Subsídios Bíblicos para a Escola Dominical 👇👇

Lição 3: Entrando no Tabernáculo: o Pátio (Subsídio)

Subsídio bíblico para a Escola Dominical - classe dos Adultos. Subsídio para a Lição: 3 | Revista do 2° trimestre de 2019 | Fonte: E-book Subsídios EBD Vol. 16
Introdução.
O Pátio do Tabernáculo (chamado também de “Átrio” Êx 27.9 - NAA) era fechado por uma cerca feita de cortinas de “linho fino torcido” e presas por ganchos e pinos em pilares de madeira de acácia (Êx 27.9,18 - ACF). Em nosso estudo de hoje abordaremos sobre o Pátio.
 Para continuar a leitura, Acesse Aqui para adquirir

I – O PÁTIO (átrio) SAGRADO
O átrio era uma área sagrada, mas as áreas mais sagradas ainda eram o Lugar Santo e o Santo dos Santos, na segunda metade posterior do átrio.

1. Cerca feita de cortinas
Havia uma cerca exterior de linho, sustentada por vinte colunas no lado sul, vinte colunas no lado norte e dez colunas no lado oeste, e nas quais ficava pendurada. Essas colunas ficavam apoiadas sobre bases de bronze, e as colunas tinham ganchos onde as cortinas ficavam penduradas (Êx 27.10,11,17).

2. Tamanho da cerca
A extensão total da cerca era de aproximadamente 132 m por 2.20 m de altura. A porta do átrio (com entrada pelo leste) tinha cerca de 9 m de largura e era formada por cortinas fabricadas em tecido semelhante ao das coberturas do tabernáculo. Exceto quando especificado de outra forma.

3. O Simbolismo das cortinas usadas para a cerca do pátio (átrio)
Essas cortinas eram fabricadas em linho fino branco, simbolizando a perfeição da justiça de Deus. A cerca construída com essas altas cortinas formava uma barreira que impedia as pessoas de olhar para dentro do átrio, sugerindo o fracasso do ser humano em alcançar os padrões de justiça de Deus (Rm 3.23) e a incapacidade do pecador de ver e entender as coisas divinas (1 Co 2.14). As cortinas eram suspensas em 56 colunas de bronze por meio de vergas e ganchos de prata.
 
4. A porta do átrio e a cores das cortinas
Para entrar no átrio, o indivíduo deveria se dirigir à única porta (assim como Cristo é o único caminho para o Pai; Jo 14.6; At 4.12). Essa entrada, como já falamos, possuía cerca de 9m de largura, representando a suficiência de Cristo para toda a humanidade (Jo 6.37; Hb 7.25).
Ø    As cores das cortinas

As cortinas que formavam a entrada eram fabricadas em linho branco ornamentado de azul, púrpura e carmesim. Essas cores tipificam Jesus conforme representado nos quatro evangelhos:

Púrpura [1]
Mateus
O Rei (Mt 2.2)

Carmesim[2]

Marcos
O servo humilde que sofre pelos pecados (simbolizados pela cor vermelha em Is 1.18)
Branco
Lucas
O homem perfeito (Lc 3.22)
Azul
João
Aquele que desceu do céu (Jo 3.13)

Azul é a cor do céu e lembra nosso lar celestial e o Deus do céu. Púrpura é a cor da realeza e refere-se ao Rei, e o carmesim lembra o sangue e o sacrifício do Salvador.

Azul, púrpura e carmesim são cores encontradas juntas vinte e quatro vezes no Livro de Êxodo. Nas vestes sacerdotais, aparecem o ouro, o azul e a púrpura (Êx 28.6, 15; 39.2, 5, 8).

II – DEUS NO MEIO DE SEU POVO


1. Deus no meio de seu povo no Antigo Testamento
Era propósito de Deus morar no meio do seu povo (Êxodo 25.8); para tanto, Ele ordenou que fosse organizado um modo de ter cada tribo próxima ao Tabernáculo.

O desejo de Deus habitar no meio do seu povo foi realizado com a construção do Tabernáculo, que foi montado no centro do acampamento de frente para o Oriente, isto é, para o nascer do Sol.

A ORGANIZAÇÃO DO EXÉRCITO DE CADA TRIBO DE ISRAEL



01

De frente para a porta principal de acesso ao Tabernáculo
Três tribos de Israel foram organizadas para guardarem a Porta: Judá, Issacar e Zebulom, e essas três tribos tinham “cento e oitenta e seis mil e quatrocentos” homens (Nm 2.1-9).

02

Ao Sul, na outra lateral do Tabernáculo
Estabeleceram-se as tribos de Ruben, Simeão e Gade, com “cento e cinquenta e um mil e quatrocentos e cinquenta” homens (Nm 2.10-16).
03
Aos fundos, a oeste para o Ocidente, na retaguarda do Tabernáculo
Três tribos foram estabelecidas: Efraim, Manassés e Benjamim, com “cento e oito mil e cem” homens (Nm 2. 18-23).


04

Ao Norte, na lateral do Tabernáculo
As tribos de Dã, Aser e Naftali, com “cento e cinquenta e sete mil e seiscentos” homens (Nm 2. 25-31). O total de homens acima de 20 anos de idade era de “seiscentos e três mil e quinhentos e cinquenta” homens (v. 32).


2. Jesus no meio de Seu Povo
ü    “Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt 18.20).
ü    “[...] eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém”! (Mt 28.20).

Ø    De que maneira Jesus está conosco?
Jesus estava fisicamente com os discípulos até ascender aos céus; a partir de então, está presente por intermédio do Espírito Santo (At 1.4). O Espirito foi enviado em cumprimento à promessa de Jesus, que disse que jamais deixaria órfãos os seus discípulos (Jo 14.26). Portanto. Jesus permanece espiritualmente conosco.[3]

Jesus ressurgiu, está vivo, e pessoalmente tem cuidado de cada filho seu. Ele está contigo na pessoa do Espírito Santo (Jo 14.16,26), e através da sua Palavra (Jo 14.23). Não importa a tua condição - fraco, pobre, humilde, sem importância, Ele cuida de ti e vê com solicitude cada detalhe das lutas e provações da vida e concede a graça suficiente (2 Co 12.9), bem como a sua presença para te dar vitória até o fim (Mt 28;20, At 18.10). [4]



Vídeo Aula 3
3. A sua presença nos garante segurança
ü    Em At 18.9-10, o Senhor Jesus confirmou a sua promessa na vida de Paulo, dizendo: “Não temas, mas fala e não te cales; porque eu sou contigo, e ninguém lançará mão de ti para te fazer mal, pois tenho muito povo nesta cidade.”
ü    Em At 27.24, o Senhor Jesus mais uma vez garantiu a sua presença e proteção a Paulo em meio à tempestade, dizendo: “Paulo, não temas! Importa que sejas apresentado a César, e eis que Deus te deu todos quantos navegam contigo.”

ü    Em Mc 16.20, a Bíblia afirma que: Os discípulos “pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram.” O Senhor confirma a sua constante presença com os seus discípulos por meio de sinais.[5]
Para continuar a leitura, Acesse Aqui para adquirir



[1] O termo púrpura (ou roxo) atribui-se a um leque de tons entre o vermelho e o azul. Obtém-se misturando as cores primárias vermelho e azul.
[2]Carmesim é um tom de vermelho forte.
[3] Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal - CPAD
[4] Bíblia de Estudo Pentecostal - CPAD
[5] Bíblia do Pregador Pentecostal - SBB
 Fonte: E-book Subsídios EBD Vol. 16