Li√ß√£o 8- Primeiras Profecias Messi√Ęnicas

21/08/2016
Obs. Li√ß√£o B√≠blica do 3° trimestre de 2016 – classe de Jovens.
TEXTO DO DIA
Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz (Is 9.6).

S√ćNTESE
O profeta Isaías fala do Messias como uma grande luz que dissiparia as trevas.
AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA - Is 714: O an√ļncio prof√©tico da vinda do Emanuel
TERÇA - Is 9.1,2: O profeta mostra a linhagem do futuro Rei
QUARTA - Is 9.6: Os adjetivos do Messias
QUINTA - Is 53.4,5: O profeta descreve a miss√£o do Messias
SEXTA - Is 53.11: A promessa de um Messias de justiça
S√ĀBADO - Is 12.6: O Messias trar√° alegria e j√ļbilo
LEIA TAMB√ČM:

OBJETIVOS
• MOSTRAR que apesar da desobedi√™ncia e castigo do povo de Deus, Ele n√£o deixaria de praticar a justi√ßa √†s na√ß√Ķes que oprimiram os israelitas;
• SABER que a vinda do Messias acompanhada da quebra de todo jugo;
COMPREENDER que os nomes de Jesus seriam nomes divinos, assim como Ele é divino.
INTERAÇÃO
A partir do cap√≠tulo 7, Isa√≠as come√ßa a falar a respeito da vinda do Messias. Isso traz um tom mais ameno √†s profecias de castigo, repreens√£o e quase exterm√≠nio do povo de Deus. Explique aos alunos que apesar de Deus n√£o tolerar o pecado e a injusti√ßa, Ele enviou seu filho para que, por interm√©dio dEle, todos fossem justificados e santos. Aproveite para falar da fal√™ncia humana em cumprir a lei. Fale tamb√©m a respeito da provis√£o de Deus em Cristo para que f√īssemos aceitos em amor. Cristo se doou a si mesmo na cruz para nos reconciliar com Deus.

ORIENTA√á√ÉO PEDAG√ďGICA
Escreva no quadro o seguinte título; "Os nomes do Messias". Em seguida, escreva os nomes apresentados no tópico III: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz. Então solicite aos alunos que falem o que significa cada nome. Lembre de provocar a reflexão acerca da forma como cada nome expressa uma aplicação para saciar os nossos anseios. Que sua aula possa ser produtiva, significativa e realmente transformadora para os seus jovens.

LEITURA B√ćBLICA
Isaías 9-2-4,6; 10.12,15
2      O povo que andava em trevas viu uma grande Luz, e sobre os que habitavam na regi√£o da sombra de morte res­plandeceu a luz.
3     Tu multiplicaste este povo e a alegria lhe aumentaste; todos se alegrar√£o perante ti, como se alegram na ceifa e como exultam quando se repartem os despojos.
4     Porque tu quebraste o jugo que pe­sava sobre ele, a vara que lhe feria os ombros e o cetro do seu opressor, como no dia dos midianitas.
6     Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado est√° sobre
os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.
12    Por isso, acontecer√° que, havendo o Senhor acabado toda a sua obra no monte Si√£o e em Jerusal√©m, ent√£o, visitarei o fruto do arrogante cora√ß√£o do rei da Ass√≠ria e a pompa da altivez dos seus olhos.
15    Porventura, gloriar-se-√° o machado contra o que corta com ele? Ou pre­sumir√° a serra contra o que puxa por ela? Como se o bord√£o movesse aos que o levantam ou a vara levantasse o que n√£o √© um peda√ßo de madeira!

INTRODUÇÃO
Isa√≠as √© um profeta criativo e rico em suas coloca√ß√Ķes. Trabalha a quest√£o da amea√ßa a Si√£o de forma amedrontadora, mas coloca ao lado dessas trag√©dias a esperan√ßa messi√Ęnica, N√£o fosse este √ļltimo assunto estar presente, suas profecias seriam muito tristes. √Č o Messias que d√° vida ao seu conte√ļdo prof√©tico e traz uma esperan√ßa que suplanta qualquer amea√ßa ou desobedi√™ncia.
Embora o povo de Israel fosse merecedor de todo o castigo de Deus por motivo de sua desobedi√™ncia deliberada e claramente exposta pela rejeitada profecia de Isa√≠as, Deus visitar√° a mal­dade do seu opressor, a Ass√≠ria. E tamb√©m lhes dar√° um escape, por meio das qualidades divinas somente presentes no Messias encarnado, como sendo o pr√≥prio Deus. √Č o amor de Deus pelo seu povo que o faz enviar seu pr√≥prio filho, Jesus Cristo, como Salvador, n√£o somente de Israel, mas de toda a humanidade.

l - CONSOLO AO POVO SOFREDOR
Deus n√£o toleraria a desobedi√™ncia de seu povo, que ap√≥s v√°rias advert√™ncias preferiu continuar no erro. Ele enviou reis e na√ß√Ķes poderosas para corrigi-los. Eles foram quase que dizimados, mas Deus teve miseric√≥rdia do remanescente (Is1.9; 6.13; 10.19; 11.1) e destruiu as na√ß√Ķes opressoras, trazendo, mais tarde, uma pequena parte de Israel novamente para Jerusal√©m prometendo-lhes o Messias. Assim, trouxe consolo ao seu povo so­fredor, embora profeticamente o escape final de Israel ainda est√° para acontecer.

