FECHAR




Lição 14 - A Igreja na Atualidade

Classe: Adolescentes – 3° Trimestre de 2018 - Lição da revista do Aluno
TEXTO BÍBLICO
1 Pedro 2.1-10
Destaque
"Porque o que é claramente revelado se torna luz. £ é por isso que diz: 'Você que está dormindo, acorde! Levante-se da morte, e Cristo o iluminará’” (Efésios 5.14).
Leitura Devocional
SEG....................................................Mt 18.7
TER.....................................................2 Pe 2.1-3
QUA................................................... Ef 5.16
QUI....................................................1Tm 4.1-2
SEX....................................................2Tm 3.1-5 1
SAB.....................................................1Jo 2.26,27 1
DOM....................................................1Pe 1.13-16

OBJETIVOS
Contextualizar a atual situação dã Igreja;
Alertar sobre os perigos da Teologia da Prosperidade;
Incentivar os alunos a fazerem a diferença nas suas vidas.

Material Didático
Cartolina e lápis de cor.

Quebrando a Rotina
Desenhe na cartolina um muro de tijolos construído em cima de uma rocha. Escreva nela o nome "JESUS”, e nos primeiros tijolos que estão em contato com a rocha, escreva o nome dos apóstolos.
Acima dos tijolos dos apóstolos, escreva os nomes de todos os servos de Deus que foram mencionados neste trimestre. Escreva de maneira que os nomes dos que viveram em épocas mais recentes fiquem mais próximos do topo.

Deixe alguns tijolos próximos do topo sem nenhum nome escrito, mas que estes sejam em número superior ao dos alunos presentes em sala.

Comece a aula afirmando que a igreja é um edifício em construção,
firmado na Rocha que é Cristo. Diga que cada crente é um tijolo dessa maravilhosa construção.

Peça que cada aluno escreva seu próprio nome num tijolo que esteja vazio, quando todos terminarem, mostre que os tijolos que faltaram são as pessoas que Deus ainda acrescentará à sua Igreja.


Estudando a bíblia
Nós somos a Igreja! Mesmo já tendo ouvido essa afirmação diversas vezes, parece que não atentamos para a responsabilidade que a mesma nos traz.

Quando dizemos que somos a Igreja, estamos declarando que somos representantes do Reino de Deus aqui nesta Terra, embaixadores daquEle que é o Rei dos reis, Jesus Cristo.

Mas será que o nosso comportamento condiz com o cargo que afirmamos ter? Estamos comprometidos com as questões do Reino que afirmamos representar, ou estamos embaraçados com as questões deste mundo?

É sobre nós que, atualmente, cai a responsabilidade de levar o Evangelho de Cristo para toda a criatura, continuando assim o trabalho realizado em mais de 2000 anos por homens e mulheres que muitas vezes sacrificaram suas próprias vidas por essa causa.
Oremos para que Deus nos capacite a cada dia a fazer o seu querer.

Bíblia afirma, em 2 Timóteo 3.1-4, que nos últimos tempos haveria dias difíceis e trabalhosos; caracteriza- dos por ações de pessoas egoístas, avarentas, orgulhosas, ingratas, desobedientes aos pais e desrespeitosas com a religião. Sem amor pelo próximo, sendo duras, caloniadoras, incapazes de se controlarem, violentas e inimigas do bem. São pessoas que amam mais os prazeres do que a Deus.

Tempos difíceis
Não pense que o apóstolo Paulo está avisando a Timóteo sobre pessoas que não são cristãs, pois era do entendimento de Timóteo que pessoas sem Deus possuem estas características. Infelizmente, o alerta do apóstolo era sobre pessoas que estariam dentro da igreja, e que "parecerão ser seguidores da nossa religião, mas com suas ações negarão o verdadeiro poder dela” (2 Tm 3.5).

Lembre-se de que nossas atitudes falam mais sobre nós do que nossas próprias palavras! Não se espante com descrição feita por Paulo, pois o próprio Jesus afirmou que o trigo e o joio crescem juntos na mesma terra (Mt 13.24-26).

Atualmente, a teologia da prosperidade tem invadido as mentes e os corações daqueles que apenas ou buscam no cristianismo uma forma de enriquecimento (1Tm 6.5). Surgida nos Estados Unidos, na década de 1950, esse pensamento ganhou força nos anos 1980 e é a característica principal do Neopentecostalismo. Esse pensamento defende a ideia de que a prosperidade financeira é o desejo de Deus para os seus servos, sendo a Bíblia um contrato firmado entre Deus e a humanidade, no qual o Criador se "obriga” a conceder todos os desejos do cristão fiel.

Essa ideia neopentecostal é diferente do pentecostalismo clássico, do qual a Assembleia de Deus é a principal representante. Enquanto os pioneiros pentecostais clássicos afirmavam o desapego dos bens materiais e a priorização do Reino de Deus (Mt 6.19-21,33), a atual geração neopentecostal ensina que o cristão deve desfrutar do melhor desta terra.

Tal ensino "é uma fonte de todos os tipos de males” (1Tm 6.10) que ocorrem na igreja atual, pois desvirtua a mensagem principal do Evangelho que é a vida, a morte e a ressureição de Jesus Cristo; e promete para o cristão uma vida de facilidades que não combinam com os ensinamentos do Mestre (Mc 8.34,35).

