Featured

 


FECHAR<===


Assunto: Reforma Protestante: história, ensinos e legado.
Lição: Jovens e Adultos
Trimestre: 4° de 2017
Comentarista: Pr. Gilmar Vieira Chaves
Editora: Central Gospel
TEXTO BÍBLICO BÁSICO
Habacuque 3.1-6 (ARA)
1 -   Oração do profeta Habacuque sob a forma de canto.
2 - Tenho ouvido, ó SENHOR, as tuas declarações, e me sinto alarmado; aviva a tua obra, ó SENHOR, no decorrer dos anos, e, no decurso dos anos, faze-a conhecida; na tua ira, lembra-te da misericórdia.
3 - Deus vem de Tema, e do monte Para vem o Santo. A sua glória cobre os céus, e a terra se enche do seu louvor.
4 - O seu resplendor é como a luz, raios brilham da sua mão; e ali está velado o seu poder.
5 -  Adiante dele vai a peste, e a pestilência segue os seus passos.
6 - Ele para e faz tremer a terra; olha e sacode as nações. Esmigalham-se os montes primitivos; os outeiros eternos se abatem. Os caminhos de Deus são eternos.
2 Timóteo 4.18
18 - E o Senhor me livrará de toda má obra e guardar-me-á para o seu Reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém.
1 Pedro 5.10,11
10 - E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá.
11 - A ele seja a glória e o poderio, para todo o sempre. Amém!
TEXTO ÁUREO
Não tornarás a vivificar-nos, para que o teu povo se alegre em ti?
Salmo 85.6

SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO DIÁRIO
2ª Feira - Romanos 11,33-36: Glória, pois, a Ele eternamente
3ª Feira - Jó 42. 1 -6: Bem sei eu que tudo podes
4ª Feira - Gênesis 17.1-7: Estabelecerei o meu concerto entre mim e ti
5ª Feira - Salmo 29.1,2: Dai ao Senhor glória e força
6ª Feira - Salmo 33.10,11: O conselho do Senhor permanece para sempre
Sábado - Isaías 40.13,14: Quem guiou o Espírito do Senhor?

OBJETIVOS
Clique e acesseAo término do estudo bíblico, o aluno deverá:
• compreender que o avivamento é um processo duradouro e contínuo, cujo artífice e agente cardeal é o Espírito Eterno;
• conhecer os grandes movimentos avivalistas oriundos da Reforma Protestante;
•  ser encorajado a dar ouvidos à voz do Espírito Santo, arrepender-se e voltar à devoção espiritual e ao estudo das Escrituras Sagradas.
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS
Caro professor,
A tarefa principal de quem ensina é motivar o aluno a aprender. Por mais que o professor seja vocacionado, tenha experiência e domine as técnicas didáticas, ele não pode ensinar sem a participação ativa do aluno.

O médico obstetra ou a parteira auxiliam a mãe na hora do parto, porém a tarefa de dar à luz um filho é da parturiente. Assim, o professor não pode aprender pelo aluno, não pode ensiná-lo sem sua cooperação e, muito menos, ser alheio a ele. O educador apenas indica o caminho e mostra a importância do conhecimento, ajudando e orientando o educando em sua aprendizagem.

Pensando assim, inicie a aula de hoje com a certeza de que seus alunos estão predispostos a aprender.
Excelente aula!

Palavra introdutória
O avivamento não é um movimento emocional de curta duração, tampouco é um subproduto dos muitos eventos eclesiásticos. Ao contrário, ele é um processo duradouro e contínuo, ele é filho legítimo do desejo de mudanças. Seu artífice e agente cardeal é o Espírito Eterno. Suas características principais, dentre outras, são: busca pela verdade, intrepidez, retorno da vibração e da alegria em servir ao Senhor, e ao próximo, de maneira pura e genuína.

1. REFORMA E AVIVAMENTO
Mais do que um processo revolucionário que alterou significativamente a cultura, a economia, o modo de produção e a política medievais, a Reforma foi um movimento espiritual que varreu a Europa, atravessou os séculos e chegou até os tempos atuais — e o que a caracterizou foi um avivamento de grande magnitude.
É certo dizer que, desde então, o mundo jamais foi o mesmo. As mudanças ocorridas naquela época continuarão influenciando a raça humana por todos os séculos.
Vejamos alguns resultados dessa portentosa obra do Espírito Santo.

1.1. Os cristãos voltaram a priorizar a Bíblia como regra de fé e prática
O reencontro com a Palavra de Deus levou a comunidade cristã à contestação de verdades doutrinárias, aparentemente inabaláveis. Os dogmas haviam sido sacralizados pela Igreja Romana e postos no mesmo grau de importância da Bíblia.
Só mesmo um gigantesco reavivamento poderia abrir o entendimento e o coração das pessoas para a necessidade de retornarem à Verdade e à devoção legítima ao Criador.

