FECHAR <-----

Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés (Subsídio)

Obs. Este artigo é APENAS UMA PARTE do subsídio para a lição bíblica da classe de Adultos. Para a continuação teste subsídio Clique Aqui
Introdução
Além de Abraão, Moisés é o homem mais reverenciado pelo povo judeu. Voltar à Lei significava voltar a Moisés, e, para os leitores desta Epístola aos Hebreus, a tentação de fazer exatamente isso era grande. Era importante o autor convencê-los de que Jesus Cristo é maior do que Moisés, pois todo o sistema religioso judaico desenvolveu-se por meio de Moisés. Neste Subsídio, vemos que Jesus Cristo é superior a Moisés em diversos aspectos.

I. CRISTO É SUPERIOR A MOISÉS EM SUA TAREFA (Hb 3.1, 2)
É óbvio que Cristo é superior a Moisés em sua Pessoa. Moisés foi apenas um homem, chamado para ser profeta e líder, enquanto Jesus Cristo é o Filho de Deus, enviado ao mundo pelo Pai (Jo 3.16 – 18).
Moisés foi chamado e comissionado por Deus, mas Jesus foi enviado por Deus como a "última Palavra" para os homens pecadores. Pode ser interessante ler alguns versículos do Evangelho de João que se referem a Jesus como o "enviado de Deus" (Jo 3.1 7, 34; 5.36, 38; 6.29, 57; 7.29; 8.42; 10.36; 11.42; observar, também, 13.3).

1. Jesus, o apóstolo e sumo sacerdote – Moisés não (Hb 3.1).
O título "apóstolo" refere-se a "alguém enviado com uma comissão" (Hb 3.1b). Na terminologia judia descrevia os enviados do sinédrio, a corte suprema judia. O sinédrio enviava apóstolos investidos de sua autoridade e portadores de suas ordens. No mundo grego significa frequentemente embaixador. Neste caso Jesus é o supremo embaixador de Deus.

Jesus Cristo não é apenas Apóstolo, mas também Sumo Sacerdote. Moisés foi um profeta que, em algumas ocasiões, serviu como sacerdote (ver SI 99.6), mas nunca foi sumo sacerdote. Esse título pertencia a seu irmão, Arão. Aliás, Jesus Cristo é chamado de "grande sumo sacerdote" (Hb 4.14).

2. O trabalho de Jesus como apóstolo e Sumo Sacerdote
Jesus Cristo é o perfeito Sumo Sacerdote (representante) e Apóstolo (missionário) de Deus para o resgate (Salvação) da humanidade (Mc 6.30; 1Co 1.1). Jesus muitas vezes se referiu a si mesmo como aquele que fora “enviado” ao mundo pelo Pai (Mt 10.40; 15.24; Mc 9.37; Lc 9.48; Jo 4.34; 5.24-38; 6.38).

Como Apóstolo, Jesus Cristo representou Deus diante dos homens; como Sumo Sacerdote, hoje ele representa os homens diante de Deus no céu. Por certo, Moisés cumpriu ministérios semelhantes, pois ensinou a Israel a verdade de Deus e orou por Israel, quando se encontrou com Deus no monte (ver Êx 32.30-32). Moisés foi, em primeiro lugar, o profeta da Lei, enquanto Jesus Cristo é Mensageiro da graça de Deus (ver Jo 1.17). Moisés ajudou a preparar o caminho para a vinda do Salvador a Terra.

a) Jesus foi fiel e sem pecado (Hb 3.2,5; 4.15).
O autor de Hebreus, porém, observa que tanto Moisés quanto Jesus Cristo foram fieis à obra que receberam de Deus. Moisés não foi sem pecado como Jesus Cristo, mas foi fiel e obedeceu à vontade de Deus (Nm 12.7).
No Antigo Testamento, o sumo sacerdote representava os judeus diante de Deus. Jesus Cristo nos liga a Deus. Não há nenhum outro caminho para alcançar a Deus. Por Jesus Cristo ter vivido uma vida sem pecado, Ele é o substituto perfeito para morrer por nossos pecados. Ele é o nosso representante perfeito perante Deus.
Leia também:
- Lições Bíblicas de Jovens – 1° Trimestre de 2018 – Acesse Aqui
- Lições Bíblicas de Adultos – 1° Trimestre de 2018 – Acesse Aqui
- Lições Bíblicas Juvenis - – 1° Trimestre de 2018 – Acesse Aqui
- Estudos Auxílios para professores da EBD – Acesse Aqui

II. O MINISTÉRIO DE JESUS FOI SUPERIOR AO DE MOISÉS

1. O ministério de Jesus na ‘casa’ de Deus (Hb 3.2-6).
O termo "casa" é usado seis vezes em Hebreus 3.2-6. É uma referência ao povo de Deus, não a um edifício material. Moisés ministrou a Israel, o povo de Deus, sob a antiga aliança. Hoje, Cristo ministra a sua Igreja, o povo de Deus, sob a nova aliança ("a qual casa somos nós"; Hb 3.6).

