FECHAR




Lição 1 – A Epístola aos Romanos

Lições Bíblicas de Adulto - 2º Trimestre de 2016.
OBS. Subsídios teológico para a lição 1 – A Epístola aos Romanos
O tribunal está repleto de um drama intenso enquanto o advogado do queixoso tenta provar a culpa, e o advogado do réu constrói o caso tentando provar a inocência deste. O juiz e os jurados ouvem atentamente preparando-se para dar o veredicto. 
Embora não houvesse romanos presentes na corte, esta carta, dirigida aos crentes romanos, se parece com o depoimento de um advogado, enquanto Paulo, lenta e habilmente, introduz o caso a favor do Evangelho.



Paulo era estudioso e um viajante do mundo. Ele era fariseu e cidadão romano. Porém, mais importante, Paulo era um seguidor de Jesus Cristo. Por não ter visitado Roma, escreveu esta carta para
se apresentar aos crentes dali e preparar caminho para sua visita.

Assim, sob a inspiração do Espírito Santo, ele claramente delineou a mensagem cristã. Seus leitores saberiam que este cidadão romano era, primeiramente, um cidadão do Reino dos Céus, um irmão em Cristo.

AUTOR
Paulo (Saulo de Tarso): Fariseu, apóstolo, missionário pioneiro da
igreja.
Quando Paulo escreveu sua carta para a igreja em Roma, ele ainda não havia estado lá, mas está claro que havia levado o Evangelho desde “Jerusalém... até ao Ilírico” (15.19). Ele planejava um dia visitar e pregar em Roma, e esperava continuar levando o Evangelho mais longe na direção oeste - até mesmo à Espanha.

Paulo era, cultural e religiosamente, um judeu de nascimento e por opção. Sabemos pouco sobre sua juventude exceto que ele era de
Tarso, que estava situada a uma grande distância ao norte e a oeste de Jerusalém, na Cilícia.

Ao adentrar o cenário bíblico na confrontação com Estevão (At 7.58) vemos Paulo como um jovem fariseu zeloso da fé e dando sua aprovação à morte de Estevão. Mais tarde, ficamos sabendo que Paulo havia sido treinado por Gamaliel, o mestre judeu mais respeitado daqueles dias (At 22.3). Paulo era tão profundamente judeu que se tornou obcecado pela eliminação da jovem seita cristã que ele via como herege (At 8.1-3; 9.1,2).

Paulo era judeu, mas era também um cidadão romano (At 22.28). O poderoso Império Romano estendia-se para muito além da Italia, através da Macedônia e da Ásia, até os limites da Judéia.

Clique e acesse
Embora todos os que viviam no território conquistado estivessem sob a dominação romana, nem todos eram cidadãos romanos. Este era um privilégio especial. Era possível se tornar um cidadão romano por nascimento (nascido de pais que eram cidadãos) ou pela compra deste título. E com a cidadania romana vinham certos direitos e garantias (por exemplo, o direito a um julgamento justo e o direito de ter livre trânsito pelo império).

Assim, Paulo tinha dupla cidadania - em Israel e em Roma - e ambas eram importantes para ele. Mas Paulo era ainda um cidadáo de uma outra nação, o Reino de Deus. Como judeu zeloso, munido com a autoridade do sumo sacerdote, tinha viajado para Damasco para encontrar e capturar cristãos; porém ele foi confrontado por Cristo (At 26.12-18).

Daquele momento em diante, Paulo tinha um novo Imperador, um novo Comandante em chefe.

O Ministério de Paulo.
Após sua conversão a Cristo (At 9.1-19), Paulo passou três anos em Damasco com Ananias e os outros discípulos daquela cidade (G1 1.18). Lá começou seu ministério (At 9.20-23). Paulo retornou então a Jerusalém, patrocinado por Barnabé, que o encorajou e o apresentou aos apóstolos.

Mas depois de atentados contra sua vida por parte de seus antigos colegas, zelosos judeus, ele  foi enviado pelos apóstolos a Tarso. (Passar-se-iam quatorze anos antes que ele retornasse a Jerusalém - veja G1 2.1)
Paulo permaneceu na regiáo norte por cerca de oito anos, firmando-se na fé e ensinando nas igrejas, especialmente em Antioquia (At 11.25,26).

A igreja em Antioquia comissionou Paulo e Barnabé, enviando-os na primeira viagem missionária (At 13.2,3) a Chipre, Panfília e Galácia (At 13.4-14.28). Esta viagem ocorreu em 46—48 d.C. Em cada cidade, Paulo tentava primeiro alcançar os judeus com o Evangelho; depois os gentios, que estavam fora da sinagoga, os quais respondiam em grande número.

