Lição 8 - A Entrada Triunfal de Jesus em Jerusalém

Li√ß√Ķes B√≠blicas 1° Trimestre de 2018, Jovens Professor – CPAD
T√ćTULO: Seu Reino n√£o Ter√° Fim
Subtítulo: Vida e obra de Jesus seguindo o Evangelho de Mateus
Comentarista: Natalino das Neves
Classe: Jovens
Aula: 25/02/2018
TEXTO DO DIA
 “E as multid√Ķes, tanto as que iam adiante como as que o seguiam,
clamavam, dizendo: Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!” (Mt 21.9)
S√ćNTESE
A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém mostrou que Ele era o Messias, o Rei anunciado pelos profetas.
AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA РMt 21.4,5: A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém foi predita pelos profetas
TERÇA РMt 21.6: A obediência e disciplina dos discípulos
QUARTA - Mt 16.21: Jesus prediz que seria morto, e ressuscitaria ao terceiro dia
QUINTA – Zc 9.9: Zacarias prediz a entrada triunfal de Jesus em um jumentinho
SEXTA – 1 Rs 1.33: Era costume os reis terem sua mula
S√ĀBADO – Sl 118.25: “Bendito aquele que vem em nome do SENHOR”
OBJETIVOS
1. APRESENTAR a entrada do Rei dos reis em Jerusalém;
2. SABER que a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém
foi um ato messi√Ęnico previsto nos profetas;
3. EXPLICAR como Jesus foi recebido como rei messi√Ęnico
em Jerusalém.
INTERAÇÃO
Professor (a), o método didático e participativo deve ser incentivado na Escola Dominical. No entanto, para que seja efetivo, o professor (a) necessita ter objetivos claros, distintos e atingíveis. Os objetivos propostos nas revistas servem como um modelo, porém eles deverão ser adaptados à realidade de sua classe. Os recursos didáticos que forem necessários para a aula deverão ser providenciados antecipadamente para que não haja surpresas durante as aulas. Faça tudo de forma planejada, pois os alunos percebem quando o professor não prepara a aula e esse é um fator desmotivador. Você foi chamado para um excelente ministério, então seja dedicado. Dê o seu melhor, pois o ensino eficaz pode transformar vidas.

ORIENTA√á√ÉO PEDAG√ďGICA
A respeito da atividade mencionada na √ļltima aula, prepare algumas perguntas sobre a li√ß√£o e chegue alguns minutos antes da aula come√ßar a fim de fix√°-las debaixo de algumas cadeiras da sala. Inicie a aula normalmente, se os alunos perguntarem a respeito da atividade surpresa v√° adiando a revela√ß√£o. Nos √ļltimos 10 minutos de aula, pe√ßa para os jovens procurarem, debaixo da cadeira, algo que est√° colado. Pe√ßa aos alunos “sorteados” para lerem as perguntas e, se poss√≠vel respond√™-las. Se o aluno n√£o conseguir responder, transfira para outro. Agrade√ßa as participa√ß√Ķes e ao final, se for poss√≠vel, seria interessante presentear os alunos selecionados.

TEXTO B√ćBLICO
Mateus 21.1-11
1 E, quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé, ao monte das Oliveiras, enviou, então, Jesus dois discípulos, dizendo-lhes:
2 Ide à aldeia que está defronte de vós e logo encontrareis uma jumenta presa e um jumentinho com ela; desprendei-a e trazei-mos.
3 E, se alguém vos disser alguma coisa, direis que o Senhor precisa deles; e logo os enviará.
4 Ora, tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta, que diz:
5 Dizei à filha de Sião: Eis que o teu Rei aí te vem, humilde e assentado sobre uma jumenta e sobre um jumentinho, filho de animal de carga.
6 E, indo os discípulos e fazendo como Jesus lhes ordenara,
7 trouxeram a jumenta e o jumentinho, e sobre eles puseram as suas vestes, e fizeram-no assentar em cima.
8 E muitíssima gente estendia as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho.
9 E as multid√Ķes, tanto as que iam adiante como as que o seguiam, clamavam, dizendo: Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!
10 E, entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, dizendo: Quem é este?
11 E a multidão dizia: Este é Jesus, o Profeta de Nazaré da Galileia.

