Mostrando postagens com marcador Professores. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Professores. Mostrar todas as postagens

Mente Renovada - Fundamento para uma verdadeira transformação

O tema em questão aborda a necessidade de transformação da vida do indivíduo, seja homem ou mulher que, ao aceitar a fé cristã, obtém uma experiência pessoal com Cristo. E quando passa a receber a benéfica influência da mensagem do Evangelho em sua vida que a conduz ao arrependimento de seus pecados levando-a à conversão. O Espírito Santo a convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8-11) e esta ação é capaz de fazê-la nova criatura, como nos afirma o apóstolo Paulo (2Co 5.17), fazendo-a cristã.

Etapas para o Preparo da Aula da Escola Dominical




As Qualifica√ß√Ķes Espirituais do Professor da Escola Dominical

Al√©m de ser vocacionado e dispor das aptid√Ķes naturais, o professor da Escola Dominical dever√° investir na qualifica√ß√£o necess√°ria ao excelente desempenho de sua fun√ß√£o docente.

Quem Pode ser Um Professor da Escola Dominical?

1. Como Identificar um Autêntico Candidato ao Magistério Cristão

A igreja que pensa na educa√ß√£o crist√£ relevante dever√° destinar regularmente √† Escola Dominical uma verba de seu or√ßamento a fim de que ela funcione plenamente e a contento. Dever√° ainda providenciar materiais did√°ticos, mob√≠lias e salas pedagogicamente planejadas. Isso √© imprescind√≠vel! Mas, e quanto aos recursos humanos? A igreja sabe predisp√ī-los, gerenci√°-los? E justamente nesse ponto que a maioria dos l√≠deres, superintendentes e dirigentes de escolas dominicais t√™m problemas importantes. A maior dificuldade, por incr√≠vel que pare√ßa, reside na indisponibilidade dos recursos humanos ou na imper√≠cia e insensibilidade para lidar com eles. Ou seja, n√£o s√£o tarefas f√°ceis, reciclar professores veteranos, ou recrutar e formar os novos para o magist√©rio na Escola Dominical. Geralmente tal complexidade passa pelas seguintes quest√Ķes: De que maneira os superintendentes alistam e selecionam os professores? Quais crit√©rios utilizam?

Por estas e outras raz√Ķes, tentarei, a partir de agora, sugerir algumas diretrizes e estabelecer crit√©rios que justifiquem a escolha dos professores ideais para atuarem na Escola Dominical. Eles dever√£o ser escolhidos com base na voca√ß√£o, aptid√Ķes espec√≠ficas e na chamada divina para o magist√©rio crist√£o.

ūüéĮ Saiba Mais:

A Contextualização na Escola Dominical

A Escola Dominical deve ser estruturada de tal forma que possa ser ao mesmo tempo din√Ęmica e agrad√°vel para todos os alunos. Da√≠ a import√Ęncia de se separar as classes de alunos por faixas et√°rias. Tomar-se-ia invi√°vel atender a todas as exig√™ncias de todos os alunos, em sua heterogeneidade (crian√ßas, adolescentes, jovens e adultos), em uma classe √ļnica. Mas √© poss√≠vel organizar e desenvolver uma ED que seja interessante e relevante para as diversas classes.

Requisitos para a Pré-qualificação do Professor da Escola Dominical

Segundo o professor William Burton, “o ensino n√£o √© coisa f√°cil; n√£o pode ser feito com qualquer margem de sucesso por indiv√≠duos indiferentes, mal informados e sem habilita√ß√£o, portadores de uma personalidade inexpressiva e de limitada experi√™ncia vital. O ensino exige amplo conhecimento e sutil perspic√°cia, aptid√Ķes definidas e uma personalidade que se caracterize por sua estabilidade, firmeza e dinamismo.

O trabalho de ensinar √© bem mais complexo do que qualquer outra atividade profissional. Na verdade, para ser executado com perfei√ß√£o, √©, dentre todas as atividades humanas, uma das mais dif√≠ceis”.

