi apresentado a Jeová, a única fonte de força capaz de guiar, orientar e reger a vida dos homens (Dt 6.4; 1Sm 2.2; 2 Sm 7.22; SI 86.8; Is 45.5,6; Ef 4.5,6); o Soberano a quem todos prestarão contas um dia (2 Co 5.10).

5.2. Devolução da Bíblia ao povo
As pessoas comuns não tinham acesso ao conteúdo das Escrituras Sagradas, senão por meio do Clero. O estudo da Bíblia era prerrogativa exclusiva dos representantes da Igreja, que repassavam instruções aos seus ouvintes, de acordo com seus interesses e pontos de vista.

Lutero pontuou que cada cristão, daquela data em diante, seria um intérprete das Escrituras. O livre acesso à leitura do Livro Sagrado trouxe de volta a correção doutrinária e o necessário avivamento espiritual, bem como a valorização da busca pessoal pela presença do Altíssimo (SI 42.1,2; 119.11; 119.105; 2 Tm 3.14-17).

5.3. Devolução da Igreja ao povo
Até então, a Igreja era tratada como propriedade exclusiva do Clero. Muitos de seus representantes — papas, cardeais, arcebispos e bispos — eram ricos senhores feudais, que manipulavam a instituição romana, de acordo com seus próprios interesses. No entanto, pela Revolução Protestante, o apelo popular foi atendido, e os novos tempos trouxeram o padrão do Novo Testamento de volta à sociedade.
O Espírito Santo colocou a Igreja em seu verdadeiro lugar (Ef 5.27) — uma Igreja em que os membros participam de suas decisões e destinos; uma Igreja generosamente aberta, em que a oportunidade de cooperar está franqueada a todos, de maneira democrática (Mt 16.18; Rm 12.5; 1 Co 1.26-29; 10.17; 12.27; Ef 4.4).

CONCLUSÃO
O legado dos reformadores tem atravessado as barreiras temporais e geográficas. Seus ares benfazejos alcançaram as gerações e chegaram até nós, trazendo-nos luz, desenvolvimento e esperança.
Sem a Reforma Protestante, o mundo certamente seria um lugar muito pior de se viver; um lugar de densas dúvidas e sombras; um lugar marcado pelo caos.

ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO
1. Cite os pilares da espiritualidade reformada, destacada nesta lição:
R.:(1) A consciência de que só há um poder soberano e onipotente no mundo;
(2) devolução da Bíblia ao povo; e

(3) devolução da Igreja ao povo.
 
Top