FECHAR <-


Lição 12 - Um Líder Formado no Deserto (Subsídio)

Obs. Subsídio para a classe de Jovens. Lição 12 – 1° trimestre de 2019.
Na perícope de Números 27.18-23, Deus diz coisas singulares, muito especiais, acerca de Josué. Moisés, decerto, já o conhecia bem, mas nesse instante Deus chancelou a grande vocação do comandante das tropas de Israel. A oposição que se levantou no tempo do deserto atacou ferozmente a Moisés e, nesse período, sem dúvida, Josué estava sendo também provado e, paulatinamente, moldado pelo Senhor.

No fim, portanto, de quarenta anos de caminhada, em que grandes e inimagináveis dificuldades se somaram, o capitão Josué permaneceu inabalável fiel a Deus, confiável naquilo que realizava, pois gostava de estar com o Senhor, além de extremamente submisso a Moisés. Deus sintetiza tudo isso numa frase: “Nele há o Espírito” (Hb. ruuiach que também significa vento, hálito, mente). Ou seja, Deus estava dizendo, mais ou menos assim: Josué vive, pensa e age comigo e em mim; Eu estou nele. Que extraordinária e gloriosa constatação!
O Israel daquele tempo era como um povo de coração duro e, por isso, sua capacidade de compreender as coisas de Deus era bastante reduzida. O Senhor Jesus explicou como funciona esse mecanismo na humanidade da seguinte forma: “Porque o coração deste povo está endurecido, e ouviu de mau grado com seus ouvidos e fechou os olhos” (Mt 13.15). Assim, como a mente indisposta para se abrir às mensagens do céu, as portas do entendimento espiritual (olhos e ouvidos) perdem a sensibilidade, e aquilo que se descortina diante deles (sejam milagres, sejam pregações, ou mesmo algum fato da vida, como uma bênção ou um castigo divino, por exemplo) soam como acontecimentos naturais, normais, humanos... Todavia, Josué era diferente: ele não possuía um coração endurecido, mas tinha o Espírito, que são características absolutamente antagônicas, inconciliáveis. As duas situações não coexistem. Ter o Espírito significa trafegar noutra dimensão, enxergar com os olhos de Deus e ouvir na frequência do céu. E isso fazia toda a diferença. Bom lembrar, alfim, porém, que Deus somente afirmou isso após a morte de Arão e Miriã, no final da jornada, depois da prova do deserto — lugar de sua formação.


1) Um Homem de Confiança

Josué, desde muito cedo, era um homem que inspirava confiança. Ele era diferenciado não por seus conhecimentos de estratégia militar (alguns comentaristas defendem a hipótese de Josué ter se submetido a treinamento bélico ainda no Egito, razão pela qual assumiu o posto de general das tropas de Israel),2 mas porque ele tinha o Espírito. Ele aparece pela primeira vez no registro escriturístico em Êxodo 17.9, por ocasião de uma guerra contra os amalequitas, oportunidade em que Moisés já o comissionou não só para conduzir, mas também para formar o exército.

O caráter confiável, como um santo homem de Deus, foi um dos fatores para a escolha. Confiança e fidelidade apresentam-se como características indispensáveis a qualquer líder vocacionado. Paulo disse que Deus o teve por fiel e, por isso, colocou-o no ministério (1 Tm 1.12).

2) Um Homem de Oração

Êxodo 24.13 mostra que Josué era comprometido com a oração, não só porque precisava estar perto de Moisés, mas porque tinha o Espírito e, por isso, precisava buscar a Deus. Como se sabe, o sumo sacerdote tinha a obrigação de entrar diante do Senhor uma vez por ano (Hb 9.7), mas Moisés, diferentemente, “entrava no Lugar Santíssimo constantemente...”, e Josué sempre estava por perto (Êx 33.11).

Todo líder cristão precisa ser uma pessoa que ama a oração. Doutra sorte, suas estratégias ministeriais serão humanas e a obra de Deus sofrerá.

3) Um Homem Submisso

Moisés escreveu, em Êxodo 24.13; 33.12 e Números 11.28, que Josué era seu servidor (Hb. sharath) que significa estar a serviço, ou à disposição de alguém, sendo-lhe submisso, título que não envergonhava a Josué, antes pelo contrário; tanto é assim que, ao escrever seu livro (Js 1.1), depois da morte de Moisés, Josué fez questão de se apresentar como “servidor de Moisés”, não como líder supremo do povo, general ou coisa parecida. Mister registrar, todavia, que após sua morte foram escritos os últimos cinco versículos de seu livro, onde, por inspiração do Espírito, constou que Josué, filho de Num, era “servo do Senhor” (Js 24.29) e não “servidor de Moisés”, expressão repetida em Juizes 2.8. Deus, com aquela singela mudança gramatical nas Escrituras, estava dando testemunho de que a vida de Josué era-lhe agradável a tal ponto que ele podia ser chamado de “servo” (Hb. ebed — escravo, súdito, adorador) do Senhor, título dado a pouquíssimos homens na Bíblia [e.g.: Moisés (Dt 34.5; Js 1.1; 2 Rs 18.12; 2 Cr 1.3) e Jó - (Jó 1.8; 2.3)].

