Lição 9 - Os dons de Cristo para o aperfeiçoamento dos Salvos (Classe Adultos) - Subsídios Dominical🎓

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

Lição 9 - Os dons de Cristo para o aperfeiçoamento dos Salvos (Classe Adultos)

Lições Bíblicas BETEL: 4° Trimestre de 2022 | Título: A IGREJA E O ESPIRITO SANTO – A necessidade do avivamento promovido pelo Espírito Santo para os dias atuais

TEXTO ÁUREO

“Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de Cristo.” Efésios 4.7

👇 VEJA TAMBÉM Lições CPAD 👇

👉 Novas lições da classe dos ADULTOS- Aqui

👉 Novas lições da classe dos JOVENSAqui

👉 Novas lições BETEL da classe dos ADULTOS - Aqui

 

VERDADE APLICADA

Os dons de Cristo visam prover à Igreja o necessário para proporcionar o indispensável aperfeiçoamento dos salvos até que Ele venha.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Apresentar a relevância dos dons ministeriais na igreja

Mostrar que os dons minis­teriais são atuais

Expor a variedade de dons e a multiforme de Deus

TEXTOS DE REFERÊNCIA

EFÉSIOS 4

11- E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,

12- Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo,

13- Até que todos cheguemos à unidade e é ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo,

14- Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente.


LEITURAS COMPLEMENTARES

SEGUNDA – Is 40.11 O pastor apascenta as ovelhas

TERÇA – Am 3.12 O pastor protege as ovelhas

QUARTA – At 21.8 O ministério de evangelista

QUINTA – 1 Co 143 Os objetivos com dom de profecia

SEXTA – 1 Co 14.32 Sensatez quanto aos dons

SÁBADO – 1 Tm 4.14 Não despreze o dom de Deus

 


CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:

1) CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA Clique Aqui
2) CURSO MÉDIO EM TEOLOGIAClique Aqui
3) Formação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui
5) CURSO OBREIRO APROVADO - Clique Aqui


Matricule-se já ! 

HINOS SUGERIDOS: 115, 116, 127

MOTIVOS DE ORAÇÃO

Orar para que possamos usar os dons para edificação do Corpo de Cristo.

ESBOÇO DA LIÇÃO

Introdução

1– Conhecendo os dons ministeriais

2– Distribuição dos dons

2– Variedade de dons e a multiforme graça de Deus

Conclusão


INTRODUÇÃO

O apóstolo Paulo nos faz ver que o Senhor, que venceu e foi exaltado, segundo a Sua graça, concede à Sua Igreja dons necessários para o pleno desenvolvimento do Corpo de Cristo para que alcancem a maturidade espiritual necessária.

PONTO DE PARTIDA

Deus tem prazer em distribuir os dons


1. CONHECENDO OS DONS MINISTERIAIS

Os dons ministeriais foram ofertados aos crentes como um dom pessoal com a finalidade de que seja exercido de modo a promoverem o desenvolvimento espiritual e o fortalecimento da Igreja de Cristo. Sendo assim, os dons ministeriais não são distribuídos aos crentes para o seu próprio interesse, todavia eles são dados por Cristo para servirem aos interesses da Igreja.


1.1 A atualidade dos dons de Cristo.

Não é segredo para ninguém que somos conhecidos como um povo pentecostal, que crê intensamente na atualidade das manifestações dos dons do Espírito Santo. A respeito dos dons ministeriais vemos que Paulo em sua carta aos Efésios está muito interessado que os crentes tenham o conhecimento verdadeiro de cada dom. Craig Keener (O Espírito e a Igreja, 2018, p. 121) observa que, em Efésios 4.7-11, após o Senhor Jesus Cristo vencer e ser exaltado, “concede a seu corpo um grupo especial de pessoas que, por sua vez, mobilizarão os outros membros do corpo de Cristo para seus ministérios. Assim, é possível afirmar que enquanto a Igreja estiver na terra precisará de mais maturidade e unidade [Ef 4.13], sendo, então, necessário que os dons continuem a se manifestar”.


Bispo Abner Ferreira:

“Paulo ensina que os dons são concedidos por Cristo por meio do Espírito Santo [Ef 4.8-10]. Lemos aqui que Cristo, subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens. Paulo faz referência ao Salmo 68.18, que fala acerca do triunfo de Deus, representado pela volta da Arca da Aliança ao seu santuário original após a derrota dos inimigos de Israel. De igual modo, Jesus Cristo triunfou na batalha contra o império do mal. Paulo traça aqui a imagem de um conquistador militar levando seus cativos e dividindo os espólios com seus seguidores. O relato é uma declaração profética sobre a vitória de Cristo no Calvário e Sua ascensão. Cristo, conquistando o Seu lugar no céu, deu dons à Igreja.”