H√° pessoas que demonstram aut√™ntica voca√ß√£o para o magist√©rio, mas n√£o re√ļnem as aptid√Ķes espec√≠ficas necess√°rias para esse mister.

1. Que s√£o aptid√Ķes espec√≠ficas?

Veja também:

- Práticas Pedagógicas para Professores EBD, Acesse Aqui
- Curso de Capacitação de Professores (as) da Escola Dominical, Acesse Aqui

O Superintendente e a din√Ęmica da Escola Dominical

Tive o privil√©gio de crescer em um lar evang√©lico, meus pais ensinaram-me as Sagradas Letras desde a tenra idade. Durante minha trajet√≥ria crist√£ n√£o descuidei de minha vida acad√™mica e dediquei-me aos estudos da teologia, pedagogia, filosofia, sociologia e ci√™ncias das religi√Ķes. No entanto, os fundamentos da f√© crist√£ n√£o os aprendi nos bancos acad√™micos e sim nas classes da Escola Dominical. Assim, reconhe√ßo a import√Ęncia da ED na forma√ß√£o do car√°ter crist√£o em minha vida. Contudo, eu n√£o teria sido impactado se a ED que frequentei n√£o tivesse sido din√Ęmica no processo do ensino-aprendizagem. Por isso, apresento neste artigo algumas orienta√ß√Ķes, em especial ao superintendente de como agir para dinamizar o ensino da ED:

Aspectos do desenvolvimento social e emocional dos adolescentes

I. Aspectos do desenvolvimento social dos adolescentes
A adolesc√™ncia √© um per√≠odo importante de autoafirma√ß√£o, quando cada indiv√≠duo cria padr√Ķes internos particulares, ao mesmo tempo em que precisa estar conectado cognitivamente e inserido socialmente no mundo que o cerca. Para ajudar os alunos, os professores de adolescentes precisam conhecer os aspectos f√≠sicos, sociais e emocionais mais importantes do desenvolvimento nesta faixa et√°ria.

O professor da Escola Dominical como difusor do pensamento crist√£o

A hist√≥ria do pensamento crist√£o √© resultado do trabalho realizado pelos Pais da Igreja, um grupo seleto de estudiosos que patentearam suas ideias ao longo da hist√≥ria do Cristianismo. Com o passar dos anos e a institucionaliza√ß√£o da igreja, essas ideias assumiram novas formas, espa√ßos e personagens. Nesse contexto, est√° a import√Ęncia do trabalho do professor da Escola Dominical como difusor do pensamento crist√£o e formador de opini√£o.

Compreender em que consiste o pensamento cristão e os tratados de Cristo deixados à sua igreja exigiu dos Pais da Igreja muita dedicação e cautela para que não fossem interpretados como hereges. Até os dias atuais, muitas dessas ideias são questionadas e discutidas nos seminários de ensino teológico por todo o mundo.

Com o crescimento da Igreja, surgiu a necessidade de haver pessoas capacitadas e respons√°veis por ensinar fielmente as verdades doutrin√°rias tendo a B√≠blia como base. Esta √© uma tarefa que exige de tal pessoa bastante flexibilidade para que as discuss√Ķes n√£o saiam do campo das ideias e declinem-se para o lado pessoal. Afinal de contas, a profecia b√≠blica n√£o "√© de particular interpreta√ß√£o; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Esp√≠rito Santo" (2 Pe 1.20,21).

Veja também:
1) Aulas din√Ęmicas e criativas para adolescentes na Escola DominicalAcesse Aqui
2) A Escola Dominical e as diferentes gera√ß√ĶesAcesse Aqui
                      
Desde ent√£o, o professor de Escola Dominical tem sido este canal de difus√£o do conhecimento b√≠blico. E n√£o somente difus√£o, mas tamb√©m forma√ß√£o do pensamento crist√£o nos crentes que frequentam a Escola Dominical. Este processo ocorre mediante a influ√™ncia do professor, seja pela exposi√ß√£o dos conte√ļdos b√≠blicos ou mesmo por seu comportamento exemplar. Inevitavelmente, o professor da Escola Dominical assume esta incumb√™ncia sem ao menos perceber que est√° sendo usado para formar o car√°ter de Cristo em seus alunos.

