FECHAR <-----

A igreja: Serva da bíblia

INTRODUÇÃO
Diariamente, surgem novas igrejas em todo o mundo. Todavia, a maior parte delas não se submete aos preceitos das Sagradas Escrituras. A igreja que modifica, deturpa ou não valoriza a Bíblia, não pode ser considerada autêntica Noiva do Cordeiro. A verdadeira Igreja de Cristo é serva da Palavra.


I. A IGREJA E A SUBMISSÃO À PALAVRA
A Igreja tanto é visível como invisível. Enquanto a visível é local, e se caracteriza como organização, a invisível é universal e orgânica.
Vejamos:
1. No sentido espiritual.
Espiritualmente, a Igreja é um organismo que tem Cristo como a Cabeça, (Cl 1.18) e os crentes como o Corpo (Ef 1.22,23). Esta Igreja é composta de todos os que possuem seus nomes "inscritos nos céus" (Hb 12.22,23). Isto é, de todos os salvos em Cristo Jesus. Todas as igrejas locais pertencem à Igreja universal. Todavia, nem todos os que fazem parte de uma igreja local são de fato membros da igreja universal (1 Jo 2.19).


2. No sentido organizacional.
A igreja, como organização, é formada por crentes em Jesus que se reúnem numa determinada congregação a fim de adorar e servir a Deus. Ali, tanto há "trigo" quanto "joio", ou seja, há crentes fiéis e infiéis (Mt 13.24-30). Como numa organização qualquer, a igreja local necessita de uma liderança humana; assim como de atividades administrativas, estatutos e normas. Entretanto, tal estrutura jamais poderá suplantar ou sobrepor-se aos preceitos da Palavra de Deus.
Embora a igreja local seja uma organização juridicamente estabelecida, não deixa de ser também um organismo espiritual que, sob a direção de um ministro de Deus, deve servir ao Senhor e obedecer a sua Santa Palavra.

II. A IGREJA E A FIDELIDADE À PALAVRA
 1. O respeito à integridade da Palavra.
Alguns teólogos modernistas dizem que a Bíblia precisa ser revisada, e que alguns de seus textos não fazem mais sentido para os dias pós-modernos.
Trata-se de uma desvelada ação diabólica contra a Palavra de Deus. Algumas igrejas, infelizmente, têm sucumbido aos apelos desses "reformistas", deturpando a sã doutrina (1 Tm 1.10; 2 Tm 4.3), falsificando a Palavra (2 Co 4.2), e seguindo os ensinos de Balaão. Para piorar ainda mais, essas igrejas, à semelhança de Tiatira, acabam tolerando a imoralidade (Ap 2.14,15,20-22). Porém, a autêntica Noiva de Cristo mantém-se fiel às Escrituras (Jo 14.15,21,23; Tt 1.9), pois, é "a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade" (1 Tm 3.15). A mensagem bíblica não precisa ser revista, e sim, obedecida com submissão e santidade.

2. A igreja deve pregar a verdade.
A Igreja deve manifestar toda a verdade da Palavra de Deus: "Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; antes, rejeitamos as coisas que, por vergonha, se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de. Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade" (2 Co 4.1,2).
Os obreiros, principalmente os pastores, têm grande responsabilidade diante de Deus e de sua amada igreja. O púlpito jamais deve ser utilizado como palanque político, mas, sim, como Tribuna da Verdade do evangelho. Todo líder deve conduzir seu rebanho em completa obediência à Palavra da Verdade.

III. A IGREJA E A SANTIDADE DA PALAVRA

1. A Palavra de Deus é santa.
"Porque se lembrou da sua santa palavra e de Abraão, seu servo" (Sl 105.42). Todo cristão sabe que ser santo é ser separado, consagrado ou dedicado a Deus. A Palavra do Senhor não é apenas portadora de uma santidade qualquer, mas da santidade do próprio Deus. Ela é a vontade santa de Deus revelada aos homens.
2. Respeito ao Livro Sagrado.
 Muitos cristãos não valorizam a Bíblia como deveriam. Já vi um pastor colocá-la no chão, só porque se sentia incomodado de tê-la em suas mãos durante o culto. Um juiz jamais colocaria a Constituição do seu país em qualquer lugar, pois ela representa a lei maior da nação. A Bíblia não é apenas um livro, é a Lei de Deus para sua Igreja. Portanto, devemos amá-la e respeitá-la como Livro Sagrado e Palavra de Deus.
3. A Bíblia é o Livro do povo santo.
Há muitos povos no mundo. E nenhum dentre eles, no sentido pleno da palavra, pode ser chamado "povo de Deus". Mas, no meio dos povos e nações, há um povo separado por Deus para ser "a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido" (1 Pe 2.9). A Bíblia é o Livro de Deus para esse povo santo, formado por gente de todas as nações.

IV. A IGREJA E A PROCLAMAÇÃO DA PALAVRA
 Após dois mil anos, a Grande Comissão ainda é uma tarefa inacabada. Milhões de pessoas não conhecem a Jesus e muitas nações não foram alcançadas pela pregação do Evangelho. Quem lhes falará do amor de Cristo? Na Índia, há pessoas que adoram a ratos; na África, os que veneram árvores, pedras, rios e outros elementos da natureza; no Brasil e na América Latina, há uma enorme quantidade de ídolos. A missão precípua da igreja é a proclamação da Palavra de Deus (Mt 28.19,20). Jesus, em seu último contato com os discípulos, ordenou-lhes taxativamente que pregassem o evangelho (Mc 16.16).

CONCLUSÃO
A Igreja universal é um organismo vivo e espiritual. A local, por sua vez, é uma organização centrada na autoridade da Palavra de Deus. Como parte do Corpo de Cristo, a igreja visível deve cumprir sua missão evangelizadora e proclamadora do evangelho, sem, contudo, deixar de amar e obedecer plenamente às Sagradas Escrituras.

Fonte: Lições Bíblicas – CPAD / Divulgação: sub-ebd.blogspot.com