1. O instrumento de Deus para corrigir o seu povo.
A forma que Deus se utilizou para corrigir o seu povo desobediente foi a Ass√≠ria. Mais tarde, as profecias de Isa√≠as indicar√£o que a Babil√īnia tamb√©m far√° parte desses castigos. Eles tinham ex√©rcitos pode­rosos e cru√©is, que esmagaram o povo de Deus. O profeta diz que pelo povo ter rejeitado a tranquilidade do rio de Deus, eles seriam invadidos pela enchente de um rio caudaloso e devastador, a Ass√≠ria (Is 8.67).

2. A arrog√Ęncia do instrumento de Deus.
Os Ass√≠rios eram um povo arro­gante. Embora nesse momento esti­vessem sendo instrumento de Deus, n√£o reconheceram essa verdade e diziam que tinham muita for√ßa pr√≥pria, sabedoria, intelig√™ncia; que tinham o poder de mover as na√ß√Ķes e remover seus limites, de roubar riquezas e des­tronar reis (Is 10.13,14). O profeta afirma que jamais um instrumento poder√° se gloriar contra aquele que o utiliza, como se o machado pudesse mover a m√£o do lenhador (Is 10.15).

3. Deus destruir√° o inimigo cruel.
Isa√≠as diz que Deus far√° definhar a Ass√≠ria. O pr√≥prio Senhor em um dia consumiria parte de seus ex√©rcitos (Is 10.16-19). Isso aconteceu quando de uma s√≥ vez morreram 185 mil soldados dizimados por uma peste, quando esse ex√©rcito estava acampado ao redor de Jerusal√©m para a destruir, depois de j√° ter destru√≠do todas as cidades em volta (2 Rs 19.35). Mas a destrui√ß√£o final da Ass√≠ria viria com a invas√£o dos medos e dos babil√īnios em 612 a.C. A magn√≠fica civiliza√ß√£o de ilimitada ambi√ß√£o e conquistas violentas e cru√©is terminaria, conforme descrito por Isa√≠as (10,24.25).

Pense!
√Ās vezes, algumas perdas e der­rotas nos ajudam a relembrar os nossos erros e nossas decis√Ķes equivocadas. Esse processo de lembran√ßa nos revela o lugar em que devemos retornar, a vontade de Deus.
Ponto Importante
A teologia do Messias √© de con­forto, esperan√ßa e restaura√ß√£o. O menino que nascer√° √© apre­sentado por /safas como o novo rebento de Davi, o verdadeiro Rei e Senhor da hist√≥ria.

II - O PODER DO MESSIAS
O Messias para Israel seria o grande libertador que finalmente tiraria do seu povo a vergonha de ser escravizado e subjugado por outros povos, como no caso da Ass√≠ria e Babil√īnia. Somente Ele teria poder para trazer liberta√ß√£o total e completa. Todos os demais reis frustraram a esperan√ßa do povo, mas este seria vencedor. Essa mesma im­port√Ęncia Jesus assumiu para o povo da nova alian√ßa, a Igreja.

1. A grande luz do menino que nas­ceu.
A import√Ęncia da luz na B√≠blia se d√° pelo fato de simbolizar e estar ligada √† vida e √† felicidade. Por isso Deus √© comparado √† luz, pois dEle emana a vida e a felicidade (Tg 1.17). Nenhuma vida seria poss√≠vel na Terra se n√£o houvesse abund√Ęncia de luz; nenhuma vida espi­ritual teriam as pessoas que conhecem a Deus se Ele n√£o as alimentasse com sua luz poderosa. Desta forma se diz do Messias que vir√°, que Ele irradiar√° uma grande luz, iluminando os que andavam na escurid√£o (Is 9.2).

Agora n√£o haver√° mais desorienta√ß√£o nem confus√£o, pois o Messias, o Cristo, j√° proporcionou abundante Luz para os seus filhos, pois diante dessa luz h√° clareza no caminho (Jo 14.6). Aqueles que moravam em regi√Ķes de morte t√™m agora lugar permanente na vida abundante (Jo 5.24).