Escola Dominical: um Espaço de formação cristã

A partir do século XVI, com o advento da reforma protestante, foi possível notar certa inclinação dos líderes da igreja por uma abordagem mais bíblica sobre a conduta cristã. Então, no século XVIII, mais precisamente no ano 1783, surge oficialmente a Escola Dominical, um importante espaço de disseminação do conhecimento bíblico e doutrinário.

A Escola Dominical √© um ambiente fundamental para a forma√ß√£o crist√£, tendo em vista que √© nele que se configura a compreens√£o do pensamento crist√£o, quais as bases doutrin√°rias que comp√Ķem a espinha dorsal do evangelho, e quais os valores b√≠blicos inegoci√°veis que regem a √©tica crist√£. Todas essas quest√Ķes s√£o indispens√°veis para o aperfei√ßoamento do car√°ter crist√£o. √Č a partir da reflex√£o sobre os princ√≠pios b√≠blicos que os crentes podem examinar se as suas a√ß√Ķes est√£o ou n√£o em conformidade com a vontade de Deus.

Uma vez que o crente √© esclarecido, pode perfeitamente pensar a suas a√ß√Ķes e mudar h√°bitos que n√£o agradam a Deus. Logo, a transforma√ß√£o do car√°ter requer, antes de qualquer coisa, o entendimento da verdade para que as boas a√ß√Ķes se transformem em h√°bitos. Quando a pessoa abandona velhos h√°bitos e assume novos em conformidade com a Palavra de Deus, ent√£o, fica evidente que houve verdadeiramente uma mudan√ßa de car√°ter. Essa mudan√ßa √© um processo cont√≠nuo que se segue conforme o amadurecimento da f√©.

A ESCOLA DOMINICAL N√ÉO √Č UM ESPA√áO RESERVADO PARA DISCUSS√ēES DE "QUEST√ēES INSENSATAS
√Č importante ressaltar que a Escola Dominical n√£o √© um espa√ßo reservado para discuss√Ķes de "quest√Ķes insensatas". O ap√≥stolo Paulo admoestou a Tim√≥teo que n√£o entrasse em tais quest√Ķes (cf. 1Tm 2.23). H√° assuntos que s√£o improdutivos para a vida espiritual da igreja e devem ser evitados. Em contrapartida, a finalidade do estudo b√≠blico √© promover um ambiente de comunh√£o e reflex√£o sobre os preceitos e valores da Palavra de Deus. Somente as Escrituras t√™m a autoridade m√°xima sobre quaisquer quest√Ķes que os estudiosos queiram afirmar. A B√≠blia √© o c√≥digo de √©tica para a conduta do crist√£o.

O professor como formador de opini√£o

O que significa formar a opinião do outro? Significa influenciar a forma como o outro pensa ou levá-lo à reflexão sobre a forma correta de pensar. Esta é uma tarefa de grande responsabilidade, e neste caso, vale aqui uma observação: formar opinião, inevitavelmente, é uma postura que o professor assume sem ao menos perceber que está influenciando alguém. A atividade docente, assim como a figura dos pais, exerce uma influência significativa na vida das pessoas. A opinião do professor, ainda mais se tratando do conhecimento bíblico, serve de os alunos aprendam a ética cristã e amadureçam na fé.

A Bíblia é bem clara ao ressaltar que a função do professor deve ser exercida com dedicação (cf. Rm 12.7), porquanto, cada palavra dita em um estudo bíblico, ou mesmo na Escola Dominical, deve ser preparada com muita responsabilidade a fim de que as pessoas que ali estão frequentando, com a finalidade de aprender a Palavra de Deus, não saiam mais confusas do que quando entraram.