INTRODUÇÃO
Nesta lição, estudaremos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém.
Este episódio dá início ao quinto bloco narrativo do Evangelho de Mateus (Mt 21.1-11). O texto descreve a chegada de Jesus em Jerusalém, centro do poder religioso. O Mestre já havia predito, aos seus discípulos, que em Jerusalém Ele iria padecer nas mãos dos anciãos, principais sacerdotes e escribas. Jesus afirmou que seria morto, mas ao terceiro dia ressuscitaria (Mt 16.21).

O Messias entrou em Jerusalém montado em um jumentinho, de forma humilde, para que se cumprissem as Escrituras Sagradas e
o povo o recebe bem, aclamando-o como enviado de Deus.

I - A ENTRADA DO REI DOS REIS EM JERUSAL√ČM (Mt 21.1-3)
1. A expectativa da chegada de Jesus em Jerusalém.
Talvez, os discípulos estivessem animados e ansiosos em relação à chegada de Jesus na cidade de Jerusalém. Quem sabe eles não pensavam que Jesus iria assumir o poder político ou que algo sobrenatural iria acontecer? Todavia, Jesus reuniu os seus discípulos em particular para informar que em Jerusalém Ele seria perseguido e morto. Esta foi a terceira vez que Jesus predisse a sua morte e ressurreição na cidade de Jerusalém (Mt 16.21; 17.22,23; 20.18).

No capítulo 20, Mateus narra o pedido da mãe dos filhos de Zebedeu, Tiago e João, (v. 20). Ela intercede pelos seus filhos, a fim de que eles fossem colocados ao lado de Jesus quando Ele assumisse o seu Reino (v. 21). Fica claro que a expectativa era de que Jesus assumisse o poder em Jerusalém. Então, Jesus adverte aos discípulos a fim de que eles não brigassem por posição, pois os valores do seu Reino eram superiores aos dos homens, e quem quisesse ser o primeiro, deveria ser servo de todos (v. 27). Jesus lhes falava a respeito do Reino dos Céus, mas eles estavam focados nas coisas deste mundo.

2. A entrada em Jerusalém, uma fase de transição.
Os disc√≠pulos ainda n√£o haviam compreendido o real prop√≥sito da miss√£o de Jesus, mesmo depois de Ele predizer algumas vezes a respeito de sua paix√£o e ressurrei√ß√£o. Por isso, depois da morte de Jesus os disc√≠pulos ficaram t√£o decepcionados e desanimados. Segundo o Evangelho de Marcos e Lucas, dois deles resolveram deixar Jerusal√©m e seguir para Ema√ļs (Lc 24.13,21).

Mateus narra a chegada de Jesus em Jerusalém de forma que lembra a entrada das comitivas dos reis de Israel e as greco-romanas. Estas entradas incluíam: marchas triunfais, honrarias militares, bem como a chegada de um rei ou soberano montado em uma mula. A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém marcaria um momento importante de transição para a sua paixão.

3. Jesus planejou sua entrada em Jerusalém.
Ainda em Betfag√©, no Monte das Oliveiras, Jesus d√° uma ordem a dois dos seus disc√≠pulos: “Ide √† aldeia que est√° defronte de v√≥s e logo encontrareis uma jumenta presa e um jumentinho com ela; desprendei-a e trazei-mos” (Mt 21.2). Percebe-se que Jesus j√° tinha tudo planejado, diferente de alguns crentes que fazem tudo de modo improvisado.

A primeira impress√£o que temos, ao ler o relato de Mateus, √© que Jesus conhecia o dono dos animais, pois Ele orienta os disc√≠pulos dizendo: “E, se algu√©m vos disser alguma coisa, direis que o Senhor precisa deles; e logo os enviar√°” (Mt 21.3). Mas, fazia parte do costume da √©poca o sistema de ang√°ria, ou seja, as pessoas tinham obriga√ß√£o de ceder ou alugar animais de carga para o servi√ßo dos soberanos.

