FECHAR <-----

Lição 5 - Santidade ao Senhor (Subsídios)

Subsídio para a classe de Adultos | 3°Trimestre de 2018
Apresentação
Os sacrifícios santos para um Deus santo precisavam de sacerdotes santos para oferece-los, por isso, o Senhor descreveu a qualificação e as características do sacerdócio (Lv 8.1—9.24). Os capítulos 17 – 27, do livro de Levítico, descrevem como a vida nacional de Israel tinha de refletir a santidade deles. Eles tinham de ser vistos como diferentes das pessoas ao seu redor. As questões práticas são especificadas na passagem, incluindo o relacionamento sexual (18.1-30), a relação com o pobre (19.9,10), os mexericos (19.16), o respeito pelos idosos (19.32), a honestidade nos negócios (19.35,36) e o cuidado com a terra (25.1-7).

I – DEUS SE REVELA COMO “O DEUS SANTO” (Lv 19.2; 20.7)

A palavra hebraica para "santo" que Moisés usou em Levítico significa "aquilo que é separado e marcado, aquilo que é diferente". Em português, a palavra "santo" vem do latim sarictu, que significa "estabelecido segundo a lei" ou "que se tornou sagrado".
O termo "santificação" descreve o processo de tornar-se cada vez mais semelhante a Cristo, e "santo" refere-se ao resultado desse processo.
1. Deus se revela como Santo
De que modo Deus revela sua santidade? De diversas maneiras, Deus deixou claro para seu povo que ele era um Deus santo. Vejamos:

a) Em primeiro lugar, deu-lhes uma lei santa, que continha tanto promessas quanto penalidades, sendo que os dez mandamentos são o cerne dessa lei (Êx 20:1-17). Os estatutos e ordenanças de Deus governavam a vida diária do povo e diziam-lhe o que era certo e o que era errado, o que era limpo e o que era imundo e quais eram as penalidades para aqueles que desobedecessem deliberadamente.

b) Deus é "glorificado em santidade" (Êx 15.11), e sua glória habitava no Santo dos Santos, tanto no tabernáculo (Êx 40.34-38) quanto no templo (1Rs 8.10). A presença da nuvem de glória e a coluna de fogo lembravam Israel de que Jeová era um Deus santo e um "fogo consumidor" (Dt 4.24; Hb 12.29).

c) O "Santo de Israel" é um dos nomes de Jeová que aparece repetidamente nas Escrituras. Só em Isaías, é usado vinte e sete vezes.


Ø  Observações a cerca da santidade de Deus:
1. Deus é a fonte de toda a santidade.
2. Deus implanta no homem a Sua própria santidade, mediante as operações do Espírito.
3. A santidade de Deus serve tanto de exemplo quanto de inspiração à santidade humana.

2. O amor santo de Deus
"O amor é a essência de Deus", escreveu o teólogo norte-americano Augustus H. Strong, "mas a santidade é a essência do amor". O amor de Deus é um amor santo, pois a Bíblia diz: "Deus é luz" (1 Jo 1.5) e, também: "Deus é amor" (1 Jo 4.8, 16).

O amor sem santidade seria algo monstruoso que poderia destruir a lei perfeita de Deus, enquanto a santidade sem amor não daria qualquer esperança ao pecador perdido. Os dois encontram-se em perfeito equilíbrio dentro da natureza divina e nas obras de Deus.

VEJA A VÍDEO AULA

II – SANTIDADE, UMA EXIGÊNCIA DIVINA (Lv 11.45)

III - A SANTIDADE NO MINISTÉRIO LEVÍTICO

Fonte: E-book Subsídios EBD, Vol. 13 – Acesse AQUI e Adquira a continuação desse Subsídio.