A resposta dos gentios enfurecia, ainda mais, os judeus e levava até mesmo os apóstolos e outros crentes a questionarem o ministério de Paulo. Mas o problema de levar o Evangelho aos não judeus foi, de certa forma, resolvido no Concílio de Jerusalém em 50 d.C. (Atos 15).

Paulo realizou outras duas viagens missionárias, estabelecendo igrejas em Éfeso, Filipos, Tessalônica, Corinto e outras cidades ao longo da costa mediterrânea e em seu interior. Essas viagens ocorreram em 50-52 e em 53-57 d.C. Durante a sua terceira viagem missionária, Paulo decidiu retornar a Jerusalém para entregar a oferta em dinheiro que ele havia coletado entre as igrejas, embora soubesse que inimigos o estivessem esperando (At 20.22-24).

A chegada de Paulo em Jerusalém foi inicialmente pacifica (At 21.17-19), mas quando ele foi reconhecido no templo, uma turba violenta o cercou e tentou matálo (At 21.27-32). Isso levou sua conversa com o comandante e o início de uma série de julgamentos que por fim o levaram a Roma em 59 d.C. (At 28.11-16).

Embora estando sob a guarda romana em uma casa, Paulo foi capaz de dar continuidade ao seu ministério, enquanto estava em Roma, ensinando a todos que vinham para visitá-lo e ouvi-lo. Além disso, ele foi capaz de escrever as “Epístolas da Prisão”: Efésios,
Filipenses, Colossenses e Filemom. Esta condição durou dois anos (At 28.17-31).

De acordo com a tradição, Paulo foi libertado após esses dois anos. Algumas razões para essa tradição são as seguintes:

(1) Lucas não fornece uma versão detalhada do julgamento de Paulo diante de César e Lucas era um historiador detalhista;

(2) a acusação tinha dois anos para levar o caso a julgamento e pode ser que o prazo tivesse se esgotado;
(3) na carta de Paulo aos Filipenses, escrita durante seu aprisionamento em Roma, ele sugeria que logo seria libertado e faria mais viagens;

(4) Paulo mencionou vários lugares onde pretendia o Evangelho, mas ele nunca havia visitado esses lugares em suas três primeiras viagens; e

(5) a antiga literatura cristã fala claramente sobre outras viagens de Paulo.
Após sua libertação, Paulo provavelmente partiu em outra viagem missionária até Éfeso onde deixou Timóteo (1 Tm 1.3), indo depois para Colossos (Fm 22) e depois para a Macedônia. Ele pode ter também realizado seu objetivo de ir até a Espanha (Rm 15.24, 28). Por fim, ele provavelmente foi para o leste e visitou Creta (Tt 1.5), onde deixou Tito para organizar e liderar a igreja. Durante este período de liberdade, Paulo escreveu 1 Timóteo e Tito.

Por fim Paulo foi preso uma segunda vez e retornou a Roma. Esta experiência na prisão difere grandemente da primeira - desta vez Paulo ficou isolado e sozinho, aguardando a execução (2 Tm 4.9-18). Entretanto ele foi capaz de escrever 2 Timóteo. Paulo foi martirizado na primavera de 68 d.C.

Do início até o fim o ministério de Paulo se concentrou em levar as boas novas de Cristo ao mundo. Apesar do assédio e da violenta perseguição, ele corajosamente aproveitou cada oportunidade para falar aos outros sobre o Salvador, ensinando, pregando, fazendo sua defesa no tribunal e compartilhando a Palavra de Deus com cada pessoa, individualmente. Paulo tinha a sua identidade e cidadania em Cristo.

Ele estava comprometido a obedecer a Deus, seu verdadeiro Imperador, não importando o que acontecesse.
Ao escrever para a igreja em Roma, portanto, ele estava primeiro escrevendo como um cidadão dos céus. Ainda assim, Paulo estava também escrevendo como um cidadão romano para as pessoas que viviam no ápice do poder do mundo - a capital do Império Romano. Paulo sentia a tensão entre essas duas lealdades; ele conhecia os conflitos que seus reitores estariam enfrentando.

DATA E LOCAL
Escrita em Corinto em 57 d.C. Durante o ministério de Paulo em Corinto, ele encontrou Áqüila e Priscila, judeus que haviam deixado Roma seguindo uma ordem do imperador Cláudio (At 18.2).

