Featured

 


FECHAR<===


1. Definições
O Dicionário Teológico - CPAD define Homilética como arte de elaborar e apresentar sermões; é a disciplina que nos leva a falar com elegância, desenvoltura e propriedade bíblica e evangélica.

Os teólogos Grenz, Guretzki e Nordling também resumem: "disciplina que busca compreender o propósito e o processo da preparação e apresentação de sermões". Acrescentam que a mesma visa entender e integrar os papéis do pregador, da mensagem e do público.

O termo "homilética" deriva do substantivo grego homilia, que significa literalmente "associação", "companhia", e do verbo homileo, que significa "falar", "conversar". O Novo Testamento emprega o substantivo em 1 Coríntios 15.33.

A Homilética veio a ser definitivamente entendida como “a arte de pregar o evangelho”.
 
Na prática a HOMILÉTICA é utilizada para produzir discursos para o enlevo ou divulgação da fé.

"A homilética é ciência, quando considerada sob o ponto de vista de seus fundamentos teóricos (históricos, psicológicos e sociais); é arte, quando considerada em seus aspectos estéticos (a beleza do conteúdo e da forma); e é técnica, quando considerada pelo modo específico de sua execução ou ensino."
O termo "homilética" tem suas raízes etimológicas em três palavras da cultura grega:

a) Homilos, que significa "multidão", "turma", "assembleia do povo" (cf. At 18.17);
b) Homilia, que significa "associação", "companhia" (cf. 1 Co 15.33); e
c) Homileo, que significa "falar", "conversar" (cf. Lc 24.14s.; At 20.11,24. 26).

2. As divisões da homilética
A fim de termos uma compreensão abrangente da homilética podemos dividi-la nas seguintes partes:

    a)   homilética fundamental
A homilética fundamental trata das questões introdutórias da matéria, visando uma compreensão objetiva de seus aspectos, tais como: origem, significado, tarefa, desenvolvimento histórico, problemas, características, conteúdo, importância e alvo da prédica evangélica.

   b)  homilética material
A homilética material refere-se ao material básico para se fazer homilética. O aluno aprende a lidar com as versões em português da Bíblia, chaves bíblicas, concordâncias, dicionários, léxicos, comentários, harmonias e panoramas bíblicos.

   c)   homilética formal.
A homilética formal estuda a estrutura do sermão, as três formas principais de sermões, as maneiras de apresentar o sermão, as formas alternativas de pregação e a avaliação do sermão.

3. O conteúdo da homilética
Com a Palavra de Deus, é nos dado o conteúdo da pregação. Pregamos esta Palavra, e não meras palavras humanas. Na comunicação da Palavra de Deus, lembramo-nos de que nossa pregação deve consistir nessa mesma Palavra: "Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus..." (1 Pe 4.11).
Este falar não é o nosso falar, sendo antes um dom de Deus, um charisma. No poder de Deus, nosso falar torna-se o falar de Deus: "... tendo vós recebido a palavra que de nós ouvistes, que é de Deus, acolhestes não como palavra de homem, e, sim, como, em verdade é, a palavra de Deus, a qual, com efeito, está operando eficazmente em vós, os que credes" (1 Ts 2.13; cf. 1 Co 2.4s.; 2 Co 5.20; Ef 1.13).
Concluímos, pois, que o conteúdo da homilética evangélica é a Palavra de Deus. Com ela, é-nos confiado um "tesouro em vasos de barro" (2 Co 4.7). É a responsabilidade dos "ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus" (1 Co 4.1), que anunciam "todo o desígnio de Deus" (At 20.27).

Fonte: Revista Pregador Cristão


 
Top