Subsídios Bíblicos para a Escola Dominical 👇👇

Mostrando postagens com marcador Maçonaria - 33 Graus de Decepção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Maçonaria - 33 Graus de Decepção. Mostrar todas as postagens

O que Pensa a Maçonaria Sobre a Bíblia Sagrada?


A Bíblia dos cristãos é, meramente, um dos “livros sagrados” dos homens, em nada melhor que o Alcorão, as escrituras hindus ou os livros dos filósofos chineses e gregos.

Ela não deve ser interpretada de maneira literal, pois o seu verdadeiro significado é esotérico (oculto de todos, exceto um pequeno número de líderes “esclarecidos” de elite); o significado literal e óbvio destina-se apenas às massas ignorantes. É correto remover as referências feitas a Jesus em passagens usadas no ritual.

A maçonaria, contrário do que diz a crença popular, NÃO se baseia na Bíblia. Na verdade, a maçonaria baseia-se na Cabala, um livro medieval de magia e misticismo.

(1)   “Para a maçonaria, o Livro da Lei é aquele livro sagrado que os maçons de qualquer religião particular acreditam ser a vontade revelada de Deus... assim, para o maçom cristão, [é] o Antigo e o Novo Testamento; para o judeu, é o Antigo Testamento; para os muçulmanos, é o Alcorão; para os brâmanes, é o Vedas; e para os pársis, o Zenda-Avesta” (Masonry Defined, uma compilação de textos de autoria de Albert Pike e Albert Mackey, págs. 78, 79).

(2)   “A maçonaria não professa o cristianismo... mas espera o momento em que o esforço dos nossos antigos irmãos será simbolizado pela construção de um templo espiritual... em que haverá um único altar e uma única adoração; um altar comum da maçonaria em que estarão Veda, Shastra, Sade, Zenda-Avesta, o Alcorão e a Bíblia Sagrada... e em cujo santuário possam ajoelhar-se os hindus, persas, caldeus, assírios, egípcios, chineses e, também, os maometanos, os judeus e os cristãos...” (The Kentucky Monitor, Grau de Companheirismo, pág. 95).

VEJA TAMBÉM:
Maçonaria: Uma Religião Não Cristã - Aqui

(3)   “O que é Verdade para o filósofo não seria verdade, nem teria efeito de verdade, para o camponês.

A religião de muitos deve, necessariamente, ser mais incorreta que a dos poucos refinados pensadores... a religião mais verdadeira não seria, em muitos pontos, compreendida pelos ignorantes... As doutrinas da Bíblia não estão sempre revestidas da linguagem da verdade estrita, mas daquela que era a mais adequada para transmitir a doutrina a pessoas rudes e ignorantes” (Albert Pike, Morals and Dogma, 14° Grau, pág. 224).

(4)   “... o significado literal [da Bíblia] destina-se apenas aos vulgares” (Albert Pike, Digest of Morals and Dogma, pág. 166).


(5)   “A tudo isso [esse erro estúpido], a interpretação absurda da Igreja estabelecida (interpretando literalmente a linguagem figurada, alegórica e mítica de uma coletânea de livros orientais de diferentes épocas), conduz, direta e inevitavelmente” (Albert Pike, Morals and Dogma, 30° Grau, pág. 818).
(6)   “Os judeus, os chineses, os turcos, rejeitaram o Novo Testamento, ou o Antigo, ou ambos, e, ainda assim, não vemos nenhuma boa razão para que não sejam admitidos na maçonaria. Na realidade, a maçonaria da Loja Azul não tem nada a ver com a Bíblia. Ela não se fundamenta na Bíblia; se assim fosse, não seria maçonaria, seria outra coisa” (Chase’s Digest of Masonic Law, págs. 207-209).

(7)   “Belo, estende-se por todos os lados o Universo, a Grande Bíblia de Deus. A natureza material é o seu Antigo Testamento... e a natureza humana é o Novo Testamento do Deus Infinito” (Albert Pike, Morals and Dogma, 28° Grau, pág. 715).


(8)   “A maçonaria é uma busca pela Luz. Essa busca leva-nos de volta, como você pode ver, à Cabala. Naquele antigo e pouco compreendido [livro], o Iniciado encontrará a origem de muitas doutrinas e poderá, com o tempo, vir a compreender os filósofos herméticos, os alquimistas, todos os pensadores da Idade Média contrários aos papas e, também, Emanuel Swedenborg” (Albert Pike, Morals and Dogma, 28° Grau, pág. 741).


(9)   “Todas as religiões verdadeiramente dogmáticas originaram-se da

Cabala e a ela retornaram; tudo o que é científico e grandioso nos sonhos religiosos dos Iluminados, Jacob Boeheme, Swedenborg, Saint Martin e outros se origina da Cabala; todas as associações maçônicas devem a ela os seus segredos e os seus símbolos” (Albert Pike, Morals and Dogma, 28° Grau, pág. 744).

(10) “A remoção do nome de Jesus e das referências a Ele nos versículos da Bíblia usados no ritual são modificações pequenas, porém necessárias” (Albert Mackey, Masonic Ritualist, pág. 272).

Fonte: MCKENNEY, Tom, C. 33 Graus de Decepção: A Maçonaria Exposta em Sua Essência, 1ª EDIÇÃO/2018 - CPAD


Maçonaria: 33 Graus de Decepção

Neste nosso quadro: Maçonaria, 33 Graus de Decepção, veremos muitos assuntos de interesse dos "maçons evangélicos" e dos crentes que não são maçons.
Se você não gosta da ideia de evangélicos maçons, ou desejaria conhecer mais sobre a maçonaria, esta nossa série de vídeo vai te ajudar muito.