1.2. Os dons ministeriais estão disponíveis para edificação da Igreja.

A carta de Paulo aos Efésios relaciona os dons ministeriais da seguinte maneira: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores [Ef 4.11]. Entendemos à luz da Bíblia que a finalidade do Espírito Santo em ofertar estes dons é capacitar o crente para contribuição ao crescimento do Corpo de Cristo, a Igreja. Este pensamento se dá por assistimos que no Novo Testamento o exercício ministerial está sempre atrelado ao serviço [Mt 20.20-28]. Que fique bem claro que o recebimento destes dons não faz com que o receptor se torne melhor ou superior a outros crentes! Assim estes dons são distribuídos pela graça de Deus para o aperfeiçoamento dos crentes, para a obra do ministério e a edificação do Corpo de Cristo [Ef 4.12].


Bispo Abner Ferreira:

“Ao falar da “graça, o apóstolo nos informa acerca das funções específicas que nos são confiadas quando recebemos o dom de Cristo, onde Ele, por sua “graça”, nos capacita para as diferentes funções e trabalhos a desempenhar na igreja e no mundo [Ef 4.7]. O termo usado aqui não faz referência a uma habilidade natural, o dom, no sentido cristão, é uma concessão sobrenatural de Deus a nós (…) Quando esses dons e capacidades são exercidos no poder do Espírito, os membros da igreja se tornam numa poderosa influência tanto na sociedade, quanto na vida de seus irmãos em Cristo.”


1.3. Cristo repartiu os dons com os homens.

Quanto mais estudamos sobre os dons ministeriais, mais apreciamos as riquezas da graça e da sabedoria do nosso Senhor Jesus Cristo. Observamos à luz das Escrituras que Ele aqui distribui estes dons para capacitar os crentes para que estes se desenvolvam espiritualmente de modo a fortalecer a unidade do Corpo de Cristo. Desse modo, todo aquele a quem o Senhor escolher como instrumento e lhe conceder os dons para o ministério deve servi-Lo diligentemente, buscando compreender o que Ele pode fazer para o crescimento e edificação da igreja.


Donald Gee (Os Dons do Ministério de Cristo, 1961, p. 18):

“A divina soberania, nesta matéria de um lugar determinado para mim no Corpo de Cristo em geral, e em particular na obra do ministério, é coisa que se acha enfaticamente esclarecida, a ponto de não pairar sobre isso a menor dúvida. Os preparatórios dons do Espírito são dados “como Ele quer” [1Co 12.11]; os ministérios resultantes são estabelecidos na igreja por Deus (v. 28), e os homens que os desempenham são dados por Cristo. Ver Efésios 4.11. Nem sempre lembramos suficientemente que Cristo tem o nome de “o Senhor da seara”.


EU ENSINEI QUE:

Os dons ministeriais são ofertados aos crentes para promover o desenvolvimento espiritual e o fortalecimento da Igreja.

 

FOCO NA LIÇÃO: “ Os dons ministeriais foram ofertados aos crentes como um dom pessoal com a finalidade de que seja exercido sistematicamente…”


2. DISTRIBUIÇÃO DOS DONS

Tenhamos em mente que o apóstolo Paulo discorreu nos primeiros três capítulos da carta aos Efésios sobre o grande plano de Deus, Seu propósito, Sua ação redentora e apresentou a Igreja como agente e representante deste plano [Ef 1.23;3.10]. Para tanto, há uma diversidade de ministérios distribuídos por graça aos que estão em Cristo, capacitando-os para se rem instrumentos do Espírito Santo, para a glória de Deus [Ef 3.21].