Pense!
Enquanto muitos querem demonstrar que s√£o importantes, Jesus exp√Ķe sua humildade. Jovem, em sua vida crist√£, o que voc√™ tem procurado exibir?
Ponto Importante
A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, montado em um jumentinho, representava o governo humilde do Messias. Tal acontecimento incomodou as autoridades religiosas.

II - A ENTRADA TRIUNFAL DE JESUS MONTADO EM UM JUMENTINHO, UM ATO MESSI√āNICO (Mt 21.4,5)

1. Os profetas e a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém.
Mateus √© o √ļnico evangelista sin√≥tico que registra que o jumentinho estava preso a uma jumenta. O fato de o animal estar junto √† m√£e demonstrava que ele ainda n√£o tinha sido desmamado e que nunca havia sido montado. √Č importante ressaltar que somente Mateus e Jo√£o registram que as a√ß√Ķes de Jesus cumprem as profecias.

O Evangelho de João 12.15,16 deixa claro que os discípulos só conseguiram relacionar a entrada de Jesus em Jerusalém, montado em um jumento, com os textos proféticos, somente depois da morte do Salvador. Mateus cita na primeira linha o texto de Isaías 62.11, e
as demais s√£o de Zacarias 9.9.

2. A humildade do Messias.
Ao contr√°rio de todas as expectativas messi√Ęnicas dos judeus, Jesus, em diferentes ocasi√Ķes, demonstrou que seu reinado seria de paz e humildade. O Coment√°rio B√≠blico Pentecostal afirma esta ideia ao asseverar que “o jumentinho √© um transporte de paz e n√£o de guerra.”

A entrada de Jesus em Jerusalém, montado em um jumentinho, de certa forma, se assemelhava às comitivas reais, mas o Salvador já havia deixado claro que Ele veio ao mundo não para ser servido, mas para servir (Mt 20.28). Jesus estava propagando o Reino de Deus, cujos propósitos e valores são diferentes dos reinos deste mundo.

3. Os disc√≠pulos obedecem as recomenda√ß√Ķes do Mestre.
Os dois discípulos obedeceram rigorosamente às ordens de Jesus. Tal obediência foi importantíssima para o cumprimento das profecias e para que o planejamento que Jesus havia feito desse resultado. Sem a obediência dos liderados não existe liderança eficiente.
Pense!
Os discípulos atenderam as ordens de Jesus e fizeram tudo como Ele havia solicitado. Jovem, como discípulo de Cristo, você
obedece a seus líderes?
Ponto Importante
O jumento era um animal de transporte utilizado em tempo de paz. Isso nos mostra que o Reino implantado por Jesus na Terra é um Reino de paz e humildade.

III – JESUS √Č RECEBIDO COMO REI MESSI√āNICO (Mt 21.8-11)

1. A entrada triunfal de Jesus e sua comitiva.
A entrada repentina de Jesus em Jerusal√©m causou um grande alvoro√ßo na cidade, pois era algo inusitado e que atraiu um p√ļblico significativo. Tal fato se assemelha √† entrada de Salom√£o quando este foi constitu√≠do rei e desceu a Giom, utilizando a mula que pertencia o seu pai, o rei Davi (1 Rs 1.33). A a√ß√£o das pessoas, de espalharem roupas pelo ch√£o na estrada diante de Jesus, tamb√©m se assemelhou a un√ß√£o de Je√ļ quando este foi declarado rei (2 Rs 9.13). Jesus foi recebido como um Rei, por√©m, como Ele afirmou a Pilatos: “[...] O meu Reino n√£o √© deste mundo” [...] (Jo 18.36).

2. Jesus √© aclamado como Rei Messi√Ęnico.
Quando Jesus entrou em Jerusal√©m a multid√£o que o seguia o exaltou com partes do Salmo 118.26. Segundo o Coment√°rio B√≠blico Pentecostal, “hosana √© a vers√£o grega transliterada da express√£o hebraica, ‘salva-nos’” (Sl 118.25). Mateus enfatiza a a√ß√£o das pessoas ao cortarem e espalharem ramos e gritarem “hosana”, pois tais a√ß√Ķes eram muito utilizadas nas festividades judaicas. Infelizmente, a multid√£o que gritou “hosana”, foi a mesma que tamb√©m gritou: “Crucifica-o!” “Crucifica-o!” Escolheram soltar Barrab√°s, um salteador e homicida, e pediram a pris√£o e morte de Jesus. Por isso, o crente n√£o deve se iludir com a fama e a bajula√ß√£o das multid√Ķes. O importante √© conhecer e viver os princ√≠pios b√≠blicos e procurar agradar sempre a Deus.