Eles eram fabricantes de tendas, um negócio que Paulo também conhecia. Enquanto esteve em Corinto, Paulo viveu e trabalhou com Áqüila e Priscila, e teve um impacto tremendo no crescimento espiritual deles (At 18.3).

Mais tarde este casal devoto retornou para Roma e tornou-se líder na igreja local (Rm 16.3-5). Durante esta viagem, Paulo estava levantando uma oferta em dinheiro para a igreja em Jerusalém, que era pobre e lutava contra uma penúria devastadora.

Durante três anos desta viagem Paulo ministrou em Éfeso. Mas após uma revolta (At 19.23-41), ele partiu para a Grécia, onde permaneceu por três meses (At 20.2,3) antes de partir para Jerusalém com o dinheiro que havia coletado (Rm 15.25,26).

Grande parte dos três meses foi passada em Corinto. Foi quando Paulo escreveu sua carta aos romanos. Note a referência a Gaio, um crente coríntio (1 Co 1.14) que era conhecido dos crentes em Roma (Rm 16.23).

Embora Paulo nunca houvesse estado em Roma, há muito tempo ele ansiava ir até lá (Rm 1.9-13). O apóstolo estava planejando visitar a igreja de Roma em seu caminho para a Espanha, após entregar à igreja de Jerusalém o dinheiro que havia coletado (Rm 15.25-29).

DESTINATARIOS
Cristãos em Roma A cidade de Roma. Roma era a capital do vasto e poderoso Império Romano, um império que se estendia da Britânia à Arábia. Verdadeiramente, todas as estradas levavam a Roma. Seria, portanto, natural que Paulo quisesse visitar essa grande cidade, não meramente como um cidadão cumpridor dos seus deveres ou um turista curioso, mas como um evangelista abençoado que desejava atingir o mundo para Cristo.

Fundada em 753 a.C., Roma estava estrategicamente localizada no rio Tigre como uma passagem indispensável para viajar entre o norte e o sul da Itália.
Nos dias de Paulo, Roma era a maior cidade do mundo, com uma população de aproximadamente um milhão de pessoas. Rica e cosmopolita, a cidade era o centro diplomático e comercial do mundo.

O Império Romano fornecia estabilidade, ordem, e o sistema legal para os lugares conquistados. A paz romana transformava viajar em algo seguro, e as estradas romanas em trajetos rápidos e fáceis.

Existem evidências de uma colônia judaica em Roma datada do segundo século a.C. A colônia era pequena até a incorporação da Judéia ao Império Romano em 63 a.C., quando Pompeu pediu a deportação de judeus para Roma. Então a população judaica se expandiu. Em 59 a.C., Cícero escreveu que os judeus de Roma eram um grupo grande, poderoso e influente.

Durante o período da República Romana (527-509 a.C.) os romanos adotaram e “romanizaram” os deuses gregos. Assim Zeus, o rei dos deuses, tornou-se Júpiter, Hera tornou-se Juno, Posêidon tornou-se Netuno, Hermes tornou-se Mercúrio, e Afrodite tornou-se Vênus. A adoração ao imperador também era encorajada. Esta adoração era imposta em vários graus, dependendo da disposição do imperador.

Os judeus tinham padrões de adoração muito diferentes, e nunca adoravam ao imperador; assim, a comunidade judaica foi freqüentemente perseguida e expulsa de Roma. Áqüila e Priscila foram deportados de Roma por um edital de Cláudio em 49 d.C. Cada vez que o edital de deportação prescrevia, os judeus retornavam. Este era o caso do edital de Cláudio.

Como era ser cristão em Roma?
Era ser minoria distinta e oprimida. De muitas maneiras Roma era uma cidade secular preocupada com problemas financeiros e políticos. Mas era também uma cidade muito religiosa. Sua religião pagã era centrada em Júpiter e outros deuses, e incluía muitas superstições. Sendo assim, judeus e cristãos que insistiam em apenas um Deus eram vistos como ateístas porque eles negavam a existência de todas as outras divindades.

Inicialmente, o cristianismo era tolerado em Roma como uma seita do judaísmo. Mas nos últimos anos do reinado do imperador Nero (54—68 d.C.) ele autorizou a perseguição, tortura e matança de cristãos. Em 64 d.C., grande parte de Roma foi destruída por um incêndio que muitos pensavam ter sido ordenado pelo próprio
imperador. Nero, entretanto, acusou os cristãos da cidade pelo incêndio, tirando de si a culpa por quaisquer atrocidades.