Ao se preocupar apenas com a conquista de bens materiais, o cristão olha somente para a sua vida e se esquece de que o sofrimento de um irmão deve ser compartilhado por todos (Rm 12.15). O amor fraternal deve ser a principal característica do cristão (Jo 13.35), e não pode ser esquecido nos dias de hoje (Mt 24.12).

Clique e acesse
AUXÍLIO TEOLÓGICO
TRIUNFALISMO: [Do latim triumphal, declaração de vitória] Assim também é conhecido o ensino resultante da Teologia da Prosperidade e da Confissão Positiva, segundo o qual o crente, por ser filho de Deus, jamais experimentará qualquer agrura ou perda. Tal doutrina, completamente antagônica às Sagradas Escrituras, não leva em conta, por exemplo, as advertências de nosso Senhor Jesus Cristo de que, neste mundo, passaremos por não poucas aflições. O triunfalismo vem afastando muitos servos de Deus do verdadeiro alvo que nos aponta a Bíblia: a Nova Jerusalém, onde estaremos para sempre com o Senhor, desfrutando do verdadeiro triunfo: nossa eterna união com Ele.

Nossos triunfos, neste mundo, não podem ser medidos pela posse dos bens materiais, mas por aquilo que fazemos pela expansão do Reino de Deus (ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Teológico. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.350).

Faça a diferença!
Você pode estar se perguntando: "Mas o que isso tem a ver comigo? Não sirvo a Deus somente para enriquecer, amo meus irmãos e tenho uma fé madura em Deus.” Se você está nessa situação, parabéns! Glória a Deus! Mas esta situação tem tudo a ver com todos nós, pois fazemos parte da Igreja de Cristo.

O apóstolo Pedro, o apóstolo Paulo, os Pais da Igreja, Agostinho de Hipona, Tomás de Aquino, Martinho Lutero, João Calvino, Jacó Armínio, John Wesley, Daniel Berg, Gunnar Vingren e todos os outros cristãos do passado cumpriram o seu papel e agora descansam no Senhor aguardando a ressurreição dos mortos (1 Co 15.35-58). Atualmente, é nossa responsabilidade levar o Evangelho de Cristo a todas as pessoas (Mc 16.15). Nós somos a igreja atual!
Você foi chamado por Deus para influenciar o mundo! Então comece influenciando sua igreja. Não seja apenas um espectador, seja atuante! Você já participa ativamente de sua igreja? Então participe ainda mais!

Vá mais à igreja, e não fique apenas sentado no banco assistindo ao culto; seja um membro atuante, cante no coral, ore e evangelize. Deixe que sua força contagie àqueles que estão dormindo o sono da indiferença.

Transforme o mundo ao seu redor, renovando seu entendimento (Rm 12.2), pois você pensa como Cristo pensa (1Co 2.16).

Não tenha vergonha de expor suas opiniões. Jesus tinha apenas doze anos e com sabedoria debateu com os doutores da Lei (Lc 2.41-52). Você pode pensar: "Sou apenas um adolescente, ninguém me dará atenção”. Não pense assim. Tenha atitudes maduras e destaque-se por meio delas.

Não estou dizendo que você deve pregar no culto de doutrina, mas faça o melhor naquilo que lhe é permitido fazer. José foi um jovem que se destacou fazendo o trabalho escravo (Gn 39.4-6).

Evangelize como os cristãos anônimos do primeiro século fizeram, defenda a sua fé da mesma forma que os Pais da Igreja. Lute contra a sua natureza carnal da mesma maneira que Agostinho de Hipona, lute para que mudanças aconteçam da mesma maneira que Martinho Lutero lutou, seja avivado como John Wesley e seja um poderoso instrumento nas mãos de Deus conforme Daniel Berg e Gunnar Vingren foram para o Brasil.

Quando as gerações futuras estiverem estudando História da Igreja, o que elas falarão de nós? Como a nossa geração será conhecida? Como a geração de cristãos que nada fez para mudar a sociedade a sua volta e o que é pior, foi influenciada pelo mundo? Ou como a geração que mesmo fazendo parte de uma sociedade distante de Deus não se contaminou e fez a diferença?

Conclusão
Não sabemos o dia e a hora em que Jesus voltará. Ninguém sabe (Mt 24.36)! Então podemos ser a última geração da Igreja antes do arrebatamento. Se isso acontecer, que o nosso Senhor não nos encontre dormindo e sendo influenciados por este mundo perverso (Lc 12.35-40), mas que sejamos encontrados alertas, trabalhando e fazendo a diferença.

Refletindo
1. O seu pensamento e suas atitudes demonstram que você é influenciado pelo mundo ao seu redor?

Resposta Pessoal.
2. O que você tem feito para influenciar positivamente a sua igreja e a sociedade em que vive?
Resposta Pessoal.
3.      Que pontos na sua vida precisam melhorar para a que você influencie positivamente outras pessoas?
Resposta Pessoal.

Lição Bíblica de Adolescentes
Trimestre: 3° de 2018
Editora: CPAD
Revista do Aluno
Reverberação: Subsídios EBD
Outras Lições: Acesse Aqui
Fonte: Lições Bíblicas de Adolescentes – 3° trimestre de 2018, CPAD – Divulgação: Subsídios EBD