3. A recepção de Jesus é vista como uma ameaça pelos líderes religiosos de Jerusalém.
O alvoroço das pessoas, a aclamação do povo e o reconhecimento
de Jesus como uma figura messi√Ęnica, abalaram a seguran√ßa das principais autoridades religiosas de Jerusal√©m.

Jesus passou a ser uma amea√ßa ainda mais perigosa. Somente Mateus registra o questionamento da multid√£o a respeito de quem era Jesus. A resposta foi: “Este √© Jesus, o Profeta de Nazar√© da Galileia” (v. 11). Em determinado per√≠odo do seu minist√©rio, Jesus atuou mais distante do principal centro religioso da sua √©poca, mas agora Ele chega a Jerusal√©m e “alvoro√ßa” a cidade com sua presen√ßa.

Lucas registra o pedido dos fariseus para que Jesus repreendesse seus disc√≠pulos: “[...] Mestre, repreende os teus disc√≠pulos [...]” (Lc 19.39). Mas Jesus os repeliu dizendo que se eles se calassem at√© as pedras clamariam (Lc 19.40). Agora n√£o haveria mais volta, Jesus daria prosseguimento a sua morte de cruz e ao sacrif√≠cio que proporcionou a nossa salva√ß√£o.
Pense!
Jesus conhecia os perigos da fama e do clamor das multid√Ķes. Ele demonstrou isso na narrativa da tenta√ß√£o. Jovem, como voc√™ lidaria com a fama e a popularidade?
Ponto Importante
A multidão que na entrada triunfal de Jesus em Jerusalém clamou,
“Hosana” foi a mesma que no seu julgamento clamou, “crucifica-o.”
SUBS√ćDIOS 1
“A entrada triunfal aconteceu em um domingo. Depois de curar os dois cegos em Jeric√≥, Jesus e os seus disc√≠pulos, acompanhados pelos peregrinos da Galileia a caminho da festa da P√°scoa, haviam caminhado pela estrada de Jeric√≥ em dire√ß√£o a Jerusal√©m. Isso aconteceu em uma sexta-feira. Desde o p√īr do sol da sexta-feira at√© o p√īr do sol do s√°bado (o s√°bado judaico). Jesus e os seus disc√≠pulos descansaram, talvez na casa de Marta e Maria em Bet√Ęnia.

No domingo, eles foram para Jerusal√©m e, no caminho, evidentemente pararam em Betfag√©. Essa vila n√£o √© mencionada no Antigo Testamento, mas somente em conex√£o com a entrada triunfal no Novo Testamento. O Talmude fala sobre ela como estando pr√≥xima a Jerusal√©m. Dalman diz, com base na literatura rab√≠nica: ‘Este deve ter sido um distrito situado fora de Jerusal√©m (um sub√ļrbio, mas n√£o uma unidade independente), que come√ßava na fronteira do santu√°rio, isto √©, antes do muro oriental de Jerusal√©m’. Isso pode sugerir um territ√≥rio que inclu√≠a o vale de Cedrom e a encosta ocidental do monte das Oliveiras. Como de costume, Mateus cita o cumprimento de uma profecia nesse evento da vida de Cristo. A cita√ß√£o corresponde a Zacarias 9.9 (cf. tamb√©m Is 62.11) onde est√° previsto que o Rei-Messias viria humildemente, montado em um jumento. [...] Josefo registra a cren√ßa popular de que o Messias iria aparecer no monte das Oliveiras (Coment√°rio B√≠blico Beacon: Mateus a Lucas. Vol. 6. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, pp.144-145).

