FECHAR<===

Ao discorrer sobre o panorama da educação do mundo ocidental, John D. Redden não é nada otimista: "O pensamento e ação educacionais modernos caracterizam-se pela confusão e indecisão".


1. A educação dos povos
Necessitamos de uma filosofia da educação cristã bem definida, porque a Grande Comissão que nos confiou Jesus contempla, necessariamente, a educação dos povos (Mt 28.19,20).
2. A Igreja com educadora por excelência do ser humano
Necessitamos de uma filosofia da educação cristã bem definida porque a Igreja não é somente uma comunidade adoradora e proclamadora. Em sua proclamação e adoração, avulta-se ela, de igual modo, como a educadora por excelência do ser humano.
O teólogo suíço Karl Barth afirma: "A Igreja deve examinar seu testemunho para assegurar-se de que ele é fiel. Desde modo, a fé a vida da igreja estão sendo sempre provadas à luz da continua exegese das Escrituras. A Igreja a Palavra de Deus, e, porque escuta, está obrigada a ser uma igreja que ensina".
A Igreja de Cristo tem de ser vista como uma Igreja Docente.

3. Um educador cristão não pode prescindir de um embasamento filosófico
Necessitamos de uma filosofia da educação cristã bem definida, porque um educador cristão não pode prescindir de um embasamento filosófico, cujo fundamento acha-se nas Sagradas Escrituras.

4. Temos de atuar como luz do mundo e sol da terra
Necessitamos de uma filosofia da educação cristã bem definida, porque, como Igreja Docente, temos de atuar como luz do mundo e sol da terra para impedir a degenerescência de nossa sociedade.

OS FUNDAMENTOS

A Filosofia da Educação Cristã tem como fundamentos:
1. Bíblia Sagrada.
A Bíblia Sagrada, como a inspirada e inerrante Palavra de Deus, é o livro de texto por excelência do ser humano. Sociedades e civilizações têm sido educadas e orientadas na doutrina dos profetas hebreus e apóstolos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Eis o que diz Paulo acerca do caráter educativo da Bíblia em 2Tm 3.16,17.
A Bíblia não se limita a instruir o homem; ela transforma-o radicalmente, como salienta o evangelista e teólogo norte-americano William Henry Houghton (1887 - 1947): "Muitos livros foram publicados para nossa informação; a Bíblia, contudo, foi-nos concedida para a nossa transformação".
Não podemos esquecer-nos jamais da importância da Bíblia para a Civilização Ocidental. Se hoje desfrutamos de liberdades individuais e sociais, devemo-lo à Bíblia Sagrada. Ao repensar a História, escreveu o jornalista e político americano Horace Greely (1811 — 1872): "É impossível, mental e socialmente, escravizar um povo que lê a Bíblia".

2. Tradição magisterial da Igreja.
A Igreja de Cristo já nasceu educando e transformando o ser humano. Como resultado do sermão de Pedro no Pentecostes, mais de três mil almas converteram-se ao Senhor Jesus. Nenhum curso foi tão bem-sucedido quanto àquele único e singular pronunciamento. Uma única aula presencial foi suficiente para não somente formar, como também transformar quase três mil almas (At 2.41). Que mestre jamais conseguiu semelhante façanha? O Espírito Santo, através da Igreja de Cristo, continua a educar social e espiritualmente o homem.

Que a Igreja de Cristo, pois, seja vista como a escola que prima pela excelência de seu ensino. Ela foi instituída por Deus para educar o ser humano na verdade, a fim de que este tenha um encontro experimental com o Criador. O pastor Henry W. Beecher(1813-1887) entendeu perfeitamente o caráter magisterial da Igreja: "A igreja não é uma galeria para a exibição de cristãos eminentes, mas uma escola para a educação dos incultos, uma creche para cuidar dos débeis e um hospital para a recuperação e cura dos enfermos espirituais".

3. Necessidade educacional do ser humano.
Ao popularizar o culto à natureza, o filósofo suíço Jean-Jaques Rousseau (1772-1778) acabou por criar o famoso bom selvagem. O que existe na verdade é o mau civilizado. Sim, o homem que, apesar de educado e ilustrado nos mais requintados centros de excelência, ainda conserva, em seu interior, o germe do pecado que o transforma não somente num selvagem, mas num monstro que, se não controlado, destrói, mata e pratica os mais bárbaros crimes contra a humanidade. Somente o Evangelho de Cristo pode transformar o bom selvagem e o mau civilizado numa nova criatura.

De conformidade com as Sagradas Escrituras, todos pecaram e encontram-se destituídos da graça de Deus (Rm 3.23). Ora, se o homem é concebido em pecado e por natureza deleita-se no pecado, isso significa que todos carecemos ser educados no Evangelho de Cristo. Nenhuma outra plataforma educacional, a não ser a mensagem da cruz, será capaz de transformar o homem num membro realmente útil à sociedade e ao Reino de Deus.



 
Top