Josué sempre foi submisso a Moisés, estando com ele nas guerras (Êx 17.9), nos momentos de perplexidade (Nm 11.28), nos desafios (Nm 13.16) e nos cultos (Êx 24.13; 33.11; Dt 32.44). Ele estava crescendo e se desenvolvendo paulatinamente (Tt 2.6), aprendendo a ser como o seu pastor, para, sobretudo, amar a um povo de dura cerviz, tornando-se alguém com uma “desconsideração altruísta de seus próprios interesses pessoais. Ele nunca deixou de demonstrar uma profunda preocupação pelos interesses daqueles a quem liderava”.4 O líder bem formado deve ser um profundo conhecedor da Bíblia, mas somente após enfrentar, com submissão, ao lado do seu pastor, as agruras do deserto, estará apto para assumir posições estratégicas no Reino. A submissão genuína o fará voar alto, como aconteceu com Josué!

4) Um Homem Escolhido

Os pais de Josué chamaram-lhe Oseias (heb. Hoshea*), que significa “salvação”, mas Moisés, ao enviá-lo à Canaã como espia, mudou-lhe o nome para Josué (heb. Yehoshua'), que traduzido quer dizer “Javé é salvação”. A tarefa que Josué haveria de desenvolver teria como foco a intervenção miraculosa de Deus (SI 44.1-3), e não a força do seu braço ou sua agilidade com a espada. Afinal, não existe nada mais pernicioso do que dizer: “Deixe comigo, eu sei fazer”. Quem assim procede, sente-se um “deus”, e toda vez que alguém se sente dessa maneira, age parecido com o Diabo. Por isso, o Inimigo quer conduzir os homens a esse estado mental de autossuficiência, acreditando que a habilidade e força outorgam aptidão para vencer todas as batalhas. Mas o Senhor diz: “[...] Não por força, nem por violência, mas pelo meu Espírito” (Zc 4.6).

Quanto ao fato da escolha de Josué, anotou-se:

Quando Deus precisava de um homem bem preparado, Ele escolheu Josué. O Senhor encontrou naquele homem alguém que ouviria suas instruções. Josué era alguém que cumpriria suas tarefas. Essas qualidades de caráter tão associadas à disposição de Josué são sempre aprovadas por Deus.

A escolha de Josué foi anunciada quando Deus, depois de declarar que ele tinha o Espírito, mandou a Moisés: “põe tua mão sobre ele” (Nm 27.18). A unção vinda de Deus, pelas mãos de Moisés, quebraria o jugo (Is 10.27). Josué sabia que o segredo da vitória seria a bênção de Deus. Tanto era assim que, em determinada guerra, para a vitória de Israel ser completa, Josué orou e Deus fez o sol parar (Js 10.12,13). De fato, somente o “Senhor é salvação”!

5) Um Homem Corajoso

Josué não era como Arão que, pusilânime, apequenou-se a ponto de não querer assumir, perante Moisés, que tomou as joias de ouro das mãos do povo, “trabalhou o ouro com buril e fez dele um bezerro fundido” (Êx 32.4, ARA), mas apenas explicou: lancei o ouro no fogo “e saiu este bezerro” (Êx 32.24). Absolutamente. Josué sabia dizer não às pressões inconsequentes dos rebeldes do povo e reconhecia suas próprias responsabilidades, como no caso dos gibeonitas, quando escreveu: “E Josué fez paz com eles e fez um acordo com eles, que lhes daria a vida” (Js 9.15). Já foi dito que “Josué foi um homem de coragem inabalável e perseverança invencível que mostrou profunda confiança diante das dificuldades”.6

Ele nunca fugiu de um desafio, nunca se acovardou, mas sempre agiu com dignidade, como aconteceu quando retornou de espiar Canaã (Nm 14.6-9). Deus precisa de homens corajosos (não de atrevidos). No capítulo 1 do seu livro, ele menciona que Deus lhe disse para se esforçar e ser corajoso (ter bom ânimo) quatro vezes (vv. 6,7,9,18). Coragem, sem dúvida, foi uma das tônicas do ministério de Josué e também deve ser uma característica marcante dos cristãos atuais.

FonteRumo à Terra Prometida: A peregrinação do povo de Deus no Deserto no Livro de Números. Autor: Reynaldo Odilo. Editora CPAD
Atenção! Para adquirir o livro completo Acesse AQUI

Obs. Ao comprar um livro, você remunera e reconhece o trabalho do autor e o de muitos outros profissionais envolvidos na produção do livro.
VEJA TAMÉM AS NOVAS LIÇÕES:
Obs. Clique no tema para ter acesso ao conteúdo.