2. A imensa alegria (Is 9.3).
Isa√≠as compara a alegria que o Messias traria √† mesma que havia na √©poca das colheitas (dia de pagamento com aumento de sal√°rio) ou como num despojo de guerra em que conseguissem muitas riquezas. Avinda de Cristo √† Terra representa uma boa nova, expressa nos Evangelhos, t√£o extraordin√°ria que o anjo que apareceu aos pastores em muita gl√≥ria, a ponto de eles ficarem aterrorizados, disse: vos "trago novas de grande alegria, que ser√° para todo o povo" (Lc 2.10). A alegria de Cristo consiste no fato de Ele ter poder para perdoar pecados, salvar, curar e batizar no Esp√≠rito Santo, mas al√©m disso, estar com Cristo √© estar com a fonte permanente de alegria. Assim, mesmo em meio a tribula√ß√Ķes e ang√ļstias, podemos experimentar sua alegria em nossa alma.

3. A quebra do jugo (Is 9.4).
Jugo designa na B√≠blia uma pe√ßa de ferro ou madeira que era colocada no pesco√ßo do boi para control√°-lo, ou seja, um instrumento de opress√£o e submis­s√£o. N√£o existe nada pior para o ser humano do que ser aprisionado por algum jugo. Existem muitas pessoas aprisionadas pelo pecado, por outras pessoas ou mesmo por situa√ß√Ķes da vida que as oprimem e subjugam, mas Cristo, o Messias, veio para estra√ßalhar qualquer jugo e tornar todos os que o reconhecem como Cristo completa mente livres.

Pense!
Fomos feitos para ser pessoas Livres, e não escravas. Por isso, o evangelho do Messias é para Libertar, transformar e Livrar os homens do jugo do Maligno.
Ponto importante
O profeta Isaías leva o povo a fixar sua esperança somente em Deus. Aceitar que somente Ele tem o verdadeiro poder de trazer a alegria, o consolo e conduzir o povo a um novo momento de sua história.

III - OS NOMES DO MESSIAS
 1. Maravilhoso Conselheiro.
Con­trapondo a confus√£o do povo que n√£o sabia o que deveria fazer, pois preferiram conselhos errados (Is 3.4,12), agora essa realidade muda com o Messias; os rumos ser√£o corretos porque os conselhos ser√£o corretos. Nada melhor do que seguir na Luz dos conselhos de Cristo, descritos nos Evangelhos, para ter uma vida bem--sucedida. As principais escolhas da sua vida precisam ser estabelecidas a partir dos maravilhosos conselhos daquEle que foi chamado de Deus Forte.

2. Deus Forte.
Conselho e for√ßa precisam andar juntos; se faltar um, o outro qualificativo perde sua import√Ęncia. Contrapondo a fraqueza dos governantes que oprimiram os fracos e desvalidos, mas tamb√©m se sobrepondo aos pa√≠ses que oprimiram Israel, como Ass√≠ria e Babil√≥nia, agora o Deus Forte assume o controle. Ele tem todo o poder e pode governar (Is 10.1,2). Deus √© infinitamente mais forte que todos os inimigos e vai dar descanso ao seu povo. Al√©m disso, √© na for√ßa de Deus que o Messias, tamb√©m sendo Deus, impor√° a justi√ßa e o direito, ningu√©m mais oprimir√° seu pr√≥ximo, pois a equidade √© estabelecida. Ele √© forte o suficiente para estabelecer a t√£o esperada paz.

3. Pai da Eternidade.
Ele contrap√Ķe a efemeridade de tudo que √© humano, "e ele √© antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele" (Cl 1.17).

Exatamente por Ele ser eterno, sem começo nem fim, é que é o Deus Forte que controla e mantém todas as coisas em seu devido lugar, com todas as leis da natureza por Ele criadas e sustentadas. Antes que houvessem sido criados céus e terra Eleja existia (Jo 1.1), pois Ele criou a própria eternidade. Além disso, Ele existirá para todo o sempre, numa perpetuidade de poder, glória e majestade.

4. Príncipe da Paz.
Shalom em hebrai­co √© mais do que estado de tranquilidade, mas tamb√©m sugere prosperidade, espa­√ßo, riqueza, sa√ļde, bem-estar, felicidade e contentamento. Contrapondo o ambiente de guerra, desola√ß√£o, viol√™ncia e injusti√ßa, o Messias traria uma paz perp√©tua que nenhum poder ou inconveniente poderia tirar, A paz do Pr√≠ncipe seria muito mais do que aus√™ncia de guerras e viol√™ncia, mas tamb√©m de provis√£o inesgot√°vel de salva√ß√£o e b√™n√ß√£os para o povo de Deus, pois somente onde h√° completa liberta√ß√£o e abund√Ęncia da bondade de Deus √© que se estabelece a paz.