O contraste entre Moisés e Cristo é claro: Moisés era um servo da casa, enquanto Jesus Cristo é o filho em sua casa. Moisés era um membro da família dessa casa, mas Jesus Cristo edificou a casa! A propósito, a verdade destes versículos é um argumento poderoso em favor da divindade de Jesus Cristo. Se Deus edifica todas as coisas e Jesus Cristo edificou a casa de Deus, segue-se, então, que Jesus Cristo é Deus.

Há outro elemento a ser considerado na superioridade de Cristo em relação a Moisés: o profeta Moisés falou de coisas por vir, enquanto Jesus Cristo cumpriu tais coisas (Hb 3.6). Moisés ministrou "nas sombras", por assim dizer (ver Hb 8.5 e 10.1), enquanto Cristo trouxe consigo a luz plena e definitiva do evangelho da graça de Deus.

III. MOISÉS COMO TIPO[1] DE CRISTO
Moisés é o personagem referido em maior número de livros da Bíblia. Seu nome aparece em trinta e um dos livros do volume sagrado e em 847 vezes.

Ele é chamado:
Servo do Senhor (Êx 14.31);
Fiel em toda a sua casa (Nm 12.7 e Hb 3.5);
Homem de Deus (Dt 33.1);
Profeta que não teve igual (Dt 34.10,11);
O escolhido de Deus (SI 106.23) e outros títulos.

1. Moisés como tipo de Cristo apresenta muitos pontos.
1.2. Ameaçado de morte e preservado por Deus (Êx 2.2-10; Hb 11.23). Jesus também (Mt 2.13-15).
1.2. Dominou a água do mar (Êx 14.21) - Jesus (Mt 8.26).
1.3. Alimentou uma multidão (Êx 16.15,16; Jo 6.31) - Jesus (Jo 6.11,12).
1.4. Teve seu rosto iluminado (Ex 34.35) - Jesus (Mt 17.1-5).
1.5. Os irmãos estiveram contra ele (Nm 12.1) - Jesus (Jo 7.5).
1.6. Intercedeu pelo povo (Êx 32.32) - Jesus (Jo 17.9).
1.7. Escolheu 70 auxiliares (Nm 11.16) - Jesus (Lc 10.1).
1.8. Esteve a sós com Deus 40 dias em jejum (Êx 24.18) - Jesus (Mt 4.2).
1.9. Andava com 12 tribos - Jesus com doze apóstolos.
1.10. Apareceu depois da morte (Mt 17.3) - Jesus (Atos 1.3).
Na história inteira de Moisés, existem muitos ensinos tipológicos.
Foi cheio de sabedoria e “poderoso em palavras e ações”. Era “muito meigo, mais que todos os homens na face da terra” — até chegar Jesus, que podia dizer: “Sou manso e humilde de coração”.
Moisés realizou milagres que foram corretamente atribuídos ao “dedo de Deus” (Ex 8.19; Lc 11.20); e dele podia ter sido dito:
“Que tipo de homem é este, que até os ventos e as ondas lhe obedecem?”. Nesses dois casos, entretanto, era apenas o instrumento humano de Deus, ao passo que o Senhor Jesus Cristo manifestava seu próprio poder divino.
“Em Israel nunca mais se levantou profeta como Moisés, a quem o Senhor conheceu face a face”, até Deus suscitar Aquele “semelhante a Moisés” que prometera enviar (Dt 18.15-19). “Ouçam a ele!” (Mt 17.5).

Em Salmos 99.6, Moisés é mencionado como sacerdote, e sabemos que era “rei do seu povo”, e pastor, juiz e líder do povo. E, porém, como intercessor que ele nos lembra, de modo tão preeminente, do Senhor Jesus. Quando Deus se irava com os israelitas, “Moisés, seu escolhido, intercedia diante dele para evitar que sua ira os destruísse” ( SI 106.23). Quando estavam lutando contra os inimigos, Moisés subiu ao topo do monte e se sentou como intercessor: “E aconteceu que, quando Moisés levantava a mão, prevalecia Israel; e quando abaixava a mão, prevalecia Amaleque”.
Clique e acesse
Em Deuteronômio 5.5, ele diz à nação:
“Naquela ocasião eu fiquei entre o Senhor e você para declarar-lhe a palavra do Senhor”. Desse modo prefigurava o “único Mediador entre Deus e os homens, o Homem Jesus Cristo”; o “intercessor junto ao Pai”; aquele que “vive sempre para interceder” por nós.
A CONTINUAÇÃO DESSE SUBSÍDIO ESTÁ EM NOSSO E-book Subsídios EBDVol. 11 Acesse Aqui



[1] Tipo – Alguma pessoa, coisa ou cerimônia que se refere a eventos futuros.