A morte dos cristãos
O historiador secular Tácito escreveu:
A morte dos cristãos se tornou um esporte. Eles eram cobertos com peles de animais selvagens e destroçados em pedaços por cachorros. Ou amarrados a cruzes em que era ateado fogo para servir como tochas à noite... Nero havia oferecido seus jardins para o espetáculo, e fazia exibições em seu circo, misturando-se com a multidão, caracterizado como um cocheiro de biga ou montado em sua carruagem (Annals 15.44).

Durante essas terríveis perseguições, os cristãos eram obrigados a escolher entre oimperador e Cristo; aqueles que escolhiam Cristo, muitas vezes morriam por sua fé.

Acredita-se que Pedro e Paulo foram vitimas do terror de Nero. A igreja em Roma. Os fundadores da igreja em Roma não são conhecidos. Ela não foi iniciada por Pedro - seu ministério era voltado aos judeus, e parece que ele passou a permanecer em Roma logo após a chegada de Paulo por volta de 60 d.C.

A igreja que estava ali não foi fundada por Paulo - ele admitiu não ter estado lá (Rm 1.11-13; 15.23,24). E mais provável que a igreja tenha sido iniciada por judeus que estavam em Jerusalém para a celebração da Páscoa, e que se converteram através do poderoso sermão de Pedro e a descida do Espírito Santo em 30 d.C. (At 2.5-40).

Esses novos crentes logo se juntaram a viajantes como Áqüila e Priscila que ouviram as boas novas em outros lugares e a levaram para Roma.

Primeiramente a igreja romana era judaica; ou seja, os membros eram judeus que se tornaram crentes em Jesus como seu Messias. Porém ao longo dos vinte e sete anos subseqüentes, muitos cristãos de todo o Império Romano haviam migrado para Roma; alguns deles se converteram através da mensagem do próprio Paulo, e muitos deles eram gentios. Os anfitriões eram, provavelmente, uma pequena comunidade de crentes e não uma igreja altamente organizada. Ou seja, não havia líderes ordenados
de qualquer espécie. E os cristãos romanos realizavam os cultos em várias casas e em outros locais de encontro, e não em uma igreja (16.5,14-16).

Quer fosse organizada ou não, essa igreja se tornara grande e influente - “Em todo o mundo é anunciada a vossa fé” (1.8). A comunidade da igreja refletia a sociedade romana; isto é, era uma mistura cosmopolita de crentes de uma vasta variedade de origens e modos de vida.

OCASIÃO E PROPÓSITO
O propósito principal para esta carta de Paulo ser escrita naquele momento era preparar o caminho para sua visita a Roma, informar os crentes em Roma de seus planos de visita, e conseguir o apoio deles para o seu futuro ministério na Espanha.

Paulo ansiava por visitar Roma e se Deus quisesse, logo ele estaria lá (1.10-13). O apóstolo sabia que Roma era a cidade mais importante do império, com uma influência que se espalhava por toda parte - ministrar ali seria estratégico.

Paulo queria também contra-atacar qualquer mal entendido a respeito de seus objetivos e de sua mensagem - havia uma difamação muito difundida dirigida a ele por alguns colegas cristãos e muitos judeus (por exemplo, veja 1 Coríntios 3 e 2 Coríntios 10-12). Para muitos cristãos romanos, Paulo era apenas um nome; eles nunca o haviam encontrado e apenas tinham ouvido falar dele.

Assim, Paulo consumiu algum tempo para construir sua credibilidade e autoridade demonstrando cuidadosamente sua teologia. É como se ele estivesse dizendo: “Aqui está quem eu sou e aquilo em que acredito”.

Outro propósito para Paulo escrever era edificar os romanos em sua fé, pois eles não tinham líderes ou mestres apostólicos. Ele conhecia os conflitos inevitáveis que se apresentariam aos cidadãos do Reino de Cristo na maior cidade do Império Romano. Esta era uma igreja que náo possuía uma Bíblia completa — eles tinham as Escrituras hebraicas (o Antigo Testamento), mas os Evangelhos ainda não haviam sido escritos e as outras Epístolas haviam sido enviadas para outras igrejas.
Esta carta, portanto era a primeira peça de literatura estritamente cristã que esses crentes veriam. Assim, sob a inspiração do Espírito Santo, Paulo, de forma clara e cuidadosa, redigiu esta obra prima teológica que traz a forte mensagem do supremo poder de Deus, e da justificação pela fé.