2.1. Apóstolos, enviados pelo Senhor Jesus.

A palavra apóstolo constitui =”aquele que é enviado”, “mensageiro”, “oficialmente comissionado por – Cristo”. Segundo o Dicionário Bíblico Wycliffe, o termo grego apóstolos se origina do verbo apostellein, que significa “enviar”, “remeter”. Donald Gee (Os Dons do Ministério de Cristo, 1961, p. 30): “Existe ainda hoje o ofício do apóstolo? (…)

Em 1 Coríntios 12.28 nos diz que Deus “estabeleceu” este ministério dentro de Sua Igreja; e Efésios 4.11-13 reafirma que foi concedido “para edificação do corpo de Cristo, até que se alcance a unidade da fé…no homem perfeito”. A partir destes argumentos o destacado escritor afirma haver base para o exercício de uma certa forma de ofício apostólico em operação no Corpo de Cristo. A Bíblia apresenta homens de Deus que também foram considerados apóstolos, além dos doze [At 14.14; Rm 16.7].


Bispo Abner Ferreira:

 “Apóstolo significa “aquele que é enviado”, “mensageiro”. Evidentemente que hoje não temos apóstolos com as credenciais dos primeiros: convocados pessoalmente pelo Senhor, andaram com Jesus ao longo de Seu ministério e testificaram que Jesus era o Senhor ressuscitado. Porém, é possível considerar que há o ministério de caráter apostólico.


2.2. Profetas: portadores da mensagem divina.

Entendemos que o profeta do Novo Testamento não tem a mesma posição e destaque do profeta do Antigo Testamento Em sua carta aos Efésios, quando Paulo apresenta os chamados dons ministeriais, vemos que os profetas ali citados são nivelados àqueles que pregam a Palavra de Deus. No Novo Testamento, os profetas eram aqueles que propagavam a Palavra de Deus, impulsionados pelo Espírito Santo, cooperando, assim, para edificação da Igreja [At 13.2]. Agiam visando contribuir para que o Corpo de Cristo prosseguisse à maturidade espiritual [Ef 4.13-16), por intermédio do ensino, da interpretação da Palavra de Deus e de sua aplicação.


Warren Wiersbe:

O profeta do Novo Testamento era uma pessoa que proclamava a Palavra de Deus [At 11.28; Ef 3.5]. Os cristãos da Igreja Primitiva não tinham Bíblias, e o Novo Testamento ainda não havia terminado de ser escrito. De que maneira, então, as congregações locais poderiam saber qual era a vontade de Deus? O Espírito compartilhava a verdade de Deus com os que possuíam o dom de profecia.”


2.3. Evangelistas, portadores das boas novas.

A palavra evangelista vem do grego: “euangelistes”, que literalmente significa: “mensageiro do bem” ou “mensageiro de boas novas: O dom ministerial de evangelista consistia em proclamar a Palavra de Deus em viagens de um lugar para outro onde quer que o Espírito os enviasse. Esse dom conferia ao evangelista possuir uma capacitação especial para conduzir outras pessoas a Cristo que depois, agrupadas, as almas que aceitaram a mensagem eram congregadas em pequenas comunidades ou igrejas. O apóstolo Paulo era um evangelista [1Co 1.17], assim como Timóteo [2Tm 4.5].


Warren Wiersbe:

“Os apóstolos e profetas lançaram os alicerces para a Igreja. e os evangelistas edificaram sobre esses fundamentos ao ganhar os perdidos para Cristo, Por certo, na Igreja Primitiva, cada cristão era uma testemunha (At 2.41-47; 11.19-21], como também devemos ser Hoje, porém, continuam existindo pessoas que possuem o dom de evangelizar. O fato de um cristão não possuir esse dom não é desculpa para a falta de interesse pela alma dos perdidos e pela negligência no testemunho”.


EU ENSINEI QUE:

Há uma diversidade de ministérios distribuídos por graça aos que estão em Cristo, capacitando-os para serem instrumentos do Espírito Santo.


FOCO NA LIÇÃO: “…há uma diversidade de ministérios distribuídos por graça aos que estão em Cristo, capacitando-os para serem instrumentos do Espírito Santo, para a glória de Deus…”


3. VARIEDADE DE DONS E A MULTIFORME GRAÇA DE DEUS

David Lim (Teologia Sistemática, 1997, p. 471-472): “Existem muitos dons, e nenhuma das listas visa ser exaustiva. Vinte e um deles são alistados no Novo Testamento. Todos são complementares entre si: nenhum é completo em si mesmo. (…) O fato de nenhuma pessoa ser auto suficiente leva à interdependência. Cada crente é um membro do Corpo de Cristo; e cada membro precisa dos demais, Mesmo quando as pessoas manifestam os mesmos dons, fazem-no de modo diferente e com resultados diferentes”.