Os cristãos daquele tempo deixaram de lado a passividade e a dependência do Clero na maneira de entenderem as questões de fé e prática cotidiana. A fé e o modo de viver o cristianismo foram radicalmente transformados. A capacidade de escutar a voz do Espírito Santo, pelas Escrituras, foi aguçada, e eles tornaram-se pessoas comprometidas com a busca da genuína comunhão com o Altíssimo (Rm 15.4; 2Tm 3.14-17; 2Pe 1.20,21).

Assim é o mover do Espírito Santo: ninguém pode detê-lo. Como disse o profeta Isaías: Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá (Is 43.13)?

1.2. O entendimento sobre a salvação foi radicalmente modificado
A salvação, que era ensinada a partir dos interesses e da ótica do Clero, passou a ser proclamada, novamente, de forma universal, ampla e irrestrita no Continente Europeu.
Os pregadores reafirmaram que a salvação, como fruto do arrependimento e da fé pessoal, é uma obra da graça divina (Ef 2.8,9). O tema do novo nascimento tornou-se prioritário nas ministrações dos pregadores protestantes (Jo 3.1-6).

1.3. O desejo de evangelizar cresceu de forma exponencial
Assim como aconteceu na Igreja primitiva, os que aceitaram a fé reformada saíram para compartilhar as boas-novas do evangelho da graça.

Cada crente, com o coração cheio de amor pelos perdidos, assumiu a sua parcela de responsabilidade na evangelização do mundo, como ensinado por Jesus (Mc 16.15,16).

2. GRANDES MOVIMENTOS A VIVALISTAS ORIUNDOS DA REFORMA PROTESTANTE
Depois da morte das primeiras gerações de reformadores, a intrepidez na pregação e a santidade no viver deram lugar ao esfriamento espiritual. Essa condição levou para o meio protestante distorções características na Igreja Romana. Surgiram, naquele tempo, movimentos que condenavam cruelmente qualquer posicionamento discordante (ainda que de forma mínima) da unha teológica vigente. O fundamentalismo religioso ganhou espaço, o que culminou em rupturas entre irmãos e até em guerras que se espalharam pela Europa.

Em reação ao cenário exposto acima, surgiram alguns grupos espiritualidade.
Vejamos a seguir.

2.1. Jacob Boehme (1575-1622)
Para esse pregador-filósofo alemão do século 17, os líderes cristãos pós-reforma haviam transformado a Igreja numa grande Torre de Babel, por conta das intermináveis discussões desenvolvidas em seu nome. Após examinar todo conteúdo produzido pelos debates teológicos da época, e depois de passar por uma profunda experiência espiritual, baseada em visões e revelações, Boehme escreveu um livro intitulado "Brilhante amanhecer". Segundo ele, o livro fora ditado, letra por letra, por Deus.

Por conta dessa obra, Boehme foi duramente perseguido; porém,
devido à sua ocupação como sapateiro ambulante, suas ideias foram difundidas em várias localidades e seu movimento cresceu muito. Assim, ele fez discípulos, que se espalharam para outros países.

Seu maior legado foi o afastamento da ortodoxia fria e a busca direta da presença de Deus, sem intermediários e de maneira genuína e pura.

2.2. George Fox e os Quakers (1624—1691)
Pregador inglês do século 17 que fundou a Society of friends (t.l: Sociedade dos amigos), conhecida mundialmente como os Quakers. Sentindo-se incomodado com os rumos da Igreja de sua época e com o modo de vida dos cristãos, Fox partiu em busca de respostas espirituais na visitação a igrejas e a diversos grupos, participando dos seus cultos e estudando a fundo as Escrituras Sagradas. Depois disso, passou a pregar que Deus não habitava em templos feitos por mãos humanas, e contra os pastores mercenários de seu tempo.

Em lugar dos dogmas e das doutrinas, Fox ensinou seus discípulos a seguirem, cada um, a sua própria luz interior. Para ele, todo cristão tem dentro de si uma luz que leva ao conhecimento de Deus. Essa luz conduz à fé, à compreensão das Escrituras e ao conhecimento de Jesus como Ele é, bem como concede acesso à presença de Deus.

O sucesso dos Quakers foi tanto, que eles migraram para i os Estados Unidos — após grande perseguição religiosa — e lá estabeleceram comunidades cristãs, existentes até os dias atuais.

2.3. O pietismo
Na Alemanha de Lutero, por conta da prática de uma teologia muito distante da realidade e missão da Igreja, surgiu esse movimento avivalista que disseminou a fé protestante para diversos lugares do mundo, produzindo marcas visíveis. As influências desse movimento repercutem até os dias de hoje.