Para tanto, o professor deve evitar ao m√°ximo qualquer discuss√£o que considere as escolas teol√≥gicas e n√£o os textos b√≠blicos. N√£o significa dizer que o estudo sobre o que afirmam as escolas teol√≥gicas n√£o seja importante para o crescimento na f√©. Entretanto, faz-se necess√°rio aos crentes aprenderem rem, primariamente, as doutrinas basilares que fundamentam a f√© crist√£. S√£o elas que servir√£o de estrutura para que o crente cres√ßa espiritualmente de maneira saud√°vel e saiba como responder a qualquer que perguntar a raz√£o da sua f√© e sobre o que acredita (cf. 1 Pe 2.15). Sendo assim, √© imprescind√≠vel que o trabalho do professor seja conduzido de forma did√°tica, ou seja, √© preciso perceber os n√≠veis de aprendizagem pr√≥prios de cada classe para que as discuss√Ķes n√£o atinjam n√≠veis inacess√≠veis a ponto dos alunos n√£o conseguirem entender a proposta dos conte√ļdos ministrados.  Afinal de contas, a finalidade do ensinamento b√≠blico √© a edifica√ß√£o espiritual.

CONCLUSÃO
Por fim, vale destacar que o papel do professor é indispensável para a sustentabilidade espiritual da igreja. A formação do caráter cristão passa pelas mãos não apenas daqueles que apascentam ou cuidam da integração de novos convertidos à fé, mas também por aqueles que são responsáveis pelo ensino. Os professores exercem influência relevante na compreensão dos preceitos bíblicos com vista no aperfeiçoamento da fé.

Os tempos mudaram e as verdades doutrin√°rias da B√≠blia j√° n√£o s√£o mais propriedade intelectual exclusiva dos Pais da Igreja ou mesmo das institui√ß√Ķes religiosas que se diziam crist√£s ou representantes de Deus na terra. A Palavra de Deus est√° dispon√≠vel a todo aquele que cr√™ em seu poder.

Neste contexto, o que mais a Escola Dominical de muitas igrejas precisa √© investir no aperfei√ßoamento de seu corpo docente. Professores preparados a partir dos conhecimentos teol√≥gico, b√≠blico e pedag√≥gico servir√£o melhor ao Corpo de Cristo. Se assim estiverem, certamente, ser√£o instrumentos poderosos nas m√£os do Senhor da Obra para que os demais crentes estejam fortalecidos na f√©, aptos e preparados para "toda boa obra" (2Tm  3.16,17).

Artigo extra√≠do da Revista Ensinador Crist√£o N¬ļ 81 do 1¬ļ trimestre de 2020


Estudo Publicado em Subsídios EBD РSite de Auxílios Bíblicos e Teológicos para Professores e Alunos da Escola Dominical.

Educação Formal e Informal



Procedente do voc√°bulo latino educatione, a palavra “educa√ß√£o” significa etimologicamente: extrair. Em termos pedag√≥gicos, educar pressup√Ķe o desenvolvimento pleno das faculdades f√≠sicas, intelectuais, morais e espirituais do ser humano, implicando mudan√ßas de comportamento no educando em virtude da educa√ß√£o recebida.

Como era A Docência na Igreja Primitiva?

A nascente comunidade cristã prolonga o ministério docente da Igreja, agora à luz da morte e ressurreição de Cristo e o advento do Espírito (At 2; 9.31; 20.28).

A Igreja Primitiva, em todas as suas formas, era sustentada e impregnada pela consciência de ser o Corpo em que habita o Espírito (1 Co 12.27). E o ministério docente da Igreja participa plenamente desta identificação. Paulo, por exemplo, esperava que seu ensino fosse acatado e posto em prática pelas comunidades por onde passava (1 Co 2.13; Cl 1.28-29; 2 Ts 2.15; 1 Tm 4.6-11).

APROFUNDE SEU CONHECIMENTO
1) A organização e administração da Escola Dominical - Aqui
2) O superintendente da Escola DominicalAqui
3) A História da Escola DominicalAqui
4) Definindo a Escola Dominical - Aqui