O mundo inteiro anseia por paz. Hoje existem mais conflitos do que jamais houve na terra, n√£o somente b√©licos, mas tamb√©m na sociedade violenta e nas fam√≠lias disfuncionais. Mas o Pr√≠ncipe da Paz estabelece sua paz √†queles que hoje se entregam ao seu governo e num futuro pr√≥ximo dar√° paz completa para toda a sociedade e todos os povos e na√ß√Ķes da terra, conforme diz o salmista em Salmos 72.12-14.

Pense!
As principais escolhas da sua vida precisam ser estabelecidas a partir dos maravilhosos conse­lhos daquEle que foi chamado de Deus Forte,
Ponto importante
Os nomes atribu√≠dos ao Messias s√£o o contraponto de toda a situa√ß√£o hist√≥rica que o povo es­tava vivendo nos dias do profeta Isa√≠as. No entanto, esses nomes de Deus ainda podem ser consi­derados nos dias atuais da Igreja.

SUBS√ćDIO 1
Maravilhoso Conselheiro deveria ser hifenizado. [...] Jesus foi uma maravilha pessoal Ele foi alguém Maravilhoso que deu conselhos Maravilhosos, Isaías está expressando o atributo divino do Onisciente, mas exprimindo-o em forma verdadeiramente hebraica.
Deus Forte sugere o guerreiro divino ou o herói divino, Ele tem valor sobre--humano, não simplesmente porque o Espírito do Deus Todo-Poderoso está sobre Ele com unção, mas porque a natureza da deidade essencial habita nEle.

Pai da Eternidade √© melhor enten­dido como Pai Eterno, ou Pai perpetu­amente. Designar algu√©m como 'o Pai de' √© uma maneira hebraica e ar√°bica de dizer que Ele √© propriamente a fonte da coisa designada como seu atributo.

Príncipe da Paz é um nome que indica um governo bem-sucedudo com prosperidade abençoada e verdadeira, Paz pertence ao reino ideal. Mas R.B.Y. Scott está correto em sugerir 'Príncipe Beneficentecomo um significado mais correto. O termo hebraico Shalom indica não somente uma ausência de guerra, mas uma condição de bem-estar rica, harmoniosa e positiva" (Comentário Bíblico Beacon. Vol 4: Isaías e Daniel. 2. ed, Rio de Janeiro: CPAD, 2012)

SUBS√ćDIO 2

Emanuel (7.14)
O nome significa 'Deus conosco'. Mas a comum e enfática posição das palavras compondo o nome mostra que devia ser entendido como 'Conosco está Deus!' Assim, o nome Emanuel capta a admiração e maravilha da encarnação e o inimaginável fato de que o Deus do Universo entrou na corrente do tempo para tornar-se um conosco.

Nascimento virginal (7.14). A palavra hebraica traduzida por virgem significa Jovem mulher em idade casadora'.
O ideal hebraico de casamento faz uma tradução como Virgem' igualmente, Entretanto, a intenção é absolutamente clara em Mateus 1.23, que cita Isaías e usa palavra grega, parthenos que inequivocadamente significa Virgem'. De fato, o conceito de nascimento viriginal é um fundamento básico do cristianismo bíblico" (RICHARS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Génesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10 ed, Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p, 415).

CONCLUSÃO
O profeta Isa√≠as √© po√©tico ao falar da vinda do Messias. Ele aborda o assunto falando da grande luz que dissiparia as trevas, da imensa alegria, da quebra de todo jugo e lhe atribui nomes que somente cabem para Ele. Com isso, revela como Deus √© compassivo e perdoador para com o desobediente arrependido. Embora o profeta utilize abundan­te linguagem simb√≥lica, a realidade que a mesma aponta √© concreta, real e no tempo oportuno cumprir-se-√°.

HORA DA REVISÃO
1. Qual foi o instrumento que Deus usou para repreender seu povo?
A Assíria.
2. Que met√°fora Isa√≠as utiliza para se referir √† arrog√Ęncia da Ass√≠ria?
Deque jamais um instrumento poder√° se gloriar contra aquele que o utiliza.
3. Qual o símbolo que a luz tem na Bíblia?
Simboliza a vida e a felicidade, por isso Deus é comparado à luz.
4. O que significa Pai da Eternidade?
Que Jesus é eterno, sem começo nem fim.
5. Por que Isaías chama de Jesus de o Príncipe da Paz?
Porque estabelece sua paz √†queles que hoje se entregam ao seu governo e num futuro pr√≥ximo dar√° paz completa para toda a sociedade e todos os povos e na√ß√Ķes da terra.