O pietismo baseou-se nos escritos do grande avivalista Philip Jacob Spener (1635—1705), que cresceu em meio a literaturas sobre a necessidade de uma fé pessoal, uma fé salvífica, além da doutrina correta. Sendo escolhido para pastorear a igreja em Frankfurt, seu ministério, a despeito da grande perseguição sofrida, desenvolveu-se muito, e suas Ideias foram difundidas pela Europa.

Spener insistiu na pregação luterana da experiência pessoal com Deus, no sacerdócio universal dos crentes e na participação ativa deles na vida espiritual da Igreja.

2.4. Os morávios
A mensagem do avivamento pietista alcançou um povo que vivia na região da Morávia. Naquela ocasião, converteu--se ao evangelho o conde Nicolaus Ludwig von Zlnzcndorf, que foi batizado pelo próprio Philip Spener.

O conde Zinzendorf estudou nos melhores centros teológicos da época, e sua pregação mesclou elementos da doutrina bíblica com sua formação pietista, o que resultou em um dos maiores movimentos missionários da História da Igreja.

O avivamento dos morávios começou com uron dinâmica de oração de 24 horas diárias e de pregação e ensino ininterrupto da Palavra de Deus. Naquelas reuniões, inúmeras pessoas receberam o chamado missionário para várias partes do mundo, inclusive para o Continente Americano, África, índia e outros países. O despertar missionário moraviano sacudiu o mundo.

2.5. O metodismo
A mensagem de avivamento dos morávios, no século 18, alcançou um pregador anglicano chamado John Wosliey. Após entrar em contato com o movimento dos morávio, Wesley sentiu seu coração abrasado pela chama da oração, do ensino e da pregação do Evangelho. Seu ministério tornou-se uma referência de intrepidez na entrega dos sermões e na evangelização dos povos.

O criador do metodismo no mundo enfatizou, de maneira categórica, a necessidade de conversão pessoal, de experiência individual com Deus e de manutenção da santidade para a salvação, para a Teologia e para o ministério cristão.

Junto de seus irmãos, Wesley evangelizou toda d Inglaterra, a cavalo. Sua pregação foi direcionada para a conversão de almas ao Senhor Jesus e para a justiça social, o que trouxe dignidade aos pobres, escravos, órfãos e viúvas.

2.6. O pentecostalismo
O maior despertamento espiritual ocorrido no mundo cristão, a partir do século 20 — fruto da Reforma Protestante —, foi o movimento pentecostal. Nas reuniões lideradas por Charles F. Parham, em Topeka, Kansas, Estados Unidos (1901), vários irmãos e irmãs receberam o batismo com o Espírito Santo e falaram em outras línguas. Os cultos, naquele período, eram marcados por curas, milagres e pela manifestação de profecias e dons espirituais.

Em 1906, o movimento ganhou grande projeção na Missão da Rua Azuza, em Los Angeles, sob a liderança de Richard Seymour, pastor negro, sindicalista e sem formação escolar formal. Naquele tempo, igrejas pentecostais foram implantadas em todo território americano; como consequência, pessoas do mundo inteiro receberam a experiência pentecostal e levaram essa mensagem as suas cidades e países.

No Brasil, a mensagem pentecostal chegou pela pregação de Gunnar Vingren e Daniel Berg, missionários suecos, provenientes dos Estados Unidos. Eles foram responsáveis por fundar as Assembleias de Deus — inicialmente batizada como Missão de Fé Apostólica — em Belém do Pará (1911).

Nenhuma denominação cresceu tanto nos primeiros anos de sua fundação como as Assembleias de Deus no Brasil. Depois de uma década de trabalho, a denominação tinha igrejas em sete estados da região Norte e Nordeste. Depois de 30 anos de história (1911—1934), a denominação contava com ministérios e igrejas em todo território nacional.

Na convenção das Assembleias de Deus realizada na cidade de São Paulo, em 1947, o Brasil já era visto como a terceira nação em número de pentecostais no mundo, com mais de cem mil membros.
CONCLUSÃO
A Reforma Protestante legou-nos uma Igreja com profundidade nas Escrituras e com poder espiritual para triunfar sobre as trevas: uma Igreja moralmente pura, rica e imbuída da missão de levar homens e mulheres ao verdadeiro Evangelho e ao conhecimento de Deus (Jo 17.3).

Que a mensagem do profeta Habacuque encontre guarida no seio das igrejas ao redor do mundo e em nosso coração: Ouvi, Senhor, a tua palavra e temi; aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica; na ira lembra-te da misericórdia (He 3.2).

ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO
1. Cite os grandes movimentos avivalistas, oriundos da Reforma Protestante, destacados nesta lição:
R.:O movimento encabeçado por Jacob Boehme; o dirigido por George Fox; o pietismo; o dos morávios; o metodismo e o pentecostalismo.
 
Top