Mostrando postagens com marcador Homilética. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Homilética. Mostrar todas as postagens

Dicas para Uma Pregação Eficaz

1 - Devemos preparar verdadeiros banquetes para servir aos nossos irmãos quando for da nossa responsabilidade ministrar-lhes a Palavra de Deus.
Que o alimento que estamos servindo seja digno de um banquete real: "Levou-me à sala do banquete, e o seu estandarte em mim era o amor" (Ct 2.4). Nunca devemos deixar de colocar sobre a mesa da Palavra o nosso melhor alimento, preparado com ingredientes da despensa do Céu. E que esse alimento seja sempre novo, e nunca comida requentada.

Dicas de Sermões

Temos bons exemplos de esboços de sermões bem elaborados (com começo, meio e fim) por servos de Deus, os quais são dedicados ao estudo da Homilética. Vejamos alguns exemplos de diferentes tipos de sermões.

1. EXEMPLOS DE ESBOÇOS TEMÁTICOS

Título: “As Marcas de Jesus”
Tema: As marcas de um crente dedicado.

I. Como o escravo, o crente dedicado leva a marca da posse do Mestre a quem ele pertence, 1 Coríntios 6:19- 20, Romanos 1:1.

II. Como o soldado, o crente dedicado leva a marca da devoção ao Comandante a quem serve, 2 Timóteo 2:3,2 Coríntios 5:15.

III. Como o devoto, o crente dedicado leva a marca de adorador do Mestre, à quem venera, Filipenses 1:20; 2 Coríntios 4:5.
 
Título: “Digno de Adoração”
Tema: Verdades vitais referentes a Jesus Cristo.

I. Ele é Deus manifestado na carne, Mateus 1:23.
II. Ele é o Salvador dos homens, 1 Timóteo 1:15.
III. Ele é o Rei vindouro, Apocalipse 11:15.
***
Título: “Esperança do Crente”
Tema: Características da esperança do crente

I. É uma esperança salvadora, 1 Tessalonicenses 5:8.
II. É uma esperança segura, Hebreus 6:19.
III. É uma esperança invisível, Romanos 8:24.
IV. É uma esperança eterna, Tito 3:7.
***
Título: “Conhecendo a Palavra de Deus”
Tema: Alguns benefícios do conhecimento da Palavra de
Deus.

I. O conhecimento da Palavra de Deus toma a pessoa sábia para a Salvação, 2 Timóteo 3:15.
II. O conhecimento da Palavra de Deus nos impede de pecar, Salmo 119:11.
III. O conhecimento da Palavra de Deus produz crescimento espiritual, 1 Pedro 2:2..
IV. O conhecimento da Palavra de Deus resulta num viver vitorioso, Josué 1:7,8.

***
Título: “Um Testemunho Eficaz”
Tema: Comparação do testemunho do crente com o sal.

I. Como o sal, o testemunho do crente deve temperar, Colossenses 4:6.
II. Como o sal, o testemunho do crente deve purificar, 1Tessalonicenses 4:4.
III. Como o sal, o testemunho do crente não deve perder o sabor, Mateus 5:13.
IV. Como o sal, o testemunho do crente deve produzir sede, 1 Pedro 2:12.

***

2. EXEMPLOS DE ESBOÇOS EXPOSITIVOS

O sermão expositivo baseia-se em uma “porção mais ou menos extensa da Escritura”. A passagem pode consistir em uns poucos versículos ou pode incluir um capítulo inteiro ou até mesmo mais de um capítulo.

TÍTULO: “O Salmo do Contentamento"
TEXTO: Salmo 23.
Assunto: As bases do contentamento das ovelhas do Senhor.

I. O Pastor das ovelhas, v. 1.
1. Um Pastor divino, v. 1.
2. Um Pastor pessoal, v. 1.

II. A provisão das ovelhas, vv. 2-5.
1. Descanso, v. 2.
2. Direção, v. 3.
3. Conforto, v. 4.
4. Fartura, v. 5.

III. O futuro das ovelhas, v. 6.
1. Um futuro brilhante nesta vida, v. 6.
2. Uma bendita esperança para o além, v. 6.
***
TÍTULO: “O Melhor Amigo”
TEXTO: João 11:1-6, 19-44.
Assunto: Jesus, nosso melhor amigo.

I. Jesus, um amigo amoroso, vv. 3-5.
1. Que ama cada um de nós individualmente, w. 3, 5.
2. Que permite, não obstante, que nos sobrevenham aflições, v. 3.

II. Jesus, um amigo compreensivo, vv. 21 -36.
1. Que compreende nossos pesares mais profundos, vv. 21-26, 32.
2. Que se compadece de nós em nossas dores mais profundas, vv. 33-36.

III. Jesus, um amigo poderoso, vv . 37-44.
1. Que pode realizar coisas miraculosas, v. 37.
2. Que realiza milagres quando cumprimos as condições que ele exige, vv. 38 -44.
***
TÍTULO: “Andando em Amor”
TEXTO: Efésios 4:31— 5:2.
Assunto: Uma disposição verdadeiramente cristã.