3.1. Pastores, responsáveis por conduzir o rebanho de Cristo.

O dom de pastorear se desponta, quando pela capacitação pelo Espírito, o obreiro é levantado por Deus para resguardar, proteger, conduzir em cuidar da sã doutrina, refutar as heresias que surgem no seio da igreja, tendo o dever de ser exemplo da pureza e da sã doutrina [Tt 2.7-8].


Cabe ao pastor a responsabilidade de alimentar as ovelhas de Cristo com a Palavra de Deus. Assim, através do ministério pastoral, o ministro conduz as ovelhas as nutrindo com alimento sadio e consistente através de um comando forte e servidor indispensável para a ampliação da igreja. Entretanto, para exercer sua função, é necessário e absolutamente decisivo manter o seu relacionamento com o Bom Pastor.


Bispo Abner Ferreira:

“Os pastores e os mestres eram dons distintos na Igreja Primitiva. Em nossos dias o ministério pastoral tem sido confundido com o de mestre, porque ambos estão muito próximos na ministração do ensino cristão. O pastor do rebanho de Deus é o homem que leva em seu coração o povo de Deus, que o alimenta com a verdade, que vai em sua busca quando se extravia, que o defende contra tudo o que pode ferir ou destruir sua fé [Jo 10.11-14; Hb 13.7, 17].”


3.2. Doutores – aqueles que ensinam as doutrinas cristãs fundamentais.

Aquele que possui este dom consegue obter revelações do Espírito Santo de forma detalhada da Palavra de Deus e comunicar os conhecimentos proeminentes para a saúde do Corpo de Cristo, fazendo-o de tal maneira que os crentes consigam aprender.

No Novo Testamento os doutores instruíam e ajudavam a aplicar a revelação de Deus à vida da Igreja. Muito importante atentarmos para o fato de que o ensino no contexto do Corpo de Cristo requer dom concedido por Deus. Vide: Romanos 12,6-7- “segundo a graça que nos é dada”: 1 Coríntios 12.28 – “pôs Deus na igreja”; Efésios 4.11 – “E ele mesmo deu…. Portanto, não basta ter o natural dom de ensinar.


Elinaldo Renovato:

“Entre os dons ministeriais, concedidos por Deus para a edificação e “aperfeiçoamento dos santos”, nas igrejas locais, está o de “doutor” ou “mestre”. Não é um dom muito reconhecido em geral nas comunidades cristãs, por falta de entendimento acerca do seu valor ou até por preconceito contra esses termos.”


3.3. Outros dons ministeriais a serviço da Igreja.

O apóstolo Paulo, assim como fez com a igreja de Éfeso, de igual modo apresenta à igreja de Corinto uma relação de alguns dons e acrescenta outros que podem ser enquadrados na categoria de dons ministeriais, a saber: apóstolos, profetas, doutores, milagres, curar, socorros, governos e variedades de línguas [1 Co 12.27-28].


O apóstolo Pedro também enfatiza que a vida dos discípulos de Cristo é marcantemente caracterizada pelo serviço aos outros e que, para tanto, a multiforme graça de Deus opera na vida de cada um através da dinâmica dos dons segundo as necessidades que vão surgindo [1Pe 4.10-11]. O Espírito Santo não está limitado a uma rígida lista. Suas operações, manifestações e ministérios são diversos e surpreendentes, sempre em consonância com a Palavra de Deus e para a glória de Deus.

Bispo Abner Ferreira:

“O que o apóstolo realmente quer dizer com isso é que os santos sejam colocados em condições adequadas para liderar, conduzir, cuidar e instruir o Corpo de Cristo. Ele concedeu alguns em particular, para que treinem os outros membros, para que todos os santos sejam treinados para algum aspecto do trabalho, dentro do ministério, o que resultará no crescimento do Corpo.”


EU ENSINEI QUE:

Os dons ministeriais capacitam o cristão para servir ao Senhor e à Igreja.


CONCLUSÃO

Conforme foi possível apurar, os dons ministeriais são amplos e capacita o crente, dando-lhe recursos para poder servir ao Senhor e à Sua Igreja, para que esta cresça gradativamente.

Veja mais lições Betel Aqui

📝 SUBSÍDIOS | 🔥 ADULTOS | 📚 ARTIGOS | 💢 JOVENS

Auxílios para a Escola Dominical
Receba Lições, Artigos, Vídeos e Subsídios! É Grátis. Digite seu E-mail e em seguida abra o seu e-mail e clique em nosso link de conformação:

Post Bottom Ad