SUBS√ćDIOS 2
A quest√£o mais importante √© que Jesus deliberadamente se identifica como o Messias e, assim, cumpre a profecia. At√© aqui n√£o √© feita men√ß√£o nos Evangelhos de Jesus viajar montado num animal; com certeza Ele n√£o precisaria ir montado num jumentinho para perfazer a dist√Ęncia de Betfag√© aos port√Ķes da cidade, a qual poderia ter sido percorrido √† p√©. Dos escritores sin√≥ticos, s√≥ Mateus nota que as a√ß√Ķes de Jesus cumprem a profecia (Mt 21.4,5; cf. tamb√©m Jo12.14,15). Isto √© caracter√≠stico do registro frequente de Mateus aludir o cumprimento de profecia com sua express√£o introdut√≥ria: ‘Para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta’. A primeira parte de sua cita√ß√£o √© de Isa√≠as 62.11 e a segunda, de Zacarias 9.9. O monte das Oliveiras √© o local da volta do Messias (veja Zc14.4). No uso que Mateus faz de Zacarias 9.9, ele omite as palavras ‘justo e Salvador’, e a descri√ß√£o subsequente de um Messias vitorioso, preferindo enfatizar Jesus como humilde (Mt 5.5; 12.18-21). O jumentinho √© um transporte de paz, n√£o de guerra; o conquistador vem como pacificador humilde. [...] o fato de outro ‘Filho de Davi’, Salom√£o, ter montado a mula de Davi, seu pai, quando foi coroado na fonte de Giom no mesmo vale ao longo do qual Jesus esta agora indo montado no jumentinho (1 Rs 1.38) n√£o teria passado despercebido pela audi√™ncia judaica de Mateus” (ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Ed.). Coment√°rio B√≠blico Pentecostal: Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.116).

CONCLUSÃO
Na lição de hoje, aprendemos que Jesus realizou sua missão de forma planejada a fim de cumprir com o seu propósito: observar as Escrituras. Sua entrada em Jerusalém, ao contrário de todas as expectativas, demonstra que o seu Reino não era desse mundo, por isso era um reino de paz, humildade e justiça.

HORA DA REVISÃO
1. Quais eram os nomes dos filhos da mulher que intercedeu por eles diante de Jesus para que fossem colocados ao seu lado, quando assumisse o trono?
No capítulo 20, Mateus narra o pedido da mãe dos filhos de Zebedeu, Tiago e João.
2. O que lembrava a cena empregada na entrada triunfal de Jesus em Jerusalém?
Mateus narra a chegada de Jesus em Jerusalém de forma que lembra a entrada das comitivas dos reis de Israel e as greco-romanas.
3. Segundo a lição, Jesus planejou sua entrada triunfal em Jerusalém?
Sim. Jesus d√° uma ordem a dois dos seus disc√≠pulos: “Ide √† aldeia que est√° defronte de v√≥s e logo encontrareis uma jumenta presa e um jumentinho com ela; desprendei-a e trazei-mos” (Mt 21.2). Percebe-se que Jesus j√° tinha tudo planejado, diferente de alguns crentes que fazem tudo de modo improvisado.
4. A entrada triunfal de Jesus se assemelhava a qual rei do Antigo Testamento?
Se assemelhava à entrada de Salomão quando este foi constituído rei e desceu a Giom, utilizando a mula que pertencia o seu pai, o rei Davi.
5. Qual foi a resposta de Jesus quando os fariseus pediram para que calasse seus discípulos?
Jesus os repeliu dizendo que se eles se calassem até as pedras clamariam (Lc 19.40).
Leia também:
- Li√ß√Ķes B√≠blicas de Jovens – 1° Trimestre de 2018 – Acesse Aqui
- Li√ß√Ķes B√≠blicas de Adultos – 1° Trimestre de 2018 – Acesse Aqui
- Li√ß√Ķes B√≠blicas Juvenis - – 1° Trimestre de 2018 – Acesse Aqui
- Estudos Auxílios para professores da EBD РAcesse Aqui


Fonte: Li√ß√Ķes B√≠blicas de Jovens – 1° trimestre de 2018 – CPAD | Divulga√ß√£o: www.sub-ebd.blogspot.com