MENSAGEM
Após uma breve introdução, Paulo apresenta os fatos do Evangelho (1.3) e declara a sua fidelidade a ele (1.16,17).

Ele dá continuidade à mensagem, construindo um caso incontestável para a perdição da humanidade e a necessidade da intervenção de Deus (1.18-3.20). Paulo apresenta, então, as boas novas: a salvação está disponível para todos, independente da identidade, do pecado ou do patrimônio da pessoa. Somos salvos por um ato de generosidade - não conquistada nem merecida - de Deus através da completa fé em Cristo e em sua obra consumada.

Através dele podemos estar diante de Deus justificados e “inocentes” (3.21-5.21). Sobre esta base, Paulo entra diretamente em uma discussão sobre a liberdade que vem com a salvação - liberdade do poder do pecado (6.1-23), liberdade do domínio da Lei (7.1-25), liberdade para se tornar igual a Cristo e descobrir o ilimitado amor de Deus (8.1-39).

Falando diretamente a seus irmãos e irmãs judeus, Paulo compartilha sua preocupação para com eles, e explica como eles se encaixam no plano de Deus (9.1- 11.12). Deus criou o caminho para que os judeus e os gentios se unissem no corpo de Cristo; os dois grupos podem louvar a Deus por sua sabedoria e amor (11.13-36).

Paulo explica o que significa viver em completa submissão a Cristo; Usar os dons espirituais para servir aos outros (12.3-8), amar genuinamente aos outros (12.9-21) e ser bons cidadãos (13.1-14). A liberdade precisa ser guiada pelo amor enquanto ajudamo-nos uns aos outros a crescer na fé, sendo sensíveis e ajudando àqueles que são mais fracos (14.1-15.4).

O apóstolo finaliza a sua carta revendo suas razões para ter escrito, delineando seus planos pessoais (15.22-33), cumprimentando seus
amigos, tecendo alguns comentários finais e enviando os cumprimentos de seus companheiros de viagem (16.1-27).
Os principais temas no livro de Romanos incluem: Pecado, Salvação, Crescimento Espiritual, Soberania e Serviço.

Pecado (1.18—3.20). Antes de anunciar as Boas Novas, Paulo dá a má notícia: Toda a raça humana permanece condenada como pecadora, merecendo a ira e a punição de Deus. Desde a rebelião de Adão contra Deus, nossa natureza tende a desobedece-lo.

Nosso pecado nos separa de Deus. O pecado faz com que queiramos seguir nosso próprio caminho ao invés do caminho de Deus. Porque Deus é moralmente perfeito, justo e imparcial. Ele está certo em condenar o pecado. Todos os seres humanos são pecadores. Todos os seres humanos são culpados — merecedores da pena capital.

1- IMPORTÂNCIA PARA HOJE.
É fácil apontar o dedo para os outros, observando os seus pecados, fechando os olhos à sua evidente condenação.

Ao agir assim, nós muitas vezes nos comparamos a eles e dessa forma desculpamos nossa própria desobediência e fraquezas. Mas a terrível verdade é que todas as pessoas pecaram, por se rebelarem contra Deus ou por ignorarem a sua verdade. Quando comparados com o padrão de perfeição de Deus somos completamente reprovados. Assim permanecemos condenados, não importa quão religiosos sejamos. Independentemente de nossa vivência, ou do quanto tentemos viver dentro de bons padrões morais, não conseguimos obter a salvação ou remover nossos pecados.

Só Cristo pode nos salvar. Salvação (3.21—5-21). Os romanos tinham uma variedade de deuses e crenças religiosas para escolher. Em nossa sociedade pluralista, que tem em alta conta a “tolerância e a mentalidade aberta”, uma ideia popular é que todas as religiões são essencialmente “a mesma coisa”, e igualmente eficazes. Os cristãos, portanto, são muitas vezes vistos como de mentalidade estreita e dogmáticos ao insistirem em que Cristo é o único caminho para Deus. Mas isso é o que Jesus ensinou, e é a verdade que Paulo afirma aqui em Romanos.

2- IMPORTÂNCIA PARA HOJE.
Embora possamos perder popularidade ao insistir em que a salvação vem somente através da fé em Cristo, devemos ser leais em nosso compromisso com o Evangelho porque ele é a verdade. Devemos explicar que a exclusividade da mensagem está longe de ser hermética e tacanha - ela é uma Boa Nova.

Após reconhecermos a completa perdição em nossos pecados, podemos dizer: “Graças a Deus há um caminho!” Ao crer em Jesus Cristo e aceitá-lo como Salvador, homens e mulheres podem entrar em um novo e maravilhoso relacionamento com Deus.

Crescimento Espiritual (6.1-8.17).
Os novos seguidores de Cristo devem amadurecer em seu relacionamento com Deus fugindo continuamente do pecado e obedecendo a Deus. Paulo explica que pelo poder de Deus os crentes são libertados do ciclo de pecado e morte e são santificados — consagrados. Isto significa que eles são separados do pecado e habilitados a obedecer e a se tornar mais parecidos com Cristo (6.1-7.6). Embora libertar-se do grilhão do pecado possa ser trabalhoso,
os cristãos podem ser totalmente libertos, por causa da obra de Cristo e através do poder do Espírito Santo (7.7-25). E quando os crentes estão crescendo em seu relacionamento com Cristo, o Espírito Santo os liberta das exigências da lei e do medo do julgamento (8.1-17).

3- IMPORTÂNCIA PARA HOJE.

Por estarmos livres do controle do pecado, das exigências da lei e do medo da punição de Deus, podemos crescer em nosso relacionamento com Cristo. Ao confiarmos no Espírito Santo e deixarmos que Ele nos ajude, podemos vencer o pecado e as tentações (8.1,2).

Soberania (8.18—11.36).
Uma palavra que resumiria o governo romano é poder. Neste ambiente, Paulo expressou a mensagem da soberania de Deus. Esta é uma verdade crucial para os cristãos romanos entenderem e crerem, pois é neste ponto que o reino de Deus e o reino de Roma atingirão o maior conflito. Logo os crentes terão que escolher entre a fidelidade a Roma e a fidelidade a Cristo. Conhecer o reino de Deus tornará essa escolha muito mais fácil.

4- IMPORTÂNCIA PARA HOJE.

O nosso mundo também é obcecado por poder- na política, nos negócios, e nos relacionamentos. Poder significa controle, influência, segurança e tranquilidade.

Em face dessa avidez pelo poder, os cristãos podem se sentir isolados e sozinhos. E como uma minoria sem poder, podemos nos
sentir discriminados e perseguidos. Como os crentes romanos, precisamos ouvir a mensagem de Paulo reafirmando a soberania de Deus, lembrando-nos de que a nossa fidelidade não é para com os insignificantes deuses deste mundo e suas ofertas sem valor de poder e prestígio. Nós pertencemos ao Soberano do universo.

Serviço (12.1—15.13).
O tema final de Paulo é o servir; servir a Deus e aos outros membros do corpo de Cristo, a igreja. Embora os cristãos constituíssem uma pequena minoria da população de Roma, eles ainda podiam fazer a diferença para Cristo. Como? Vivendo como homens e mulheres “transformados” (12.2).

Durante aqueles dias difíceis, com todas as pressões e tentações da sociedade que os cercavam, era importante para os cristãos serem um grupo unido (15.5) e amoroso.

Se os homens e as mulheres verdadeiramente honrarem a Cristo como Senhor, os resultados desta atitude serão patentes em suas vidas. Eles serão conhecidos por seu amor na comunidade e na igreja.

5- IMPORTÂNCIA PARA HOJE.

Se nós, os crentes, pretendermos causar algum impacto neste mundo de uma forma favorável a Cristo, devemos amar como Cristo
amou, ajudando aqueles que precisam e servindo com humildade e graça.

Este exemplo de amor deve começar em nossas igrejas. A unidade, o encorajamento e o apoio devem ser o nosso objetivo, no lugar dos muitos alardeados argumentos, separações e, até mesmo, processos legais. As pessoas levarão as afirmações de Cristo a sério quando virem o que Ele fez na vida daqueles que são portadores de seu nome — os cristãos.

ESBOÇO DE ROMANOS
I. Em que Acreditar (1.1-11.36)
A. A pecaminosidade da Humanidade
B. O perdão dos pecados através de Cristo
C. A libertação do domínio do pecado
D. O passado, presente e futuro de Israel
II. Como se Comportar (12.1-16.27)
A. Responsabilidade pessoal
B. Notas pessoais


Fonte: Comentário Bíblico Aplicação Pessoal, CPAD / Divulgação: †Subsídios EBD


Blog: Subsídios ebd
A ferramenta de Pesquisas e Estudos dos Professores e Alunos da Palavra de Deus" (sub-ebd.blogspot.com.br). 
ATENÇÃO! Todos os artigos aqui postados podem ser reproduzidos, desde que a fonte seja citada com link para o site (sub-ebd.blogspot.com.br).