I. É marcada pela ausência de sentimentos maus, 4:31.
1. De toda espécie, v. 31.
2. De todo grau, v. 31.

II. É marcada pela atitude de perdão, 4:32.
1. Uns para com os outros, v. 32.
2. Em vista da graça de Deus para conosco, v. 32.

III. É marcada pela atitude de devoção amorosa, 5:1-2.
1. Como filhos, v. 1.
2. Com o amor de Cristo, v. 2.

3. EXEMPLO DE ESBOÇO TEXTUAL

Título: “O Salvador de Pecadores”
Assunto: Características do nosso Salvador.

I. Ele é um Salvador perfeito
1. Nunca pecou contra Deus ou o homem, João 18:38; 19:4; Mateus 27:3-4; 1 Pedro 2:22.
2. Foi íntima e exteriormente perfeito, Mateus 17:5; Hebreus 10:5-7; 1 Pedro 1:19.

II. É um Salvador vicário
1. Levou nossa culpa na cruz, Isaías 53:6; 1 Pedro 2:24.
2. Morreu para salvar-nos de nossos pecados, Romanos 4:25; 1 Pedro 3:18.

III. É um Salvador que justifica
1. É o meio, pela graça, de nossa justificação perante Deus, Romanos 3:24.
2. Toma-se nossa justiça mediante a fé em sua obra redentora, Romanos 3:21-22; 5:1; 1 Coríntios 1:30.

Observações
1) Sermão textual é aquele em que as divisões principais são derivadas de um texto constituído de uma breve porção da Bíblia. Cada uma dessas divisões é usada como uma linha de sugestão, e o texto fornece o tema do sermão.

2) No sermão textual temos um tipo de discurso diferente do sermão temático. Neste, iniciamos com um texto; naquele, começamos com um tema.

3) As divisões principais deste tipo de sermão são tiradas inteiramente do próprio texto, ao passo que as subdivisões não derivam, necessariamente, do texto, mas têm por base outras passagens bíblicas.

1. Sermão temático.
E o que expõe a. verdade bíblica num tema utilizado pelo pregador. Após a escolha ele faz a divisão do sermão para enfatizar o texto lido. O esboço do sermão deriva do tema. Esse tipo de pregação oferece algumas vantagens quando bem aproveitado e pode contribuir para trazer clareza aos ouvintes.

O pregador deve ter cuidado para não se exceder no uso de sermões desse tipo, porque pode inclinar-se a falar demais em conquistas, em ocorrências da vida política, da técnica, e da ciência, e passar a apresentar suas próprias opiniões, perdendo a capacidade de dizer; "Assim diz o Senhor". Falará bem, como sociólogo, psicólogo, mas não como mensageiro de Deus.

2. Sermão textual.
É a exposição da verdade contida num texto bíblico escolhido. Suas divisões derivam do texto tomado, e não do tema do sermão.

3. Sermão expositivo.

Suas divisões vêm do texto tomado e ainda apoiadas por referências bíblicas. É uma análise pormenorizada, lógica, aplicada ao texto lido.

A homilética e sua importância

1. A origem da homilética
A homilética propriamente dita nasceu muito cedo na história humana, embora não como termo designativo homiletikos (arte de pregar sermão) e homilia (arte de falar elegantemente na oratória eclesiástica), mas como oratória pictográfica (sistema primitivo de escrita no qual as ideias são expressas por meio de desenhos das coisas ou figuras simbólicas).
Ela surgiu na Mesopotâmia há mais de 3000 anos a.C., para auxiliar a necessidade que os sacerdotes tinham de prestar contas dos recebimentos e gastos às corporações a que pertenciam e faziam suas prédicas em defesa da existência miraculosa dos deuses do paganismo.
O sistema sumeriano viria a ser o protótipo (primeiro tipo ou exemplo) de outros importantes sistemas de escrita, como o egípcio, por exemplo.

Definindo a Homilética

1. Definições
O Dicionário Teológico - CPAD define Homilética como arte de elaborar e apresentar sermões; é a disciplina que nos leva a falar com elegância, desenvoltura e propriedade bíblica e evangélica.

Os teólogos Grenz, Guretzki e Nordling também resumem: "disciplina que busca compreender o propósito e o processo da preparação e apresentação de sermões". Acrescentam que a mesma visa entender e integrar os papéis do pregador, da mensagem e do público.

O termo "homilética" deriva do substantivo grego homilia, que significa literalmente "associação", "companhia", e do verbo homileo, que significa "falar", "conversar". O Novo Testamento emprega o substantivo em 1 Coríntios 15.33.

Ajudando os ouvintes a praticar o que pregamos

Em Lucas 11.46, Jesus disse: "Quanto a vocês, peritos na lei, [...] ai de vocês também!, porque sobrecarregam os homens com fardos que dificilmente eles podem carregar, e vocês mesmos não levantam nem um dedo para ajudá-los". Pregadores precisam prestar atenção para ver se não estão fazendo a mesma coisa hoje.
Leia também: